sábado, 31 de outubro de 2015

O Pé Frio De Lopetegui


Impressionante. Ainda foi pior do que se imaginava. É que nem sequer foi possível aterrar na Madeira! Segundo os regulamentos, se não for possível a equipa aterrar na localidade do jogo no dia anterior ao mesmo, este terá de ser adiado. E assim foi, para dia 2 de Dezembro

Convenhamos, por um lado dá jeito, temos Brahimi, Maicon e Osvaldo no estaleiro e assim podemos recuperar. Mas por outro lado, uma hipotética distância de cinco pontos para o sporting é uma brutalidade penalizadora. Não creio que a aproximação do ficaben seja relevante para qualquer uma das equipas. O jogo de ontem do ficaben foi ridículo, parecia um sketch do Benny Hill ou dos Monty Python. Não se tirou nenhuma conclusão.

Mas uma coisa é certa. Para qualquer Portista que se preze, estar a 2 ou a 5 pontos é a mesmíssima coisa, nomeadamente porque iremos recuperar o jogo em atraso antes do clássico e porque estar atrás já é mau. No entanto não quer dizer nada.

E não quer dizer nada porquê? Porque os nossos adversários directos têm tido um calendário muito mais fácil do que o nosso. Para eles, começa agora a fase complicada. 

Temos a obrigação de ganhar ao Setúbal e Paços em casa, e Tondela - minha nossa, esta equipa - e União fora. Caramba, temos obrigação de ganha-los todos

Agora, que é verdade que nós não temos uma fífia do guarda-redes ou de um auto-golo para os apanhados como os de ontem para repôr a moral. E isso é um pé frio brutal. Julen, hombre, está na hora de tratares disso.

Já agora, senhores da SAD, mais uma vez, mais um programa em que, cada vez que se fala do nome Lopetegui, se desata tudo a rir - tudo menos Pedro Barbosa, honra lhe seja feita. Há que fazer alguma coisa, senhores! E por falar nisso, por onde anda Pêrribeiro? Desapareceu? Ainda deve estar a sair do buraco....

sexta-feira, 30 de outubro de 2015

A Vã Glória De Definhar


Talvez seja porque eu tenho um trabalho que é virado para o futuro, talvez seja pela minha formação filosófica, que privilegia o presente sobre o passado na projecção de um futuro, faz-me sempre confusão demasiado tempo contemplativo.

É isso que temos assistido, depois de Vítor Pereira, no FC Porto. Desde a criação do Museu - que é lindíssimo e uma grande obra - que não pomos lá uma taça de futebol sénior. Mas acho já preocupante que só se dinamize o Museu. O Museu é que tem atracções, o Museu é que tem dias especiais, o Museu é que tem promoções e publicidade, o Museu é que tem o foco, enquanto, por exemplo, os bilhetes encarecem, é tudo sempre igual em campo e não há nenhum foco sobre o Presente.

Não é admissível que a televisão do Clube - sim, agora é mesmo do Clube - tenha apenas duas horas por dia dedicadas ao FC Porto em si, com blocos de "notícias" que se repetem de uma hora para a outra e com especiais que constantemente se repetem - e com muito mais abertura nas chamadas "modalidades" do que no futebol - e com as "notícias" diárias a serem exactamente as mesmas que qualquer outro jornal diário daria, com o mesmíssimo ênfase e cobertura. Nada para além disso. Nos dias de transmissões, talvez um pouco mais. Mas se uma transmissão cai em cima do 45 Minutos à Porto, este é, pura e simplesmente, anulado. Os cenários são de uma pobreza franciscana - até as mesas retiraram - os comentários, tirando os de Cândido Costa e de Bernardino Barros - quando lá está! - são chavões repetidos que acrescentam zero ao que se sabe.


Um exemplo da falta de cobertura do FC Porto pode ser exemplificado no caso do FC Porto - Belenenses. Tirando o pós jogo, não houve mais nenhuma análise ao encontro. Nada. Zero. Não há opiniões, vontades, posições a nada exterior ao FC Porto, nenhuma ligação entre plantel e adeptos! Como querem que haja vínculo com a equipa, se são eles os primeiros a aumentar o fosso entre uns e outros?

Tirando as peças fantásticas de Ricardo Amorim - e mesmo assim com demasiado ênfase nas "eras douradas" - tudo o resto é só a ultra-protecção dos atletas, como se não se pudesse mostrar nada mais além do que toda a gente vê. Valorizo muito as "Entrevistas de Carreira" de BB, mas, caramba, e a contemporaneidade? Não existe?

Acho natural que Pinto da Costa já não esteja para fazer combate público, acho bom que o FC Porto não tenha empregados a falar nas televisões. Mas não haver UMA voz do Clube a ripostar, não haver UMA iniciativa do Clube para contrariar toda esta lavagem cerebral, para equilibrar os pratos da balança, para proteger o bom nome da instituição?


O FC Porto, está bom de ver, é, neste momento, uma instituição anacrónica, nacionalmente escrita no particípio passado, com o foco virado para a Champions League, a única competição que a SAD parece valorizar. Há respostas na net ao site da UEFA por parte dos jogadores, há entrevistas, há exposição, sempre com o foco na sua valorização internacional. Vê-se no próprio ambiente, no cuidado na preparação dos eventos, na sua publicidade, no foco que se vê nos jogadores, até no sentido do apoio dos adeptos.

Por isso, impõe-se a pergunta: Se a estrutura directiva não valoriza o futebol nacionalmente, como poderão fazê-lo os jogadores?

Assim, corremos o risco de continuar a ficar em lugar elegível para a Champions e isso passar a ser a única coisa que importa. Lopetegui irá embora, vender-se-ão os jogadores e todos ficarão contentes. Menos o FC Porto enquanto Clube e os seus adeptos, definhando numa morte lenta, como areia descendo na ampulheta... até que algo mude ou tudo acabe.

Urge mudar. Já. Ontem. Não foi assim que nos valorizamos. Não é assim que poderemos acabar!

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Espaço Z: Avanca 19-28 FC Porto


Viva, caros portistas.

Não posso deixar de começar esta nova aventura sem deixar um enorme agradecimento ao Jorge Vassalo. Sou um enorme fã deste "tasco", desde o seu primeiro dia, e sinto-me honrado pelo desafio que me foi proposto. Para quem não me conhece, sou o Z, do Blue Overlap, portista desde o berço e praticante de andebol desde que me conheço. Penso que toda este desafio teve origem nas habituais mensagens que trocamos em dias de jogo de andebol, e ao que parece a minha linguagem técnica conseguiu enganar o chefe desta casa, ao ponto de estar a escrever-vos estas linhas. Mais a sério, foi com uma enorme honra que recebi este convite e não podia deixar passar esta bela oportunidade: falar dum desporto que faz parte da minha vida, do clube de todos nós, num espaço de referência na nossa bluegosfera. 

O jogo da noite passada, opôs o F.C.Porto ao Avanca. Num campeonato bastante desequilibrado e nivelado por baixo, o Avanca situa-se no topo da 3ª linha de equipas, com um plantel superior a formações como Belenenses, Horta, ISMAI ou Fafe, mas ainda a alguma distância da 2ª linha de equipas, constituída essencialmente por Águas Santas e Madeira SAD. O F.C. Porto, juntamente com o Sporting, é o grande candidato ao título, e nestes potenciais candidatos podemos incluir o Benfica (este ano com um défice de qualidade face a anos anteriores) e o ABC (sobretudo quando joga em casa, e especialmente quando joga contra o Porto).

Não foi um bom jogo aquele a que pudemos assistir em Avanca. Muitos erros, muitas precipitações, alguma falta de discernimento aqui e ali. Obviamente, em nada ajudou o facto de se ter jogado num piso afectado pela humidade (acreditem  que é um pesadelo jogar em pisos assim). E notou-se muito cansaço nos nossos atletas. Muito cansaço. E isso notou-se especialmente em Gilberto Duarte.

O Porto entrou algo apático no jogo, preso na teia defensiva do Avanca, que procurava defender com 3 elementos subidos, retirando assim espaço ao temível jogo exterior portista. Ora, uma defesa desse tipo, deve atacar-se com velocidade, muito trabalho sem bola, porque se há mais espaço para explorar nas costas dos 3 defensores da frente. E no 1º tempo, só Cuni Morales (jogador que não aprecio de sobremaneira), naquele seu jeito trapalhão mas muito explosivo conseguiu furar com eficácia a defensiva contrária. 

