segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

Carta Aberta Ao Capitão Rodolfo Reis


Meu Capitão,

Sei-o um inabalável Portista. Não desconfio disso um segundo sequer. Não o vi jogar, foi anterior ao meu tempo, mas sei reconhecer que a Raça era a sua qualidade dominante, pelos relatos da entrega que deixava no campo, no balneário, na forma como mostrava que o Futebol Clube do Porte era a sua vida.

Não ponho em questão que ainda seja. Não duvido disso por um segundo. Mas receio que esteja, sem saber, a cometer um erro grave: você está a jogar um jogo diferente do dos seus colegas de painel.

Será, com certeza, a sua ingenuidade - e entenda isso da melhor maneira, não negativa, mas sim positiva, no sentido que acredita na nobreza de carácter daqueles que o rodeiam.

Mas sabe, Capitão, à excepção de si todos têm uma agenda, todos têm um discurso estudado, todos rezam uma cartilha. João Abreu segue mandatado pela estação para a qual trabalha - não critico, é normal - e portanto bate no inimigo do ficaben, João Alves é capaz de, com o ar mais respeitoso do mundo e de cara séria, com ar sábio, dizer convincentemente que o negro é branco, Inácio, bem, nem precisa de introdução, vai lá defender com unhas e dentes a sua entidade patronal que é o clube do coração dele e a ratazana Rui Santos vai disseminar o seu ódio anti-azul, responsabilizando o Clube do meu Capitão por tudo o que de mau houve, há e haverá.

Meu Capitão, o único que critica o seu próprio emblema é o senhor. E entenda, é precisamente para isso que o Capitão aí está! Ninguém mais, no painel, mesmo sabendo dos erros dos seus respectivos clubes ou corporações, irá alguma vez expô-los. Irão fazer aquilo a que se chama o spinning, ou seja, a arte de, através da retórica, transformar algo que é naquilo que não é.

Por favor, entenda, caríssimo, que não deve orgulhar-se de jogar um jogo diferente, de não se informar, de não reunir. Assim, estará sempre desfasado, anacrónico e será o "pato" de todas as piadas. Meu caro Rodolfo, isso prejudica o Clube que você ama!

Peço-lhe, mude de atitude, deixe de jogar um jogo diferente, deixe de se orgulhar de estar a leste! Foi confrangedor vê-lo a atacar o seu treinador daquela maneira com o representante do ficaben a defendê-lo. Isso nunca deveria acontecer! Dá uma imagem frágil ao nosso Clube, diminui as nossas conquistas, fere a nossa forma de Ser! Entenda, meu Capitão, você poderá dizer o que quiser numa mesa de um café - no programa, está como representante do Brasão Abençoado! A imagem de coitadinho - já agora, essa obsessão pelo Jorge Jesus... - não pode ser colada ao Futebol Clube do Porto! Nem a sí!

Reveja as imagens, olhe como se riem de si! E, já agora, veja o Campeonato Nacional, com Bernardino Barros, para perceber como deve ser a postura de um verdadeiro representante do Futebol Clube do Porto - preparado, atento, de resposta pronta! O que não significa que não possa ter uma opinião própria!

Se vai a uma guerra desarmado, irá continuar a ser gozado e humilhado. E consigo irá o seu Futebol Clube do Porto. Por favor aperceba-se da realidade e mude. Antes que seja tarde.

Um Portista de Coração,

Jorge Vassalo

P.S.: A vergonha continua. Assim é fácil. Mas deve ser noticiado. Deve ser exposto. Olhe, como Inácio expôs o jantar que toda a Nação Portista comentou. Ponto para o sportem. Mais um para juntar à colecção. Como é possível Inácio referir uma coisa tão importante que terá, certamente, visto na Bluegosfera!, que foi este jantar! 

Sabe, meu Capitão, você que foi um 6, tem de perceber que as bolas estão todas a passar-se ao lado, por cima, por entre as pernas. Defenda-nos, como me contam que tão bem fez enquanto jogador! Obrigado!
 

domingo, 28 de fevereiro de 2016

Análise Os Beleneses 1-2 FC Porto (24ª Jornada) - Noussa, Que Bioliência!


Uma vitória sofrida que não deveria ter sido. Começamos o jogo muito bem, a primeira jogada, com Danilo disparado pela linha deu um bom mote. Um Suk muito aguerrido também. E foi justamente de Suk, ao não desistir de uma bola e a atrasá-la para Brahimi, que este abriu o marcador muito bem. Pouco tempo depois um cruzamento de Maxi que Tonel interceptou mal e colocou na própria baliza - disse que esteve encandeado pelas luzes - deu o 2-0. 

O problema veio a partir daí. Eu sei que a nossa equipa está de rastos. Eu sei que, ao contrário do sportem, não jogamos nunca à segunda feira, depois de jogar na quinta, mas o recorrente problema das pilhas de André André acabarem aos 60' e a inexistência Corona (ver "Faltas") abriram o caminho a um domínio prolongado do Belenenses na partida, durante o qual conseguiram marcar um golo de falha de marcação terrível - mais um! Eu sei que o golo é precedido de falta, antes ainda do meio campo, mas a forma como o Belenenses criou perigo foi inqualificável.

Só quando Marega rendeu Corona e Evandro rendeu André é que a coisa voltou a equilibrar minimamente. Mesmo assim, aos 91 minutos ver Suk a congelar a posse de bola junto à linha de canto, não deixa de ser muito triste! Apesar de tudo, já vimos rivais vencer jogos muito mais injustamente que isto. Portanto, 3 pontos no papo, siga para bingo.

Vamos agora ter uma semana para preparar jogos - pelamordasanta não me digam que preparam o do Gil Vicente ... - e Layún de volta (Chidozie esteve muito bem!) para equilibrar isto.


Suk - Nota-se que ainda não há jogadas estudadas, mas Suk tem uma disponibilidade e uma garra que deixa qualquer Portista com um sorriso. A atacar, a defender, a assistir - claro, ainda nem sempre com critério - Suk deixa tudo no campo.

Brahimi - Um excelente jogo do argelino, cada vez melhor no passe, a descobrir colegas, a segurar a bola já sem se "colar" demasiado a ela, só falta melhorar a defesa para ser ainda mais decisivo nesta parte final da temporada. Saiu lesionado, esperemos que não seja nada de mais.

Evandro - Quando estávamos a perder o controle do jogo, entrou Evandro. Quando entrou Evandro voltou a posse, voltou o meio campo, criou-se o duplo pivot Herrera-Danilo e o jogo estancou. Excelente como "metrónomo", foi essencial para segurar um jogo que tinha tudo para acabar muito, muito mal.

San Iker - Uma vez mais, providencial a ser a lenda que é. Não fez defesas espectaculares, mas fez as defesas necessárias para que a vitória estivesse segura e foi a calma no meio do furacão. Fico nostálgico só de pensar que possa ir embora no fim do ano.

Chidozie - Um passe adocicado a desmarcar Corona que não o soube aproveitar, saída a jogar com critério, muito mais coragem nas divididas, Chidozie será, em breve, um caso muito, muito sério. Hoje foi o nosso melhor central. E isso é fantástico.

Marega a defender - Sim, eu sei, sou polémico, mas Peseiro acabou por justificar o que pensava: tudo o que falha a Marega no ataque, é que ainda não tem ligação com os colegas. Na defesa esteve a anos-luz de Corona e isso foi, justamente, o que era preciso. Quando estiver mais entrosado, será mortal. Podem escrever. Até lá, é, injustamente, o novo patinho feio.


Corona - Um zero à esquerda. Nada. Nem uma jogada para amostra. Mude-se o lado, sei lá, jogue-se noutro sistema. Neste, Corona está completamente a leste do Paraíso.

