domingo, 30 de novembro de 2014

Dia de Jogo e Algumas Confirmações

Hoje, sai n'O Jogo uma entrevista muito especial com o Nosso Grande Presidente que me deixou muito feliz. Embora sejam coisas óbvias, é bom saber que não há alterações em Janeiro, embora o Presidente abra a porta a empréstimo fora dos 18 convocados habituais (Diego Reyes ou Evandro, por exemplo, com muita pena minha nos dois casos), que se confirma que a coisa do Casemiro era mesmo uma patetice e que, evidentemente, a responsabilidade da compra do Brahimi é mesmo deLopetegui. Importa afirmar, de resto, que está na hora de muitos detractores de Lopetegui compreenderem que a presença de muitos jogadores-chave deste plantel se devem a ele. Casemiro, Brahimi, Tello e Óliver são todos apostas pessoais do nosso treinador, assim como jogadores de futura mais valia, certamente, como Adrián e Campaña. Lopetegui não só é treinador como manager. Aí reside uma grande diferença, para melhor, das situações anteriores. A aposta pessoal em Rúben Neves é dele. E estou em crer que, futuramente, será, finalmente, um garante de uma ascensão de jogadores da nossa formação para a equipa principal, com critério, reformando uma base de atletas que agradam ao público, porque da casa, à carteira, porque a custo zero, e com identidade, porque conhecem a situação do campeonato bem. Tudo excelentes notícias. Excelente notícia é saber que o PSG sabe que vai ter de pagar bem por Brahimi, embora não já em Janeiro. Será uma fantástica venda, de um jogador que apanhamos a tempo graças a Lopetegui.

Hoje é um dia de jogo especial, contra o Rio Ave, equipa que me diz muito, não só por ser da cidade contígua à minha, mas também porque tenho amizades grandes com gentes desse mítico território que são as Caxinas, de onde vem muito do Rio Ave e já veio também muita da História do nosso FC Porto. Foi também no Estádio dos Arcos que vi pela primeira vez o nosso Porto, em 97/98, num soporífero jogo empatado a 0, onde a celebre "bola pró Jardel", não resultou grande coisa. Ainda bem que este Porto que temos é muito mais colectivo do que individual. Um FC Porto forte e dominador, é o que espero logo à noite, para uma vitória que se quer tranquila contra uma equipa muito bem posicionada no campeonato e de grande valor.

Equipa - para mim -provável: Fabiano; Danilo, Maicon, Indi, Alex Sandro; Casemiro, Herrera, Óliver; Tello, Jackson, Brahimi.

Análise ao jogo no proximo post.

sábado, 29 de novembro de 2014

Perplexidades Totais

Estou perplexo! Então o nosso Grande Mestre da Táctica nem sabe a quantas anda? E o mais curioso é que ficou a perceber (acho!) mas ficou imperturbável! Mostra bem o espírito que reina na segunda circular! E porquê, pergunta-se? Porque está tudo controladinho. E para quê, meus amigos? Pensava eu que era para conquistar o bi-campeonato, para acabar com a hegemonia Portista, para se inverter o ciclo, e por aí em diante. Curiosamente, o motivo ulterior é outra coisa! O senhor Dumbo afinal, continua um excelente chefe de família. Aquilo no reino de Carnide, pelos vistos, está por um fio. E é tão interessante saber que não é por motivos desportivos. Claro que enquanto se ganha fica-se feliz, ninguém fala, tudo anda contente, palha para jerico comer. Jesus está a borrifar-se para as competições europeias. No ano passado preocupou-se porque achava que ia embora. Correu mal, pela segunda vez consecutiva, a final da Liga Europa. Da Champions nem se fala. Como ganhou o campeonato e as tacinhas tudo passou. Então, toca a fazer a mesma coisa! Em terra de cegos quem tem olho é rei e Jesus já viu que qualquer coisinha que faça é exultada à potência de dez. Assim sendo, está a borrifar-se para isto, o presidente que resolva. E resolve! Tem o Nomeações garantido. Três jogos seguidos na Champions League em que um jogador do benfas é expulso. Aqui pelo burgo não se passaria nada. As entradas do Luisão seriam "normais". Como pode mudar um jogo, o sentido de um campeonato dessa forma!

Preparem o vosso coração, caros Portistas! Vai ser em força, a primeira volta. Mas de qualquer forma, temos qualidade para ultrapassar esta contagem de montanha. Em Janeiro vai-se ver como é o benfas sem o bispo e a rainha.  E outros que terão de ir também. Mas shh, é melhor não falar mais, o melhor é inventar um bocadinho, ou um bocadinho mais ainda, ou então enlouquecer de todo! Por falar nesta ultima perplexidade, o certo é que a boa notícia é que se confirma que o Porto vai poder ter 75% do passe de Yacine Brahimi antes de o vender bem vendido. Eu sei que muitos sonhariam com 100% da verba, mas não há bela sem senão, e acho que a mais valia neste negócio, quando acontecer - não será em Janeiro - vai ser dos melhores negócios do Porto dos últimos anos, seguramente. E, por falar em negócios, o novo administrador Fernando Gomes resolveu esconder as verbas exactas das vendas dos jogadores e fico perplexo com quanto nos deve o Atlético de Madrid. Será que se passou alguma coisa, como bem exposta no caríssimo Tomo II. Mas continuo a dizer que fico sempre algo confuso com as contas e a Contabilidade não é o meu forte.

É sempre interessante ver como, numa semana europeia em que o Porto fica em primeiro lugar, em que conquista 13 pontos de 15 possíveis e em que tem um golo nomeado para o golo da semana e cujo jogador em questão faz parte do Team Of The Week da UEFA, não haja mais do que 3 minutos para falar do FC Porto em jeito de corre-corre no MaisFutebol, insistindo no assunto da rotatividade e do Quaresma para lateralizar e diminuir o feito e no 4x3x3 ter sido em jeito de despedida, com uma das entrevistas da "Caixa de Segurança" ter sido a um arrumador de carros desdentado. Nada contra, a não ser pelo que quer dar a imagem do que é ser do Porto. A manipulação (des)informativa, aliás, está ao rubro. Neste caso do 4x3x3 é particularmente grave uma vez que que, nesta semana dourada do FC Porto, em que ele quebra mais um record, e em que tem uma das defesas menos batidas da Europa, apenas atrás do Bayern de Munique e o melhor ataque da Champions, a escolha para o "Ele e mais dez" do dito programa, por parte do portista Jorge Andrade ter ido para... Lito Vidigal. Aliás, Jorge Andrade é mais um paineleiro muito bem comportadinho, que teceu grandes elogios a Jesus e ao zbordem, e que indiciou no seu discurso que estas equipas não ficam atrás do "seu(?)" Porto! Que bonito! Aliás, o golo Herrera foi diminuído pelo sr. Nunes como tendo sido "a meias com o guarda redes" e a campanha do Porto pelo senhor Tovar como "fácil". Enfim, sempre a mesma coisa.

Aliás, nada como este brilhante post do Z, do Blue Overlap, para demonstrar o que um bom Portista sente com este assunto.