Defensivamente, tudo decorreu dentro da normalidade, contra uma equipa bastante jovem, que vive especialmente dos remates exteriores de Vasco Santos (belo jogo) e de Miguel Baptista, dois dos inúmeros jogadores da casa formados no F.C.Porto. O nosso habitual esquema 6x0 foi mais do que suficiente para manter o jogo o mais longe possível da nossa baliza, e toda a zona central foi praticamente intransponível.

Na 2ª parte, a equipa manteve a sua toada defensiva, pecando bastante no ataque. Muitos remates precipitados, muitas falhas tecnicas, e... um enorme guarda-redes na baliza a manter as distâncias. Hugo Laurentino voltou a fazer uma monstruosa exibição. No andebol, mais do que noutros desportos, um guarda-redes do calibre de Laurentino ou Quintana, vale seguramente mais do que 50% da equipa. Nesse capítulo, estamos à vontade. À entrada para a 2ª metade da 2ª parte, foi Gilberto Duarte, até então desparecido do jogo, que assumiu a responsabilidade de controlar a reacção da equipa da casa, e recolocar o resultado nos 7 golos de diferença. 

Momento do Jogo: Aos 15 minutos, quando Ricardo Costa pôde refrescar a equipa, e principalmente quando colocou Rui Silva no lugar de Nuno Roque. A equipa cresceu, e aproveitando algumas precipitações do adversário, conseguiu distanciar-se no marcador, gerindo essa vantagem de 6,7 golos durante grande parte do jogo (com excepção dos 14/15 minutos da 2ª parte, em que o Avanca reduziu para 4 golos de diferença).

Destaque, pela negativa, para a baixa eficácia nos livres de 7 metros (3 golos em 7 remates) e para a quantidade absurda de falhas técnicas e de remates falhados que houve (embora se deva tambem destacar Luís Silva, o guarda redes contrário, pela belíssima exibição).

Resumindo, vitória clara do F.C.Porto, num campeonato em que tem, de longe, o melhor plantel, os melhores jogadores em todas as posições, e equipa para "limpar" esta fase regular com a maior das tranquilidades. Mesmo com jogos menos conseguidos, como o de hoje.

Segue-se uma importante paragem no campeonato, durante 15 dias (para se brincar ás Selecções), e recuperar pernas e braços para a duríssima 2ª volta da Liga dos Campeões, onde não podemos dar qualquer passo em falso.

Saudações Portistas,

Z

Apresentação "Espaço Z"


Hoje é um dia muito especial, aqui no Porto Universal. Uma das pessoas com quem tive o privilégio de criar uma amizade através deste espaço é o extraordinário Z, do Blue Overlap.

Como praticante de Andebol, que o é, tratei de o convencer a vir escrever no Porto Universal sobre esta maravilhosa modalidade. É com grande felicidade que anuncio que, já no próximo post, haverá esta mais-valia enorme de poder ter uma análise ao Andebol do FC Porto feita por alguém que tão bem escreve e que tanto sabe sobre o que é ser jogador deste fantástico desporto.

Bem-vindo, meu caro Z. Já to disse, digo-o publicamente, é um prazer extraordinário ter-te por cá.

De futuro, vou tentar alargar o Porto Universal a outros colaboradores para análises a todos os aspectos do FC Porto possíveis. Afinal, este blog é Universal por alguma coisa, verdade?

quarta-feira, 28 de outubro de 2015

O Inimigo Mora Fora

Não sei quanto tempo terei de esperar até ver isto acontecer, sinceramente, mas fico sempre à espera.

Fico sempre, pacientemente, à espera que o adepto do FC Porto entenda uma realidade simples, a de que somos adeptos do Clube mais odiado de Portugal. Invejam a nossa organização, a nossa resiliência, a nossa capacidade de, constantemente, nos reinventarmos.

Por isso, fico sempre estupecfacto quando vejo que não há reacção ao tom trocista do Hugo Gilberto a falar do FC Porto no Trio d' Ataque, ou do topete de Gobern - acabadinho de ser humilhado - de vir mandar bocas de superior em relação ao FC Porto sem que ninguém se digne a responder! Até parece que empatar com o SC Braga é criminoso. O Braga que é o quarto clube nacional com maior orçamento, o Braga que, no ano passado, venceu o Benfica!

Aliás, devo dizer que aquela insinuação de que o FC Porto deve estar arrependido de não ter Paulo Fonseca como treinador me enervou profundamente! Paulo Fonseca, o treinador que pôs Josué a trinco, num duplo pivot com Fernando ou que pôs Lucho González a segundo avançado?! Esse Paulo Fonseca? Ou o Paulo Fonseca que veio ao Dragão jogar à Penafiel? Quando comparam Paulo Fonseca com Julen Lopetegui, um treinador que recuperou a equipa que o primeiro pulverizou.... enfim.

E depois, toda esta passividade estratégica, esta superioridade clubística, como se todos os assuntos mundanos nos fossem inferiores e não nos afectassem! Pois, afectam! Convenhamos, a estratégia de Bruno de Carvalho funcionou. Carlos Xistra não se atreveu a marcar penalties duvidosos, ou uma falta mal tirada sequer, até voltou atrás num cartão amarelo! No entanto, podem estar certos de que Bruno Paixão - que fez tão má arbitragem que esteve 3 anos sem nos arbitrar - tudo fará para nos prejudicar e retirar os três pontos.

Resta-nos aguentar estoicamente, não é? Ver um treinador que nos deu 20 vitórias seguidas em casa ser cozinhado em lume brando pelos próprios adeptos enquanto os outros se riem e zombam de nós sem resposta, verdade? Amparados ainda por uma SAD passiva que acha que um comentáriozinho numa newsletter abala o que quer que seja! 

Tudo isto está muito torto, tudo isto está ao contrário, tudo isto é preoupante. E não, não se trata de não ter sentido crítico. Trata-se de não fazer pior aos nossos do que aqueles que estão fora. Trata-se de proteger o Clube do nosso coração daqueles que nos querem destruir, daqueles que nos querem ver falhar, daqueles cujo único fito é pulverizar a nossa imensa Força. Até quando vamos continuar a dar tiros nos pés?

Realizou-se o sorteiro da Taça da Liga/Taça CTT, com o calendário e termos aqui. Jogaremos com o Marítimo no Dragão, com o Famalicão e o Feirense. Resta-nos saber se este ano a Taça CTT conta. Para mim, continua a ser o mesmo. Enquanto não tiver nenhum benefício saído dali senão um reduzido prémio que não compensa o valor pagos aos jogadores, seguirá, para mim, uma prova para dar rotação a jogadores da B e alguns menos utilizados. Ainda assim, o vencedor do nosso grupo jogará contra o vencedor do grupo do Sporting. Um pequeno tónico para uma competição muito desinteressante.

terça-feira, 27 de outubro de 2015

Teimosia ou Percepção


Meu caro Julen,

Estou e estive sempre a teu lado. Gosto do teu modelo de jogo. Acho-o vitorioso. Estou orgulhoso de estar no primeiro lugar da fase de grupos da Champions League, num grupo que todos farão "fácil" mas que está longe de o ser mas, caramba, deixa de ser teimoso.

Entende por favor, de uma vez por todas, onde estás. Entende que a maioria das equipas não vai querer ganhar o jogo. O União não vai, o Setúbal não vai. A única equipa dos próximos jogos que terás que vai querer ganhar o jogo será o Maccabi. Esses dar-te-ão espaço. Portanto, deixa de ser teimoso. Percebe aquilo que já todos percebemos. Vou dar-te uns tópicos para que entendas:

- Transições não são o teu modelo de jogo. Ainda bem. Eu não gosto do futebol Jesuíta. Dá estouro, sem plantel com profundidade, cria buracos defensivos do tamanho do Taj Mahal (já agora, aproveita-os), é desequilibrado e perdulário. Agora, se vês que a equipa na tua frente não sobe, põe dois atacantes. Alberto Bueno ou Osvaldo. Em 4x4x2 ou 4x2x3x1 como preferires. Vais ganhar. Vais criar pressões, vais criar desequilíbrios. E aproveita as falhas de pé. Não digas à tua equipa que tem de passar a bola por todos até chegar ao um. Aí, a defesa contrária já se posicionou e tu já foste.

- Pressão é super importante. Sufocar, puxar o erro, entrar a matar. Não podes continuar a dar uma parte inteira aos teus adversários. Resolve o jogo logo. O resto vem a seguir. Depois controlas, depois tomas conta da posse e fazes tudo isso. Não antes, por Deus! Tens de saber isso. Não entendo como ainda não sabes.

