quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Análise Besiktas 1-1 FC Porto - Resistir


Em primeiro lugar, é importante dizer que saíamos vivos do jogo mais difícil, no estádio mais difícil, contra a equipa mais difícil do nosso grupo. Pode custar a ouvir, certamente, mas alí está uma equipa de jogadores com tarimba, muito experimentados nestas voltas, com muita manha e maturidade, e nós somos uma equipa bem treinada, com boa vontade e muitas lesões. Essa é a indesmentível realidade dos factos. Quem a contrariar não estará certamente a ver o filme.

Ainda assim, creio que entramos bem. Creio que surpreendemos. Certamente o Besiktas não esperava que entrassemos algo organizados e proactivos, como entramos. Na primeira parte intensa e bem disputada marcamos - de bola parada como 60% (!) dos golos da Champions - numa jogada estudada plena de sabedoria, mas também fomos apanhados em contra-pé e vítimas do inevitável carrasco Talisca.

O Besiktas emendou na segunda parte, mudou o posicionamento de Hutchinson e partiu para cima do FC Porto. Aí, já foi mais complicado, Herrera sentiu-se perdido entre a missão ofensiva e defensiva e ficou partido, algures no limbo, o que possibilitou que o Besiktas dispensasse todo o seu arsenal atacante, mas também que José Sá brilhasse, quer em boas saídas, quer em defesas espectaculares. Gostei muito da postura autoritária e altiva de José Sá - mesmo na flash. E creio que já desde Baía que não via alguém sair tão bem à bola.

Também gostei muito da entrega de Brahimi e da calma e visão de jogo de Sérgio Oliveira. No meio de tanta azáfama ofensiva, Ricardo, do outro lado, teve nos pés o nosso apuramento directo, mas falhou-o de uma forma incrível, só desculpável pelos nervos ou a pressão do ensurdecedor barulho.

Aí, o Besiktas fechou definitivamente a loja, deixou de querer ganhar e nós contentamos-nos em não perder. Foi-se a história e o interesse. 

Temos o apuramento europeu garantido, dependemos só de nós para continuar na prova raínha do futebol. Mas será que quisemos MESMO ganhar? Encontraremos dia 6 um Mónaco focado na Ligue 1 e muito pouco interessado nisto, a não ser em fazer o ponto de honra. É a hora do tudo por tudo.

Não esteve nada mal, não senhor. No início do ano, ninguém iria supor. 

sábado, 18 de novembro de 2017

Análise FC Porto 3-2 Portimonense - Karma Instantâneo


Aconteceu neste jogo tudo o que temia. Entrou-se, de facto, com a mentalidade de serviços mínimos que, em bom rigor, já vi muitas vezes em muitos anos. 

A intensidade normal do FC Porto apagou-se completamente quando, aos 3 minutos, Danilo marca na sequência de um canto de Alex Telles. A partir daí, surgiu um FC Porto que não vira na era Sérgio Conceição em jogos relevantes - apático, desligado, trapalhão e confuso.

Hernâni e André André foram duas pedras inexistentes (o primeiro sempre desencontrado com a equipa, o segundo incapaz de fazer uma jogada com acerto), Felipe esteve desatento e com um passo estranho, Ricardo Pereira teve lances que nem parecem seus.

Pior, sentia-se que faltava urgência à equipa do FC Porto, aquela mesma urgência que faz com que, não raras vezes, ao intervalo já o jogo esteja bem encaminhado. Notava-se que os jogadores sentiam que, mais cedo ou mais tarde, a coisa se resolvia e, talvez pelo decisivo jogo na Turquia para a semana, ninguém quisesse, verdadeiramente, pôr o pé, para lá de Aboubakar, Óliver, Alex Telles e um muito bom Danilo Pereira.

O problema é que o jogo mastigado que teimou também em regressar na segunda parte, abriu caminho a que fosse Pedro Sá, com muita justiça, a dar vantagem à única equipa a deixar tudo em campo - o Portimonense. Karma instantâneo e matador. 

Só a partir daí foi então o FC Porto capaz de começar a reagir em termos, mas aí já entrou em jogo outro factor - o Portimonense decidiu dedicar-se ao anti-jogo e Artur Soares Dias, por acção e omissão, a inclinar o campo, quer ao não assinalar um penalti sobre André Pereira, que havia entrado, junto com um bom Brahimi para tentar pôr o FC Porto a jogar futebol. Absurdo o tempo com que se deixou fazer as substituições, absurda a forma como se permitiu a simulação de lesões e reposições de bola.

Só me pode dar vontade de rir quando os coisinhos - que jeito que dá a memória selectiva e a total falta de vergonha na cara! - ao queixarem-se do tempo de descontos e de faltas duras e por aí em diante! Afinal também falam de arbitragem, afinal também entram em delírio, que se lixe a paz no futebol!


Mas adiante. À medida que o fim do jogo se aproximava, retornava o FC Porto pressionante, sufocante e intenso, e foi então que Aboubakar e o inevitável Brahimi deram a volta ao resultado, em duas excelentes jogadas. Karma instantâneo, embalado por um fabuloso Mar Azul que fez acender a chama Draconiana e raçuda na equipa e acabar o jogo a jogar à FC Porto! 

Sérgio Conceição foi expulso pelo senhor João Pinheiro por causa de palavras (enfim, haveria quem nunca acabasse um jogo...) e creio ter sido esse o momento de fagulha que fez acender a chama.

Fica a lição à equipa. A Taça de Portugal é uma competição importante e com história , e deve ser encarada como tal. Não é ganha por decreto nem com a camisola. Fosse o FC Porto durante todo o jogo como nos sete minutos finais, e não haveria nada deste desgaste. Mas talvez esta seja a pedra de toque para próximas vitórias!

Já agora, que mau ambiente este homem provoca! É um balneário em fanicos!


quinta-feira, 16 de novembro de 2017

O Sonho Molhado do Benfasquistão


Se há algo que os últimos dias têm demonstrado com especial veemência, com destaque para a última publicação do Batalha 1893, é a forma como o poder centralista e tentacular estava enraizado nas diferentes estruturas, como a Desportiva, a Federativa, a Judicial e mesmo a Governamental.

E tinha um significado que vai para lá do próprio futebol: esperava-se transformar o mais popular clube nacional numa potência nacional dominadora, que demonstrasse a supremacia da capital do império no seu esplendor e a forma como estaria acima de todos os outros.

A verdade seria, nesta narrativa, apenas opcional, secundária e de importância relativa. Afinal, se todos os que jogassem no tabuleiro quisessem e não se importassem de perder sempre, a troco de uns berlindes e de umas saquetas de cromos, porreiro. Corria-se com o chato da província e era tudo bonito, entre amigos, a cantar o Giroflé.

Temos pena. Este sonho do benfasquistão vai ter de ficar para muito mais tarde, assim tipo a tarde do Dia de São Nunca. Sim, porque a apatridarização de uns quantos labregos lá de cima a troco de umas moedinhas de chocolate estava garantida. Davam-se abraços sorridentes para empurrar o mauzão da frente e depois, quando não importassem mais, chutavam-se bem chutados com a bota Botilde. 

É triste que este seja o estado das coisas neste momento. É horrível sentir o quanto algumas pessoas não querem mesmo saber como são tratadas e preferem estar ao lado de quem sempre os vê como inferiores. Esta guerra já teria tido outra força.

Mas se não estamos acompanhados, estaremos sós. A lutar contra tudo. A cortar molusco às fatias.

NOTA: É curiosa esta dança de entalados - um sabe que não poderia deixar o outro cair porque este cantaria como um passarinho. O outro não pode tramar o primeiro - que não perde uma oportunidade de o rebaixar e humilhar publicamente, na vã esperança que este desista - porque ninguém mais o empregaria. Curiosa, esta dança. Palpita-me que acabem os dois bem torrados.

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Não É Problema Meu...


Desde o início deste blog que venho, repetidamente, junto com muita da Bluegosfera, alertando para o facto deste estado lampiânico não se cingir às instâncias desportivas. Há muito, muito tempo, que alerto à posição do Carlinhos de Paredes e do seu minion Huguinho em relação ao FC Porto. Quem não se lembra do spot publicitário acerca do jogo do FC Porto para a Champions com imagens de jogadores do benfas?