Amanhã, temos que vencer com Concentração, Esforço, Garra e Orgulho! E é tão ver que o nosso Comandante, mesmo (ainda) a bordo de outro navio, está connosco sempre! E ele sabe bem quem sabe disto, porque de futebol percebe ele. Grande Lucho, volta a tua casa depressa, hombre!


quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Um Sério Aviso À Navegação

Comecemos pelo início. O Grande Mestre de Todas as Tácticas voltou ontem a mostrar o seu valor. Fez um jogo horrível num jogo com uma qualidade não menos horrível. Um benfas perdido, tremido, desorganizado, combalido, fraco. Teve ainda a sorte de ter um árbitro que decidiu abrandar a mostragem de cartões, senão o senhor Perez e o senhor Maxi estavam na rua muito mais cedo. Contra um Zenit longe de ser bom, também muito desenquadrado e a depender muito do nosso Incrível (adorei ver como o Hulk continua, como todos nós, com um cheirinho de alegria especial quando defronta o benfas), lento, com muito espaço defensivo, mas que acabou por demonstrar o óbvio: 
O benfas é uma equipa que, basta encontrar uma equipa que tenha o mínimo de qualidade e ataque com algum fervor, se perde no campo. Tem uma base muito curta e apoiada num jogador que acabou de chegar, não reage bem às perdas de bola e tem uma fase de construção de jogo que é um mimo. Está apoiada no trio maravilha Gaitán, Sálvio, Enzo e, sem esses, perde-se toda. Mas vamos ao que é importante: Ficaram já pelo caminho.

Digo já que não achei o Bayer, nem o Zenit, melhores que o Shakhtar ou o Bilbau. O Bayer atacou muito mas foi inconsequente, e bem anulado pela técnica autocarro de Jardim, o Zenit não me parece ter a força e organização que até podia ter com a qualidade dos jogadores que tem. Por isso, embora o Mónaco não seja o BATE, convenhamos que este FC Porto chegaria para ser apurado no grupo do benfas. Como diz o benfas de Paredes, este benfas é forte com os fracos, fraco com os fortes. Por isso, e apesar de o benfas também poder, e com certeza vai, rodar jogadores no Champions, na semana anterior à nossa, não tenho medo do jogo. Acho que temos qualidade e solidez necessária de arrumar com esta nódoa.

Então qual é o meu "aviso à navegação"? Simples! Um benfas concentrado no Campeonato é um benfas ainda mais próximo do Nomeações. Preparem-se, meus caros Portistas, para um ano que faria o Calabote corar. Já não vai ser um andor, vai ser um entronamento. Uma autêntica passadeira vermelha. Este benfas tem de ser bi-campeão a qualquer custo. Por isso digo categoricamente - se vir o nosso FC Porto lutar, dar tudo e não conseguir no final do ano, não vai ser por isso que não estarei com Lopetegui. No entanto, Janeiro chegará e levará as pedras fundamentais do benfas com ele - sem dinheiro da Champions e da Europa League vai haver, necessariamente, uma debandada geral, que o Dumbo tentou segurar mas não conseguiu - e este benfas vai perder ainda mais qualidade. Mas não estou a ser derrotista nem fatalista. Confio cada vez mais numa vitória na nossa casa. Se o Paulo Fonseca conseguiu, não estou a ver porque não vá conseguir Lopetegui. Temos qualidade e entrosamento que chegue para eles. Vamos ter é de marcar 5 para ganhar por 2. E temos de nos convencer disso já, para não haver surpresas.Não quero com isto dizer que não acho que vamos ser Campeões! Como disse o Mourinho "Em condições normais vamos ser Campeões, em condições anormais... também seremos Campeões!" O que estou a dizer é que não sou insano ao ponto de pensar que as arbitragens não são decisivas! E, lamentavelmente, como vejo uma Estrutura em modo zen, que nada faz e deixa passar este circo, adivinho um jogo na nossa casa bem inclinadinho!

Por último, insisto no meu protesto. Ontem, em S. Petersburgo, houve tempo, espaço e interesse para entrevistar benfas e Zeniteiros, incluindo o Incrível e o cãozinho. Não foi do frio. Por isso, acho ainda mais importante que a Estrutura reaja contra a falta de cobertura jornalística do nosso jogo e tenha uma acção contundente contra a SportTV e a TVI, que nos trataram da forma que trataram! Exige-se um retratamento!

E, por último, viram o Jesus a destratar o jornalista? Aos gritos com ele e quase a bater-lhe? E depois é Lopetegui que é rude e arrogante? Que é "superior"? Onde está a indignação paineleira contra este comportamentozinho deste pintas? Está mais que visto, Jesus é um homem que sabe que não tem capacidade para mais, que sabe que tem as costas largas e que pode dizer coisas como "estamos em quatro frentes" e por aí em diante sem que lhe aconteça nada. Ele desvalorizou a Champions. Problema dele e dos cofres do clube dele. Mas, por mim, pode ficar lá mais vinte anos. Sabemos com o que podemos contar. Com um ser pequenino, de ambições pequeninas, que quer reinar no seu laguinho, e dar a ideia de que esses "tripletes" são a melhor coisa do mundo.

Nós somos um Clube do Mundo. Um Porto Universal. Eles são um clube de bairro.

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Somos Fraquinhos

Apesar do razoável pedido em contrário do meu caro Fernando Pinto, não posso deixar passar uma evidência que é absolutamente incontestável. Quem ouviu ontem o Grande Área percebeu a maior das evidências - O FC Porto foi fraco, mas lá passa em primeiro lugar do grupo porque calhou num grupo ridículo. 

O Vítor Pereira acha que o Shakhtar bom foi o que o defrontou e, portanto, o FC Porto ganhou num grupo muito fácil. O benfiquista de Paredes acha que o FC Porto beneficia de jogar só contra uma equipa, aquela a que se safou com sorte, e que o Shakhtar ainda consegue ser mais fraquinho que o Bilbau. Ele também achou que a primeira parte do FC Porto foi muito fraca.

O Bruno Prata, sempre querido e fofinho, acha que o FC Porto só teve qualidade depois do Herrera marcar. Acha também o querido que, se fosse o Roma, outro galo cantaria.
Acho absolutamente curioso pensar que, no tempo de Vítor Pereira, quantas dezenas de jogos não foram assim, andando o FC Porto dele a bater em pedra dura com o Moutinho e/ou o Hulk, até conseguir desbloquear? Aí já não era fraquinho? Ele há coisas que me deixam impressionado.

Já se sabe que, depois, forte e espantoso foi o zbordem. Aliás, zbordem esse que jogou contra esse portento que foi o Maribor, claramente melhor que o BATE e muito mais bem organizado. Não vi o jogo, vi o resumo mas, mais uma vez, se o zbordem está à espera de ser superior ao Chelsea, vá pensando duas vezes. E até parece que o Schalke 04 não joga! Mas tudo bem, cá estaremos depois para ver os baldes de água fria a cair, nada melhor do que um zbordem com um elán vencedor, que depois leva uma abada e volta ao seu lugar natural. Já o escrevi antes, adoro que a Comunicação Social hiper-valorize as coisinhas pequenas, assim os egos sobem e as surpresas são mais saborosas. O benfas de Paredes, aliás, acha também que o zbordem merece passar aos oitavos e parece-lhe bem possível que o zbordem consiga empatar com o Chelsea e o Shalke 04 perca com o Maribor. E que dizer desta capa? um verdadeiro festival de alegria! Que golo espectacular este do Nani, numa jogada em que nenhum defesa se fez ao lance e o Nani pôde fazer aquela espécie de samba até marcar este estupendo golo que foi mais permitido que sei lá o quê. Se fosse o nosso FC Porto, teria sido certamente porque o Maribor era fraquinho.