Peseiro - Horrível ao deixar Bueno na bancada por um incipiente Varela, pavoroso a deixar correr o jogo que se esvaía como sangue, enquanto todos nós desesperávamos a ver André André no limite das suas forças a arrastar-se em campo, sem que Evandro - a escolha natural - entrasse em campo. Ou Marega a entrar só quando já tínhamos o golo encaixado. A rever, Mister. 

A posse ou a falta dela - Antes tínhamos uma posse de bola exagerada. Agora mão temos nenhuma. Ter bola é melhor que não ter. Vamos tratar disso, ok?

sábado, 27 de fevereiro de 2016

Antevisão Os Belenenses - FC Porto (24ª Jornada) e Respeitar e Dar-se Ao Respeito


Jogo de vital importância num campeonato a entrar na sua fase decisiva, antecedendo um derby que nos vai render pontos, seja qual for o resultado, mas cujo capital só aproveitaremos se vencermos e ultrapassarmos esta armadilha. Digo armadilha porque sei perfeitamente que o Belenenses não vai abrir a auto-estrada como fez com os seus queridos rubros amigos. Tudo fará para nos impedir de pontuar, não por eles, mas por causa dos seus besties.

Só um FC Porto que encare cada um dos próximos jogos como finais poderá aspirar a ser campeão. Se não quisermos ficar já reduzidos a uma frente, temos de dar tudo por tudo. Contra tudo e contra todos, contra igrejas e... Capelas.

Indi está lesionado, Layún castigado, mas nem tudo são más notícias: saúda-se o regresso de um jogador de grande qualidade, velocidade e critério que tem tudo para ser letal com Peseiro - Alberto Bueno. Resumindo: um FC Porto com ambição e a dar tudo em campo irá vencer. Qualquer outro FC Porto poderá comprometer toda a época. Dez finais. É o que se impõe. Dar tudo por tudo. Sem hesitações. Sem desculpas.

Helton e Casillas (guarda-redes); Maxi, Marcano, Rúben Neves, Varela, Brahimi, Aboubakar, Marega, Sérgio Oliveira, José Ángel, Evandro, Herrera, Corona, André André, Danilo, Bueno, Suk e Chidozie.

(4x2x3x1): Casillas; Maxi, Chidozie, Marcano, Ángel; Danilo, Herrera; Corona, André, Brahimi; Suk;


Vítor Pereira vai-se embora, mas não sem antes ir espalhando bombons. Antes de jogarmos, o ficaben vai jogar mais um jogo caseirinho. O árbitro, Cosme Machado, é o mesmo da primeira volta, Cosme Machado. Norton de Matos treinador do União, disse esta linda frase aqui em cima. Está tudo dito, verdade?

Ontem, no MaisFutebol, houve uma discussão, que até acho interessante, sobre a arbitragem e sobre o respeito que é preciso haver pela figura do árbitro. Concordo até, evidentemente, com a introdução das tecnologias na arbitragem. Acho, realmente, um atraso ridículo em relação às restantes modalidades desportivas que as adoptam. No entanto, nada disto credibiliza, nada deste benefício sem nenhuma espécie de pudor ajuda ao ambiente. Arbitragens correctas não são contestadas. Pelo menos no FC Porto. Cabe a cada um de nós fazer a sua parte. Por um futebol melhor. Sem inclinações.

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

Espaço Z: Exigência e Inteligência

Há já algum tempo que um pós-jogo não me deixava tão furioso como o de ontem. Fui lendo o que se escreveu por aí, as reacções "a quente" da bluegosfera e das redes sociais, e senti-me um bocado perdido numa qualquer dimensão a largas milhas daquela em que, conscientemente, penso que todos nos encontramos. Acho que anda tudo a delirar. Anda por aí muita gente enganada e, pior, não sabe que anda.

1- O mês de Janeiro foi dos meses mais negros na história azul-e-branca, desde que me recordo de ver futebol. Terá havido situações piores, acredito, mas talvez a fase final de Lopetegui tenha apenas comparação com o (felizmente) curto reinado de Octávio Machado. Todos nos divorciámos uns dos outros - jogadores entre si e do treinador, o treinador da direcção, a direcção do treinador, e os adeptos de quase tudo o que respira. A equipa caiu como um castelo de cartas, e a já frágil posição de Lopetegui abanou como se um terramoto o tivesse atingido. Pediu-se a cabeça do treinador, até não mais ser sustentável que continuasse. Uma série negra de resultados, equívocos, má gestão, azelhice, teimosia e, acima de tudo, de exibições miseráveis, fez com que a saída do basco fosse apenas uma questão de tempo, não porque fosse produzir qualquer milagre, mas porque deixou de haver um mínimo de condições para que continuasse. Uma solução mais forçada do que planeada. Um desgaste absoluto entre um indivíduo, jogadores e adeptos. Um fatalismo que se adivinhava.

2- Quem anda nisto há algum tempo, e tem a capacidade de ver tudo sem extremismos, fantasias pueris, soube que nesse momento se estava a dar uma machadada na presente época. As trocas de treinador raramente produzem resultados imediatos, e especialmente neste caso, tentar mudar o "chip" de jogadores que foram sendo formatados ao longo de um ano e meio para jogar sempre da mesma forma, num futebol previsível e mastigado, de pouco risco, era tarefa quase impossível. Nenhum treinador consegue fazer uma transição profunda com a época a meio. Nenhum! Especialmente num campeonato em que cada vez mais uma derrota pode significar um atraso irrecuperável, visto que os 3 principais candidatos raramente perdem pontos. Era, como tal, necessário escolher alguém que conseguisse minimamente juntar os cacos, limpar alguns corpos estranhos do balneário e, acima de tudo, reorganizar a equipa. Também era fixe que fosse conseguindo fazê-lo, ganhando. E se possível com jogos a cada 3 dias, portanto, com pouco espaço para treinar. Há ainda quem acredite que ser treinador é como no Football Manager: carrega-se nuns botões, faz-se a táctica, escolhe-se jogadores e coloca-se o Aliados do Lordelo a lutar pelo título de Campeão Europeu com o Barcelona. Se calhar, mas só se calhar, o treino é uma parte fundamental do sucesso duma equipa. Dos meiinhos às peladinhas, passando pelos exercícios complexos com cones de todas as cores, é aí que se corrige e trabalha os posicionamentos, movimentações, bolas paradas, etç. Lamento desapontar-vos, mas o sucesso dá trabalho. Do departamento de scouting aos fisioterapeutas. Do treinador aos preparadores. Do Chidozie ao Casillas. E não é em cima do joelho, sob intensa pressão, que se transforma merda em ouro. Não é mesmo. É preciso trabalho de base, treino, paciência, luta, tempo. Tempo. Tê-lo-emos? Trabalho de base... Pois...