É por isso que não me surpreende nada que tenha acontecido a vergonha que aconteceu ontem, quando um dos maiores guarda-redes História do Futebol recebeu o prestigiadíssimo Golden Foot - e enquanto projectos de guarda-redes e outros na reserva davam conferências a dizer que o puto quer ser o "melhor do mundo" - a legenda da reportagem tenha sido "Suplente Premiado".  Suplente Premiado. O coisinho alí da esquina que foi receber ali um bocado de lata.

Evidentemente, Iker Casillas sofre do problema de vestir as cores erradas. Afinal, ao tempo que Júlio César está no banco, atrás de um miúdo que ainda precisa de Clerasil, e não há problema algum. Mas a questão não é Iker. Iker está-se positivamente a borrifar para isso. A questão está na forma triste e comezinha como a televisão do Estado se submete e propagandeia a ideia de que Portugal é Lisboa e o resto é paisagem. Basta ver os oradores de futebol do WebSummit: o presidente da Liga, os dois guarda-redes do benfas e um membro da SAD e o presidente do sportem. Elasse, nada do mais titulado campeão português internacionalmente, bicampeão do mundo de clubes e vencedor de Ligas Europa e Champions Leagues. Ah, e actual primeiro classificado da Liga Portuguesa, isolado. A imagem que dá ao mundo é triste, estranha, um pouco paradoxal e confusa.

Também a questão de Fernando Madureira só surpreende quem não vê o apoio explícito e implícito que o IPDJ dá às claques - sim, são CLAQUES - do benfas, e a forma como ignoram ASSASSINATOS e EXULTAÇÕES PÚBLICAS do mesmo. É, afinal, muito fácil castigar o líder de uma claque legalizada e ser, uma vez mais, ridículos na ejaculação precoce com que o fazem. Naturalmente, Madureira irá recorrer e, muito provavelmente, dirimir os pífios argumentos que levaram ao seu castigo - especialmente porque ele não pode ser pessoalmente responsabilizado por algo que não fez e que até, por mau gosto que tenha, seja parte do consagrado direito da liberdade de expressão.

O que me surpreende e revolta é a apatia e ausência de reacção da Estrutura Directiva do Futebol Clube do Porto em relação aos dois assuntos, quando até blogues afectos ao sportem  reagiam a este absurdo do castigo a Madureira face a um sepulcral silêncio oficial do FC Porto e uma apatia total em relação ao caso do "Suplente Premiado" que ainda nos faz parecer mais trengos e parolos. Se a Lenda Viva que temos no nosso plantel não vê o seu bom nome defendido pela Estrutura Portista, como esperar que os media deixem de nos tratar da forma que tratam

Afinal, bem vistas as coisas, e ao contrário da CMTV com o sportem, continuam todos a ser bem recebidos no Estádio do Dragão e na Sala de Imprensa, incluindo Anti-Portistas primários....

Se ao menos quem nos dirige tivesse metade da garra dos que estão em campo....

terça-feira, 7 de novembro de 2017

O Drama Centralista da Ejaculação Precoce


Pois é, anda tudo numa fona pelos lados do epicentro do mundo, ou seja, a segunda circular. Voltou o "papão pacóvio" no seu melhor - desdobram-se em declarações e comunicados sobre Vales Tudos e companhia, sem nenhum toque de ironia, nem sequer pestanejar, falam de penaltis sem olhar em causa própria, desdobram-se em declarações sobre invasão de vida privada, e têm ejaculações muito precoces quando ouvem a palavra "buscas" e o termo "FC Porto" na mesma frase.

De nada interessa o facto de que isto não têm a ver com o FC Porto, mas sim com o Marselha, e que o FC Porto está, meramente, a colaborar. De nada importa que se adultere, pela enésima vez, a verdade sobre os factos e a sua importância: numa altura em que o Al Carnidão tem a pior performance de sempre da Champions, tudo serve para fazer misdirection - seja os tempos de utilização de jogadores, seja as hipóteses de renovação ou não de jogadores, seja colaborações noticiadas como se fossem prisões, o rapid fire man está lá batido.

Até no lado das terras dos Viscondes de Alvaláxia, uma vez que o comboio se vai afastando - é ainda muito cedo para se tirar conclusões  - se começa a apontar as espingardas a Norte. Afinal, não somos os coitadinhos que se esperava e toca a falar do FC Porto. Curiosamente, viu-se o quanto o seu Ratazana de Lança ficou lixado quando, prontinho que estava para ejacular precocemente, teve os seus queridos da segunda circular a fazer pior - e lá se foi a moral para falar.


Por último, enquanto o maior frangueiro da Champions deste ano dá conferências na WebSummit - vá-se lá saber porquê - o multi titulado guarda-redes do FC Porto, Iker Casillas, ganhou o prémio Golden Foot. É verdade, uns vivem na Terra do Nunca, a construir fumaça, outros vão efectivamente conquistando coisas de valor e trabalhando para chegar aos objectivos.

Sempre foi assim. Sempre será. Continuem a ejacular precocemente. Será sempre sinal que incomodamos. E assim, teremos a certeza que somos melhores.

domingo, 5 de novembro de 2017

Análise FC Porto 2-0 Belenenses - Vertigem de Querer Vence o Cansaço


Depois de uma fantástica vitória frente ao Leipzig, da lesão de Marega e da fadiga de Corona, estava no horizonte o encontro com o muito bom Belenenses do nosso - meu, pelo menos - querido Domingos Paciência, que, é bom que se diga, vinha numa forma melhor do que a do fifica e do sportem, e está agora num mui honroso sétimo lugar, mesmo após ter perdido. 

Assim sendo, Domingos foi inteligente, soube aproveitar as fragilidades do modelo do FC Porto, jogou na expectativa tentando aproveitar o natural adiantamento, a falta do pêndulo Danilo  e jogando em contra ataque rápido. Sim, ele tem razão, pode queixar-se de falta de eficácia.

Mas do outro lado teve o FC Porto 2017/2018: rápido, intenso, pressionante e mandão. E assim, não é surpresa que, no primeiro terço do encontro, só tivesse dado FC Porto. Não houve critério na decisão final, faltou sabedoria na criação da jogada, enfim, maior clarividência na área e perto dela.

Mas o golo de Herrera é justo, não só pelo domínio, como pelo jogador, quie continuou a encher o campo com bons pormenores, intensidade e transporte de bola

Sim, a vertigem continua lá, a velocidade quase frenética e o querer estão lá também.

Na segunda parte o Belenenses cresceu, em virtude do nosso cansaço, naturalíssimo em virtude de tal intensidade mais que frenética que causa a sua mossa, e houve, aqui e ali, sustos bem derimidos por um apoio defensivo forte e por um cada vez mais seguro José Sá. Aquando da entrada de Corona e depois de Sérgio Oliveira e Galeno, regressou muita da frescura e o 2-0 natural (que jogada de Herrera, que bem feito por Galeno e que finalização de Aboubakar!) selaram um encontro, onde a justa vitória nos deixou muito líderes - mas justamente também.

Não posso deixar de destacar Diego Reyes, muito bem na sua função de trinco (não tão bem como Danilo, mas até com melhor saída de bola e bom posicionamento) e infelizmente, porque sou justo, Felipe tem mesmo de descansar: há motivos para penalti e a falha de posicionamento em vários lances deixou-me preocupado.

Felipe, ixnay on the Beckenbaueriae! 

Uma última nota: melhor FC Porto goleador dos últimos 50 anos. Mas também com muita, muita sorte. Sem critério e definição no meio campo, sem pausas e momentos, vai-se o equilíbrio. Mas este é o futebol de vertigem que todos parecem amar, verdade? 

Dizem que a sorte protege os audazes. Pois que assim continue. Quod me nutrit me destruit. Ou então não. Ou então a raça e o querer vencerão. Apostemos na segunda.