E, por último, depois de termos visto as entrevistas aos ex-benfas do Zenit e ao cãozinho, vamos então ver quanto jornalistas vão até S. Petersburgo, uma vez que parece que os jornalistas da SportTV e da TVI tem um problema com o frio. Nunca tinha visto não se realizar uma flash interview por causa da falta de jornalistas! Isto é de tal forma grave que me espanta - e daí, infelizmente, talvez não - que não haja reacção da Estrutura. Depois de toda esta ignomínia a que somos votados, e agora até indiferença pura e simples, acho que é cada vez mais premente pensar-se num novo blackout informativo, usando convenientemente o Porto Canal como veículo informativo para todos nós. Nada justifica esta atitude da SportTV e da TVI. É uma infâmia total. É dizer "vocês não interessam para nada". É ridículo. Por isso, apelo mais uma vez aos Portistas para deixarem de criticar tão fortemente o seu próprio Clube e virem as atenções mais para aquilo que é preciso, a denúncia de todas estas subestimação, todos estes atropelos e toda esta indiferença absurda. 

E podia dizer mais mas, honestamente, hoje já não porque me sinto fraquinho.

terça-feira, 25 de novembro de 2014

E o Herrera Roeu a Rolha da Garrafa do Rei da Bielorrúsia


Este foi um jogo de nervos! Um relvado péssimo, uma entrada fria, e não foi só do tempo, do nosso Clube. É evidente que o BATE não queria levar a enésima goleada e fez-se de Penafiel ou equipa parecida e defendeu com tudo. Mérito ao BATE que resistiu enquanto os motores do FC Porto não começaram a aquecer. Depois o Herrera bateu o remate que todos ansiávamos e abriu as hostes.

Não esteve fácil, porque até ao golo do Jackson, o BATE continuava a contar com aproveitar o erro adversário para empatar o jogo, mas depois viu-se claramente que já não sabia sair do sistema de jogo e foi tudo mais fácil. Tello rendeu um Quaresma desgastado e Adrián um Brahimi que teve no relvado o seu pior inimigo, porque não dá para controlar da mesma forma, mas mesmo assim ainda fez umas fintas de colecção.

Um jogo evoluído, paciente, de uma equipa que, vê-se bem, já está bem entrosada e liga bem.

GOLOS

Herrera - Hector Herrera não joga nada, perde bolas e falha passes, é perdulário, não se percebe como é a pedra fundamental de Lopetegui. Hector Herrera mostrou a estupidez de todos estes argumentos. Já contra o Estoril o Herrera foi fundamental. Ele enche o campo, faz box-to-box, defende, ataca, distribui e , à medida que vai ganhando confiança, vai-se tornando num autêntico patrão do meio-campo, e um digno sucessor de Lucho González a 8. Marcou um belíssimo e já merecidíssimo golo, uma bazucada digna de goleador. Bravo, Herrera!

Óliver - Não tendo feito um jogo de encher o olho, é claro e evidente que ele luta muito, vai a todas, autenticamente escava o jogo e pressiona tão bem! Ele e Quintero vão poder distribuir a posição 10 consoante o jogo e as suas condições. Um miúdo de raça e orgulho, que eu espero que a Estrutura Portista tente garantir como jogador do Porto.

Solidariedade e Maturidade -  O FC Porto joga cada vez mais de uma forma sólida, entrosada e unida, onde todos jogam para a equipa e sem se tentar superiorizar aos colegas. Quem diria que estão juntos há tão pouco tempo! Menção especial neste capítulo para Jackson, muito mais que um simples ponta de lança, sem vergonha de ser médio e distribuidor de jogo.

A Solidez Defensiva do BATE -  Tem que se dizer, sem medos, que o BATE tinha uma estratégia que surpreendeu. A solidez defensiva deu-nos, aos adeptos, um ataque de nervos! Muito bem, podia ter sido mais complicado, se não fossemos tão bons.

FALTAS

Entrada Preguiçosa -  Entramos com pouco ânimo e pouca garra. É certo que estava frio, é certo que o relvado era uma porcaria, é certo que o BATE defendeu bem. Mas assim que se mudou a velocidade, abriu a coisa muito bem.

Quaresma -  Eu acho que o Quaresma tem de jogar depois. O Tello tem mais velocidade, imprime outro andamento. Se o Quaresma estiver mais concentrado no tempo, não vai desgastar-se tanto e vai afirmar-se como gosta. Não foi um mau jogo, mas não foi o Quaresma decisivo que ele gosta de ser.

Ainda Os Passes à Maluca -  Tem de acabar. Já. Agora. Ponto!

Poooooooooorraaa! Tá Frriiiiioooooo!!!!


É hoje, carago! Finalmente! Estava a ver que nunca mais! Esta paragem competitiva é das coisas mais incompreensíveis que já vi. É certo que podíamos, e devíamos, ter ultrapassado o Sporting no jogo para a Taça e já teríamos competido no sábado, mas mesmo assim, depois daquela coisinha que foi o jogo da Selecção, ainda se fica mais com a sensação de que isto tudo é em vão. Mas também gostaria de comendar publicamente quem decidiu enfiar a Taça logo depois da paragem para as Selecções.

Mas adiante, que o Passado passou-se e o acabado acabou-se. Vamos jogar num terreno dificílimo, gelado, lento e cheio de atritos vários, mas com um BATE necessariamente aberto porque tem mesmo de ganhar para poder seguir em frente. E, para nós, é uma oportunidade dourada de jogar contra o Shakthar de uma forma sossegada e, aí sim, em rodagem e preparação para o jogo com o carnide. 

É sempre imprevisível - e no meu entender ainda bem - como vai Lopetegui entrosar o onze. Sei que Tello deverá estar no onze em vez de Quaresma, mas o resto, ninguém sabe. Se joga Óliver, como e onde, ou Quintero, como e onde. Mas, seja como for, até os comemos, carago!

Vai ser tão bom ver as nossas riscas azuis e brancas a mexer de novo! Finalmente! E, depois do jogo, farei uma análise do mesmo aqui. Bibó Porto, Carago!

O meu onze (igual ao daqui de casa, com Tello em vez de Quaresma): Fabiano; Danilo, Maicon, Indi, Alex Sandro; Casemiro, Herrera, Brahimi; Adrián, Jackson, Tello;

  

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Indignações Várias e Efemérides Bonitas


Lá estamos nós, caros Portistas, de novo a voltar ao mesmo. Chega Janeiro e já vai tudo embora. Qual é a diferença entre nós e os nossos concorrentes? No nosso caso, mesmo aqueles que acabaram de chegar já estarão de saída. Mas cabe na cabeça de alguém? Tenho a certeza que Brahimi não vai ficar cá por muito tempo. É inevitável, a qualidade é como o azeite, vem sempre à tona, faremos uma grande venda de certeza, mas não teremos um histórico Portista. Diremos que passou por cá. O Rascord fez uma capa esclarecedora, o travessa da Queimada foi uma bocado mais passivo-agressiva. Mas bem. Sempre a mesma coisa, a mim não me aflige.



O benfas lá deu mais um "banho de bola" com um resultado expressivo mas com o mesmo rigor arbitral ao que já nos habituou. Um penalty que o Enzo faz de uma forma patética, poria o Moreirense a 3-2, na primeira parte. Poderia ter sido um jogo muito, muito diferente. Mas este ano, tocam os sinos na torre da Igreja, há rosmaninho e alecrim pelo chão, na nossa aldeia, que Deus a proteja, vai passar a procissão. Até na Taça.


Queria dar os parabéns a um dos maiores Portistas de sempre, que tive o prazer de ver jogar em campo, muito para lá do que muitos aguentavam à altura, piccolo Barros. A classe, a atitude, o comportamento exemplar, guardarei comigo para sempre. É adjunto agora, mas acho que merece muito mais da parte do nosso Futebol Clube do Porto. Falar Porto é falar também de Rui Barros. Parabéns Rui, és o maior (pun intended). 


