sexta-feira, 21 de julho de 2017

O (Bom) Trabalho Em Curso - Meio Campo e Ataque

Antes de mais, porque o importante vem primeiro, quero desejar rápidas melhoras ao Presidente Pinto da Costa, figura maior do Desporto Mundial - nunca esquecer disto! Outros serão presidentes, mas o Olimpo das Lendas está reservado para muito poucos! Acho curioso, no entanto, que as "virgens ofendidas" que se indignaram com um inofensivo - mas sim, de mau gosto - cântico de uma claque e fizeram disso um escabeche, estejam agora alegremente a gozar com um acidente de saúde e, uma vez mais, a desejar a morte de um ser humano! Que isto fique bem sublinhado.


Voltando ao tema de ontem, prosseguimos então para o importante miolo, a "casa das máquinas", onde muito se tem visto - e muito que, para alguns, é surpreendente. Na ausência de Danilo por lesão, Mikel Agu fez a posição 6, repartida com André André, num feliz regresso ao lugar do seu Pai. Mas Agu mostrou que segue o estilo do seu concorrente natural - um médio de predominância defensiva, embora ainda com alguns defeitos de posicionamento, que também estou certo que Sérgio Conceição saberá dirimir. Agu é forte na pressão e intenso na recuperação. Em breve será um provável dono da posição - dependendo do estilo que Sérgio queira. Sim, porque André foi pressionante e intenso também, a "carraça" que já lhe conhecemos, mas naturalmente soube colocar melhor a bola na zona de ataque e foi mais rápido na criação de ataque e na dinâmica atacante. Mas Mikel é mais parede, o que não é nada mau. Para diferentes jogos, diferentes alternativas. Outro possível candidato a essa posição é Herrera, que já a fez muito bem na selecção mexicana. Voltou a entrar bem vindo do banco, melhor contra o Chivas - como todos - com uma assistência brilhante para Otávio e um par de excelentes remates. Não entendo, juro que não, a antipatia por Herrera. Tem as suas paragens cerebrais, mas bem aproveitado, por exemplo, a 6, é forte, possante e dinâmico.


Na posição 8, todos estiveram bem, uns mais outros menos, mas parece-me bem claro que Óliver conquistou o lugar, naturalmente. Contra o Chivas, então, fez 35 minutos do melhor Óliver, complementando com uma verticalidade e um assumir do comando muito inspirado, com uma alegria no jogo que já não víamos desde o tempo de Lopetegui. Essa verticalidade, a forma como pegou na bola e galgou metros, era uma das poucas coisas que faltava a Óliver. Se Sérgio - sim, dedo de treinador aqui, sem sombra de dúvida - souber reconciliá-lo com o remate... é um caso sério. A juntar a Óliver, João Teixeira e Sérgio Oliveira também estiveram em bom nível, em especial o primeiro, mostrando ser dignos de um voto de confiança para o plantel. A JCT só falta juntar ao seu perfume, intensidade e toque de bola, uma melhor definição do último passe. A Sérgio Oliveira, a única coisa que falta ver é se consegue ser consistente, uma vez que talento, remate exterior, capacidade de marcar livres e cantos - tudo coisas importantíssimas - não lhe falta. Esperemos que a maturidade tenha vindo com a melhor atitude que se lhe viu.


É no capítulo dos extremos que a porca torce o rabo. Ninguém me pareceu estar particularmente bem. Galeno, com tanta vontade de se mostrar ao mister, foi sempre sôfrego e pouco esclarecido, definindo mal e fazendo más escolhas, no capítulo da finalização ou passe para um colega desmarcado. Hernâni foi um desastre, uma vez que a altitude e o esforço físico tiram-lhe a capacidade de explosão, que é a sua principal característica. Apesar disso, acredito que fique no plantel, ao contrário de Galeno, a quem está bom de ver que deverá continuar a evoluir na B, embora com uma porta entreaberta para a A, ou um empréstimo a uma equipa da Primeira Liga. Tal como Hernâni, também a Corona não correu particularmente bem a vida. Cheguei, confesso, a esquecer-me que estava em campo. Também Corona me pareceu cansado e sem o discernimento necessário para fazer boas escolhas, na hora de rematar ou passar. De entre os extremos, apenas Brahimi me pareceu melhorar, embora o cansaço também lhe tire o drible e a capacidade de decisão. Acho que o sector deveria ser reforçado, ou aproveitar Ricardo e Layún quando fosse necessário. As soluções parecem bastante curtas. 