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Análise FC Porto 3-1 RB Leipzig - Vitória Na Marra Embalada Pelo Querer


É nas grandes dificuldades que se vê a grandeza dos grupos, e este grupo do FC Porto de Sérgio Conceição é realmente um grande colectivo, cheio de união, amizade, amor e querer. A análise dos lances vai ser feita ad nauseaum, portanto vou concentrar-me noutro aspecto: só mesmo um FC Porto à Porto pode reagir desta forma a um puxar de tapete tão cedo.

Aqui ninguém baixa braços, ninguém precisa de "derrotas vitórias morais" nem de tirar o bom do mau - não nos descansamos enquanto não lá chegamos. Em Leipzig tínhamos ficado com um amargo de boca. Os primeiros 50 minutos faziam prever o pior. Então que fizemos? Fomos à luta.

O FC Porto - apoiado inequivocamente pelo Mar Azul - foi para cima do adversário e soube arrancar-lhe a vitória que soube por fazer merecer. Nem lesões, nem inversões de tendência, nem alterações de resultado nos deixaram melindrados.

As pernas não tremeram quando Maxi, que não jogava há uma porradona de tempo, atirou ao canto esquerdo e fez repousar a redondinha na rede de golo da baliza do RB. Foi assistido soberbamente por Aboubakar. Mas antes foi embalado por um Mar que soube sempre acreditar! Notável!

Saímos do Dragão todos rotos, alguns lesionados. Outros cansados. Afinal, era mais uma final. Estivemos à altura.

Esta pressão faz diamantes. Este grupo faz vitórias. à pressão. Na garra. Na marra! Rumo ao apuramento! 

Na Europa do futebol, só uma equipa escreve uma página digna. Essa equipa é o FC Porto!


domingo, 29 de outubro de 2017

Análise Boavista 0-3 FC Porto - Feio, Porco e Muito Mau


Noite quente de Verão, em pleno Outono, em vésperas de Novembro, casa compostinha no Estádio do Bessa, onde tive a felicidade de estar, em excelente companhia. A bancada coiso (Norte, Sul? whatever!) dos Dragões completamente cheia de um imenso e assoberbador Mar Azul, a abafar por completo as gentes da casa.

Derby da Invicta, portanto, com todos os ingredientes para ser aquilo que sempre foi - aqui não há solidariedade, apenas rivalidade. À antiga. Sem amor algum. 

Entrada má - Sérgio Conceição acabaria por concordar - da equipa em campo, sem conseguir construir a partir de trás, com um jogo directo perdulário e a funcionar em reacção, em virtude do maior povoamento do meio campo boavisteiro e de uma entrada perdulária e de vistas curtas por parte de Herrera e de Danilo. Mais uma vez se sentiu o fantásma de Leipzig, mais uma vez se viu uma equipa com muita vontade e pouco tino, ainda assim comandada pela batuta de um Brahimi absolutamente endiabrado e imparável. Mas até foram mais as investidas e consequentes oportunidades do Boavista, tendo havido até uma excelente defesa de José Sá a um remate que daria golo. Terminaria, pois, a primeira parte com um ascendente da formação da casa que se entendia, dado o pouco povoamento do meio campo.


Segunda parte com a atitude corrigida, um FC Porto um pouco mais consistente e subidinho, e cinco minutos volvidos, o golo. Excelente jogada de envolvimento e de variações, com Aboubakar, qual Jackson, a descer e a fazer o tal povoamento que faltava, bola à direita para Corona, cruzamento para Brahimi, cruzamento rasteiro para a finalização de Abou. Assim explodia o Bessa, da acumulada tensão de um jogo rasgado, agressivo e nem sempre bem jogado. Aos 70 minutos, Sérgio reage aquilo que era óbvio, o despovoamento do meio campo, com a saída de um bom Corona, que antes tinha visto o filme do ano anterior repetido (ver nota abaixo) e a entrada de André André. Isso permitiu a Herrera a subida no terreno e, consequentemente, passado pouco tempo, depois de passe de André André, cruza para o golo da tranquilidade, por Marega, sempre com um óptimo sentido de oportunidade que lhe é característico. Passado cinco minutos, o mesmo AA serve Brahimi para o seu merecidíssimo golo. Assim, acabava a partida, com um resultado muito superior à qualidade do jogo demonstrada. 

Não gostei que SC não tivesse visto mais rápido o que toda a gente conseguia ver. Se conseguiu o primeiro golo, foi por um conjunto sólido e unido - que sim, é mérito dele. Mas não posso dizer que aprecie este futebol de vertigem, sem verdadeiro controle ou jogo pensado, mesmo com mais um homem a povoar o meio campo. Vejo nele um potencial para o erro que não parece despiciente. No entanto, não se pode contrariar um dos melhores arranques de sempre do Futebol Clube do Porto. Uma vez mais, adoro não ter razão.


Claro que tudo isto seria mais fácil, não fosse a ridicularia que foi a arbitragem de Hugo Miguel. A forma como foi sempre sendo "pedagógico" com os jogadores do Boavista enquanto ia varrendo de amarelos estúpidos os jogadores do FC Porto (Marcano por protestar, quando todos os jogadores do Boavista o fizeram múltiplas vezes, Corona por uma entrada absolutamente normal, Herrera por nem tocar em lado nenhum, só para dar exemplos) mostra o verdadeiro cabeça de falo curto que alí vai. Mas para os livros vai mesmo o amarelo a Aboubakar por... ousar ir festejar para dois lados do campo, como se pode ver nesta imagem em cima, ao passo que um jogador do Boavista quase arrancar, pelo segundo ano consecutivo, a perna a Corona não deu mais que um amarelito, quando deveria ter sido um claríssimo vermelho.  

O amarelo a Abou é, em si mesmo, a explicação e a demonstração do porquê do nosso campeonato ser o que é, em termos de intensidade, velocidade e apelo ao exterior. Com arbitragens destas, tendenciosas e vaidosas, não sairemos nunca da cepa torta!

Por último, adorei ouvir Simãozinho, o lambidinho, projecto falhado de Mourinho, a dizer que aquilo tinha sido tudo dele e ele é que tinha falhado nas substituição. Não, lambidelas, tinhas de arriscar porque senão perderias na certa. Nós é que fomos demasiado fortes para ti. Apesar de te permitirem tudo. Continua assim que vais bem. 

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

O Duro Derby


Está, então, terminado o "caso Casillas". Sérgio Conceição foi, como homem de grande carácter e frontalidade, capaz de admitir uma conversa com Iker Casillas sobre aquilo que ele queria ver mudado na sua postura nos treinos "até em período de selecções". Era, então, uma questão, realmente, técnica. Deixou ainda a entender que voltou a ver empenho por parte de Iker e que este estava em condições de "lutar pela titularidade" com José Sá e os outros guarda-redes do plantel. 

Para mim, não restam dúvidas, então, que nos próximos jogos Casillas estará de volta ao seu legítimo lugar - entre os postes. 

Tem, naturalmente, razão SC de exigir o mesmo empenho de todos os atletas e deixar claro que não há filhos e enteados dentro do mesmo. Óptimo. Em rigor, não contesto a justiça ou mesmo o direito a essa decisão - é plena. Contesto, provavelmente, o timing da mesma, mas nada mais.  Qualquer posição no onze titular tem de ser fruto de mérito, empenho e esforço, nada mais do que isso. Nada de estatutos ou lugares garantidos, seja para Casillas, seja para quem for. Fica claro que assim é. E isso só pode ser uma boa notícia. Ser uma meritocracia traduz qualidade nas opções e empenho nos jogadores.


Com isto, amanhã estaremos a jogar o derby da Invicta, sempre duro e rasgadinho, com o conjunto Boavisteiro a ser, a esta altura, treinado por Jorge Simão, que tem sempre alguma coisa a provar. Como vamos ser arbitrados pelo "querido" Hugo Miguel que, entre outra coisas, foi o autor da expulsão de Brahimi em Braga... já sabemos que a inclinação costumeira continuará a acontecer. Mas o FC Porto, que desta vez jogará depois de saber o resultado dos seus concorrentes directos, tem tudo para trazer da Boavista os 3 pontos e seguir em frente na sua marcha até à avenida dos Aliados, em Maio próximo.