3- A maior falácia vendida esta época pela CS, foi a de que o nosso plantel é o "mais-melhor-fabuloso-invencivel do últimos 10 anos". Não, dos últimos 30 anos! E, como sempre acontece, lá houve portistas a emprenhar pelos ouvidos, gente que ainda não percebeu que é sempre necessário desconfiar mil vezes dos elogios da imprensa. Queria fazer uma comparação posição a posição, mas não tenho tempo nem energia para tal. Peco-vos que recordem as temporadas do mais recente tricampeonato e me digam um, um só (!!) jogador titular que não tivesse lugar de caras nesta equipa. O sucesso dá trabalho, dizia em cima. Mas também é preciso talento. Se possível, bastante talento. Surpreende-me, como tal, que haja quem diga que "não temos Danilo, Alex Sandro, Jackson, Oliver mas foram bem substituídos!". Comoooo?? Onde? Onde, caralho?? Maxi mais lutador do que Danilo? Talvez. André André mais portista do que Oliver, sem dúvida! Layun mais líder e menos soneca do que Alex? De acordo. Aboubakar mais... Nada do que Jackson? Também. Melhores? Muito melhor servidos? Mas estamos a brincar gente? Temos um plantel desequilibrado, com demasiados jogadores banais, demasiados jogadores apenas e só esforçados, lutadores, mas pouco mais. E os poucos verdadeiramente talentosos, não chegam para as encomendas. Pego em Danilo para exemplificar: tem sido um motor da equipa, mas já ouvi por aí que até faz esquecer o Fernando... Fará? Já viram a quantidade de golos que temos sofrido porque o rapaz recupera a passo? A quantidade de vezes que a nossa defesa fica exposta porque o corredor central não tem um único jogador a fazer transição defensiva? E não é de agora, é desde o início da época. Pode melhorar, decerto vai melhorar, mas ainda é um miúdo com potencial é muito para aprender. André André, um puto esforçado, de sangue na guelra, portista até aos dentes mas... Quantas vezes recebe e roda directamente para a baliza, como um bom médio deve fazer? Quantas bolas complicadas consegue colar no pé? A Malta gosta de comparações, mas esquecem-se muito duma coisa: para cada João Pinto, tínhamos um Madjer e um Futre; para cada Nuno Valente ou Ricardo Costa, tínhamos um Deco ou Alenichev; para um Jorge Costa, tínhamos um Ricardo Carvalho. Não nos deixemos enganar. Temos um plantel voluntarioso, solidário, mas muito, muito mediano. Melhor plantel porque gastamos muito dinheiro? Porque fomos "gastar 20M" em Imbula? Tenham juízo ...

4- A decisão de despedir Lopetegui não foi planeada. Erro colossal da SAD, que nos podia ter custado já o campeonato em Guimarães, ou a Taça no bessa. Brincou-se com o fogo, andou-se ali a enrolar porque, espantem-se, conseguir trazer para uma cadeira a arder um treinador em condições é muito difícil. Estou certo de que houve verdade em algumas das sondagens que foram sendo feitas, mas acredito que o timing tenha sido um obstáculo demasiado pesado para se avançar. Falou-se muito de Marco Silva, Leonardo Jardim, e até do regresso do traidorzeco AVB. A surpresa foi geral (incluo-me neste "pacote") com a opção por Peseiro. Não vou estar aqui a analisar o treinador a fundo, mas não me parece que seja uma opção excelente, nem uma opção tresloucada. Terá defeitos e qualidades mas, acredito, seria a opção mais viável para abraçar o colossal desafio de nos tentar fazer chegar a bom porto ainda esta época. E só pela coragem de entrar assim numa casa a arder por todos os lados, merece o meu respeito. Mais importante do que tudo, ao entrar em Janeiro, no ponto escandalosamente baixo que atingimos nessa altura, seria impossível assacar quaisquer responsabilidades a José Peseiro pelo que restasse da época, coisa que durou até ontem - segundo percebi.

5- Quando todos caímos na realidade, e percebemos que qualquer colosso como o Dynamo Kyev conseguia vir dar um banho de bola ao Dragão com a maior das facilidades, ficou claro que a época europeia não. Semanas mais tarde, consumada a eliminação dessa competição, fomos colocados perante uma das mais difíceis (senão a mais dificil) equipas da Liga Europa. O poderoso Dortmund, renascido pelas mãos de Tuchel, 2º classificado dum campeonato eternamente liderado pelo super-Bayern, com o melhor ataque da competição. Uma equipa renascida das cinzas, com qualidade a rodos em praticamente todos os sectores. Campeões mundiais, campeões alemães, jovens a transpirar potencial e, acima de tudo, uma base humana e táctica que se mantém há seguramente 5/6 anos. Alguma semelhança com o FC Porto? Só por piada se pode pensar que sim. Poupem-me! Alguém pensou ser possível, no decorrer da hecatombe de Janeiro, virmos a melhorar tanto no espaço de mês e meio, para que fôssemos capazes de eliminar o Dortmund. A duas mãos? Jogando o primeiro jogo fora? Ainda por cima carregados de ausências e limitações? Eu gosto muito de acreditar em vitórias épicas, e acho que a vitória na Luz já teve contornos assim. Mas o Benfica não é o Dortmund. Campeonato não é eliminatória. Jogar sem um jogador, não é o mesmo que jogar sem vários. Ter toda a gente em forma, não é o mesmo que ter meia equipa de gatas. Não são desculpas; são factos. Estão ali, bem à vista de todos. Queriam o quê, meus caros? Que fôssemos de peito feito à Alemanha apanhar 4 na pá? Acham que íamos ter mais oportunidades de golo assim? Não consideram que teria sido bem diferente se tivéssemos jogado primeiro em casa? Queriam que esta equipa, com cacos colados com cuspo, conseguisse fazer dois jogos épicos contra uma equipa fortíssima?

6- Não me senti defraudado nem envergonhado pelo Porto desta eliminatória em Dortmund. Envergonhado, senti-me depois de Famalicão e de Santa Maria da Feira. Envergonhado senti-me na Luz o ano passado, ou em Alvalade este ano. Porque aí, para além de ver zero futebol, vi zero de atitude. Mas nestes dois jogos? Nada disso. Como muitos de vocês, odeio perder, odeio ter de me conformar com a superioridade do adversário. Mas por vezes precisamos de analisar bem os factos antes de recorrermos a conclusões idiotas, possivelmente as conclusões que mais tenho visto por esse mundo cibernético fora desde ontem. Acho muito bom sermos exigentes; gostava que essa exigência fosse bem medida. Não posso exigir mais a um treinador que chegou com um barco a afundar e que, neste momento, ainda o consegue manter à tona. Não consigo ficar chateado com uma equipa que, sabendo das suas limitações, e apesar da mediocridade de algumas unidades, chegou ao final do jogo completamente rebentada.

7- O argumento de "sentir-mo-nos defraudados por Peseiro disse uma coisa e depois fez outra", é absolutamente espectacular. Podia o homem ter dito "Vá, hoje vou colocar a jogar outros jogadores, porque tenho metade da equipa a soro desde Domingo, e no próximo Domingo dava-me jeito ganhar ao Belenenses. Partimos com uma desvantagem espectacular de 2-0 contra esta equipa fabulosa, mas como acho que não conseguimos dar a volta, vou poupar jogadores. Nem precisam de comparecer no Estádio; eu sei como vocês gostam de ir lá só mesmo se houver ópera e vitórias por 5-0, por isso nem se deem ao trabalho. Fiquem em casa quentinhos a ver o Big Picture, mas acendam uma velinha por nós, tá bem? Obrigado e Deus nos ajude!" ? Poder, podia. Mas se calhar ia ser um bocado complicado. Foi um discurso de clichês? Foi sim senhor, igual ao de 99% dos intervenientes no futebol. Se poupou André André e Herrera, Brahimi e Corona para que possam estar a 100 % para foder o Belenenses, óptimo! Ele não precisava de me dizer ao que ia: eu vejo todos os jogos do Porto, e percebi perfeitamente. Notas negativas a um treinador que está nesta posição? Críticas a quem menos culpa tem do momento que vivemos? Mas estamos a brincar? Um gajo que consegue fazer o que dois imbecis não conseguiram durante dois anos (ganhar na Luz e conseguir reviravoltas a perder por 0-2), com um plantel remendado e vindo directamente do esgoto, e é esta a paga. E os jogadores? Ontem, lutaram que se fartaram, correram até as pernas falharem. Se não fizeram mais, foi porque tiveram do outro lado uma equipa muito melhor. Uma equipa que, para chegar onde está, passou pelo Inferno, preparou as bases, e tem estado continuamente no Top da Europa. Muitos de nós parecem ter esquecido que foi com esse trabalho de base, com essa luta, com essa paciência e perseverança que conseguimos tudo o que conseguimos.