Fico triste e um pouco indignado pelo preço do jogo contra os benfas. Numa altura em que, em bem, se pede o apoio dos adeptos, em que se vive uma crise de uma profundidade que toca a todos - em muitos levando-os ao impossível, preços como estes que se vêem, expostos, e muito bem, pelo Facebook do Tertúlia Azul e Branca, são absolutamente escandalosos. É certo que só vai ao futebol quem quer, mas este tipo de desrespeito pela situação financeira generalizada dos seus sócios e adeptos Portistas, é de uma falta de noção que me deixa embasbacado. Critico construtivamente, para que estes preços não se repitam. Não são consonantes com o tempo em que vivemos. Os sócios e os adeptos da Intuitição Futebol Clube do Porto merecem mais carinho, mais incentivo, mais respeito. Queixam-se da falta de afluência a Estádios e depois fazem coisas deste género, que deixam uma marca profunda naquilo que é a política com o público.

(Adenda das 13:33) Acabei de ver o Play-Off, é um prazer ver o Rodolfo Reis a destruir a retórica anti-Porto  da ratazana Santos. Sabe mesmo muito bem o desmontar de falsidade em duas frases. Bem hajas, Capitão! Que possas sempre ser assim!




sábado, 22 de novembro de 2014

Et Tu, Victor?


Meu caro Vítor,

Devo dizer-te que foi com particular agrado que te apoiei nos anos que estiveste aqui. Tinhas uma atitude Draconiana, que sei que foste conquistando com o tempo. Não foi um começo fácil esse o das tuas conferências de imprensa. Chegaste a vir a medo, mas depois começaste a levantar o teu sobrolho direito e a dar paulada a torto e a direito, o que muito me agradou.

Agradou-me sobejamente ver que soubeste organizar muito bem, que a tua/nossa equipa defendia como poucas, agradeço-te nunca teres desistido. Ganhaste os campeonatos com inteiro mérito, soubeste nunca desistir, soubeste fazer o teu trabalho e seguir em frente, soubeste dar nova vida ao fantástico João Moutinho, soubeste aproveitar um dos maiores pecados capitais do teu Nemesis, o da Soberba.

Tiveste direito a um campeonato ganho no sprint final,  pelo fenomenal Momento K que me fez - e à nação Portista - explodir de alegria, coroada pelo ajoelhar do chiclas, numa metáfora da queda do Rei como pedra de xadrez. Mas não foi aí que ganhaste! Foi com a "ratice" de James Rodriguez que conseguiste uma coisa que era nossa por direito.

Nossa, Vítor. Nossa. Não sei como ainda não percebeste que tudo deves a Jorge Nuno de Lima Pinto da Costa. Na altura que foste - e bem! - contestado por nós, por causa do teu soporífero jogo, por causa das tuas previsíveis tácticas e da tua falta de capacidade europeia, o Nosso Grande Presidente, na sua habitual Sabedoria, soube contrariar aqueles que o amam, dar o peito às balas por ti.

Ao que parece, ressentido connosco, rejeitaste uma renovação. Na minha inocência, pensei que terias a oportunidade de voar para o Everton. Não chegaste a ter. Mas pensei que estavas agradecido, que sabias que em nenhum outro lado do mundo terias a oportunidade de ser bi-campeão. Que te foi oferecido um momento de Sincronicidade do Destino que não é frequente. No Grande Vale da Abundância, tinhas na equipa Helton, Danilo e Alex Sandro, Otamendi, Mangala, Maicon, Rolando, o superior Fernando, Moutinho, James, Jackson Martinez, o incrível Hulk, Varela, Atsu (porque não?) e o Supremo Comandante, Lucho González. Não tinhas grande banco, mas também não era nenhuma porcaria. 

Mas já viste a experiência acumulada do teu plantel? O Portismo que corria nas veias destes jogadores? A referência que era um Lucho, um Helton, a História que pulsava nas veias deste grandes Capitães, o balneário focado que faziam? Saíste ressentido, Vítor. E começaste a cravar espinhos no meu coração, Vítor. Deitaram sangue logo quando disseste, no teu ar jocoso, a tua praga vil, no MaisFutebol, que saíste para que os adeptos pudesses "experimentar outras formas de jogo, com outra dinâmica". E foi aí, Vítor, que me perdeste. Passaste a ser a tua Nemesis. O teu ressentimento pôs-te a rogar um praga com o teu sorrisinho cínico. Eu não sou estúpido. Vi na tua expressão aqueles ar gingão, muito mais comum a Sul, a dizer vamos ver quem faz melhor que eu.

Envaideceste. Engrandeceste-te. Superiorizaste-te à Instituição que fez de ti quem és. Que te deu uma massa adepta que, infelizmente, ainda te endeusa. A mim não, Vítor. Eu, que te defendi quando spikaste da tru. Defendi a tua garra e a tua frontalidade. Que fizeste tu depois, Vítor? Mostraste que não era Portismo, não era Raça, era vaidade.

Passaste a ser Narciso, contemplando a tua beleza. E outros ta alimentam. Servem-te espelhos, porque já viram que sai da tua boca o fel do ressentimento, a loucura do auto-engrandecimento. Deram-te um espaço televisivo semanal para o fazeres na primeira fila, para ires cravando setas naqueles que te ofereceram a Glória. E perpetuaste essa atitude, Vítor.

Para cúmulo, deste uma entrevista que mostrou as tuas cores, Vítor. E cravaste o Golpe da Misericórdia em mim, outra vez através do mesmo veículo, o MaisFutebol. Disseste:

«O que eu amo verdadeiramente é o futebol. Não é o clube A, B ou C. Sou portista, como adepto, mas sou muito mais profissional. Portanto, não posso dizer que não trabalharei no Benfica, no Sporting ou em qualquer outro clube.» 

Obrigado, Vítor. Assim sei que não és Portista. És ressentido. Posso assim, descansadamente, ignorar-te de ora em diante. Desejo-te sorte, meu caro Vítor. Mas sabe, a soberba mata. Sobre o que disseste acerca da tua interacção com o Pep, no teu auto-engrandecimento ao que já me habituaste, deixo-te com as palavras de um superior ser, cujas palavras resistem a 3 milénios:

"O sábio coloca-se em último lugar e chega na frente de todos. Quando esquece suas finalidades egoístas conquista a perfeição que nunca buscou." - Lao Tsé

Ainda assim, um grato abraço deste que já não é mais teu,

Jorge

P.S.: É também por isso que desejo ardentemente que Julen Lopetegui ganhe, e ganhe muito, Vítor. Para que ele possa cravar a agulha no teu inflacionado ego, e restituir-te à tua forma de Portista convicto, para que te possamos receber com braços abertos, como um dos nossos. Este teu sucessor não tem nada do que te foi oferecido, tudo o que tem está a ser construído. E eu estou no canto dele. É maltratado, humilhado, mas não tem a tua soberba. E acho que tem mais auto-estima. Dá valor ao colectivo, não a si próprio. Sugiro-te que ponhas os olhos nisso.

(Obrigado ao Mancini, por ter mostrado a dita entrevista no seu comentário no sempre fabuloso Dragão Até à Morte)


sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Aqui D' El Rey e a Realpolitik

Ontem assisti estupefacto ao embandeirar em arco aqui na Bluegosfera por umas, supostamente moles, declarações de Lopetegui numa entrevista à Champions Matchday.
O que disse de tão especial Lopetegui? O treinador disse que tem uma equipa jovem, que tem um projecto de continuidade que está a construir-se uma equipa baseada num grande plantel que é praticamente todo novo e que se está a conhecer e entrosar. E qual é a novidade disto? É o facto de ele dizer que não garante nada? Que "lutaremos até ao fim ou seremos campeões. Começamos bem, mas eu não garanto nada"?