Esperam-se 8000 pedaços do Mar Azul nas bancadas, o que demonstra o tamanho do apoio que o FC Porto continuará a ter.

Se alguma coisa estes últimos dias, com as todas de posição de que falei no post anterior aconteceram, demonstra, é justamente o quanto é importante nunca perder os 3 pontos. É uma situação ingrata, indigna e estúpida, sem dúvida. Será, no limite, insuportável, talvez. Mas, se outros têm latitude e ajuda - ás vezes, meramente cumprindo as regras - por parte de quem gere, essa questão não cabe na vida Portista. É ganhar ou ganhar, ou então ficar irremediavelmente para trás. Porque estamos contra tudo e contra todos. Não temos latitude para rigorosamente nada.

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

O Dilema da Carica e a Demonstração do Poder


É o velho dilema da carica... esta taça tem uma espécie de kryptonite no FC Porto... não ganhamos há uma série de jogos e fazemos exibições miseráveis, sempre baseadas no mesmo erro. As equipas não têm entrosamento e as opções contrariam toda a lógica de quem quer encarar a competição a sério. Assim sendo, o 0-0 final não surpreende. Não me vale a pena discorrer muito sobre os jogadores. Prefiro dizer, isso sim, que se se quer vencer esta competição, tem que se encarar a mesma como tal. Não pode ser ofensivo que se comece primeiro com um onze forte e entrosado - ou pelo menos a maioria do mesmo - e depois se vá rodando peças quando a ocasião se demonstrar útil. Assim, não vamos lá.

Gostei de Felipe a capitão, gostei de Reyes e claro, continuo a achar a relegância de Óliver para fora do onze um escândalo. Pelos vistos não sou o único. E ainda estou para perceber porquê.

Ao mesmo tempo, hoje foi um triste dia, em que o Presidente da Federação Portuguesa de Futebol foi à Assembleia da República mundo de SMSs que fazem crer que as ameaças e as escutas sobre si vêm de pessoas... do Norte e, claro, deixa no ar que possam ser Portistas. O senhor Fernando Gomes sabe que tem de apoiar o sistema para chegar onde quer chegar. A sua fome de poder fá-lo renegar as origens, como bem escreve o grande Rui Valente. Na mesma lógica, numa clara demonstração de poder e corrupção, as declarações de Luciano Gonçalves e de Pedro Proença demonstram bem que o status quo  está muito bem para doutas personagens e que a percepção internacional da anedótica corrupção desta liga não interessa rigorosamente para nada. É neste ambiente em que micróbios como o senhor Meirim podem viver e replicar-se. E tomar decisões destas.

O Polvo está forte e tentacular. Esta vai continuar a ser uma dura batalha. Porque agora estamos fortes em campo. Mas... e se não estivermos? Seremos engolidos!


terça-feira, 24 de outubro de 2017

A Culpa é do Cavani - Mjölnir


Um episódio particularmente bem disposto do Cavani, como seria de esperar depois da badocha vitória frente aos Lenhadores de Ferreira. Incursões sobre os bons valores da B (já repararam que somos o único podcast no Mundo que cobre o FC Porto B? UM ORGULHO!), ainda o duo Sá/Casillas, o VAR, o Etebo, o trailer do Thor: Ragnarok e o potencial problema do Herrera com sotaques e com preservativos. Anteviu-se também o jogo contra o Leixões e regressou a rubrica fixa, desta vez com o “Worst Of” dos defesas direitos, com duas eleições de enorme nível para o mérdite (era zénite mas em merda. carry on.) do futebol portista. 

E inaugurou-se o trema nos nomes de episódios. Um trema. Só para verem a elite que aqui fala.

Quem quiser continuar a ouvir pelo site, tranquilo, é só usar o leitor que está embutido no post de cada episódio. Quem ouvir usando uma app, seja iTunes, Podcast Addict, Pocket Casts, Podcast Republic ou tantas outras que por aí andam, pode encontrar o Cavani aqui:

Feed RSS: http://aculpaedocavani.porta19.com/feed/mp3/
iTunes: https://itunes.apple.com/pt/podcast/a-culpa-%C3%A9-do-cavani/id1276400376 ou através da store
YouTube: https://goo.gl/QH46Ux
PlayerFM: https://player.fm/series/a-culpa-do-cavani-1512907
Stitcher: https://www.stitcher.com/podcast/jorge-bertocchini/a-culpa-e-do-cavani

domingo, 22 de outubro de 2017

Análise FC Porto 6-1 Paços de Ferreira - Ópera à Moda do FC Porto


Noite fresca no Dragão, 40 mil nas bancadas, expectativa após o desaire em Leipzig, saber se tinha ou não um FC Porto à moda antiga. Obviamente, sorri largamente quando me pareceu ver o fantasma de Bobby Robson, de polegar levantado, atrás da baliza, logo a seguir ao golo de Ricardo Pereira, felizmente regressado, com uma exibição soberba. Adivinhava-se, tão cedo era marcado o golo, que o FC Porto estava ali para demonstrar algo.

É certo que uma nuvem negra chegou a assombrar - Herrera fez um passe à queima e Whelton aproveita para marcar um golaço à Hulk, no meu entender, absolutamente indefensável para José Sá.
Notou-se, infelizmente, algum nervosismo nos minutos seguintes, só que o seu colega de sector Felipe resolveu dar-lhe um bom bálsamo, na forma de um excelente golo, e dar descanso ao seu guardião. Também é curioso que após essa altura, exorcisou-se o Herrera do corpo de Hector Miguel, que arrancou para uma boa exibição, estando em todo o lado do campo e imprimindo a velocidade demolidora para que os seus colegas da frente se exibissem em todo o seu fulgor.

Assim foi. Brahimi e Marega pegaram no testemunho e partiram a loiça toda com golos e oportunidades, jogadas e combinações de encher o olho. 4-1 no fim da primeira parte, goleada das antigas, um jogo brilhante e muito bem conseguido de toda a equipa, a lavar-se do desnorte alemão com classe e imposição, à qual um Paços que até tentou, nada conseguiu fazer para contrariar. Pelo meio, ainda houve alguma esperança pacence, mas fez uma excelente defesa em voo e desviou para canto, socando o dito para lá de Bagdade. 

A segunda parte trouxe, ao contrário do que se faria supor, mais da mesma toada agressiva e dominadora que se tinha visto na primeira parte, desta vez com Jesus Corona a fazer as delícias e as honras da casa. Felipe ainda viu um golo (bem) anulado, mas nada iria estragar a festa de golos do Dragão. Estava restabelecida a ordem natural das coisas e a distância devida para os nossos adversários. Em estilo, com classe. E também um recorde. 5 goleadas em 5 jornadas no Dragão. Que mais se pode querer?


Não deixa nunca de ser normal nunca é o daltonismo inverso que sofrem os árbitros em relação ao FC Porto. Fábio VARíssimo não viu esta mão ostensiva - um enésimo penalti - que retirou o merecido golo a Yacine Brahimi. Normal, diriam uns. Anormal, digo eu. Até quando? Sim, é certo, cumprimos a máxima de que fomos muito melhores e assim ultrapassamos os "erros" da arbitragem, mas é por estas e por outras que o nosso campeonato é uma anedota, e há quem muito se esforce para manter o status quo. Escavando e escavando até que a nossa liga chegue às últimas da Europa. Desde que se salve o regime...

Por mim, porque os elefantes matam e eu não quero morrer hoje, achei a exibição de Sá normal para as circunstâncias. É o guarda-redes do meu Clube. É quem o treinador escolheu, é quem eu defendo. Acho que Casillas é muito melhor e experiente. Sim. Critico a decisão do treinador, que considero errada? Sim. Deixo de apoiar a equipa, jogadores e treinador? Nem pensar. O treinador faz as suas escolhas, é responsável por elas. Reconheço em Sá talento. Não tem experiência? Não. Poderíamos jogar com essa enquanto por cá a temos? Claro. Está na hora de mudar de Clube? Nem pensar! Quem decidiu, está decidido. A partir daí é com o treinador e equipa. Eu só vim aqui ver a bola! E que feliz que eu estou com isso!


quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Análise RB Leipzig 3-2 FC Porto - Das Opções Técnicas


Tenho lido as análises daqueles que se antecipam sempre a mim nas suas crónicas ao jogo, e muito me espanta que não comecem pelo principal. A análise à substituição de Casillas não se pode cingir à capacidade técnica, embora também possa. Deve ser vista de uma forma profunda, porque pode - embora não deva! - ser um triste ponto de inflexão nesta equipa.