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

Análise FC Porto 0-1 Borussia Dortmund (Europa League)


Como conseguir marcar três golos sem sofrer nenhum, contra uma equipa fortemente ofensiva, como o Dortmund?

Peseiro pensou neste problema com um 4x3x3 sem criativos e com mais força defensiva, recuando Layún a central para preservar um grande Danilo no meio campo. Não resultou. Depois de um longo período onde o Dortmund controlou e o FC Porto anulou competentemente, ao primeiro balanço para o ataque, com Maxi e Angel projectados, o Dortmund fez o expectável, foi em força e marcou. Marcou com tal velocidade que conseguiu passar a visão de fora-de-jogo do árbitro assistente. Casillas ainda fez uma defesa digna do seu nome, mas Aubameyang empurrou para o corpo de Casillas e este, imerecidamente, foi o arco para dentro da baliza. A UEFA ainda fez a crueldade de lhe atribuir um auto-golo....

O FC Porto esteve letárgico até ao rasgo de Evandro aos 40 minutos, num remate que rasou o poste e, daí para a frente, atacou com critério. Num canto Varela ia marcando, mas o guarda-redes do Dortmund fez uma defesa in extremis que o negou.

A segunda parte teve apenas dez minutos em que o FC Porto pareceu querer reagir, logo após a entrada de um raçudo Suk para o lugar de Aboubakar (...) e antes da saída de Varela para dar lugar a um Brahimi que nada fez. Danilo fez um jogo monstruoso, Layún fez tudo o que podia numa posição que não é sua, Casillas tentou o impossível e Evandro também. Tudo o resto foi uma confusão táctica que, diga-se, não ficou bem a José Peseiro. Fosse Lopetegui a fazer estas alterações e teria - muito justamente! - caído o Carmo e a Trindade.

Há que ser realistas, contudo. Não tínhamos armas para mais. Mas há que realçar que, mesmo assim, tivemos um penalty sobre Suk roubado, um vermelho perdoado ao Dortmund numa agressão sobre Danilo e um golo fora de jogo.

Os comentários nojentos dos senhores da SIC mostram o quanto este campeonato é uma mentira. Este nacional-ficabenismo provoca vómito. A forma como se ri, a voz de felicidade pela derrota do FC Porto, a forma como os jogadores são gozados e até a negação dos lances que favorecem o FC Porto é abjecta! Estes comentadores mereciam um blackout do FC Porto à SIC. Ide gozar ao falo.

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Antevisão FC Porto - Borussia Dortmund (Europa League) E Arbitragens Interpretativas.


Desculpem "despachar o assunto", mas sobre o jogo de amanhã, nada melhor do que o adjectivo do nosso galáctico guarda-redes: tem de ser uma remontada épica. José Peseiro analisa bem, o jogo tem de ter muita posse de bola para ser comandado por nós, algo que, a bem dizer, é um pouco contrário ao seu modelo natural. 

Vamos jogar subidos, naturalmente, mas com uma defesa reforçada por ter Danilo a central. É possível, não provável, vencer. Mas, para mim, a Europa League não é uma prioridade. Não há ligações e profundidade de plantel, a esta altura, para tanto. No entanto, no FC Porto só se desiste no fim e eu acredito sempre! 

É necessário sufocar desde o primeiro minuto e marcar cedo. Temos jogadores, desta vez, para tanto.

Helton e Casillas (guarda-redes); Maxi, Marcano, Rúben Neves, Varela, Brahimi, Aboubakar, Marega, Sérgio Oliveira, José Ángel, Evandro, Herrera, Corona, André André, Miguel Layún, Danilo e Suk.

(4x2x3x1): Casillas; Maxi, Danilo, Marcano, Layún; Rúben, Herrera; Marega, André, Brahimi; Aboubakar;

O Nosso Grande Presidente falou e falou bem. O Tribunal do Dragão já escalpelizou uma parte das declarações oportunas do NGP, mas deixem-me completar dizendo que esta imagem que se vê aqui ao lado/por cima (dependendo da plataforma onde veem este post) é uma directa consequência do consulado de Ferreira Nunes. Ao nomear um observador de arbitragem da cor de um dos clubes intervenientes para a análise da arbitragem, a inclinação sobe a um grau ainda maior e o resultado é a palhaçada a que se assiste. É um despudor fenomenal.

Acho curioso que, há que aplaudir o rei de fazer as coisas por outro lado, deixou um encornado verdinho Santos sempre atónito, pasmo, "Como me pudeste abandonar, Luisinho?", ao perceber que tinha sido usado como instrumento de uma mudança que apenas foi da pedra mor do xadrez e não de tabuleiro, como este pretendia, e assim fica entalado para não poder perder a face. É Ruizinho, é verdade, foste usado como uma meretriz da beira da estrada para correr com o teu ódio de estimação, mas estes que eram os teus besties foram lá fazer... muito pior. E agora nem podes falar porque foste tu que os ajudaste a pôr lá. Agora, não te resta mais nada do que fazer menções indirectas a este escândalo, como bom ratinho que és.

Quer dizer, resta sim. Resta dizer que os Super Dragões (que reagiram magnificamente à palhaçada que se esperava) foram jantar à taberna do Ferreira para "desviar a atenção da arbitragem do FC Porto - Moreirense".  

Posso rir-me um bocadinho? Qual arbitragem? A que marcou penalti neste lance aqui ao lado? 

Como diz o "Papa Pinto da Costa", autor da imagem, em que ficamos? Depende da cor da camisola, é? Para o Maicon era penalti, contra o Maxi já não é? Digo-te, querido, a tua Liga da Verdade, este ano, não é lá muito verdadeira....

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Os Repastos Que Contam


Fernando Madureira foi jantar. Levou alguns elementos dos Super Dragões com ele. Foi à Taberna da Esquiça, em Fafe, pelas 21:30. É verdade, sei disso tudo. Eu que me orgulho de saber onde toda a gente jan... ah, espera aí, não sei nada. Sei porque está instalado um escândalo pelos media fora. Achei especial piada a esta declaração. O senhor Ferreira sénior, dono da Taberna, só soube que os supracitados eram elementos dos Super Dragões depois

Foi Fernando Madureira que chamou a GNR depois de ver a sua refeição recusada e de ter pedido o livro de reclamações negado. Esse é um direito legal que lhe assiste. Nenhum estabelecimento comercial pode recusar a apresentação do livro de reclamações. 

Nenhuma ameaça foi feita ao senhor Ferreira, ele é que disse que "tinha sentido medo". Se fossem elementos dos No Name Boys ou da Juve Leo, havia medo? Ou toda esta cobertura jornalística?

Já destruíram talhos de Manuel Mota. E não foram elementos dos Super Dragões. Já agrediram violentamente Pedro Proença. Também não foram os SD. Não houve metade deste histerismo mediático. 