O que é @ digníssim@ leitor@ pensa que isto quer dizer? Que "vamos tentar, mas se não der, paciência, pelo menos tentamos"? Evidentemente que não! Temos a mais forte, de longe, sólida, de longe, equipa do Campeonato! E isto deve-se a quem? Ao Pai Natal? Ao Coelhinho da Páscoa? 
Mas tem-se visto um Porto adormecido ou não lutador? Viu-se isso em algum dos mais recentes jogos? Nalgum dos últimos jogos vimos uma equipa que não deixasse a pele em campo? E, mesmo no Estoril, insisto, com algumas melhores decisões de último passe e um melhor apoio nas alas teríamos ganho de goleada! É discutível que se testem sistemas de jogo diferentes contra o Estoril? No jogo da Taça com o Sporting? Certamente! Mas, imagine @ leitor@ que se põe dois sistemas de jogo a carburar em pleno daqui a muito pouco tempo, já viu a força da imprevisibilidade do nosso Porto? Como vai ser difícil preparar uma equipa contra nós?

Mas vamos, se se quiser, à Realpolitik. Investimos muito - demasiado até, se calhar, embora eu acho que também isso é uma grande conversa da imprensa, uma vez que eu não acredito que o custo do Adrián seja mesmo esse, e também sei que a agremiação de Carnide gastou o mesmo ou mais e tem aquela equipa que se vê - num super plantel para ser Campeão e mais nada? Claro! Mas onde está escrito que o segundo lugar está bom? O que Lopetegui, muito bem, diz, e ainda bem, é que a equipa ainda está a dar os primeiros passos no sentido daquilo que ele idealiza e que o trabalho ainda não está feito! Óptimo! Se o treinador acha que o que se vê ainda é o início, não imagino o que será o fim!

Lopetegui já conseguiu anular os egos, fazer o jogador trabalhar para o colectivo, não pessoalizar a solução em um único indivíduo, trazer para nossa casa jogadores da qualidade de um Brahimi, um Tello, um Óliver e sim, esperem que vão ver, um Adrián Lopez! Conseguiu devolver Garra, Atitude e Concentração à equipa, Luta e não esmorecer à primeira contrariedade.

E vamos a factos, sim? Há quanto tempo o Futebol Clube do Porto não garantia a passagem à fase final da Champions na quarta jornada? Seria possível pensar-se numa remontada como a do jogo com o Shaktar no ano passado? Lopetegui sacrificou a Taça de Portugal para garantir que vencia ao Bilbau em San Mamés! Aqui D' El Rey, que pecado! Poupem-me! Mas a prioridade do Porto são as tacinhas? Agora vamos poder fazer dois jogos descansados, provavelmente até em poupança de esforços, ou então a lutar pelo primeiro lugar do grupo, enquanto os nossos rivais estão com o rabinho apertadinho em elevado desgaste - um deles, o que está a ser levadinho ao colo com um jogo de qualidade miserável e jogadores a pensar nos voos de Janeiro, a ter de jogar contra nós logo de seguida e tudo - a tentar tudo por tudo para não ficarem pelo caminho já .

E falando neste, realisticamente, já viu @ leitor@ o roubo consistente que estamos a sofrer? Eu digo-lhe, não se preocupe! Estamos a ser roubados de tal forma que até a ratazana Santos, de maneira nenhuma suspeito de ser Portista, nos põe à frente na sua "liga da verdade". nos põe cinco pontos à frente do benfas - eu diria mais! - que dizer deste festival de gamanço desabrido que tem servido para compensar as falhas evidentes dos nossos concorrentes e nos tentar desmoralizar! Conseguiram? Não! Com esta Garra e esta atitude alguém duvida que seremos, naturalmente , campeões? E, já agora, é assim tão criminoso ser sincero?

José Mourinho disse que, no ano passado, que o seu Chelsea só estaria em condições para lutar pelo que é natural no ano seguinte. Este ano, leva tudo na frente, mas nem eles tem jogado, na Champions League, como nós! A nossa equipa, os nossos jogadores, tem despertado o interesse, o espanto e a cobiça da imprensa internacional, a nossa equipa tem sido vista, aos olhos da isenta imprensa internacional, como um caso sério na maior de todas as provas! Tenhamos então o realismo de perguntar:

Se formos muito longe na Champions League será assim tão grave estar em segundo durante um certo tempo? Dar-se-á a época como perdida na mesma? E estamos, ainda que desfalcadíssimos e vilmente roubados e vilipendiados sistematicamente, arredados da luta pelo título? Estamos, ou não, apesar deste roubo de igreja, a conseguir manter-nos a morder as canelas de uma equipa que está a ponto de desmembrar-se completamente daqui a dois meses? E podemos nós, ou não, realisticamente, preparar muito melhor o jogo contra eles, por estarmos confortáveis nas outras provas?

E já agora, têm visto o Quaresma? Quem acham que é responsável por um Quaresma focado, calmo, ligado à equipa e orientado para o bem colectivo? Eu é que não sou!

E, por último, sei que sou novo, mas caramba! O homem está aqui por 3 anos, Roma e Pavia não foram feitos num dia, e eu dou tempo ao tempo, não percebo como não se possa fazê-lo. 

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Dorme Dorme Bébé e Afinal Havia Outra

Antes de mais, porque o importante é o importante e o acessório não interessa, quero juntar-me à família da Bluegosfera e desejar ao senhor José Lima do Mística Azul e Branca uma rápida recuperação e completas melhoras. Faz-nos falta e queremo-lo depressa de volta.


Adiante. Como diria Fernando Pessa, também ele zbordem, "e esta ein"? Então não é que o senhor Nani afinal admitiria ir embora em Janeiro? Já sei, já sei, não há clausula de rescisão e por aí em diante. 
Mas e agora, ó Bruninho Fanfarrão? Quererás tu ter um jogador contrariado no plantel? Olha que é um perigo, pá! Olha ali o Enzo Perez a suspirar por Janeiro! E olha que tu não tens a comandita do colinho! Se agora estás em 8º mas ainda é perfeitamente possível - segundo, não eu, mas o delirante e anti-Porto Cutty Sark Barroso, para quem toda a raiz do Mal é Lopetegui - recuperar e ganhar o Campeonato, imagina sem o teu farol, a luz dos teus dias, ou com ela um bocadinho apagada por perceber a tolice que é querer estar aqui, num clube cuja máxima aspiração é ganhar aos dois rivais.
Ainda mais se a Nave-Mãe o chama de volta a casa. Bastou vê-lo a tirar fotos com a massa adepta e a assinar autógrafos como se não houvesse amanhã! Ai não! 'Bora que se faz tarde, que o presidente é tolo e não se sai da cepa torta e antes que se voltem a esquecer de mim!

E, meus amigos, que foi aquilo ontem? Por momentos pensei que estava a ver o Baby Tv! Confesso que o vi um bocadinho na diagonal, que a Selecção não me entusiasma nada, tenho é saudades das minhas riscas azuis e brancas, ainda para mais a piners e com aquele entusiasmo que se viu nos superstars. Concedo que mais de Messi do que de Ronaldo, mas caramba, que foi aquilo!
Imagino se fosse um Inglês e tivesse pago 50 a 75 euros (40 a 60 GBP), para ver os dois melhores do mundo e mais 20 a atrapalhar durante 45 minutos! Sim, 45! Não havia cachet para mais!
Aquilo não foi serviços mínimos, foi uma coisa qualquer sem nome. Vale, mais uma vez, São Quaresma a cruzar para o Raphael Guerreiro, para salvar um jogo muito insípido, que não serviu de nada.
A Argentina encostou Portugal às cordas, que até defendeu bem, com um bom jogo dos centrais, mas caramba, é mesmo necessária tanta paragem para encher os bolsos - ainda mais! - de uma instituição?
Um disparate!