Ponto primeiro. José Sá é o menos culpado de tudo isto. Nem sequer vou analisar o seu jogo. Era, lamentavelmente, o esperado. Sá não tinha feito qualquer jogo na primeira liga e foi lançado contra a mais mortal equipa do nosso grupo. José Sá cometeu um erro?  Estava nervoso, estava sem ritmo. Era o mais provável.  Sérgio arriscou com Sérgio Oliveira e venceu. Contra as probabilidades. Desta vez perdeu.

Não vou destacar as qualidades técnicas de Casillas - é um dos melhores guarda-redes entre os postes DA HISTÓRIA DO FUTEBOL. E isso tem de bastar.  Falo do principal, daquilo que é o mais complicado. Iker Casillas é o de facto líder deste grupo. Já aqui falei várias vezes da braçadeira. Mas uma coisa é certa, com e sem ela, é evidente que se nota e muito as suas orientações, a sua voz de comando, o seu gravitas que dá confiança e rumo à equipa.

Sérgio Conceição resolveu retirar isso à equipa por opção técnica! Os jogadores pareciam umas baratas tontas, sem saber o que fazer? Pois, naturalmente! Sem liderato, qualquer equipa se torna banal! A única coisa que justificaria a saída de Casillas seria uma lesão! E digo já, não acredito que Casillas tenha desrespeitado SC, uma vez que a experiência assim o dita. Se não é lesão, é uma jogada tosca de poder que saiu completamente furada.

Vai Sérgio a tempo de a rectificar? Sem sombra de dúvida! Sábado, Casillas na baliza. E pronto, siga. Qualquer outra coisa, é teimosia. 

Mas nem só dessa opção surge a perplexidade. A substituição de Ricardo Pereira por Layún foi outra furada. Layún fez um jogo pavoroso e nervoso. Continuo sem perceber a opção.

Naturalmente, não basta estes erros para justificar a derrota. O Leipzig é uma equipa forte, rápida e bem trabalhada que engoliu literalmente o nosso meio campo - e não, não é no meio de um jogo frenético que Óliver iria fazer grande coisa, embora se tenha notado naturalmente uma melhoria, ainda que ligeira - e fez do ataque aquilo que quis.  E depois, porquê tirar um Brahimi que estava a lutar bravamente com tudo o que tinha,  por Corona,  e deixar em campo Marega que, claramente, não estava fresco? Estas opções técnicas! Difícil de entender!

Se o nosso plantel não é vasto, chega de golpes de asa! Os melhores têm de jogar, e cada coisa a seu tempo. Esta saiu mal, Sérgio. Vais a tempo de a rectificar. Nada está perdido neste grupo de doidos, onde um Besiktas poderoso - quem diria! - foi o único a ganhar sempre. Ganhar grupo? Sem dúvida. Powerplays? Esquece!

domingo, 15 de outubro de 2017

Lavagem de Regime


"M'espanto às vezes, outras m'avergonho.", dizia Sá de Miranda no seu poema Quando Eu, Senhora, Em Vós os Olhos Ponho. E é assim que eu me sinto, algures entre o riso e, confesso, algum embaraço, quando neste regime papoilar me vejo. Ontem o benfas parece que fez um jogo pavoroso contra o Olhanense, honroso terceiro classificado do Grupo E do Campeonato de Portugal, onde venceu por um macérrimo 1-0. Diz quem viu que o Olhanense se bateu muito bem e esteve várias vezes para empatar. 

Curiosamente, ontem já houve relato na rádio pública deste extraordinário jogo, uma vez que ficou clara a óbvia utilidade pública do mesmo. Sim, porque não houve no caso do nosso jogo, uma vez que por simples critério editorial a Antena 1 resolveu não relatar o jogo. Não se pode dizer que seja surpreendente. Quem tem estômago para ouvir os Grandes Adeptos  - só tenho quando o benfas perde, Telmo Correia é insuportável - consegue facilmente perceber o dito "critério": dar primazia ao benfas e sempre, mas sempre, tratar de o agigantar. 


Não funciona grande coisa, porque a realidade não se agiganta com a lavagem, como bem comprova o GIF em cima. No entanto, nunca poderemos deixar de comendar o esforço dos cartilheiros, que sabem que a memória é uma coisa volátil e que não há nada melhor para a confundir do que a substituir por outra. As capas dos jornais do regime falam por si próprias. No entanto, são apenas um Placebo com um efeito secundário ainda mais perverso - o de poder criar a ilusão de que as coisas são como parecem. Assim, fica-se contente com este estilo de coisas, e esbarra-se contra a parede.

"Só erra verdadeiramente quem erra pela segunda vez", dizia Confúcio. Não há dúvida quem esteja a aprimorar o errar como uma verdadeira arte. Pois que assim continuem!

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Goleada Natural de Um FC Porto Respeitador


Foi um FC Porto a respeitar o adversário, este que hoje jogou no Estádio do Restelo. Nada de facilitismos, nada de desacelerações. Foi um FC Porto embuído do mesmo espírito dominador e agressivo, aquele que começou o jogo. Bem movido e orientado pelo maestrinho Óliver - embora continue a enorme pecha de falhar golos feitos! - foi um FC Porto a atacar de todos os modos e cambiantes, o que se exibiu por uma massa Portista bem composta de 4000 e os eborenses possíveis.

Esta imagem de cima ilustra bem o quanto Sérgio soube sentir para que servem estes jogos. Diogo Dalot realizou um sonho e vestiu a pele que sempre quis. desde criança. Mas não sem mérito! Dalot mostrou que está aqui para ser facilmente integrado na equipa principal, teve pormenores de imensa classe e a garra e capacidade física para poder ser opção. Além deste, também Galeno mostrou toda a sua classe e técnica e o quanto pode dar a esta equipa. Há muito futebol naqueles pés, e até Hernâni marcou um golo "puskeiro".

Principalmente, foi bom de ver que, de facto, ninguém fica para trás nesta equipa, que todos têm o seu espaço e oportunidades, mas principalmente que todos querem mostrar-se ao treinador. Do outro lado, o Lusitano até foi uma equipa intensa e forte, com alguns bons pormenores e até com alguns jogadores com boa técnica. 


Não poderia terminar este post, sem abordar o ridículo que são os média tugas! Esta imagem serve apenas de corolário para aquilo que foi o funeral feito pela SportTV durante todo o jogo. O desalento nas vozes destes senhores era patético. Eu sei, o nacional-ficabenismo está de feridas expostas, com a nega da providência cautelar, com a demonstração cabal da sua fragilidade quando não protegidos, mas o que é demais é moléstia!

A Antena 1 não difundiu o jogo, a TVI aponta lances falhados mas esquece-se dos golos, todo um festival. Meus caros, hão de ter muito que penar. Este FC Porto abrangente e profissional veio para ficat!

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

O Meu Coração Volta a Bater


Estamos de volta à bola rolando sobre a relva, e volta a minha vontade de fazer posts. Desde já, começo por agradecer a quem visita este espaço, mas estou cada vez com mais vontade de falar dos meus e menos vontade de fazer dos outros. Certamente que os assuntos são graves, mas há muitas frentes de batalha - como o excelente Batalha 1893, no qual me revejo completamente - e blogs de indefectíveis amigos, como o caso do Vila Pouca, que nunca deixam de, fervorosamente, comentar todos os assuntos extra FC Porto com a mesma cadência e discurso que eu teria, por isso, ao lê-los, subscrevendo-os, sobra pouco espaço - e relevância - para fazer o mesmo de maneira aproximada.