Como sempre, a história contada por estes senhores tem um colorido especial. Curiosamente, o porquê também pode estar associado a um manjar, este muito menos atribulado e sem lugar a livros de reclamações. Escreve o "Papa Pinto da Costa", na sua página de Facebook, uma informação interessante que, de seguida, cito:

"Ontem, um pouco antes das 23 horas, era a este cenário que se podia assistir num restaurante em Campo de Ourique, onde João Gabriel (diretor de comunicação do SL Benfica), Octávio Ribeiro (diretor do Correio da Manhã) e Manolo Bello (ex-produtor de programas da SIC) jantaram. E é assim, sentados numa mesa dum espaço público, que se abafam as noticias que não dão jeito e se criam as que interessam. Assim, sem o mínimo de pudor! ‪#‎manto‬ ‪#‎colinho‬ ‪#‎valetudo‬ ‪#‎mrburns‬"

A imagem, que retirei do mesmo post, é deveras interessante. Um director comunicacional de um clube, o director de um jornal que escreve sistematicamente sobre o FC Porto da maneira que se vê e um homem ligado a programas de uma estação de televisão que faz especiais sobre jogadores e separadores noticiosos quilométricos do ficaben. Nada estranho, verdade? Um caso é "intimidatório", o outro é "completamente normal". No entanto, só num dos casos sai ferida a verdade desportiva. E não é o mais falado. Porque as coisas fazem-se por outro lado.

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

A Traição Das Virgens Ofendidas

Tenho pena da ratazana Santos. Caiu-me uma lágrima de comoção ontem, quando revelou o tamanho dos chifres que possuía. 

"Como é possível?" - bradava ele, incrédulo - "Então se o ficaben até nos acompanhou à Assembleia da República em prol da verdade desportiva, como é possível agora ficar calado no meio desta vergonha?"

"Dá-lhes jeito, querem a mama" - diz o Capitão Rodolfo, naqueles raros momentos em que se lembra do Azul e Branco do seu coração - "agora que a têm já estão servidos."

É verdade, meus amigos, esta cena de novela passou-se ontem no Play-Off, não sem antes Rui Santos ter dito, sobre o FC Porto, que "não é possível continuar a compactuar com esta vergonha". Qual, ratinho? A de um penalti duvidoso? Vamos ver a contabilidade - muito por alto! - do meu caro RCBC, do Bibó Porto, Carago!, vamos? É esta a vergonha que "favorece" o FC Porto? 3 lances discutíveis em 23 jornadas? Haja moralidade, senhores!

Todos sabemos que o Amor da Ratazana É Verde, diz ele que "o sportem fez um verdadeiro milagre ao estar da forma que está na posição que está". Sim, é verdade, um verdadeiro milagre. Vai ser um verdadeiro milagre o R&C do sportem. Estou ansioso de saber como vão pagar os "empréstimos" e ordenados dos seus jogadores e treinador. Deve ser do ar. Ou então, são iguais aos outros, mas querem ser mais pios e castos. Certo.

Curiosa é, também, a constatação dos nossos amigos árbitros do tribunal. O coração de Coroado já sabemos de que cor é. Nem é preciso perguntar. Só pelo que vê no lance de Chidozie, já se percebe. Já Pedro Henriques, bom, folgo em saber que o seu discurso mudou. Onde antes havia as frases "lance de difícil análise" e "tendo acesso à repetição de que o árbitro não dispõe", há agora um lacónico "no nosso entender não há penalti". Pronto! No meu entender, há. Mas eu respeito! Desde que persista essa certeza. Não sei porquê, mas pressinto que talvez não. Logo se vai ver amanhã.

E é isto! Muito cuidado com os media, Portistas! Não há vitória épica - nunca se tinha remontado uma desvantagem de 2 golos no Dragão - que seja mais importante do que nos marcar um penalti a favor! E, claro está, seria muito difícil explicar que nunca ninguém dê importância a isto. Ah, é verdade, desculpem, esqueci-me. Miguel Layún é nosso, que disparate. Senão já teria meia Europa atrás dele. Deixá-lo estar. Daqui também não tem de sair!

domingo, 21 de fevereiro de 2016

Análise FC Porto 3-2 Moreirense Remontada Na Raça!


Be still, my beating heart! Caramba, estou a ficar velho para isto! Mas agora não há jogo onde não se comece vindo de trás? Tivemos hoje (mais uma) vitória da raça e do querer, da superação de erros próprios e a história magnífica de um fim de ano de FC Porto à Porto. Só um grande FC Porto pôde dar uma volta tão grande em 93 minutos. E, sejamos francos, é disso que mais gostamos deste jogo: deu-se tudo, deixou-se a pele em campo, não se descansou enquanto o objectivo não foi alcançado. Este é um FC Porto capaz de tudo. É preciso é começar os jogos com mais calma e mais por cima. 

Rapazes, já vos sabemos raçudos, ok? Não é preciso mostrar mais. A gente acredita em vós. Obrigado. Vamos a notas.

Suk - Que grande, grande, grande jogo do coreano! Intenso, rápido, forte, raçudo, lutador, agressivo, solidário, inteligente, Suk foi a primeira corporização de um jogador à Porto neste jogo - antes de todos os outros. Marcou um golo, poderia ter, à vontade, marcado mais três. Aboubakar que se cuide, pode ser ultrapassado a oriente!

Casillas - Sem culpas nos golos, se mais uma vez ficamos em jogo, foi porque fez brilhantes defesas em alturas cruciais. A nossa galáctica estrela tem sido um verdadeiro herói. Só espero que se mantenha assim sempre. E a forma como ele põe os jogadores em sentido é fabulosa. Danilo saiu com as orelhas a arder, melhor hoje a central do que a trinco, teve Casillas a corrigi-lo na defesa muitas vezes. Uma verdadeira lenda.

Evandro - Evandro esteve como peixe na água, no meio deste ataque com espaço de Peseiro. Desmarcações fantásticas, passes a rasgar lindos e um golo que nos deu a vitória depois de um extraordinário salvamento de Herrera, foram os marcos de um jogador, a todos os títulos, feliz!

FC Porto à Porto - A esta altura, o verdadeiro milagre de Peseiro é este: há um Porto entregue, unido, confiante, abnegado e raçudo neste FC Porto. Quando tudo parecia perdido, renasce o Dragão qual fénix. Depois desta vitória, estou em crer que todos sabemos que tudo é possível! Força Porto, allez!

Adeptos - Hoje foram o verdadeiro 12º jogador. A vitória só foi possível graças ao apoio de um público paciente e entregue, que esteve com a equipa sempre (uma ou outra excepção que só confirma a regra), esta é a massa adepta que venho pedindo desde o início. Muito obrigado! Esta é a força que leva a equipa mais à frente! Esta é a força decisiva para a vitória


Corona - Lento, complicativo e desfasado do jogo, Jesus Corona ainda não parece ter encontrado o seu espaço neste FC Porto de Peseiro. Com Alberto Bueno quase recuperado, é bom que Corona se mostre essencial, senão trocaremos burritos por paellas.

André André - Não está claramente bem o nosso caxineiro. André está desgastado e, a partir de determinado momento, arrasta-se em campo, complicando mais do que simplifica ou ajuda. Não acho que fosse prejudicial um bom descanso para recuperar a forma. Temos mais opções para a posição, sem prejuízo do seu natural lugar. 

Do 80 ao 8 - Passamos de um FC Porto lento e ultra-defensivo para um FC Porto de vertigens com um natural handicap: o espaço nas costas. Não ajuda não ter centrais fixos, estando lesionados ou sendo muito novos, e a projecção atacante dos laterais. Não é, no entanto, culpa de Chidozie (como não será de  Verdasca). A defesa é um sector que necessita de entrosamento e de automatismos, mais do que qualquer outro. Não é só a falta de soluções. É também de rotina. A rever, urgentemente.

Nota final : Para quem acha que não houve penalti, atentem por favor à imagem abaixo e ao pé esquerdo do defesa do Moreirense. Penalti claro. Indubitável.


Non, Ou A Vã Expectativa De Mudança

Como sou um optimista crónico, tenho o defeito de esperar sempre o melhor e não raras vezes me desiludir. Mais uma vez, aconteceu. Depois da escandaleira que se passou em Paços de Ferreira, nada. Nem uma só reacção, nem um comentário, nada. Não se passou nada. Tudo normal.