- Magia. Dá o modelo aos teus jogadores, mas não os obrigues a contrariar a sua natureza! Tello corre como nenhum outro, Brahimi e Corona são de natureza interior, o Rúben organiza, o Danilo defende, o Layún ataca bem, o Maxi penetra dentro da área, o Abou faz tudo e marca golos, o Osvaldo jogo bem de costas, o André cola tudo, e o Imbula galga metros! Não lhes cortes as pernas! O que tem acontecido ao Imbula é um escândalo! Há uma razão pela qual ele custa 20M - defende a bola como ninguém, é um juggernault imparável quando corre e define bem o último passe! Jogo apoiado com o Imbula? É mandar os colegas para a frente abrir linhas de passe para o Imbula! Se eu sei isso, como é possível que tu não saibas?! A beleza do futebol não é só o modelo, são as excepções. Se as retirares, todos saberão o que fazes.

E, finalmente, segurança. Segurança. Não fales das superiores dificuldades só aos teus jogadores. Diz-lhes a verdade, que eles são melhores que todos os outros, que não vamos ganhar, vamos esmagar. Não tenhas medo das palavras, diz-lhes que o empate é uma derrota, diz-lhes que não há jogo seguintes, mostra-lhes que eles podem, dá-lhes confiança! Senão entrarão temerários, cheios de ansiedade e com hesitações que tornam um jogo pastoso e intermitente. Confiança para rematar, confiança para passar, confiança para ganhar - essa é a chave. Tiveste um antecessor que o fazia muito bem. Chamava-se André Villas Boas. Revê o que ele escreveu no quadro do 5-0. Visita o museu, é para isso que ele lá está!

Se seguires estes princípios, não abdicarás do teu domínio e do futebol de posse que eu tanto aprecio, contra equipas que tentam discutir o jogo e contra quem tudo o que te falei já será adquirido pelos teus jogadores à partida. Por exemplo, no Chelsea o Imbula galgou aí uns 50 metros com o Matic preso à sua canela. Aí não havia modelo, aí havia ganhar. Esse ganhar também tem de haver com o União e o Setúbal. Se não ganhares o campeonato, de nada te servirá tudo o resto. Nada. Acorda e joga contra quem tens e não contra quem querias ter. Ou treina na Premier League. Tu escolhes.

segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Análise FC Porto 0-0 SC Braga (8ª Jornada) [ADENDA VISÃO DE TÚNEL]


Antes de mais, quero dizer que não estar a fazer nenhuma sinopse do jogo. Começo por sublinhar tudo o que disse o Imbictopoema aqui, especialmente a parte dos estúpidos, ridículos e absurdos assobios. 

E agora pergunto: quando criticam Lopetegui por privilegiar os jogos de Champions, quando é que os adeptos apoiam mais a equipa? Continuo a achar que os adeptos merecem cada vez menos a equipa. Pressionar jogadores pressionados já de si parece bem? Patético. Soberba e presunção, isso sim. Não temos  de ganhar sempre, temos de fazer por procurar ganhar e isso, fez-se!

Quanto ao jogo em si mesmo, há jogos assim. Não tenho muito a apontar, a não ser o facto de Lopetegui não ter tido a coragem  de pôr o Rúben quando o pôs a aquecer e de não saber galvanizar as tropas. Não é recorrer a facilitismos, mas é moralizar, tirar nervos e impôr garra, que um treinador deve fazer antes e no intervalo do jogo. Para mim, tacticamente, o FC Porto é sempre superior a qualquer outra equipa. 

Agora, de uma vez por todas, meu caro Julen, acabou-se esta parvoíce. Não queiras jogar futebol contra quem quer jogar a Matemática do Pontinho! Vês o guarda-redes a queimar tempo aos 5 minutos? Ataca, pressiona, cai em cima deles! Sê sufocante, como foste contra o Bayern! Tu até sabes como! E, por favor, é a excepção que faz a regra! Não podes criticar Casillas por querer repor a bola para meio campo, quando já desmarcou muitas vezes jogadores para grandes jogadas! O FC Porto não pode jogar sempre da mesma maneira, porque crias a noção aos jogadores de que não pode haver rasgo e iniciativa individual!

Se o campo está aberto, é seguir em frente e não tentar passar a outro ou para trás. Quando alguém se desmarca a bola tem de ir para ali. Na pequena área a ideia não é fazer remates sistemáticos, mas sim insistir em força no remate colocado. Se todos nós sabemos isso, como é possível que ainda não saibas? Contra equipas fechadas, intensidade, jogo simples e directo, aproveitar os (poucos) espaços! Não é reinventar a roda!

Por último, não me encham a caixa de comentários de insultos. Quem comentou durante estes quinze dias de vitórias e bons jogos, pode fazê-lo, quem só vem cá para criticar, arrepie caminho, que esta não será a vossa casa. 

16 remates, 7 à baliza. Mais do que suficientes para ganhar um jogo. Este estava tapado. Venha o próximo que a prova é longa e todos vão perder pontos.

ADENDA: A visão de túnel é a característica que determina que alguém que  está a viver um choque de adrenalina, não consiga ver mais do que o seu campo directo de visão. Confesso que se passou o mesmo comigo, neste jogo. Revisto o jogo todo pela televisão, tenho correcções a fazer. Atacamos brutalmente, em especial na segunda parte, faltou muita sorte. Só. Não posso apontar falta de atitude. Bueno, Layún muito bem. Ganharíamos 90% dos jogos a jogar assim. E assim, nunca iremos perder.

domingo, 25 de outubro de 2015

Antevisão FC Porto - SC Braga (8ª Jornada)


Este jogo é importantíssimo. Este jogo é dificílimo. Este jogo está ao nível de um de Champions. Seja qual for o resultado imediatamente anterior do derby, só teríamos muito a perder. O Braga jogou - muito bem! - na quinta-feira, há cansaço, mas não há jogos fáceis. E, se ganharmos, ganhamos uma importante vantagem sobre um dos nossos rivais. 

Vamos, inevitavelmente, ter um Braga de acutilância e de contra-ataque, a tentar entrar pelo seu lado direito, aproveitando a fragilidade defensiva motivada pela necessidade, ao não ter Maxi Pereira. O Braga não terá André Pinto por lesão e Hassan, pelo infortúnio do seu luto pessoal pela morte do pai, mas esperar da equipa de Paulo Fonseca - que está como peixe na água em clubes que não lidam com a pressão de ser campeões - facilidades e jogo lento, é uma insanidade. 

Conto, por isso, uma equipa defensiva da nossa parte, com garantia de equilíbrio a meio-campo, com Tello a entrar na segunda parte, depois do desgaste do Braga. Mas vencer tem de ser o nosso destino. É nestes jogos que se mostram os campeões.

Casillas e Helton; Martins Indi, Marcano, Miguel Layún e Cissokho; Rúben Neves, Danilo Pereira, Imbula, Herrera, Evandro e André André; Jesús Corona, Tello, Brahimi, Alberto Bueno, Aboubakar e Dani Osvaldo

Casillas; Layún, Marcano, Indi, Cissokho; Danilo, Rúben, Imbula; Brahimi, Aboubakar, André André;

sábado, 24 de outubro de 2015

Um Ano [ADENDA CRIME, DISSE ELE - ACTUALIZADO BURNS]

 
Há precisamente um ano atrás, por incentivo do Miguel Lima, decidi passar das caixas dos comentários e dos testamentos no Tomo II (agora III) e Dragão Até à Morte para um blogue meu.

Devo confessar que todo este ano superou largamente as minhas expectativas. Fico sempre agradavelmente surpreendido com a forma como me abordam os leitores deste espaço na rua ou no Dragão, da quantidade e qualidade das visitas a este espaço e das belíssimas amizades que criei a partir daqui. Não estava nada à espera disto, honestamente.

O Porto Universal tem sido uma enriquecedora experiência de Portismo, da noção clara da abnegação que tanta boa gente tem em prol de um Clube e do quanto se vive esta Paixão dentro e fora do campo. Já era bastante antes de escrever o blog, mas sou hoje ainda mais doente pelo meu Futebol Clube do Porto. O facto de escrever sobre este Grande Clube fez com que o sentisse ainda mais meu e que tenho um Clã, um grupo fantástico do qual faço ainda mais parte, muito orgulhosamente.

Já aqui o disse, mas mais que tudo, é para mim comovente a qualidade humana das pessoas com quem privo hoje em dia graças a este blog, nomeadamente os meus amigos co-bloguers: o genial Silva, o intermitentemente presente mas sempre fascinante Z, e dos referidos em cima, o generoso e caloroso Miguel Lima e o meu Yoda - que não verde nem pequeno - Vila Pouca, este último uma verdadeira enciclopédia de histórias de Portismo de quem o é, intrinsecamente, há tanto e tanto tempo.