Estou, sim, cheio de vontade de ver os meus miúdos de volta com o Lusitano de Évora. Em mais uma excelente conferência de imprensa, bem ao seu estilo, Sérgio Conceição também já disse tudo, mas aqui não me importo de repetir: a única forma de respeitar um adversário é tratá-lo como qualquer outro. Para os eborenses será, sem dúvida, o jogo da sua vida, e vão dar tudo o que têm para seguir em frente, e qualquer atitude que não seja a de encarar o jogo de igual competente forma poderá ser um desastre. A Taça de Portugal tem um contexto histórico importante, seria um título muito relevante no nosso palmarés, e deve ser encarada da forma séria com que todos os Portistas a vêem. Não duvido que assim seja.

Dadas as circunstâncias da chegada tardia das selecções por parte dos mexicanos - ver a conferência de imprensa - e de Maxi só ter chegado de tarde, avistam-se muitas alterações, mas acredito que jogarão aqueles que, fazendo parte das opções regulares, estão parados há quinze dias e precisam de rodagem. Uma péssima notícia é a de nova lesão de Soares, que nos retira novamente opções cruciais numa posição onde já não abundavam. No entanto, a renovação de Aboubakar, ainda para mais nos moldes em que ocorre, só pode encher um coração Portista de esperança e felicidade. Abou comprometido e motivado é uma máquina goleadora. 


Fernando Gomes confirmou-o hoje - cumprimos o fair play financeiro. Fizemo-lo, naturalmente, aproveitando toda a latitude dada pela UEFA. Soubemos preservar o grupo de trabalho e vender mais ou menos cirurgicamente - a venda de Rúben, ainda mais neste contexto agora vigente, seria cada vez mais discutível, mas no entanto é Totoloto à segunda feira - soubemos ainda mostrar que conseguimos ficar abaixo da linha. Não resolveu os problemas, longe disso, mas ajuda a melhorar a questão.

Onde eu não gostei do discurso, foi na parte em que Fernando Gomes parecia estar a apontar uma qualquer responsabilidade exógena inexistente para o estado a que as contas do FC Porto chegaram. Se Fernando Gomes foi o último a chegar, o Presidente do FC Porto está lá há tempo que chegue e sobre para que este discurso não faça sentido. Estar aqui no passa a culpa não ajuda nada, mas um pouco de assunção da responsabilidade própria não ficava mal. Fica a nota. Sigamos no bom caminho! 

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Sporting 0-0 FC Porto - Um Travo Agridoce Num Excelente Jogo

Há muito tempo que não sentia o meu coração bater com esta ansiedade positiva antes de um Clássico. Afinal, o Estádio de Alvalade (ou Alvalade XXI ou Alvaláxia ou whatever) é sempre uma espécie de um triângulo das bermudas Portista, onde quase tudo acontecia. Roubos de igreja, banhos de bola, banhos de táctica, tudo a um cento.

Foi, portanto, com muita alegria que vi a primeira parte Portista naquele estádio, dominadora, mandona, sufocante e açambarcadora. O jogo era nosso e as oportunidades também. Brahimi estava um ás, Aboubakar arranjava espaço onde não havia, Marega, como sempre, levava tudo na frente. Mas, ainda mais do que isso, Herrera estava muito, muito bem, na luta, na pressão, na intensidade, na verticalidade, a criar e a fazer crescer a equipa.

Lá atrás, Alex, Marcano e Felipe faziam aquilo que é costume, ou seja, travar tudo que viesse por água, terra e mar, com a ajuda de um surpreendentemente entregue Miguel Layún. Casillas era, a esta altura, um mero espectador, tendo apenas que repor bolas em jogo e fazer defesas simples e gritar "fuera!" em tudo o que era cantos.

Do outro lado, o Sporting fazia aquilo que podia com o - muito! - que tinha. Só que esteve completamente manietado, castrado, fechado. Sérgio fazia uma chave de braços a Jorge Jesus. Apenas e só a sorte nos impedia de dar uma goleada aos verdes.

A sorte e São Patrício, qual Iker no galinheiro. Impressionante, deveriam impedir imanes nas luvas, carago! Não me parece justo! 


Chegava a segunda parte e a energia e a intensidade monegasca batiam à porta. Aqui Jesus esteve melhor do que Sérgio. Falharam as pernas a Herrera, a Brahimi, a Aboubakar e a Marega. Sérgio tardou a substituir os três primeiros. Jesus tirou um incipiente Bruno Fernandes e pôs um aguerrido Bruno César, trocou as voltas às extremidades e foi rodando a posição de um William - que deveria ter visto um vermelho que abriria espaço para a justiça no marcador. Sérgio pôs Otávio - que acabo, hoje, por perceber, mas que uma vez mais não aproveitou a oportunidade para adequar o seu imenso talento à equipa, perdendo-se em iniciativas individuais que não ajudaram nada. Mas o maior erro foi deixar Abou tempo demais e ter o Tiquinho pouco tempo em campo. 

No entanto, quero deixar bem claro no ar uma pergunta para os meus leitores: qual de nós, em bom rigor, diria há três meses que isto seria possível? Sair de Alvalade com aquele amargo de "ah, se aquela bola entrasse..." em vez de "uau, saímos vivos"? Sobretudo contra uma equipa que investiu da forma que eles investiram, que ataca o campeonato da forma que se conhece?

Saímos da jornada à distância que entramos - obrigado papoilas! -  mas com a convicção cada vez maior de que somos melhores e de que podemos ser campeões. Estamos no bom caminho. E tudo graças a Sérgio Conceição.Ainda há muita estrada para andar, mas a atitude já é outra. O Dragão está de volta!

domingo, 1 de outubro de 2017

Fazer Acreditar - Z

O Mónaco-Porto da última 3ª feira marcou o início duma nova era de portismo para mim: o primeiro jogo a que pude assisitir ao vivo como emigrante. Desde que a fase de qualificação ditou que a equipa da cidade onde vivo não participaria na fase de Grupos (o OGC Nice), dediquei todas as minhas energias para as rezas, vodu, danças da chuva e do sol (principalmente do sol, que aqui não chove), para assegurar que o Porto jogaria por perto (Juventus ou, idelmente, Mónaco). O meu indescritivel mijo, tipo aquele que costuma ter aquele indivíduo manquinho, que bebe muita água durante os jogos, e lá os vai ganhando sem saber (ao que parece com cada vez menor intensidade, e com maior propensão para umas quedas barulhentas), lá fez com que o Porto viesse jogar a uns quilómetros de minha casa. Foi quase como ir do Porto a Vila do Conde ver o jogo.


Primeiro jogo do Porto fora de portas, primeiro jogo de Champions ao vivo desde o BATE Borisov, primeira oportunidade de ver ao vivo a equipa deste ano. Oportunidade também de medir o pulso à nossa massa adepta, e de tentar perceber como se vive afinal o portismo a uns valentes quilómetros de Portugal.

Antes do jogo, ambiente morno pelo principado. Uma invasão ordeira de portistas de varios recantos de França, também do Luxemburgo, Bélgica e, claro està, Portugal. Gente que se levantou de madrugada, para fazer centenas de quilómetros, passar pelo exercício de paciência de tentar arranjar lugar para o carro no sobrelotado principado, apenas para ter de passar pela monumental dor de cabeça duma interminável fila de trânsito no final. Tudo por aqueles 90 minutos, ver aquele azul e branco no campo, pela partilha de portismo nas bancadas que só quem vai aos jogos fora de portas sente, misturado com aquela emoção de poder fazê-lo pela primeira vez em muito tempo, porque nem sempre a sorte dos sorteios bafeja os corações dos que estão longe. Muita malta nova de cachecol azul e branco ao pescoço, sem saber muito bem falar português, mas a saber de cor os nomes de jogadores, treinador, canções, o hino. Aquela prova saborosa (se é que provas havia a dar) de que ser um clube de dimensão internacional ultrapassa contagens e recontagens de sócios, ou propaladas melhores academias de formação do mundo; é chegar aqui, a França, e ver um tipo com uma camisola do Porto por amor a Lisandro Lopez, ou toalhas de praia com o nosso símbolo por causa dum tal Brahimi. É todos saberem aquela equipaça que em 2004 conquistou a Europa, mas também que foi viveiro de jogadores de topo que espalharam e espalham qualidade por esse Mundo fora, mesmo sem as máquinas de propaganda por detrás, e sem rastas no cabelo.