Bem, eu, quando oiço a palavra Argentina, só me lembro de um nome, e não é Messi ou Maradona:


Saudades, Comandante! Tantas saudades! Volta depressa, da forma que queiras! Fazes falta!


terça-feira, 18 de novembro de 2014

Algumas Confirmações e A Problemática da Paineleirice Portista


Gosto muito desta fotografia. Gosto desta fotografia porque mostra um grande jogador apoiado na figura de um grande Capitão, Rodolfo Reis. Gosto desta foto porque li hoje que o presidente do Atlético de Madrid não descarta a possibilidade de nos fazer felizes e negociar o Óliver para ser nosso, mesmo nosso, no final do ano. Gosto desta foto porque acho mesmo que o miúdo sente isto como seu.

Óliver surpreendeu-me, confesso. Fui dos que torceu o nariz à vinda de um jogador sem opção de compra, confesso. E principalmente dado a concorrência no espaço dos médios. Mas Óliver é um equilíbrio do plantel, fortalece muito o onze e organiza maravilhosamente. Se, por acaso, puder ser jogador do Porto, como se viu no Estoril, garra, força e espírito combativo não lhe falta. Um jogador à Porto, portanto.

Pegando na foto também, vamos então à tristíssima temática deste post - a paineleirice azul e branca.

Confesso que ando agastado com este assunto. À excepção do Rodolfo, que adoro ver no Play Off e que noto que está lá sempre como Portista e a defender as suas cores - mesmo que, pontualmente, não concorde com ele, pelo menos tem lógica - a verdade é que não entendo a posição dos comentadores de programas desportivos, supostamente afectos a nós.

Em primeiro lugar, todos fazem questão de se vincar como "independentes" e "livre-pensadores", como se ser Portista fosse um qualquer defeito ou doença. Garanto-lhes que Gobern, Seara, Telmo Correia, António Simões, Gosma da Silva, Pedro Ribeiro, e por aí em diante, são benfas. Assim como Cutty Sark, Mourão Ferreira, Alves, Oliveira e Costa, Manuel Fernandes, Barbosa, Morais, etc, são do zbordem.

Porque carga de água terão o Miguel Guedes e o Serrão de querer ser independentes? O que terão pago ao Jorge Andrade para ser tão insipiente? E que dizer de Vitor Pereira? Nem faço comentários.
Mas desgasta-me o meu Sentir Azul e Branco ver que são o Manuel Serrão a gozar e a criticar humorosamente o seu clube, o Miguel Guedes a espumar de fúria do jogo contra o Estoril no programa "Grandes Adeptos" e Jorge Andrade a arrasar o Lopetegui no 4x4x3 que me deixam mais triste! Então no caso deste último, chegar ao cúmulo de ver o José Nunes, insuspeito de ser do Porto, a dizer que a nossa equipa lutou muito no jogo e que deixou tudo no campo, é ridículo. Com amigos destes, quem precisa de inimigos.


Mas o caso mais horripilante é o de António Oliveira. Quando a bola não rola - aí vê-se que ele defende, 80% das vezes, o Porto - ele desmultiplica-se em cabalas sobre a Olivedesportos, a Federação, a Liga, os Clubes grandes... sendo que ele tem onze por cento do Porto! Como? Importa-se de repetir!? Garante ele que há uma máfia dos três grandes, na qual está incluído o clube dele? Que relação tem ele então com o Nosso Grande Presidente, ao insinuar que ele é mafioso? Estamos na presença do quê? Que desilusão!


João Nuno Coelho teve três anos um programa no Canal Q, ladeado pela "formidável" Leonor Pinhão e o sectaríssimo José de Pina, onde defendeu de uma forma maravilhosa as nossas cores, com sabedoria, classe, nível e saber estar, mas sem nunca pôr em causa o seu Clube do Coração. Pedro Marques Lopes e Diogo Feyo, duas interessantíssimas e super inteligentes pessoas, uma que escreve o maravilhoso "Brasão Abençoado" e o outro que não precisa disto para nada, meteram já o Gosma da Silva e o Rogério Alves num chinelo pequenino muitas vezes, ao invés do bonómico Guilherme Aguiar, que se nota que estar ali ou a dormir seria o mesmo.

Para mim é urgente uma remodelação paineleiral nos programas.

Para terminar numa boa nota, gosto tanto de ler que o Herrera acha que já joga num Clube grande - claro que sim! - e que o Fernando Reges diz que será sempre Portista - evidente! - e que não jogaria em mais nenhum clube cá. Não são novidades, mas é sempre bom saber e reler.

domingo, 16 de novembro de 2014

O Armaggedon em Janeiro e A Parvoice Das Paragens


E pronto! Mais uma vez sinto o meu coração tão quentinho! Os media tão importadinhos que estão com o nosso handicap competitivo em Janeiro, já que Brahimi e Aboubakar vão falhar seis a oito jogos com as suas selecções na CAN! E agora? Que vai ser do Porto, sem estes dois? Claramente estamos condenados!

Não, não estamos. O pequeno argelino tem sido preponderante e central no jogo do Porto mas, se há uma coisa que tenho visto e me alegra o coração e me alivia o espírito, é que este ano é o colectivo que está forte e não há uma excessiva dependência de um só jogador. No entanto, se virmos bem, será com certeza por causa disso que Julen Lopetegui estará a testar sistemas alternativos para colocar Adrián numa posição mais habitual a si (insisto, depois de rever o jogo de uma forma desapaixonada, percebi que quem esteve fora de água foi muito mais Jackson do que Adrián) e potenciar a utilização dos nossos alas que podem ser médios e vice-versa de uma forma muito mais competitiva e forte.
Mas, mesmo no clássico 4x3x3, podemos utilizar a força do Quaresma e do Tello como extremos puros, alas de raiz, e potenciar o 4x3x3 clássico com o Jackson. 

Estamos melhores com o Brahimi certamente, mas não é o Fim Dos Tempos! Quanto a Aboubakar, fico cada vez mais feliz com a sua contratação, é um grande alívio saber que é uma boa alternativa para Jackson quando ele estiver cansado, até porque o acho muito mais adaptável ao 4x4x2 alternativo, creio-o muito mais um jogador de área que o Jackson, é forte, rápido e possante, e vê-se que tem uma consistência de acerto muito grande. Vincent Aboubakar é o Ponta de Lança de futuro que nos faltava, e ainda que não pareça, só tem 22 anos. É alto, forte e possante, e tem uma enorme margem de crescimento. Mas, essencial, neste momento, felizmente, também não é. Portanto, calma, temos um enorme plantel, não nos falta soluções.

Faz 11 anos o nosso Estádio de todas as alegrias, Parabéns ao nosso Estádio do Dragão, que os próximos onze possam estar tão repletos de alegrias e títulos como os últimos 11. E eu espero estar lá, sentado na minha Cadeira de Sonho, para os ver de perto.