Além destes, não esquecer a generosidade, carinho e disponibilidade - especialmente para com a minha filhota - dos Dragões de Ouro, João Santos e Ana Neves, e ainda um especial agradecimento ao meu compagnion de route Nuno Almeida.

De novo, muito obrigado pela vossa preferência, é para vós que escrevo e graças a vós, leitoras e leitores, que o faço, mesmo nalguma horas onde não me dava jeitinho nenhum fazê-lo, e são vocês que me incentivam, com o vosso carinho e presença, a continuar.

Muito obrigado e Viva o Futebol Clube do Porto!

ADENDA: Que fique claro, o que Marco Ferreira denuncia aqui é um crime. É o crime mais frequente em Portugal, o de abuso de poder. No caso do futebol é ainda mais preponderante. Não é detalhe. É inclinar sempre para o mesmo lado. Sobre o que Marco Ferreira disse, nenhuma novidade. Vitor "Nomeações" Pereira está só a ser ele mesmo. Com a conivência de todos os órgãos dirigentes. 

A mim espanta-me, apenas, e irrita-me, que ainda haja um Portista que não perceba que o campeonato nacional - e as taças - são sistematicamente roubadas a favor do mesmo. E que culpem Lopetegui. Hoje, como há um ano, sou admirador do trabalho do treinador basco.

Que, ao ser envergonhado mundialmente hoje, o Nomeações possa ter o mínimo de vergonha na cara. E que acabem os estupidamente injustos assobios.

ADENDA 2: Entretanto, a entrevista já agitou. Vitor "Nomeações" Pereira já apresentou uma queixa-crime por difamação e João "Mr. Burns" Gabriel enfiou a carapuça e soltou a verborreia do costume. A consciência (?) pesa...

sexta-feira, 23 de outubro de 2015

Análises Paralelas e a Dura Realidade

Das equipas que jogaram esta jornada europeia, apenas uma perdeu. No entanto, curiosamente, a julgar pelas capas, essa equipa que perdeu pareceu ter empatado. Mais, ontem, no Grande Área, parecia que apenas uma equipa teria jogado mal - o FC Porto.

É curioso. Rui "Dobby" Malheiro falou de apenas 7 remates à baliza do dito clube dos quais 5 fora da área e um golo. Mas a análise foi de fugida e resumida numa frase: "pouco jogo interior e muito relaxamento". Pronto, então está bem. Continuem a ignorar que o Atlético estava - erradamente - a poupar-se para o derby madrileno, que depois terão surpresas. Mas não é nada comigo.

Comigo é, sim, a lata de dizer que jogamos contra a equipa mais fraca da Champions - sim, o Astana é um colosso - e que, nós sim, jogamos mal. Meus senhores, continuem por favor. Na linha da meta veremos quem leva as vitórias para casa. Claro que os golos do Rei Bakar foram meras falhas defensivas, ele até nem foi votado o 9 do 11 da Champions da semana, nem nada. Tudo na mesma como a lesma.

Ficamos também a saber que iremos defrontar o Angrense nos Quartos da Taça de Portugal, enquanto a segunda circular se defrontará no Lumiar, deixando um dos dois pelo caminho. Este ano é #tudonossonadadeles, por isso, não acredito em facilitismos, temos meio caminho andado para ganhar o caneco, com a diminuição de rivais directos em prova. Mas atenção, não menosprezo a qualidade de muitas outras boas equipas.

Gosto de ver que os jogadores do FC Porto estão a encarar com o máximo de realismo e de importância o nosso Clássico nortenho de domingo, ainda que todos os olhos estejam em Carnide, este fim de semana. Seja como for, fazendo a nossa parte, e tendo a consciência de que teremos um Braga fortíssimo pela frente, estaremos sempre na frente, independentemente do resultado do outro grande jogo de domingo.

Para terminar, confesso que não entendo a necessidade orçamentada de mais de 72M para o próximo ano. Mesmo contando com Alex Sandro e os seus 26, sobra fazer 46M, o que faz com que o nosso Menino D' Oiro seja muito difícil de segurar. Creio que tem de um abrandamento urgente neste gasto desenfreado. Porque poderá não ser sempre possível corresponder a tal necessidade, e parece-me injusto que o treinador do FC Porto esteja constantemente a ter de refazer uma equipa inteira.


quinta-feira, 22 de outubro de 2015

O Sentimento Difuso


Numa altura em que hoje o NGP fala de que quer Rúben Neves aqui muitos anos e que ele seja a referência da Mística para gerações vindouras, que se estabelecem novos recordes de vitórias, que continuamos novamente invictos na Champions League, não deixa de ser um paradoxo absurdo que se oiçam assobios no Dragão quando o jogo é mais controlado, lento ou pausado.

Também é curioso dar uma olhada na marcha lenta que grassa a Bluegosfera, tão afoita a encher posts e caixas de comentários quando as coisas correm menos bem ou mesmo mal, e tão desertas quando tudo está bem. Compreendo o propósito catártico que podem cumprir este e outros espaços bluegosféricos, mas deviam também ser o eco da alegria e optimismo do Coração Azul e Branco.

O que faz pensar: existirá mesmo essa alegria? Existirá satisfação no adepto Portista? Ou será "menor" estar feliz e agradecido às alegrias que nos são oferecidas? Será vaidade e ego que impedem de reconhecer que, afinal, isto não está assim tudo perdido?

A estrada é larga e cheia de socalcos, não existe perfeição no futebol - Lopetegui dixit - mas será que temos que estar mesmo à espera que o céu nos caia em cima das cabeças?

Não contem comigo para esse peditório. estou satisfeito com o progresso da minha equipa, com a multiplicidade de soluções e competitividade no plantel, com as decisões técnicas, com o próprio técnico e até, pasme-se, com o rumo directivo.

Sou um orgulhoso surfista da crista da onda, neste momento, porque estive com a minha equipa na tempestade, contra tudo e contra todos. Nem a meio vamos, falta muita estrada, mas mantendo este nível de seriedade, a minha confiança é plena. Há sempre ciclos complicados, dificuldades à frente, até à obtenção do título, e este fim de semana temos de conseguir uma vitória bem especial contra uma muito boa equipa. Mas há razões para estar confiante nos nossos. E isso não é mau. É muito bom.

Convido-vos a navegar esta maré calma comigo, falando do bom e positivo na caixa de comentários em baixo. Ela, afinal, também serve para o contentamento.

No entanto, onde para uns há muitas vitórias morais, para outros há trabalho, esforço, dedicação, superação. Esse é o caminho do FC Porto. E alegra-me que assim seja. É sinal que não precisamos de mais ninguém. Que somos auto-suficientes. Que Somos o FC Porto!

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

Análise FC Porto - Maccabi Tel Aviv (Fase de Grupos Champions League) [ADENDA RIDÍCULO]


Nem bom nem mau, antes pelo contrário. Se me pedissem para resumir este jogo, te-lo-ia feito desta forma. E isso bastaria para se perceber o "espírito da coisa" de ontem.

Em primeiro lugar, convenhamos, estávamos todos incapazes de saber o que tínhamos pela frente.  Por muitos vídeos que tivessem visto, sou capaz de apostar que a preparação de outros jogos é feita de uma forma diferente. E isso notou-se. Se entramos à Porto, à primeira reacção amarela notou-se a confusão das marcações, a falta de noção clara de quem tapava o quê, quem dobrava quem, quem pressionava este e aquele. O que, diga-se a bem da verdade, o Maccabi não fez. A forma como controlaram completamente Aboubakar e como punham sempre um enxame à volta de Brahimi mostrou que eles sabiam exactamente quem nós éramos.

Num dia histórico, em que Rúben Neves se tonou o mais jovem Capitão de sempre da Champions League, notou-se que o nosso menino acusou um pouco o peso disso e não esteve tão esclarecido como noutros jogos. Aliás, se há alguém a quem se podia colocar um balão de banda desenhada a dizer "???" sobre a cabeça, era mesmo a Rúben. Valeu Imbula, o Transportador, para salvar uma certa falta de "saber o que fazer" de Rúben neste jogo. É difícil estar a estudar um adversário no campo.

Mas, no pico da confusão, numa altura em que a "onda amarela" estava a subir, Layún faz um exímio cruzamento para a cabeça de Aboubakar (não, Queiroz, não foi um frango, experimenta levar com um adversário a rematar de cabeça a 50 cm da tua cara) que acalma os corações Portistas, e, pouco depois, o mesmo Rei Bakar faz uma assistência para a fantástica passada vertical de Brahimi que sentencia o jogo num excelente remate. 