Bruno de Carvalho comentou. Metade do mundo futebolístico também. Mas nem sequer o Dragões Diário. Bastou uma abertura de inquérito para o silêncio reinar nos quatro ventos Draconianos.

Posto isto, não aceito que se exija o impossível a um treinador que chegou no mês passado. Fizemos o nosso trabalho. Vencemos o rival. Mas não é possível vencer um adversário em God Mode, onde a vitória é antecipadamente garantida e tem uma rede fofinha por baixo do seu trapézio.

Dito isto, nada de confusões: não tenho nenhuma pena do Paços e muito menos do seu treinador. Quando veio ao Dragão, o claramente vermelhinho Jorge Simão teve um discurso muito diferente do de ontem. Engraçado, não é? Com uns, fala-se de uma maneira, com outros, de outra completamente diferente!

Num campeonato mentiroso, sem uma reacção de gente de quem de direito não se vai conseguir nada.  

Porque os nossos jogadores jogam futebol e não fazem alpinismo, está na hora de acabar com as inclinações. Mas quem cala, consente. No entanto, alguns adeptos assobiam a equipa. Se souberem antecipadamente que a luta de nada serve, a vossa motivação é a mesma?



sábado, 20 de fevereiro de 2016

Antevisão FC Porto - Moreirense (23ª Jornada)


Voltamos ao importante, o campeonato. No aproximar da sua fase decisiva, joga-se o tudo ou nada dentro da possibilidade do título. Não são seis pontos que nos distanciam do primeiro - que ainda vamos defrontar directamente - que nos pode fazer pensar que não é alcançável. Se mantivermos o mesmo espírito de luta e união que temos verificado - até com o Dortmund! - chegaremos às vitórias necessárias para tal.

Com mais algumas complicações no sector central da defesa - agora é Martins Indi que está lesionado - será, com certeza, Chidozie a chegar-se à frente. Mas é de esperar um FC Porto muito mais atacante e intenso nos últimos 30 metros, como a equipa de José Peseiro gosta de ser.

Se o Moreirense espera encontrar o mesmo FC Porto da primeira volta, estará redondamente enganado. Não é só para vencer. É para dar uma demonstração de força!

Helton e Casillas; Chidozie, Marcano, Varela, Brahimi, Aboubakar, Marega, Sérgio Oliveira, José Ángel, Evandro, Herrera, Corona, André André, Miguel Layún, Suk, Danilo e Maxi.

(4x2x3x1): Casillas; Maxi, Marcano, Chidozie, Layún; Danilo, Herrera; Corona, André, Brahimi; Aboubakar;

NOTA: Esta imagem, gentilmente enviada pelo Golden Dragon João Santos, demonstra que o #colinho está vivo e bem vivo. As equipas fracas, aquelas que se desunham para vencer adversários em baixa de forma, precisam sempre de saber que vão jogar contra adversários com um grande handicap. Quanto maior, melhor. Nem vale a pena discutir: com um treinador que partilha da rubra paixão e um desfalque assim tão grande, vem aí mais uma exultação do rolo compressor dinamite.

O problema é que nem todos vão jogar assim, e o hábito faz o monstro. Depois não se queixem. Depois é o sistema e a fruta e não sei quê. É preciso uma lata fenomenal ou uma doença  muito grande, para desculpar-se sistematicamente de coisas que, de tão frequentes, já são um padrão. E um padrão tão absurdo que se torna patético tentar refutá-lo.E que só dá força aos rivais para se aprimorarem cada vez mais. Um dia a inclinação vai acabar. E aí, a assimetria será tão grande que >o desnível será vosso. E outro galo cantará.


sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

Desfazer A Névoa, Pés Assentes Na Terra


Há pouco mais de mês e meio, foi despedido Lopetegui. Tivemos 15 longos dias de indefinição, onde Rui Barros liderou uma equipa fragilizada e traumatizada, desarrumada e cheia de fendas por todo o lado. Debandaram deste barco, desde essa altura, Osvaldo, Tello, Imbula, Lichnovsky e Maicon. Temos dois jogadores novos, na prática, que apesar de terem entrado com vontade, estão longe do entrosamento que seria normal a esta altura do campeonato.

Embora Peseiro já esteja, paulatinamente, a recuperar a atitude guerreira e a entrega que se exige de um jogador do FC Porto, por parte dos seus atletas, a verdade é que há muito que fazer, muito desequilíbrio no plantel e muitas condicionantes às quais este é alheio. Apanhar um comboio desgovernado em velocidade, a meio, é muito complicado. No entanto, muito tem feito Peseiro.

A alegria dos jogadores, durante o jogo, hoje em dia, não indiciaria o buraco anímico do mês passado. De Casillas a Aboubakar, todos jogam melhor. O grupo está unido e solidário, mais raçudo e combativo, já discute a as decisões do árbitro, já faz faltas duras e Danilo e Herrera (!!!!) já dão ordens duras à equipa e foi um regalo ver o Herrera Capitão ontem a protestar e a tentar parar o árbitro antes do amarelo ao Herrera.

Além disso, muito se fala em Mística e Raça, mas não vejo uma grande distância entre um Danilo que se ergue, cambaleante, depois de um estatelamento quase esquartejado no chão, e supera uma dor que só pode ser intensa, sempre com o único fito de seguir em frente e deixar tudo em campo, quando podia ter uma lesão grave, ou um Indi que se rasga todo por dentro a acompanhar Aubameyang e a impedir-lhe o sprint e joga o resto do tempo condicionado, e as "glórias da mística" de tempos idos. E são só alguns exemplos.


Isto para já nem falar de Miguel Layún, que parece Portista desde pequenino, abnegadamente a fazer tudo o necessário em prol da equipa, jogando nas duas laterais, a central, a extremo... creio que, se Peseiro lhe pedisse para jogar a ponta de lança, este o faria sem pestanejar!

Não me canso de dizer, e volto a repetir: para mim estamos na pré-época. Fizemos reboot e estamos a começar de novo, quando todos os outros já têm rotinas, andamento, ligações, etc. Dadas as circunstâncias, acho que até nos estamos a portar bastante bem. Evidentemente, não o suficiente para ter soluções alternativas para vencer um Dortmund quando estamos a 70% das nossas capacidades!

Quero apelar à responsabilidade dos adeptos, para fazerem a vossa parte e apoiar e não assobiar uma equipa que está a fazer o máximo que pode com o que tem. Expectativas irrealistas, a esta altura, só trazem exigência injusta. Já, pelo contrário, se a equipa contar com o apoio dos seus adeptos, vai galvanizar-se, sublimar-se e estará mais perto de atingir objectivos sonhados. Está na altura de, também nós, darmos tudo de nós pelo FC Porto, e fazer da nossa casa o Covil do Dragão que faz gelar a Alma dos adversários e dos árbitros que nos querem condicionar, e ser o 12º jogador em campo, a levar em ombros a nossa equipa até à vitória mais do que merecida.

A equipa do FC Porto conta connosco. O meu apoio já têm. E o vosso?

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

Análise Borussia Dortmund 2-0 FC Porto Exibição Melhor Que O Resultado


Foi um FC Porto muito alterado, aquele que entrou em campo hoje na casa do Dortmund. Mas um FC Porto que me deixa contente, apesar do resultado. Passo a explicar.

Houve uma falha de linha defensiva que deu o primeiro golo? Sim. Houve uma falha defensiva de André que deu espaço a Reus para rematar contra Indi e a bola trair Casillas? Sim.