Há muitos anos que não percebo esta coisa do calendário competitivo das Selecções. Se percebo pouco o timing das fases qualificativas quando os Campeonatos estão ao rubro, obrigando a paragens ridículas em equipas que se começam, muitas vezes - como o caso da nossa - a conhecer-se e a entrosar-se, percebo ainda menos os 15 longos dias em que se junta ainda um outro jogo desgastante, que serve unicamente para encher os cofres das respectivas federações, mas que cria mais desgaste e risco de lesões, muitas vezes em jogadores fundamentais, ao que tem ainda de se somar muitas vezes jetlags, tempos de recuperação de horas de viagem e tudo isso, tudo em nome do el contado.
No nosso caso, como ainda não bastasse, junta-se a Taça de Portugal a este regabofe, e estaremos a falar de quantas semanas de paragem? Three to get ready! Bom domingo! Aguenta coração azul e branco!



Já agora, para aguentar ainda melhor esta silly season competitiva, porque não sorrir e lembrar dois dos nossos, via Blue Overlap.

sábado, 15 de novembro de 2014

Olha, Tu Queres Ver Que... Não! Impossível!....



Olha, tu queres ver que  aquele jogador que é menos que banal, é um problema, não vale nada, é um flop, afinal até consegue resolver jogos e até marcar penalties, mesmo que seja num jogo-treino? Não pode ser! Impossível!

Olha, tu queres ver que esta porcaria deste jogador até poderá ser importante, restituindo-lhe um pouco da confiança e dando-lhe espaço para se adaptar ao clube e ao jogo, como qualquer outro jogador acabado de chegar?

Olha, tu queres ver que fazer julgamentos sumários baseados em suposições não comprovadas e em conclusões precipitadas pode ser que não seja a melhor coisa, e que o resultado final prove o quanto essa avaliação é prejudicial para os interesses do Clube que se apoia?

Olha, tu queres ver que afinal o Quaresma até não cria assim tantos problemas no balneário e até não destrói completamente toda a moral e confiança da Selecção Nacional?

Olha, tu queres ver que esse mesmo Quaresma até funciona melhor a sair do banco, a resolver e a ser desbloqueador, do que a andar 90 minutos a tentar fazer o que (já não) pode?

Olha e tu queres ver que, se calhar, mas só mesmo se calhar, até pode ter sido Lopetegui a ensinar o Quaresma a valorizar o papel de ser importante naquilo que ele pode realmente ser importante e contribuir decisivamente? Não! Se calhar isso já deve ser abusar um bocado!



E olha, mas será que o Grandioso Presidente do Clube Arrasador de Toda a Dizimação foi para o Dubai aprender a retirar petróleo de sítios esquisitos?



Ou será que, provavelmente, também ele deve saber que há coisas que não se podem combater se não há meios para o fazer.

Ou, se calhar, mesmo só se calhar, andar a fazer estratagemas para que uma coisa não pareça outra é pura aldrabice!

Ou então, posso eu estar enganado e, como não percebo nada de contas, 442 milhões de passivo permitem, na mesma, a compra total de trinta e seis jogadores!

Nãaaaa... são só coisas da minha cabeça!

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

O Estranho Caso do Portista Kamikaze

Tendo nascido em 1978, tenho apenas uma vaga ideia do Artur Jorge. Do calcanhar de Madjer. Do Oliveira. Mas lembro-me perfeitamente da conquista da Champions League, da emoção que senti, desse vibrar e da ridícula capa do dia seguinte d' A Bola, a ignorar completamente este feito histórico.
Tenho presente a segurança de Vitor Baía, a raça do Jorge Costa, mas tenho também presente o génio louco de Benni McCarthy, a estratégia de Alenichev.
Na história do FC Porto sempre houve grandes - e fundamentais - jogadores estrangeiros no nosso clube. Além dos supra-citados, casos como os de Mário Jardel, Aloísio, Álvaro Pereira, Lisandro Lopez. Deco (depois o mais Português de todos), Anderson, Pepe, James Rodriguez, Hulk, Falcao, e o meu jogador preferido de sempre, Lucho González. 

Nenhum deles teve vida fácil no nosso FC Porto. A contratação de Hulk foi tida como cara, bem como a de Danilo. Lisandro foi criticado pelo seu crescimento lento. Falcao também. James teve um ano inteiro de adaptação em que muitos o punham em causa. Até Jackson - houve quem achasse que era caro para a idade que tinha - e um longuíssimo etcétera. Sempre existiu a massa assobiativa, canibal e auto-flagelante. Sempre houve quem pusesse tudo em causa ao primeiro desaire.

Também sempre houve, por defeito, uma exaltação das qualidades - inegáveis, diga-se - dos portugueses do plantel, contra a desconfiança - pragmática, diziam sempre os treinadores de bancada, pois eles "tinham de dar provas"  -  em relação a jogadores estrangeiros.

É inegável que jogadores como James, Hulk e Falcao ficarão sempre no nosso coração. Mas, se dantes havia uma super Estrutura, sólida e viril, que os protegia sempre, e que os ajudava a demonstrar à massa assobiativa que a marcha do Tempo é demonstrativa contra a "espuma dos dias", hoje em dia os jogadores estão expostos a um escrutínio muitíssimo duro.

Aliado a uma cada vez tentacular, mentirosa e concertada Comunicação Social, está um mundo das redes sociais, onde tudo o que conta é o instante, não há tempo para progresso, ou margem de tolerância para adaptação e crescimento. Os nossos adversários da Segunda Circular aproveitam-se disso. Se juntarmos a isto uma certa xenofobia de uma grande parte da nossa massa assobiativa, bramindo discursos como " perdemos a nossa Identidade" , "já nenhum é Portista" , "estamos descaracterizados", temos aqui um caldo repelente muito perigoso, que poderia servir de vírus letal para a dizimação do nosso Clube.

Passa-se hoje um fenómeno assustador. Dada a propagação de programas de comentário desportivo, com paineleiros portistas que querem ser sempre "isentos" e "equidistantes" ao invés do sectarismo dos restantes,e a proliferação de plataformas desportivas nas redes sociais, vê-se cada vez mais na boca do adepto assobiativo a reprodução ipsis verbis do discurso paineleiro de uma ratazana Santos , um Gobernahipo e um Gosma da Silva. Aliás, e mais assustador ainda, é que eles já perceberam que o pior crítico do FC Porto é o seu próprio "adepto" que escreve em blogues críticas birrentas e impacientes, disfarçadas de um conceito tão vazio como a "cultura de exigência".

Assusta-me e preocupa-me, aliás, que este mesmo "adepto" seja elogioso aos de fora, como aqueles que já não são da nossa casa, e críticos com aqueles que estão lá, no campo, a lutar pelos títulos que eles exigem! E tudo isto, neste momento, elevado à potência de toda a vilipendia e o maquiavelismo do pensamento dominante, que estes "adeptos" absorvem sem pensar. É como um ácido corrosivo este trauma de Tordesilhas que assola o nosso Clube, por exemplo. Lopetegui não é um treinador mau, é "esse sacana desse espanhol". Absorveu-se o conceito da "armada espanhola" quando temos tido, no máximo, dois jogadores espanhóis a titulares. Esse discurso balcanizador serve para desestabilizar o balneário. Como, aliás, a questão do Quaresma, que servia apenas para que se desse excessiva importância a um jogador sobre os outros.

Como estava a claudicar esse problema, uma vez que o nosso inteligentíssimo treinador soube dar a volta ao falso problema, equilibrando - como seria expectável por qualquer pessoa racional! - a utilização do jogador em causa, dando-lhe minutos sem o esticar até não poder mais, eis que a Comunicação Social se apercebe da mais recente birra da massa assobiativa: Adrián López!
Estava a tardar, mas lá vieram os abutres almoçaragradecendo o repasto aos autofágicos adeptos. Este introvertido jogador é presa fácil para estas hienas, mas não deixa de me espantar como podem os adeptos não perceber a estratégia.