E, honestamente, acabou. Daí para a frente - estávamos a caminhar para o fim da primeira parte - foi gerir o resultado, e pensar no jogo com o Braga, o próprio André André admitiu. E notou-se.

Na segunda parte, portanto, deu-se a vez ao Maccabi, baixou-se as linhas e jogou-se no típico "ok, pronto, já está" que, insisto, é uma característica do FC Porto de antes de Lopetegui. Quando Imbula sai, por troca com Danilo, vai-se o controle do jogo, a posse é dada ao Maccabi, mas também, e é facto, nunca se deixou de procurar o terceiro. Tivemos bons apontamentos, mas jogamos num claro modo de "tirar o pé" e isso notou-se, excepto Cristián Tello, que entro no lugar de Corona, e que por pouco não marcou - merece titularidade - André André e Maxi, sempre bons em tudo e todo o lado e Brahimi que, passe alguns exageros, foi o maestro deste jogo.
Tivemos uma vitória boa, esclarecedora e justa, sem nenhuma exibição de gala. Em Tel Aviv tenho a certeza absoluta que faremos bem melhor. Porque podemos. Mas, não deixo de sublinhar, com um sorriso nos lábios, que é a primeira vez que o FC Porto de Lopetegui tira o pé na Champions a pensar num jogo do campeonato. Fico feliz. Consciência de que, domingo, é para vencer ou vencer, e ficar ainda mais líderes.

Ah, e já agora, o "Lopatêgo" leva 20 jogos a vencer em casa - segundo melhor da História do FC Porto, atrás apenas de Artur Jorge. Impressionante. Pelo menos, para mim.




Brahimi - O nosso pequeno argelino parte os rins de tudo e todos! A intensidade que ele está a pôr nos jogos - e diga-se, não só da Champions - está uns furos bem acima daquilo que se viu, em média, no ano passado. Como este ano não há CAN, esperemos tê-lo assim até ao fim, e dar-lhe o título que faz por merecer. Foi a referência de um ataque algo perdulário, e pareceu sempre andar a uma velocidade mais rápida do que a dos demais.

As formigas atómicas - Maxi e André André são, neste momento, absolutamente indispensáveis no FC Porto. A forma como não desistem, como resistem a tudo que é ataque e como ainda se conseguem superar, é fantástica. São o estilo de jogadores que mais aprecio - não fazem exibições de encher o olho, jogadas fantásticas per si, mas são a "cola" de tudo isto. Absolutamene brilhantes, como sempre.

Imbula - Cada vez mais, a pedra angular do FC Porto. Muito se reclamou com Imbula, mas hoje em dia, é a primeira definição do ataque e a primeira linha da defesa. Lopetegui poupou-o para Braga. Fez bem. Mas que se notou, notou. 

Cristián Tello - Absolutamente impossível de marcar sem falta, é bom ver o nosso Tello de volta àquilo que nos faz sonhar. Um extremo de qualidade, bom a cruzar, difícil de defender, sempre à procura do golo. Merece titularidade, já. 

Casillas - 51 jogos da Champions sem sofrer golos. O guarda-redes que consegui esta marca impressionante foi Iker Casillas. E foi com a nossa camisola. E com aquilo que faz o nosso ser um dos melhores do mundo - todo o jogo a dormir, no final, uma defesa extraordinária a manter a nossa baliza inviolada e o nosso registo impecável. Bravo, San Iker.


Tremelique e desnorte defensivo - Bem sei que enfrentavam o escuro do desconhecido na frente, mas entregar a posse de bola, falhar dobras e permitir ao Maccabi entrar por ali dentro só não deu asneiras por milagre. E por San Iker. Mal Danilo, mal Layún, mal Rúben a defender - este último acho que a acusar a pressão da Capitania. Curiosamente, a posse de bola controlada só chegou com...Herrera. Estranho. A ver e rever e re-rever.

Corona - Nada. Zero de magia, zero de explosão, zero de interesse. Passou totalmente ao lado do jogo. Nos antípodas de Brahimi.

Ok, pronto, já está - Aplaudo que se pense no campeonato, mas caramba, menos, ok? Obrigado.

ADENDA: Ridículas as capas d'A Bola e do Record. Mas continuem, por favor. Quanto maior o ego, maior a queda. A mais melhor equipa deste e d'alem mundo vai precisar do vosso... colinho.

terça-feira, 20 de outubro de 2015

Antevisão FC Porto - Maccabi Tel Aviv (Fase de Grupos Champions League)


Antes de mais, dizer que hoje esta é a imagem que ilustra o post porque celebra(re)mos um facto que muito nos orgulha. Rúben Neves será o mais jovem capitão de equipa de sempre da Champions League. Isto não é nenhuma brincadeira. Um jovem de 18 anos feitos há pouquíssimo tempo vai estar à frente na fila de Iker Casillas, por exemplo. Como sou pai, devo dizer que aquela família nem deve dormir com tal felicidade. E é inteiramente merecida. Rúben Neves não é só superior na leitura de jogo e na capacidade do passe. É um miúdo (desculpem, tenho uma filha com 16, este rapaz para mim é um miúdo) com uma maturidade absolutamente excepcional. Já o vi, sem medo, a dar instruções, já o vi incentivar a equipa e o seu Portismo é, para mim, a toda a prova.

Posto isto, falemos de bola. Ainda bem que Lopetegui não é parvo e não veio - nunca vem! - com o discurso de facilitismos e companhia limitada. Nesta jornada dupla contra o Maccabi joga-se literalmente o apuramento - ao vencermos os dois, tê-mo-lo garantido e podemos até aspirar ao primeiro lugar, se vacilarmos, podemos deitar tudo a perder. O Maccabi é um ilustríssimo desconhecido, não acredito que haja alguém que me possa dizer qual é o seu estilo de jogo ou equipa provável sem consultar a net. No entanto, Lopetegui frisa bem que se preocupa com o seu próprio jogo e mais nenhum. Acho muitíssimo bem. Ser fortes, pressionantes, acutilantes e, principalmente, eficazes é fundamental. Tudo o resto será o sortilégio do jogo.

Estou curioso para ver se Lopetegui não pôe Cristian Tello na equipa principal, acho que merecia esse voto de confiança. Já foi importantíssimo na Champions League muitas vezes. E acho que está a regressar à sua forma mais interessante. Saúda-se o regresso previsível de Marcano para um M&Ms diferente, mas sempre necessário.


Helton e Casillas (guarda-redes); Maxi, Martins Indi, Marcano, Rúben Neves, Brahimi, Aboubakar, Dani Osvaldo, Tello, Evandro, Herrera, Jesús Corona, André André, Miguel Layún, Danilo Pereira, Alberto Bueno, Imbula e Cissokho.


Casillas; Maxi, Marcano, Indi, Layún; Rúben Neves, Imbula, André André; Brahimi, Aboubakar, Tello;


segunda-feira, 19 de outubro de 2015

Zangam-se As Comadres, Sabem-se As Verdades


Antes de mais, quero dizer que vou fazer a antevisão do jogo da Champions amanhã, uma vez que só vou poder escrever a análise do jogo na quarta-feira.

Não podia no entanto deixar passar em claro a coisa extraordinária que aconteceu no Play-Off de ontem. A páginas tantas do programa, Inácio, a propósito da vergonha do caso dos vouchers, faz finalmente (alguém que o faça, porque nenhum dos "nossos" o fez) a ligação de causa-efeito entre a origem - desde o início da Eusébio Cup até ao dia corrente - dessa "oferta" e a sua Liga Real, demonstrando aquilo que já sabíamos: o FC Porto foi roubado de um campeonato. É óbvio que este estilo de coisa faz pender o tonus para o lado do benfica.

É um absurdo que se tente dizer que não é "por um jantar que lá vão", como fez Cláudia Lopes no Campeonato Nacional. Já agora, o que faz uma moderadora a confrontar um representativo - neste caso representante - de um clube a a dar opiniões?

Não é um jantar, são quatro. E não é a um árbitro. É a todos, mais observador e delegados. Um verdadeiro festival. Como diz, e bem, Rodolfo Reis, poderão não ser corrompidos - e eu acrescento activamente - mas inclinados a quem os trata bem, certamente. E assim também se influencia.