Ambiente pintado de azul e branco mas, ainda assim, sereno. Talvez ainda feridos pela derrota na primeira jornada de Champions, e pela chamada ao planeta Terra, penso que todos fomos ficando algo convencidos da treta do "plantel para consumo interno", que a nossa entrada em falso, a nossa notória ausência de opções e a nossa comunicação social nos foram impondo. Talvez todos estivéssemos convencidos de que se trataria apenas uma questão de saber qual a crueza dos números finais; afinal, tratava-se dum jogo na casa dum semi-finalista da Champions da época anterior, que mesmo tendo perdido jogadores, tem um plantel com bastantes mais opções do que o nosso. Ter, por exemplo, um Jovetic no banco, quase parece sacrilégio para quem em tantos jogos apenas teve Hernâni como opção directa de ataque. 

São também 4 anos de feridas profundas que tardam em sarar. 4 anos de promessas de melhor que se foram esfumando no ar, deixando quase sempre um aroma de conformismo e desolação, tantas foram as oportunidades de ouro desperdiçadas, tantos os tiros no pé que foram sendo dados. 

Não vos vou mentir, a escolha de Sérgio Conceição para nos comandar esta época não me caiu nada bem. Se foi principalmente pela falta de timoneiro que terminámos a época transacta com a sensação amarga de ter estado tão perto de escrever outro tipo de história, nunca a escolha de Conceição me pareceu a mais adequada para nos dar aquele impulso extra, que nos permitisse não claudicar contra os Vitórias de Setúbal desta vida em momentos decisivos. ou viver das vitórias morais e das grandes actuações dos nossos adeptos nos jogos da Champions. Se associarmos isso à forma calamitosa como a nossa época teve de ser preparada, ao que tudo indica porque não há dinheiro para absolutamente nada que não seja mais um guarda-redes, começa a pairar nas nossas cabeças aquela desconfortável sensação de déjà-vu. Olhamos para Maregas e Hernânis com estupefacção, e vemos fugir-nos das mãos as nossas pérolas. 

E a época começa... e as coisas começam a correr bem. "Se calhar não passamos em Braga", mas acabamos por passar com distinção. Vem a derrota com o Besiktas e logo nos passa pela cabeça que a equipa possa cair numa espiral depressiva, e que cheguemos a Novembro já a pedir que rolem cabeças. Ainda por cima "vem aí um Rio Ave que fez a vida negra a um dos rivais" mas lá acabamos por ganhar de forma assertiva. A seguir, uma goleada em casa, com outra equipa que há bem pouco tempo podia (e devia) ter saído da Luz com outro resultado. Com os patinhos-feios (sobretudo Marega e Herrera) a fazer pela vida. Sem Óliver. Com um Brahimi estrondoso, a driblar como Madjer, e a recuperar bolas como Fernando Reges. 

O que esperar no Mónaco? Sucumbir perante uma equipa que vem duma temporada de sonho e que tem registos ofensivos demolidores ou resistir? Ficar com a certeza de um Porto para consumo interno, ou uma equipa para lutar por mais? 

Na paragem para jantar algo antes do jogo, começam a chegar sinais preocupantes. Sérgio Oliveira no onze, com Oliver de fora, e a manutenção da aposta em Marega. Fiquei petrificado, perante o que mais me parecia uma Jesualdização ou Robsonização de Sérgio Conceição. Apostar num gajo que ainda não jogou esta época num jogo desta importância? "Estamos fodidos..." teimava em me dizer o meu sempre mais forte lado pessimista. Sérgio Conceição tinha prometido um Porto à altura dos seus pregaminhos na antevisão deste jogo. Teríamos mais um NES no banco, mais promessas de muita coisa, e desenhos em quadros, e não fazer um caralho dum remate à baliza porque vamos todos borrados para dentro de campo?

Começa o jogo, e nota-se que estamos ansiosos. A bola corre mais próximo da baliza lá do fundo, e umas perdas de bola deixam-nos alguns calafrios na espinha. Mas a equipa solta-se, e vai chegando à frente. Primeiro sem perigo; de repente com mais algum perigo. "Lá vamos nós para a merda dos lançamentos longos", pensei eu a revirar os olhos ao ver Alex Telles a dar passadas largas para efectuar o lançamento de linha lateral. Confusão. Aboubakaaaaar.... GOOOOOOLOOOOOOO!!! A bancada vem abaixo, abraça-se os amigos e também aqueles que estão à volta. Ficámos na frente, de forma natural face ao que fomos crescendo no jogo. Até ao intervalo, mais uns avisos, e zero sobressaltos lá atrás. Exibição de personalidade. "Carago, o gajo prometeu e, sem dúvida, cumpriu." Em 45 minutos Sérgio mostrou-nos que o Porto tinha realmente ido ao Mónaco para mostrar a sua fibra. Isto com Herrera, Marega e a "invenção" Sérgio Oliveira. Sem Óliver ou Corona. Com um Brahimi que, ao intervalo, levava mais dribles do que 5 ou 6 equipas da Champions juntas nessa noite. Isso e os rins dum desgraçado dum jogador adversário, que ficou estatelado lá perto da nossa área face a mais um momento de magia do Yacine. 


E agora, a ganhar 1-0, ficariamos fechadinhos cá atrás a defender o resultado? Conseguiríamos conter a natural reacção monegasca? Teríamos estofo para aguentar mais 45 minutos assim? Tivemos, oh se tivemos. Sérgio Oliveira faz um passe impossível, estilo "quarter-back", e só a sofreguidão impede Marega de marcar, só com o guarda-redes pela frente. E nem vos digo a maravilha que foi ver da bancada visitante o desenrolar da jogada do 0-2. A prova de que levávamos a lição muito bem estudada, sabendo exactamente onde "matar" o nosso adversário com o futebol mais simples do mundo. Drible de Brahimi, passe magistral a desmarcar Marega que, com espaço, fica sem ter de tentar fintar (porque não sabe), mas pode correr como um desalmado (fá-lo na perfeição) e ganhar facilmente vantagem sobre o defesa. Passe para o meio e... foi só encostar. Futebol de contra-ataque, simples e eficaz. Um drible, dois passes, para fazer a bola chegar da nossa área à baliza contrária. Simples, mas trabalhoso. Eficaz, mas bem trabalhado. Dando de barato que o último golo surgiu já numa fase de muito desacerto monegasco, fica a nota para a sede de mais golos que os nossos jogadores quiseram saciar. 

0-3 no Mónaco. Honestamente, quantos de nós imaginaram que fosse possível uma vitória tão clara frente a um adversário tão complicado, fora de portas? Arrisco-me a dizer que ninguém imaginou um cenário desses. Ninguém imaginou uma vitória ao nível daqueles fabulosos 0-5 em Bremen.
A não ser... Sérgio Conceição. Porque não foi do nada que surgiu esta colossal vitória europeia; viu-se ali trabalho de casa, a cada recuperação de bola e saída em transição, sempre com movimentações bem definidas pelos 4 da frente (Brahimi, Marega, Aboubakar e... Herrera), ou a cada vez que o jogo do Mónaco era conduzido para as faixas, surgindo cruzamentos que foram sendo sucessiva e serenamente cortados pelas nossas torres. A diferença entre o querer fazer, e o fazer. O prometer e o cumprir. Foi-me prometido um Porto à Porto, e foi isso que tive. E teria tido, mesmo que o resultado fosse outro, porque a forma como a equipa se vai movendo, e como se compensa quando há falhas (porque as há, e não são poucas) é de um grupo que está a ser preparado para poder quebrar, mas nunca, nunca, nunca torcer. Sérgio disse-o, e os jogadores acreditaram e sentiu-se que foram para dentro do campo com esse objectivo: ser Porto, sem ter de andar a propalá-lo com hashtags. E foda-se, se há coisa mais linda do que ver os extremos do plantel (em termos de qualidade de futebol), Yacine e Marega, a lutar com a mesma abnegação e orientação para o bem comum?