Mas houve também um Varela lateral direito adaptado que se entregou de corpo e Alma, um Herrera cada vez mais Capitão que discutiu com o árbitro, um Marega extremo que lutou e tentou e tentou, um Sérgio Oliveira que ainda não tinha grandes minutos esta época a fazer remates e a ser positivo no jogo e, principalmente, dois centrais que se deram totalmente ao jogo. Entregaram até à última gota de suor. Não me vou esquecer tão cedo de Indi a correr e ao lado de Aubameyeng e a travar a sua única arrancada no jogo. Não me vou esquecer tão cedo dos cortes limpos de Layún. E as defesas na parte final de Casillas, a manter-nos vivos na eliminatória. E um coreano Suk endiabrado que ainda ia fazendo uma gracinha.

Temos um FC Porto à Porto, entregue, solidário, unido, um por todos, todos pelo FC Porto. Travamos, na medida do possível, um dos melhores ataques da europa.

Perdemos mas não por KO. Perdemos por decisão. O rematch é na próxima semana. Com tudo in su sitio e esta raça, eu acredito. Agora, toca a pensar em jogar com esta raça e entrega contra o Moreirense.

Já agora, que arbitragem caseirinha! Afinal não é só intra portas que jogamos em campos inclinados!

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Antevisão Borussia Dortmund - FC Porto (16avos Final Europa League)


O Nosso Grande Presidente disse hoje a'O Jogo que este é o nosso jogo mais difícil. Sem dúvida alguma. Os factos assim o provam: Marcano está a regressar de lesão - mas está, e ainda bem que está! - estamos sem uma grande parte do nosso esteio defensivo, com Maxi e Danilo castigados, o que faz com que haja necessidade de adaptações especiais, como Layún à direita e Angel à esquerda e Rúben Neves (Ou Tomás Podstawski) como médio defensivo.

Estamos, naturalmente, mais fracos contra a segunda melhor equipa da liga alemã,  que conta com um ataque demolidor liderado pelo Usain Bolt do futebol, Aubameyang. Não é uma tarefa fácil, mas entramos em todos os jogos para os vencer, e assim o faremos também desta vez, embora acredite que um pouco mais contidos e na expectativa. Peseiro foi, aliás, bem claro: O FC Porto vai jogar mais em posse, a aproveitar o erro do adversário, mas não vai só para defender. Também não está certo da aptidão clínica de Marcano. Eu, no entanto, aposto que sim. Se já era complicado com todos os jogadores disponíveis, assim será mais. Mas impossíveis não existem e o FC Porto não teme ninguém!

Helton, Casillas e João Costa (guarda-redes); Martins Indi, Marcano, Rúben Neves, Varela, Brahimi, Aboubakar, Marega, Sérgio Oliveira, José Ángel, Evandro, Herrera, Corona, André André, Miguel Layún, Suk, Francisco Ramos e Verdasca.

(4x2x3x1): Casillas; Layún, Marcano, Indi, Ángel;  Rúben, Herrera; Marega, André, Brahimi; Aboubakar

terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

É Para Rir, Certo?


Vamos lá ver se eu percebi. Na sexta feira, a conferência de imprensa de José Peseiro, depois de uma vitória fantástica contra a nossa nemesis, foi interrompida para dar lugar, sem atrasos, a um programa de Júlio Magalhães. Passa todo o fim de semana e não se fala mais no Clássico. Segunda feira, passa um insípido resumo no Flash Porto, e espera-se pelo Univers.... ah, não, esquece! O Universo Porto foi antecipado e reduzido para meia hora, com o mesmo insípido resumo!

E porquê? Porque o Porto Canal, detido em 90% pela FC Porto Media, transmitiu, sem atrasos, a gala de prémios do... Sporting De Braga! Adivinhem quem a apresentou? Pois, esse mesmo, Júlio Magalhães, director do Porto Canal! Então, resumindo: o Porto Canal, detido pelo FC Porto, anula a análise a uma das mais importantes vitórias do FC Porto dos últimos anos para passar a gala de um clube que, apesar de ter um jogador emprestado nosso nas suas fileiras, não nos facilitou a negociação de um jogador seu em um só cêntimo e faz de tudo para nos dificultar a vida?!

Estamos conversados. Que bom que é atribuir um canal a uma pessoa para ser a sua própria feira consensual das vaidades! Depois perguntam-se porque estão os adeptos tão longe do Clube! E esperam que os adeptos Portistas larguem as respectivas operadoras para ver esta palhaçada?! É para rir, certo?

A Comissão de Instrução e Inquérito da Liga de Clubes abriu um processo contra o FC Porto por causa das declarações na Dragões Diário. Vamos ver se percebi. Em tudo que é programa de comentário estão membros paineleiros prontos a debitar o "código programado nos seus chips" (wink, wink, Jorge) sincronizado ao bit, ou, se quiserem, ao relógio suíço, menos os afectos ao FC Porto, que não raras vezes até criticam o próprio Clube. Rui Gomes da Silva é vice-presidente do ficaben, Rogério Alves é do Conselho Leonino, bem como Rui Oliveira e Costa, Pedro Guerra é director de conteúdos da BTV e Augusto Inácio é director de assuntos internacionais dos sportem. Todos eles já atacaram arbitragens de alto a baixo, decisões, dirigentes, tudo. O que aconteceu aos respectivos clubes em consequência disso?! NADA! E agora a CII abre um processo ao FC Porto por causa de uma newsletter digital que nem é porta-voz do Clube? Então e o Facebook do presidente do sportem?! E o Facebook de Gomes da Silva, a incitar à violência? É para ir, certo?!

Fique pois a SAD Portista a perceber que falar indirectamente não compensa minimamente. Fale o Presidente, fale o Director de Futebol, fale um(a) porta-voz assignado(a) pelo Clube! Assim, ficamos todos felizes: os sócios, que vêem o Clube ter sangue na guelra e a CII, com os seus orgasmos salazarentos, a distribuir pecados ad hominem e apenas para alguns. E ainda dizem que nós somos o sistema! É para rir, certo?

NOTA: Maicon deixou uma emocionada mensagem de despedida na sua página oficial do Facebook. Não tenho dúvidas que é um Dragão de coração. Que venha com a cabeça no sítio e com os erros corrigidos, quem sabe não poderá continuar na Casa que é de nós todos?

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

Espaço Z: Final da 1ª Fase e Taça de Portugal de Andebol


Depois da brilhante vitória sobre o Benfica na Luz, e de praticamente assegurado o 1º lugar da fase regular do Campeonato Nacional de Andebol, pouco mais restava à equipa de andebol do FC Porto do que tentar ir quebrando o próprio recorde de vitórias consecutivas (agora nuns incríveis 23 jogos, se contarmos o último jogo do playoff do ano transacto). Foi também a altura ideal para readquirir ritmo competitivo, depois da nefasta paragem de 1 mês na altura do Natal, aumentar cargas de treino, dar tempo de jogo a todos os jogadores; em suma fazer de todos estes desinteressantes últimos jogos (incluindo o jogo da Taça com o Camões) uma alargada e intensa preparação para a fase de todas as decisões, onde não há espaço para qualquer falha. Não me espantou portanto que a equipa tenha falhado mais do que o habitual, que tenha havido alguns jogos mais simples que se complicaram em certas alturas. Notou-se que nem sempre conseguimos fazer a nossa letal transição ofensiva, e que houve mais erros do que o habitual na tomada de decisão. Tudo normal nesta fase, já sem grande exigência competitiva; tudo normal numa fase de cargas físicas intensas; tudo normal numa equipa que adora jogar sob pressão. Uma 1ª Fase perfeita, que não iniciou da melhor forma em termos exibicionais, mas que entre o final de Outubro e a paragem de Dezembro conheceu momentos de brilhantismo, sobretudo nas recepções a Sporting e Benfica. 


Segue-se o decisivo Playoff.