Mas, voltando atrás, apesar do nosso amigo Rui ter baixado violentamente o volume de voz ao dizer que, na Liga Real, o FC Porto ganharia destacado o campeonato. Foi assim a liga #colinho. E isso deixou Simões em fúria, por ter sido desmascarada uma parte da forma como isto foi tudo cozinhado. Depois, claro, pegou-se com o Rui Santos porque este disse que esta história dos vouchers não é nada normal. E não é. Simões acha que o silêncio do benfica é absolutamente normal.

Vai daí, Rui Santos dá uma de revolucionário e diz que a ele ninguém o cala e que é isento, numa clara alusão a Diamantino o ter exposto como sportinguista. Bem, portista é que ele não é. Mas esse não é o objectivo deste post.

Vamos para a 20ª vitória em casa. Estamos a jogar bem. Mas eu sublinho: convido-os a ver o quanto fomos roubados no ano passado. E agora, pergunto: Lopetegui é mau? Porque não ganhou nenhum título? Qual nos seria permitido? 

Vamos agora tendo, para já, um aliado improvável: o sporting. Mas é assustadora a forma como a nós nos passou tudo isto ao lado. Mas peguemos neste exemplo e não nos calemos mais. Até porque jogaremos com o sporting. E os canhões virar-se-ão para nós. Está na hora de sermos fortes. E, já agora, de aproveitarmos o resultado do derby de domingo, seja ele qual for. Para que depois tudo isto seja fait-divers. Demonstremos no campo que somos maiores que tudo isto.

domingo, 18 de outubro de 2015

Análise Varzim 0-2 FC Porto (Taça de Portugal)


Como orgulhoso poveiro de adopção, devo dizer sem contemplações que nunca esperei que os Varzinistas fossem vender barata a vitória. Entraram bem, como eu esperava, na expectativa de apanhar um FC Porto como apanharam - no início, completamente às aranhas com o seu posicionamento. 

Um Imbula quase a fazer de central,  a jogar muito para trás e uma troca de bola muito na zona defensiva,  iam permitindo ao Varzim subir no terreno e fazer o seu jogo, chegando a ameaçar um pouco Helton,  uma ou outra vez.


E assim seguiu a toada do jogo, muito à procura das explosões, até que Bueno lança um Tello que pareceu hoje jogar logo a seguir ao sporting. Tão bom ver Tello de novo de volta a si mesmo. O nosso extremo puro, pleno de velocidade e criatividade, que tão bem jogou.

Só que, à parte disso, foi-se sentido a disconexão entre ataque e defesa, e as pobres transições. E isso só viria a ser rectificado pela saída de um insipiente Varela - tu queres ver que vou ter de dar razão a Miguel Sousa Tavares... - e a entrada do muro Danilo Pereira, que permitiu Imbula reencontrar-se com o jogo e puxar a equipa lá para a frente.

Daí até ao fim, só deu FC Porto. Foi um festival de remates desperdiçados por Osvaldo e boas ocasiões que, com um pouco mais de entrosamento, teriam dado uma goleada que o "meu" Varzim não merecia.

O golpe de misericórdia foi dado pelo menino da Póvoa, André André - da Póvoa, quer dizer, daquela aldeia gaulesa entre a Póvoa e a Vila, as Caxinas - a terminar o encontro.


Não foi um massacre, acho que houve respeito, mas poderemos dizer que foi bonita a festa, pá!


Tello - Que bom poder voltar à coluna onde merece estar! Tello foi tudo aquilo que melhor sabe ser: acutilante, rápido, intenso, atento, bom a marcar, excelente a servir, será o regresso do Tello a carburar em pleno? Espero que sim!

Bueno - Pau para toda a obra, Alberto Bueno tentou sempre dar verticalidade e profundidade ao jogo, mesmo quando este parecia não ter. Muito promissor, quer pelo centro quer pela ala.

A entrega de Osvaldo -  Bom a receber, ainda a ter de melhorar muito a entrega do último passe, não foi por falta de entrega ao jogo que Osvaldo não trouxe a sua contagem pessoal dilatada. Valeu pelo esforço.

Varzim - Entrou com tudo, deixou tudo em campo, no início chegaram a ter ascendente sobre o jogo e a criar problemas na transição do FC Porto. Deixaram tudo em campo, foram verdadeiros Lobos do Mar e mereciam ter chegado mais longe na prova. Bravo.


Varela - Passou completamente ao lado do jogo. Em tudo. Não fez uma coisa que se lhe visse. Está claramente a mais.

A eficácia de Osvaldo - Por Keith Richards, meu caro Depp! Se fosse Lopetegui punha-te a treinar a finalização e o último passe até sexta feira! Não é assim que vais conseguir destronar o Rei Bakar....

Em considerações finais, dizer que nós não jogamos em campo neutro, nós jogamos com uma equipa de muito melhor valor dos que as adversárias dos outros e... vale a pena falar do árbitro? Foras de jogo mal tirados a Osvaldo, critério diferenciado... depois digam que sou eu que invento... artistas portugueses!

E parabéns ao Andebol do FC Porto, por uma merecidíssima vitória na Champions do Andebol! Bravo! Superação é o mote!

sexta-feira, 16 de outubro de 2015

Antevisão Varzim - FC Porto (Taça de Portugal)


Jogo na minha terra adoptiva - não sou poveiro mas estou aqui há 28 anos - com um esforçado Varzim que subiu para a II Liga, orgulho de raça e superação da terra no final do ano passado. Estou certo que os Varzinistas vão deixar tudo o que têm em campo, e tentar aproveitar as nossas fragilidades defensivas, virtude de termos os nossos M&Ms no estaleiro.

Ao contrário do que tem sido por aí veiculado, acredito que Danilo jogará, claro, mas no seu 6 habitual e não a central, onde creio que Lichnovsky fará por ser um digno substituto de Maicon.

Já sei que muitos vão ficar desgostosos por Sérgio Oliveira não estar convocado, mas o facto é que estou convencido que jogaremos em tracção à frente, num 4x2x3x1 e que acho que Lopetegui faz bem em não revolucionar completamente a convocatória. A Taça de Portugal não é a Taça da Liga (ou CTT, ou o que for) e é um claro objectivo, e acho que as mexidas no plantel vão aproveitar as características próprias daqueles que têm sido opção.

É obrigatório ganhar e essa obrigação é para levar a sério. E assim sendo, acho também importante que Layún jogue, para cimentar a posição que terá de fazer contra o SC Braga.


Helton e Casillas (guarda-redes); Martins Indi, Varela, Brahimi, Aboubakar, Dani Osvaldo, Tello, Evandro, Herrera, Jesús Corona, André André, Miguel Layún, Danilo, Alberto Bueno, Lichnovsky, Imbula e Cissokho.


Helton; Layún, Lichnovsky, Indi, Cissokho; Danilo, Herrera; Varela, Bueno, Tello; Osvaldo.

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Obsessões


Decidi ouvir a voz da "verdade desportiva" incorporada num semideus, Rui Santos. Começou logo bem, a elogiar o FC Porto pelo seu comunicado. Mas descansem, não sem antes dizer que a maior mancha negra de sempre era o Apito Dourado. Sim, antes.

Depois, apressou-se a dizer que a estratégia de Bruno de Carvalho era uma imitação da que Pinto da Costa, desde o sentar-se no banco de suplentes até ao discurso, e que, antes deste, Pinto da Costa já fazia todo o tipo de "discursos baixos, insinuações e ironias", para projectar o nome do FC Porto.

Giro, giro, foi o que ele disse a seguir: que, se Bruno de Carvalho ganhar o campeonato, será o maior Presidente de sempre do futebol português. Assim mesmo.

Não importam as conquistas europeias do FC Porto - o que é isso - o histórico das competições e o prestígio europeu.

Porque, insistiu ele, o FC Porto só não está na segunda divisão porque "invalidaram as escutas". Mas Rui Santos, caríssimo, está na hora de aprender. Não nos interessa a má reputação, interessa-nos aquilo que toda a Europa do futebol nos reconhece. Mesmo na altura de sacudir a sua falta de isenção com parvoíces, tipo a treta do negócio Mangala, ninguém se atreve a contestar o valor do FC Porto.

Com a baixa inesperada de Marcano para sábado, temos um problema central. Ou não temos. Senhoras e senhores, apresento uma solução. Está aqui em baixo.


Além do mais, subscrevo por inteiro o post do Vila Pouca, aqui.

terça-feira, 13 de outubro de 2015

O Paradoxo Arruaceiro


É um post muito curto - desculpem, não há grande matéria para mais. Ontem estava curioso para ver o dayafter do Prolongamento, um programa que nunca vejo, mas que por razões óbvias, decidi ver.