O primeiro passo para se ter sucesso num desporto colectivo é conhecer muito bem os nossos pontos fortes e, sobretudo, as fraquezas, para se conseguir camuflá-las ao máximo. Todos sabemos que Brahimi é um génio com a bola nos pés, e a malta deixa-o fazer os seus desequilíbrios a vontade. Mas se é Marega que fica sozinho, logo surgem inúmeras linhas de passe, para lhe retirar a pressão de ter de fazer o que não consegue: fintar. Nestes pontos simples, vê-se uma equipa que se conhece bem. Sabe até onde e como pode ir. Isto vale ouro. E o mérito tem de ser dado ao timoneiro. A cada jogo que passa, e percebendo cada vez mais o quão limitados estamos financeiramente e a nível de opções de plantel, dou cada vez mais mérito e sinto cada vez mais respeito por um indivíduo que: 

1- não foi a primeira opção e, sabendo-o, aceitou vir
2- teve de andar a juntar "restos" e, sabendo-o não virou a cara
3- nesse contexto, e com a desconfiança da grande maioria dos sócios e adeptos do clube (eu inclusive) conseguiu esta senda de resultados favoráveis, e recolocar de novo a equipa e o público muito próximos.

Sem lugares comuns, sem discursos vazios, sem arrogâncias. Com trabalho e serenidade.

Escrevo isto ainda antes de irmos a Alvalade. Não tenho ilusões: estaremos perante o adversário mais duro de roer no seu reduto nos últimos anos, temos um historial altamente desfavorável e somos o alvo a abater como líderes isolados. Mas eu acho que é mesmo disto que o Sérgio gosta. E estou profundamente convicto de que cada centímetro de cada jogador do Porto irá entrar em campo em Alvalade com o espírito certo, que o jogo foi bem preparado, e que não haverá lugar a vitórias morais, ou a jogar para festejar empates. Nunca o senti nas épocas anteriores, e devo ao Sérgio senti-lo agora. Pode correr mal? Obviamente que sim. Mas em Alvalade, mais do que nunca, acredito naqueles rapazes. E se correr mal? Foda-se, continuo a acreditar. 

Acho que, mesmo com todas as limitações do mundo, há 4 anos que não estávamos tão próximo de começar a reerguer-nos como nesta época.  

Um abraço a todos,

Z


O Retorno de Saturno


Gosto de falar de futebol, da bola que rola, das coisas que se passam dentro das quatro linhas. Percebo, por norma, todos os realpolitiks desta vida, mas não aceito batota. Por isso me tenho insurgido tanto com o que se passa, há vários anos, neste regime que corrompe e abrange muitas coisas para lá do desporto.

Mas a verdade é que, se o Poder corrompe, o Poder absoluto corrompe absolutamente, e embriaga.

Para lá disso cria uma falsa sensação da imutabilidade das coisas. Afinal, bastou uma série de jogos com resultados menos bonitos, e a mera confirmação de uma realidade clara - a de que se pode enganar algumas pessoas muito tempo, mas não todas - e a verdade veio bater na cara: quem se habitua a circunstâncias especiais não compreende as regras normais.

Compreensivelmente, qual tendão de Aquiles, é pela base que rui então este castelo de cartas, e o que se viu sexta foi o reflexo disso. Continuaremos a expor a podridão deste status quo até que este desapareça. Nada tem a ver com um clube ou os seus adeptos. Se ganharem justamente, seja. Mas não vai haver mais tolerância para jogos de bastidores e relatividade nas regras. Quando estas acontecerem, serão expostas.


Hoje, joga-se a liderança. Hoje joga-se também a confirmação de um retorno de um FC Porto à Porto e uma segurança pontual que não é mais do que um corolário da dedicação desta equipa e deste grande homem, que foi capaz de pegar em jogadores que outros rejeitaram e fazer deles jogadores em franco crescimento. E digo-o sem contemplações - se sairmos derrotados, o meu sentimento será exactamente o mesmo.

Sérgio foi capaz de devolver aos Portistas o prazer e a ansiedade positiva de ver um jogo de futebol, independentemente do resultado.

Não sei qual é a equipa. Não me atrevo a saber. Sei que foi pensada por Sérgio Conceição. E eu confio nele.

Pra cima deles, carailhe!

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Análise Mónaco 0-3 FC Porto - Chapeau Num Traje de Gala

Absolutamente fenomenal. Ninguém - ou quase, vá, vi pessoas no Twitter a prever isto - esperava este onze. Ninguém esperava esta solidez. Sérgio Conceição arriscou - e ganhou o Jackpot.

Povoar o meio campo, modificar o esquema táctico, era previsível. Agora, Sérgio Oliveira? Depois de zero minutos de competição?! Nem nos meus maiores sonhos! Mas, meus caros, eu não percebo nada disto! E que feliz que estou com isso!

Sérgio soube conhecer-se e à sua equipa - sabe quais são as suas forças e as suas debilidades - e não se pôs a inventar. Obviamente, deu a iniciativa de jogo ao Mónaco, mas fechou-lhe a porta, de tal forma que, depois de alguma ansiedade inicial, não foi possível ver o Mónaco a atacar de forma alguma. Noutro sentido, cada vez que o FC Porto pegava na bola, quer por um fantástico Brahimi, quer pela dupla de carros de assalto Aboubakar e Marega, sendo que este último, para lá de atacar e bem - duas assistências e algumas boas oportunidades -  foi enorme num excelente apoio defensivo.

Assim sendo, e apoiados numa boa eficácia, marcaram-se os golos da maior surpresa desta noite de Champions League. Mas não só aí, nos golos, se fez a surpresa. Foi também no aproveito humano do plantel, da solidez defensiva ( gigantes centrais e Ricardo Pereira ) e da surpresa da nosso conforto. Houve uma altura em que chegamos a controlar o ritmo do jogo, a cadência, de uma forma absolutamente magistral. Caíram-me as lágrimas de felicidade no fim, por ver que está a ressurgir um FC Porto à Porto e por relembrar as saudades que eu tinha dele.


Estou esperançado. Não ganhamos nada, é verdade. Mas estamos a formar um FC Porto à Porto. E o Caminho faz-se caminhando. Próxima paragem - Sporting. E desculpem-me, perdoem-me, mas depois do que vi, acredito mais. Pode ser?

NOTA: Então, Ratazana, "O Mónaco parecia o Rio Ave"? Claro, claro, nunca sequer permitir pensar que o FC Porto ganha ao Mónaco com absoluto mérito! Se o ridículo matasse...

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

A Culpa É Do Cavani – Jornada 10 – Josué, O Nosso Pikachu


Os Cavanis voltaram a estar juntos na mesma sala! É verdade, caros saudosistas, com direito a combóio e tudo! E aproveitamos a proximidade para uma análise do pós-Portimonense feita por dois terços dos Cavanis, já que o Silva não conseguiu ver o jogo e esteve contra as nossas opiniões apenas por uma questão de princípio e não pelo que viu. 
Muito amor pelo Brahimi, algum pelo Herrera e pelo Marega, naquele que foi um dos episódios que atravessou mais épocas em termos de análise, regressando aos tempos de Adriaanse e culminando com a escalpelização que todos esperavam: o plantel de Paulo Fonseca era feito de “tremoços” ou jogadores a sério? 
E atenção, Josué, se nos ouvires, nada contra ti, rapaz. Pikachu é um termo carinhoso! Para terminar, uma mini-antevisão do jogo de Alvalade e a chatice da Rádio Renascença e de Fernando Gomes (o da Federação) não terem vergonha.
Todos os episódios anteriores estão no site e no feed RSS, pelo que como de costume amandem as vossas postas para cavani@porta19.com!
Link para a página principal do podcast: A Culpa é do Cavani
Link para o sétimo episódio: Jornada 10 – Josué, o nosso Pikachu
Link para feed em leitores de podcasts: http://aculpaedocavani.porta19.com/feed/mp3/