Na frente de ataque, acho que todos estiveram muito bem. Otávio parece muito bem como 9,5, com possibilidade de ser 10 numa variação de jogo. Excelente no apoio e combinação com Aboubakar, rápido, intenso e capaz de furar no espaço, com remate fácil e um golo de cabeça (!), dificilmente se poderia pedir melhor estreia. No entanto, também Soares esteve bem a fazer uma parceria demolidora com Aboubakar. Apesar de não ter marcado, foi rápido, ágil, rematador, intenso na recuperação e pressão, e mostrou jogar bem em tabelas e combinações (vide com Óliver e com Herrera). Mas, para mim, a maior surpresa, e quem pega de estaca, é mesmo Aboubakar. Sim, eu sei o que ele disse. Mas devo dizer que foi estranhamente deixado de lado pelos dois últimos treinadores. Abou tem o defeito de ser temperamental - no que parece ter evoluído - mas a qualidade e facilidade no remate estão lá. Uma belíssima surpresa, a fazer lembrar o início da sua segunda época. Entre ficar com eles e com Rui Pedro, ou ir comprar mais um ponta de lança, eis uma bela dor de cabeça. Por ventura não estará aqui um matador - se Abou estiver de cabeça limpa, sim - mas é sem dúvida um ataque cheio de qualidade.

Bons sinais, a confirmar domingo. Que é também dia de Cavani, o podcast, onde abordarei mais aprofundadamente esta pré-época. Para já, bons sinais. Serão confirmados? A ver, ansiosamente! 

quinta-feira, 20 de julho de 2017

O (Bom) Trabalho Em Curso - A Defesa e o Treinador

Findada que está a viagem da nossa equipa ao México, é hora de tirar as devidas conclusões e a fazer a sua avaliação. Já todos sabemos: vale o que vale, é pŕe-época, o resultado não importa para nada e, pelo menos nesta fase, as equipas, os onzes e as substituições não reflectem necessariamente as preferências de Sérgio Conceição para a época - é uma altura de testes, de tentativas, de desenhos de sistemas e dinâmicas. Bem aproveitadas, serão talvez - talvez!  - a base do que vem, mas não é forçosamente necessário que assim seja.

Ainda assim, destaco desde já o excelente trabalho de Sérgio Conceição nesta fase. O FC Porto jogou ontem numa intensidade - contra o Cruz Azul também, mas menos - e um sentido de baliza e objectividade que já não via há muito tempo. Os jogadores, na sua maioria, estão entregues e com uma vontade e uma garra muito grande. É notória a pressão altíssima e a reacção agressiva à perda de bola. É notório o trabalho de criação de dinâmicas ofensivas e combinações atacantes. É fácil de ver que, apesar da carga, há um avanço imenso em relação ao FC Porto de memória recente. Ainda não está tudo resolvido, nem lá perto, mas uma coisa é certa: já se nota dedo do treinador na equipa.

Vamos então ver, por sectores, como acho que estão as coisas. Hoje falarei da defesa, amanhã do meio campo e sector atacante.


Na baliza, Casillas continua igual a si mesmo - a classe em pessoa. Um par de excelentes defesas, a liderança e o pôr em sentido que lhe reconhecemos. Sérgio retirou-o cedo do jogo com o Chivas - não há nada a ver em relação a Casillas. É o que é, e há muitos anos. Já Sá, achei-o nervoso e instável. Não esteve seguro fora de postes, como ainda ano passado o vimos e, evidentemente, não tem oi sentido posicional de Casillas. Um ano mais a aprender com o Mestre ou ser emprestado a uma equipa competitiva e exigente far-lhe-ia muito bem. Quanto a Vaná, jogou ainda muito pouco tempo, teve zero de culpas no golo e nada que se destaque, por um lado ou outro.


Na defesa, a lateral direita tem uma qualidade estúpida, com Ricardo Pereira e Maxi em bom plano. Obviamente, o primeiro de uma forma mais ofensiva e projectada do que o segundo, mas com Ricardo Pereira e Maxi poderemos ter, sem problemas, um extremo e um lateral que resolvem completamente o corredor direito. Já na lateral esquerda, Rafa Soares está, quer-me parecer, a sofrer do mesmo mal de todos os que subiram de escalão: talvez o querer mostrar serviço não lhe esteja a deixar ser ele mesmo. Nada de cruzamentos milimétricos, nada da sua agressividade defensiva e até um estranho posicionamento comprometedor. A desmentir em Portugal, espero. Alex Telles foi um dos melhores do FC Porto nesta fase - intenso, aguerrido, veloz, presente. É o que foi grande parte do ano passado - um excelente lateral. Já Layún continua o mesmo defensivamente, mas acredito que, a ficar, possa ser bem aproveitado a extremo. Layún tem demasiada qualidade pela esquerda para ser desaproveitado.