Qual a minha surpresa, quando no lugar de Manuel Serrão, estava Bernardino Barros. Fiquei imediatamente colado à cadeira.

Confesso, foi tudo o que sempre pedi neste blog. Sim, muitas vezes disse que gostaria de ver um verdadeiro defensor das cores azuis e brancas para contrariar aquela tez mentirosa e sobranceira dos clubes do sul.

O tonus do programa continuou exactamente o mesmo, com o odioso Pedro Guerra a tentar fazer das suas, só que, na sua frente, estava o samurai Bernardino, que lhe deu uma senhora coça. Não deixou, insisto, de ser um programa em que BB estava constantemente a ser interrompido e  onde passar um raciocínio foi bastante difícil. 

No entanto, a classe e a experiência do Mestre Bernardino soube mostrar que, contra pessoas preparadas, Guerra não tem a mais pequena hipótese. Bravo Bernardino. Não lhe peço para vir mais vezes ao Prolongamento, porque o programa deverá mudar o nome para Peixeirada, mas que se viu que eles não têm argumentos... não tem. Desmontar o Apito Dourado, de uma vez por todas, ter a coragem de derimir argumentos com um ser daquele nível, é de louvar.

Tenho também de dar os meus parabéns à atitude do Dr. Eduardo Barroso. Sendo que foi sempre alguém truculento, doente, parcial e faccioso, parece realmente um menino de coro ao lado daquela coisa. A sua atitude de não levar recados para casa e de abandonar um programa que se afundou em nome da audiência, e que está ferido de morte, só lhe ficou bem e eu subscrevo. 

A pergunta que urge colocar é a seguinte: como é que o director de conteúdos da B(enfica)TV pode ser paineleiro noutro canal? Eu acho isto muito estranho. E como permite o moderador que este último tenha uma preponderância de tempo e uma atitude arruaceira sacudindo as figuras de respeito do painel do programa uma a uma e tornando o ar do dito em irrespirável insulto, é algo que me ultrapassa.

Talvez a TVI ainda não tenha percebido que não foi Guerra, mas sim Bruno de Carvalho, a dar audiências. Foi só mais um programa que acabou de implodir. A mim, valeu por Bernardino Barros. O maior a dar uma coça a quem não tem capacidade para mais.

ADENDA: Nem de propósito. Naturalmente, subscrevo totalmente - e o post o comprova - o comunicado do FC Porto.

segunda-feira, 12 de outubro de 2015

TVcIrco


Vivemos tempos muito interessantes. Não é só o rodar mais do que um disquinho por parte do benfica e todos os seus peões e bispos (nisso, José Eduardo teve razão no Campeonato Nacional - é uma estratégia concertada, essa de todo o comentador/paineleiro benfiquista estar constantemente a interromper todo o comentador sportinguista para que a informação não passe), com vista a menorizar uma gravíssima ilegalidade - 24 jantares por jogo oferecidos pelo benfica. É muito mais!

Ao saber que não são nominais, ou seja, que podem ser transmissíveis a outros, o caso ainda se torna pior. Esvazia-se o argumento de Pedro Henriques de que nenhum árbitro havia requerido os ditos jantares. Pois não, pode ser levantado/vendido por/a outros! Não é assim tão menor que cada árbitro possa ter quatro jantares a seu custo, junto com os auxiliares e observadores do jogo!

E, bem, quando se pensava que o circo teria acabado na semana passada, eis que este domingo, além do programa descrito em cima, este dito domingo, sempre pródigo em "debate futebolístico", trouxe à tona um diálogo excelente entre Inácio e Simões - um a dizer, e bem, que o benfica estava sempre a falar da fruta e afinal dava a refeição completa - e este a retorquir com a opinião "isenta" do "grande jurista" Ricardo Costa. A sério, Simões? Mas nós estamos todos a dormir? Você acha que andamos a comer gelados com a testa? O mesmo Ricardo Costa que tudo fez para despromover - comprovadamente ilegalmente - o Boavista? Esse benfiquista das sete colinas?

Um spinner é, outra vez, Rui Santos, mas que no fim - depois de algum apertar por parte de Inácio - acaba por dizer "neste capítulo todos são iguais". E o nosso Rodolfo? Igual a si mesmo. Nos tempos actuais, a defender o benfica - não acha que isto dos jantares seja nada de especial - intransigente a defender a parvoíce de acharem que o FC Porto tivesse sido beneficiado na altura do Apito Dourado. Em suma, reforçando a ideia de que, para ele, o FC Porto acabou com Mourinho.

Já no Trio d' Ataque, Miguel Guedes esteve exemplar a defender o nosso FC Porto depois do mais-que-previsível colar, por parte de João Gobern, desta situação ao Apito Dourado. Miguel Guedes disse que "foi pena a investigação ter acabado em Leiria, porque se veria muita fruta e café com leite a centro e a sul". Magnífico, Miguel, muito bem.

Voltando ao início, o que mais gostei foi da troca de galhardetes entre Diamantino e José Eduardo, com um a chamar oportunista ao outro, com todas as letras, por causa das suas ligações contratuais ao nosso sporting.

O nosso Bernardino Barros atalhou com bicadas aqui e ali, mas, desta vez, falar pouco foi mesmo muito bom. 

Resumindo, caros amigos, estamos a viver uma nova era. A era em que cai de vez a máscara sacrossanta do clube das papoilas e que tudo se mostra a nu. Não há mais como fugir da ideia do #colinho e, honra feita a quem denunciou, os pratos das balanças estão novamente in su sítio, e não haverá mais capacidade de ninguém ter um "ascendente moral" sobre quem quer que seja.

Vai voltar a resumir-se tudo ao campo. E deixo no ar a pergunta: para Carlos Xistra - mais que presumível árbitro do derby - haverá caixinha? Não deve haver. Agora, abre-se o caminho para a meritocracia.

Façamos o nosso trabalho. Vencendo o Braga, o maior beneficiado deste derby seremos nós.


domingo, 11 de outubro de 2015

Breves Que Resumem Um Fim De Semana


- Quando se vê a qualidade absurda da equipa B e das equipas de formação, sabemos que o género de formação e de compras do Futebol Clube do Porto leva a uma transição suave entre o sobre-orçamento e uma equipa à Porto, capaz de ganhar cá dentro e de criar uma base para um Futebol Clube do Porto europeu. A paciência rende milhões, como se vê no interesse em Rúben Neves.

- A recuperação genial de André Silva é das notícias mais fantásticas dos últimos tempos. Além de demonstrar a garra e a força de vontade imensas do André - parabéns miúdo! - que o pode fazer voltar já dia 21 aos relvados, é da mais elementar justiça que não lhe seja retirada a capacidade de ser a estrela da Segunda Liga que merece ser.

- A maior certeza que poderíamos ter da veracidade da questão dos jantares está na forma como Vieira se tem desdobrado em constantes mudanças de direcção e danças de argumentos, desvalorizando tudo isso como se tratasse de um "arrufo" pré-derby. Contando com o beneplácito da imprensa, vai fazer de tudo para fazer esquecer o assunto. Mas nós não o esqueceremos. Nunca mais.

- O Andebol do FC Porto melhorou ainda mais depois de não parecer possível: agora, tem também a sua Raça e superação evidenciada também nas Competições Europeias. Parabéns rapazes!

- As lesões não são culpa das selecções mas, se um jogador joga quando se sabe estar lesionado, é para mim um grosseiro abuso. E tem de ser controlado.

sábado, 10 de outubro de 2015

Se Eu Ficar Muito Quietinho Isto Passa


Assim se pode resumir as declarações de ontem de Vieira. Nada de explicações. Para quê? É só um ciclo noticioso. Bem, a não ser que não seja. A não ser que tenha consequências jurídicas. Mas mesmo assim, caro Luís, entenda: o que desapareceu foi essa aura moralista - que muitos de nós já sabiamos falsa - acerca do clube de Carnide. Entre droga na Porta 18, claques que atiram tochas e os jantares de árbitros - ridícula a argumentação de que cada jantar custa 35€. Meus amigos, até podia ser um hamburger do McDonalds, o problema é o que vem com o jantar, sobre que forma e etc - e toda a questão dos telefonemas do sr. Pereira, lá se vai a aura de anjinho. E essa não é recuperável, nunca mais. Porque, ao clube de Carnide, não rendeu dois empates num campeonato resolvido num ano de campeonato europeu, rendeu um rol de jogos inclinados e um campeonato.