O modelo de playoff, uma ridícula tentativa perpetrada por Sporting e Benfica para tentar equilibrar os pratos da balança para os seus lados, esmagados pela brutal hegemonia portista neste capítulo. é desonesto em termos competitivos, injusto, mas... é o modelo que temos. Por isso, espero um FC Porto esmagador, forte a defender e agressivo nas transições. Um FC Porto dominador, guerreiro e sedento de mais uma conquista.

O primeiro jogo coloca-nos frente a frente com a jovem equipa do Avanca, 8º classificado da Fase Regular. Uma equipa jovem, algo inexperiente e que luta para "outro campeonato". As diferenças entre ambas as equipas são evidentes, em todos os níveis.  Reforçado com dois internacionais cubanos em Janeiro - Joan Blanco e Pedro Valdes -,  reside na forte capacidade de remate exterior e de agressividade defensiva de ambos um dos perigos do nosso adversário. O outro grande perigo do Avanca vem sob a forma duma versão menos ágil mas igualmente forte do nosso Alexis Hernandez - Victor Alvarez. Curiosamente, o Avanca esteve entre o rol de adversários que o FC Porto defrontou após a paragem do Natal. Saiba o FC Porto colocar em jogo uma defesa agressiva, impedindo o remate exterior dos estarrejenses, e impedir a comunicação com Victor Alvarez, aproveitando para lançar os seus venenosos contra-ataques e ataques rápidos, e penso que não terá grandes problemas em ultrapassar este primeiro obstáculo.

Entretanto, já houve sorteio para os 1/4's de final da Taça de Portugal, que nos irá colocar frente a frente com a grande surpresa da prova, o Boa Hora, equipa lisboeta que eliminou o Águas Santas na eliminatória anterior, e que lidera a Fase Sul da 2ª divisão com algum destaque (7 pontos de avanço) e sem qualquer derrota. Será um jogo para encarar com máxima seriedade, mas que sendo em casa terá de cair para o nosso lado. Face ao calendário dos 1/4, tudo aponta para uma Final Four com FC Porto, Benfica, Sporting e Madeira SAD. Espero, honestamente, que seja desta que conseguimos reconquistar a Taça de Portugal.

P.S.: já referi isto uma vez, e voltarei a referi-lo as vezes que for necessário: tirando os comentários do Prof. Luís Graça, é confrangedor ouvir os jogos de andebol transmitidos pelo Porto Canal, Desconhecedores do jogo, das regras, das tácticas, das mecânicas, seria bom repensar na substituição de toda a equipa que comenta os jogos de andebol. Envergonha-me saber que a qualidade dos comentários da Sporting TV está anos-luz à frente dos nossos. E não é de agora, é de sempre. Irrita-me. Muito.


Obrigado Maicon


"Ia ser muito complicado para ele voltar a pisar o relvado esta época, do ponto de vista psicológico está comprometido e à primeira falha seria trucidado pelos adeptos - o que só iria piorar ainda mais. Além disso, a intervenção da esposa também não ajudou. Era preciso dar um sinal claro de disciplina, mas também de proteção ao jogador.

Sinceramente acho que será o melhor para ambas as partes, até porque voltará no final da época, esperemos que mais desanuviado, e nessa altura os adeptos já terão ultrapassado o erro. O tempo cura muita coisa. Foi um ato de gestão pura, se é verdade que não temos Centrais "de sobra", também é verdade que um Central sem a cabeça limpa não nos serve de muito."

Cito o meu caro habituée Paulo R. porque é tudo o que eu diria sobre este assunto. Maurides, o seu irmão, diz que ele virá mais forte. Quero recordar que, junto com Marcano, esteve no centro de uma das melhores defesas europeias. O facto de ter renovado antes de sair, é sinal de que há uma possível via aberta para ele. Como o Bicho Jorge Costa, que foi para o Charlton e voltou, pode ser que seja um wake up call para Maicon Roque. 

Tenho pena de tudo isto e fico com bastante receio para quinta. Gosto muito do Diogo Verdasca, já o destaquei aqui no blog mas, se já acho injusto que seja lançado um B para o Clássico, ainda mais para um jogo da Europa League. De qualquer forma, acredito plenamente nas suas capacidades. Se Marcano não recuperar, pois que seja o Diogo. E, claro, não lhe criticarei qualquer possível erro que venha da sua inexperiência ou ansiedade. O facto de ter apenas 4 centrais e dois deles serem sub-20, é um pouco preocupante. Mas já vi o FC Porto ultrapassar handicaps maiores. E não canso de o dizer: a pressão faz diamantes.

Voltando a Maicon, terei com ele memória selectiva: lembrar-me-ei dos seus grandes jogos, da sua heroica abnegação e do seu Amor ao FC Porto. Obrigado, Maicon.

domingo, 14 de fevereiro de 2016

As Regras Dos Outros, A Palavra Do Presidente e o MaisFicaben [ACTUALIZADO BASKET]


Ontem, mais uma suprema vitória do sportem. Uma vitória que não quero diminuir, tem todo o mérito, mas que começa com uma regra para Jesus - a do bloqueio. Um bloqueio que o guardabel explicou muitíssimo bem. Pergunta: agora a obstrução é um bloqueio? Agora pode um jogador atacante impedir um defesa de defender e pronto? É que, se assim é, vai ser muito mais complicado defender do que aquilo que já é! As tácticas de raposa de Jesus vão continuar, e a bandalheira arbitral ainda não acabou. Para ver mais, em cenas dos próximos capítulos.

O Nosso Grande Presidente voltou a falar. Falou oportunamente, creio, e voltou a insistir na questão arbitral. No meu entender, está bem dentro do prazo, neste caso. E a verdade é que a arbitragem de Soares Dias é disso exemplo. Teve erros de disciplina, mas nenhum roubo. E com uma arbitragem equilibrada, fomos vencedores e soubemos jogar unidos. Por isso, faz bem o Presidente em relembrar que estaríamos em igualdade de circunstâncias com o ficaben. Está criterioso nas suas intervenções, e eu acho bem. Também não peço um Presidente de reacção precoce. Acho que ninguém pede. E já é a quarta intervenção pública do NGP desde que chegou Peseiro. A seguir assim, estamos, a meu ver, no bom caminho.

Por sugestão indirecta do Miguel S, "puxei a fita atrás" e fui deliciar-me com o MaisBastidores ou lá como se chama - está sempre a mudar o nome.  Entre Braz e Freitas, quem seria o mais aziado. Era uma fúria de um ficaben que tinha feito todo o jogo, tinha "dominado em todos os aspectos do jogo", mas que tinha encontrado "um Casillas inspirado". É surreal, este nacional ficabenismo. Aboubakar não joga bem mas "teve sorte", Herrera encontrou um Júlio César "mau batido", que "não fez uma única defesa todo o jogo", e o Jonas jogou maravilhosamente mas o remate espetacular bateu nas costas do Mitroglou, que falhou "um golo cantado". A fúria do Freitas ainda foi mais bonita, ao dizer que muitos remates foram falhados por "excessiva nota artística". Eu, que sou Portista, não vi notas artísticas....

Agradeço, do fundo do coração. Enquanto os ficabens se convencerem qu está tudo bem, não há vitória que não se consiga. Com humildade e muito suor. E muito Portismo. Como o que vimos na sexta.

ACTUALIZAÇÃO: De volta aos títulos, Taça Hugo Dos Santos! 68-69! Bravo rapazes! Este é um fim de semana de conquistas ao ficaben! Azia ao quadrado! (Já agora, SportTV, isto agora é assim? Já nem disfarçam o ficabenismo? O êxtase do comentador na recuperação do ficaben.... enfim. É continuar o melão.)