No capítulo dos centrais, Felipe e Marcano continuam no mesmo patamar que estiveram no ano passado, com o segundo a melhorar contra o Chivas, uma vez que, contra o Cruz Azul, talvez devido à altitude, não esteve na sua normal eferverscência.  Mas neste último foi o Capitão que já nos habitou a ser: sério, sereno, mas presente e excelente no posicionamento e dobras. Indi esteve também oscilante, melhor no primeiro jogo e cumpridor neste segundo, mas ainda assim de nota positiva. Jorge Fernandes não jogou tempo suficiente para que lhe possa fazer alguma avaliação. 

A defesa, no seu todo,  pareceu-me comprometer no segundo golo do Chivas. O golo do Cruz Azul... enfim... é resultado de uma falta de entrosamento defensivo. O primeiro golo do Chivas é de anedota.

Acho engraçada a forma como os vendilhões da capital trataram os jogos do FC Porto. Continuem a tapar o Sol com a peneira! 

Não entendo como este importante assunto, também tratado pela Sporting TV, que conta com o importante trabalho de investigação de Bernardino Barros para além do supra-linkado Mister do Café, não esteja a ter a devida relevância por parte do Porto Canal e dos responsáveis de Comunicação do FC Porto. À excepção dos emails, às vezes perde-se demasiado tempo com fait divers marinheiros e que não querem dizer absolutamente nada, em vez de dar destaque a uma manobra de bastidores que será, com certeza, bastante prejudicial. Chorar sobre leite derramado não adianta nada!

Ao Capitão Ricardo Moreira, o meu mais sentido Obrigado! Capitães como este não há muitos! Muita sorte nestas novas funções no Nosso Grande Clube!


segunda-feira, 17 de julho de 2017

Porto Fashion Canal e a Areia Para os Olhos


Vamos ver se eu entendo.

O FC Porto vai de pré-temporada para o México. É recebido em apoteose. E especialmente Iker Casillas.

É uma oportunidade para matar saudades da equipa, de os ver treinar, de sentir em directo o fervor e a loucura que foi no México à chegada do FC Porto. De demonstrar em directo a incrível adoração internacional pelo nosso Clube.

Mais. Havia imperiosa necessidade de demonstrar, ao vivo e a cores, a gritante diferença de discurso e postura de Sérgio Conceição em relação ao seu antecessor.
Era uma oportunidade de ouro de galvanizar os adeptos, de deixá-los de água na boca para os próximos tempos.

A conferência de imprensa passa em directo na SIC Notícias.

Evidentemente que o Porto Canal está a transmitir em directo também e que - certamente! - terá imagens e declarações exclusivas de treinador e Corona, certo?

ERRADO! A essa hora, o Porto Canal transmitia uma jornalista a entrevistar tias saudosistas a ver o festival Marés Vivas!

Envergonhem-se, senhores! O FC Porto faz bem em voltar a tempos antigos, no hermetismo no que toca ao mercado, de procedimentos de balneário e valores de Portismo!

Mas há que modernizar-se! Não podemos continuar atrás, a milhas dos outros, em Marketing, Publicidade e Média!

Definam-se! Se é para o Porto Canal ser cor-de-rosa, há que arranjar outro canal para o Clube!

Imagem via Twitter do 92º Minuto
- Deslarguem-me, qu'eu vou-m'aeles! 
- Ahn?!
- Deslarguem-me já disse! Ponderaremos recorrer!
- O quê? Mas já transitou em julgado!
- E dai? Iremos pensar se vamos fazer coisas!
- Opá, tinhas de ter uma nova prova contundente e...
- Shhhh, cala-te, caraças! Pensas que não sei que, se reabrirem. podem investigar o que "podia ser"? Isto é só para qu'eles não percebam o barrete que enfiamos com o Carrillo e para não verem as pontes que queimamos com o Renato... Deixa estar!
- Ok....

sábado, 15 de julho de 2017

A Justa Decisão Armadilhada


Pode uma decisão certa, justa e que só peca por tardia, cheirar a esturro?
Infelizmente, sim! Esta decisão é certa. Esta decisão é justa. Esta decisão é elementar. Não houve qualquer benefício nos jogos em análise, as alegações ocorreram num ano em que fomos Campeões europeus e que tivemos connosco um dos melhores treinadores da História do futebol. A tabela classificativa fala por si.
Ainda assim, quero deixar claro que sei exactamente a que se deve isto: é uma cama, uma almofada, para criar jurisprudência para ilibar o clube do regime de acusações até no âmbito desportivo.
Mas eu já não tinha ilusões. Haveria sempre uma maneira de o fazer. É bom que a Justiça tenha sido finalmente feita. 