250 mil espectadores na peixeirada de segunda feira. Eu não fui um deles. Esta bela marca significa que teremos mais do mesmo, outras tantas vezes. Do outro lado temos, curiosamente, o MaisFutebol, que nos seu isentíssimo critério editorial resolve ignorar este assunto por completo, dizendo-o apenas de "baixo nível". Eu sei, eu sei, o Clube Amigos da Segunda Circular está um pouco envergonhado, então toca a sacudir para debaixo do tapete. É preferível pensar que a semana começa à quarta-feira. Meus caros, podem fugir mas não se podem esconder.

Por falar nestes queridos, é bom saber que Ricardo Pereira está a pensar seguir o caminho do Rolando, que como se sabe tem óptimos resultados.  Talvez seja conveniente recordar o Ricardo do facto de que Lopetegui tentou apostar nele como lateral direito e ele falhou completamente. Muitas vezes Ricardo falhou as marcações, fez um penalti de amador e custou pontos. Ricardo Pereira é um extremo talentoso, ainda bem que se está adaptar à posição de lateral esquerdo no Nice e desejo-lhe muito sucesso. No entanto, não é com vinagre que se apanham moscas. Esse caminho de "bater no treinador" não me parece ajuizado, mas cada um sabe de si. Contudo, o histórico não está a favor dessa prática.

Finalmente, num ano de ganhos recorde e do maior lucro real dos três grandes, ainda bem que o destaque do Record é o aumento da folha salarial. A inveja é uma coisa tramada e não há como fugir dela. Cada um pode ver o copo meio cheio assim como meio vazio. Não altera, contudo, a realidade. Enquanto o FC Porto cresce e se expande, os seus rivais comprimem-se ou empurram os problemas com a barriga. E nesse sentido, pouco importa a percepção geral. A marcha do tempo se encarregará de mostrar quem tinha razão.

sexta-feira, 9 de outubro de 2015

A Assíntota Entre O Desporto E A Finança


Antes de começar a escrever este post, vou dizer que aprendi muito com a apresentação do último R&C. A minha Matemática é a Teórica, não a contabilística, por isso convido ROCs e TOCs que me leiam a fazer a vossa apreciação do R&C, que está aqui.

Uma coisa se pode inferir deste R&C - aquilo que já tinha falado em posts anteriores e que volto a frisar: a primeira função no ano passado de Lopetegui era equilibrar as contas. Por muito que nos custe, Fernando gomes admitiu-o claramente. Quer pelos mais de 36M que já conseguimos só por estar na Champions - e que incluem a entrada deste ano - quer pelo sucesso de vendas, que nos deu um resultado de 86M de mais valia sem incluir o Alex Sandro, essa parte foi plenamente conseguida. 

Fernando Gomes explica-o bem aqui. Mas é preciso ter bem ciente que este "ultrapassar das expectativas" em termos financeiros foi feito à custa de uma pessoa - de Julen Lopetegui. Fica claro que foi criada uma assíntota entre os resultados desportivos e os financeiros, tendo sido dada prioridade aos últimos em detrimento dos primeiros.

Assim sendo, torna-se evidente que a Champions League foi sempre uma prioridade absoluta, pois tratou-se, não só de uma montra muito bem sucedida, mas de uma fonte de receita exponencial em relação aos proveitos de um campeonato.

Assim se permitiu - para mim de uma forma completamente sádica - que se fosse deteriorando a imagem de um treinador, partindo do princípio que essas opções eram suas e não da estrutura directiva do FC Porto.

Impõe-se perguntar se este caminho absolutamente estratosférico, uma vez que rendeu perto de 19,4M de lucro, é para manter ou para inverter. É que o equilíbrio competitivo é possível - sim, é tão, mas tão fácil, fazer como em Alvaláxia e ignorar completamente a necessidade da Europa... - mas os resultados desportivos têm de estar à frente dos financeiros. Um clube sem vitórias desportivas não é mais do que uma empresa. E uma empresa não tem adeptos.

Uma vez mais insisto, é de ter compreensão e admiração pelo que Lopetegui passou o ano transacto. É de esperar que seja mais escudado este ano. É de esperar que o foco principal do FC Porto seja a conquista do campeonato nacional e taças subjacentes. Não se pode esperar querer competir com clubes que têm mais de orçamento anual do que o nosso activo de Clube.

Se o FC Porto não precisa de patrocinadores, óptimo, mas seria bom ter um. Penso eu.

A selecção ganhou. Danilo jogou bem, não se lesionou. Pronto. É tudo o que me interessa. Desculpem a franqueza.

quinta-feira, 8 de outubro de 2015

Perguntas E Curiosidades


 - Se é verdade, se os árbitros admitem, se a FPF já enviou para o ministério publico tudo o que tem sobre isso, como é possível que, ao contrário da hipotética - e não provada nem acusada - notícia do envolvimento de Antero Henrique com a S.P.D.E., não faça esta notícia de grave corrupção abertura nos jornais?

- Se é verdade que as diferentes estações se preocupam tanto com os seus conteúdos espalhados pela net, ao ponto de serem imediatamente retirados pelos sites que os albergam como denúncia, como é possível que só conteúdos directa e indirectamente relacionados com o benfica sejam sistematicamente retirados?

- Se é verdade que a maioria dos comentadores em programas de cariz desportivo têm ligações directas e informação privilegiada sobre os clubes, desempenhando muitas vezes funções activamente nas estruturas dos mesmos, e no nosso caso são sempre pessoas que primam pela sua "independência" e "pensamento crítico", não será de inferir que há um critério editorial claro nisso? Como explicar a sua transversalidade, que seja igual em todos os canais? Como explicar a assimetria de tempo constante à qual o FC Porto é votado nesses programas?

Se alguém souber, responda. Boa sorte Danilo e André André.

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Branqueamento


Durante muitos anos, todos nós, Portistas, temos levado com a história do Apito Dourado. Chamam-nos o clube da "fruta", os corruptos e por aí em diante. Na segunda feira aconteceu aquilo que falei no post de ontem. O benfica não vai reagir. Uns acham isso normalíssimo. Aliás, os árbitros já vieram confirmar. Tudo normal. Então não? Então comparado com o que oferecem os restantes clubes...

Curiosamente, o campeão da verdade desportiva, Rui Santos, achou por bem malhar em Bruno de Carvalho e dizer, apenas, "investigue-se". Ao contrário do Miguel, não fico surpreendido. Já sei no que isto vai dar: em nada.

Nada. Zero. Nicles batatóides. Agora, algumas coisas impõe-se a um adepto Portista. E eu vou passar a elencá-las: 

- De uma vez por todas, fica provado - e não me interessa se se acredita no Pai Natal por todo o resto do país - que houve, sem dúvida, o #colinho e que nos foi roubado claramente um campeonato. Está na hora, pois, de compreender o que isso traz de relevante: teríamos tido um número recorde de pontos, um campeonato extraordinário, jogadores motivados e um treinador aclamado. Foi isso que nos roubaram, para lá do título. Não é coisa de somenos.

- Nada lucramos em termos de pontos com os jogos do Apito Dourado, foi, é e sempre será um absurdo estar a falar desse assunto num ano em que ganhamos a Champions League. De ora em diante, é obrigação de cada Portista, de cada vez que se falar em fruta, responder com a palavra "jantar". 

- Está na hora de deixar de crer na conversa dominante. Compreender que há apenas um tipo de informação em tudo o que é programa e jornal desportivo - tendenciosa, influente e manipuladora. É necessário acordar para essa realidade e não consumir a conversa dos outros. Quando há diferentes pesos e medidas sobre situações do mesmo tipo consoante as cores da camisola, quem produz esses julgamentos deve ser ignorado.

- Quando acharem que os nossos cânticos são "complexos de inferioridade", é relevantíssimo explicar que é só a raiva do menosprezo e sobranceria a que somos votados.

No entanto, quero aqui agradecer ao manto. O FC Porto não faz anti-jogo, não se faz minúsculo, não se queixa. Luta, cresce e supera-se. Vencendo-os no seu próprio jogo. Contra tudo e contra todos. E essa superação vem da revolta que sentimos com toda esta coisa.Enquanto os outros se agigantam na sua pequenês, nós crescemos na adversidade.

Já agora, zero mortes vindas dos Super e do Colectivo. Zero. Nós, os arruaceiros, os corruptos, os bimbos, temos a claque legal, o melhor sistema de protecção no Dragão e zero histórias de confrontos... a não ser aquela, ridícula, que nos tentaram imputar, quando Fernando Madureira estava a defender os adeptos do seu clube contra casuals.

Podem tentar enganar-nos mas iremos vencer!

Viva o FC Porto! Contra tudo e contra todos seremos Campeões.