Mas não me ilude em rigorosamente nada

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Sugestões


Nesta altura de silly season, não há, no meu entender, matéria para conteúdo senão de pequenos apontamentos que vou fazendo no Facebook e no Twitter. Convido os leitores do blog a participar na conversa por lá. De qualquer forma, caso se justifique, continuarei a fazer post por aqui, cujo link partilharei por lá igualmente.

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Delegar a Batota [ACTUALIZADO]

Começa nova época, começam novas formas criativas de dar a volta ao problema de ter de jogar segundo regras mais justas, essa espécie de Kryptonite para as papoilas saltitantes. Como o caso dos emails, o Apito Divino, ou benficaGATE,  eis que as papoilas quiseram subir a parada e passar a subir o degrau da podridão.

Como não podem dar bandeira e controlar directamente os Padres, passaram então a controlar os Bispos: os Delegados da Liga. Sim, é verdade, já se sabia do "menino querido" Cabral, nesses preparos lindos. Mas o que está aqui em causa é uma "queridização" em larga escala: controlar totalmente os Delegados da Liga, e assim a Liga em si mesma na sua função mais prática.

Eis a Anatomia do Crime, como investigada e denunciada por Bernardino Barros e o Mister do Café. Primeiro faz-se a purga dos antigos delegados, os incómodos, os associados ao FC Porto e ao Sporting. Depois, controla-se as notas dos "novos" e "purificados" Delegados. No entanto, graças a uma providência cautelar de um dos purgados e à coragem da ex-Delegada Ana dos Santos, a classificação está a causar muito incómodo e o assunto promete.

Com tudo isto, há Delegados em situação de ilegalidade nas suas funções, com uma evidente parcialidade nas suas avaliações e relatórios e há Delegados com classificações excelentes e de topo, apesar de terem tido castigos prévios, aos quais se fez vista grossa. Como se vê, Pedro Proença mudou a dita lei, fazendo acrescentos pertinentes, só que sem efeitos retroactivos. 

Mas a cereja no topo do bolo é mesmo João Moura, com esta linda "folha de serviço". Então um membro de uma das firmas que representa o fifica no benficaGATE vai ser Delegado da Liga, ainda por cima nestas condições apresentadas aqui?! Genial! 

E, icing  on the cake, hoje cai aqui uma bombinha, bem demonstrativa do estado de coisas, ao qual a Liga reage - e bem! - assim. Até a própria Federação o faz! Não há nenhuma coincidência nem qualquer tipo de relação com a imagem em baixo.... E cá vamos, cantando e rindo. Santana Lopes fez hoje, e muito bem, uma analogia entre a vergonha do Gapgate e a presença do Primeiro Ministro e do Ministro das Finanças no galinheiro. Entretanto, o PSD, pelas denúncias e pronta reacção da Liga e FPF, retirou a proposta. Mas a Anatomia da Tentativa de Golpe está aqui.

Esta promiscuidade é a que dá às papoilas a almofada de que precisam e a segurança que sentem. Um país democrático não pode permitir destes totalitarismos seja em que área for. Uma vergonha!

domingo, 9 de julho de 2017

O Cavani Continua


Helás, temos mais um episódio do A Culpa é do Cavani, um podcast de Portistas para Portistas, feito com o Jorge Bertoccini, do Porta 19, o Silva da Tasca do Silva e este vosso amigo. Está alojado no seu site, aqui, com um som melhorado e duração (ligeiramente) reduzida. 

Neste episódio abordamos a temática da saída do Rúben Neves e o plantel como se apresenta este momento, sem deixar de, como é óbvio, lateralizar um bocadinho, como por exemplo no caso da parte que dá título ao episódio "Bruno Martins Indi vs Zlatan Crouch", que partiu daquilo que é tecnicamente conhecido como um "brain fart" e da minha "confusão convicta".

Ficou também no ar o seguinte desafio para os leitores e (espero eu), ouvintes: dizer quais são para vocês os dispensáveis do plantel e qual seria, para vocês, a duração ideal do podcast. As vossas críticas, sugestões e perguntas podem também ser dirigidas para o mail cavani@porta19.com.

Como sempre, os vossos comentários serão bem-vindos! Muito obrigado pelo interesse e por ouvirem!

O meu especial agradecimento à grandiosa Ana Guedes pela ajuda nas dicas no melhoramento do som - ainda vai melhorar muito mais, está work in progress. A Ana está nomeada para o Prémio EDP deste ano de 2017, e tem a sua obra exposta no MAAT, na mouraria. Quem puder, passe por lá. O trabalho deste génio do som é fantástico! 

NOTA: O que passou se? Então é preciso quatro firmas de advogados para tratar de emails imaginários? Meus caros, esta medida é, em si mesma, uma admissão tácita de quem os emails existem e é uma nota de culpa clara, uma vez que só ataca assim o problema quem tem medo. Mas a verdade não pertence ao #apagatudo.