Uma vez mais, essa enciclopédia viva de tudo o que é escrito, o Miguel Lima do Tomo II, colocou uma pergunta bem pertinente: Porque é que ninguém faz a ligação entre o Relatório e Contas e quanto terá verdadeiramente custado o Adrián. Insisto, vi o jogo contra o Estoril duas vezes, e não só Adrián esteve muito bem posicionado, como o sistema não foi assim tão caótico! Se for, talvez, um pouco mais 4x4x2 e menos 4x2x4, a coisa pode fazer-se bem. Aliás, parece-me avisado que se tenha um sistema alternativo de jogo, para deixar os adversários sem saber muito bem com que contar! Não é uma mais valia? Mas alguém pensa que se pode adaptar uma equipa a jogar bem em dois sistemas de jogo ao mesmo tempo, em 4 ou 5 meses?

Estou muito satisfeito com o que temos, muito orgulhoso do que Lopetegui tem construído. Passamos de uma equipa risível, em frangalhos e desorganização táctica, para um sólido e coeso grupo - desde os tempos de Villas-Boas que não via um grupo tão unido! - em que o espírito do colectivo se sobrepõe ao individual. Não há egos exagerados nem super-estrelas. E todos tem a raça, o querer e a determinação de tentar tudo por tudo até ao último instante! É por isso que cada empate sabe a derrota, sente-se sempre que a luta e o sacrifício de deixar a pele em campo por parte do colectivo não merece outra coisa que não a vitória.

Essa, aliás, foi sempre a Mística do FC Porto! A superação de si próprios, o pensar no outro como em si mesmo, a luta aguerrida até ao último instante!

Meus caros amigos: Este blogue chama-se Porto Universal por isso mesmo - porque, para mim, Ser Porto não é restringido à geografia ou nacionalidade. Porque Ser Porto é sentir a Chama Azul e Branca no sangue, é pulsar o Fogo da Determinação e Garra nas veias, é fazer do impossível o possível, é ganhar e crescer independentemente de quem está do contra, do outro lado, a congeminar na sombra. Ser Porto não é dependente de ser português, argentino, colombiano, brasileiro, russo, argelino, camaronês. Ser Porto é estar lá e deixar tudo no campo!

Deco, Lucho Gonzáles, James Rodriguez, Hulk, Fernando, Benni McCarthy, entre muitos outros, serão sempre Porto. Deixaram tudo lá, no relvado, enquanto cá estiveram. Serão sempre parte da Memória, como tenho a certeza que muitos dos que jogam hoje, arrisco a dizer a maioria, cá, serão sempre Porto também!

E @ car@ Portista, deixa tudo na sua cadeira de sonho como eles? Quer fazer parte daqueles que elevam os que lutam às bravas conquistas? Quer fazer parte daqueles que são indispensáveis, com o apoio e o incentivo, da Vitória nos desafios?

Venha apoiar no próximo dia 30! Faça a sua parte connosco! Passe a mensagem de que, contra tudo e contra todos, Unidos venceremos!

Somos Porto carago!


quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Um Esclarecimento Cabal

Antes de mais, quero dizer categoricamente que não ia escrever mais sobre isto. Mas o comentário do meu caro sr. Fernando Pinto, que muito me honra com a sua visita, leva-me a um esclarecimento público.
Primeiro, subscrevo tudo o que disse o sr. Vila Pouca. Como ia dizer muito do que, aparentemente, o Rui Barros - um autêntico Buda do futebol, transversalmente considerado por todos! - já disse ao Tozé, também quero acrescentar que não contesto o profissionalismo do Tozé acho que tem todo o direito - o dever! - de fazer tudo pela equipa onde joga, principalmente se esta equipa já tem metade dos seus direitos desportivos.

Onde eu subscrevo as palavras de Rui Barros, e acrescento em relação à falta do Indi e àquele lamentável atirar-se para o chão, é que este comportamento prejudicou o FC Porto com anti-jogo, que até, no caso do Indi, podia render-lhe um amarelo ou um vermelho que ele não merecia, dado o planoinclinadismo que assistimos nesta Liga. Proponho aos meus digníssimos Portistas que substituam a imagem de Tozé pela do Enzo, Nani ou quejandos. Defenderiam os meus caros amigos que era natural?

E, mormente, quero relevar que este tipo de anti-jogo me enoja, até nos meus. Felizmente, no Porto, não somos nada adeptos deste estilo de coisa. Não somos como certos clubes onde os Mestres da Táctica mandam os seus jogadores atirarem-se para o chão, a fingirem-se lesionados, para queimar tempo. Preza-mo-nos por jogar todo o tempo útil e fazer da nossa vida o jogo pelo jogo, e não para conseguir com artimanhas o empate/vitória almejadas. Em desportos muito mais agressivos como o rugby ou basket, este tipo de anti-jogo é severamente punido, se permitido sequer. No futebol, é engradecido como manha.

Posto isto, e esperando que saibam que não estou a queimar ninguém mas que há coisas que não me caem mesmo nada bem, reservo-me o direito de não apreciar este comportamento, o denunciar e criticar como "não-Portista", por não ir de encontro aos Valores que acho Portistas. 

Pode ser que seja o clube do coração do Tozé, mas não passa disso. E eu não o critico. Apenas constato. Quem se lembra de exemplos como os de Hulk e do seu visivel constrangimento a jogar contra nós, saberá certamente do que falo.

Acrescento que, comigo, o argumento do Tello, Casemiro e Óliver, contra a sua equipa de onde vem emprestados, não colhe. 

Não acho que os culés ficassem muito aborrecidos com um Tello a jogar bem contra eles, mas se fosse um Villa ou Fábregas a fazer isto, tenho a certeza que a ira culé seria enorme. Da mesma forma que por ventura, não o Casemiro. Mas se falarmos de um Xabi Alonso.... e no caso de Óliver, seria por ele mesmo. Não sei se Casemiro é muito madridista, mas Tello é culé de certeza e Óliver nem sequer tem opção de compra. Eu não os poria a jogar contra as respectivas equipas. O risco seria, para mim, gigante. E acredito que não fosse, de forma alguma, propositado. Mas que provavelmente, daria um constrangimento ao género Hulk, ai sem dúvida.

Serei doente e sectário. Certamente. Mas tinha o Tozé numa consideração grande. Acreditem que nunca me passou pela cabeça que jogava sequer. Poderá ter sido do choque. Mas não me caiu bem. É o meu direito.

Não contesto o seu profissionalismo. Mas posso contestar o seu Portismo. Não queria que eles nos oferecesse o jogo. Não acho que tenha sido por causa dele que tivemos um empate com sabor a derrota - como todos os empates no FC Porto. Mas este anti-jogo não é acidental. E é revelador. 

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

O Profissionalismo Amarelo


Tenho lido e ouvido por aí muita coisa sobre o pretenso heróico acto do Tozé. Tozé, meu conterrâneo, jogador que vi partir com pena mas compreensão - não havia lugar para ele no plantel, continuo a achar que não há - para o Estoril, sempre me granjeou simpatia. Sempre o achei um miúdo raçudo e competente, mas vi perfeitamente os jogos que fez na A no tempo de Vitor Pereira, e percebi que se fizesse a transição já, seria queimado o seu espaço no plantel principal.



Achei, e acho, que jogadores ainda não preparados devem ser emprestados para se poderem valorizar, ganhar calo da Primeira Liga, preparar-se para depois poder entrar na pista a toda a velocidade. Mas não posso deixar de fazer alguns reparos sobre a questão do Tozé.

É muito famosa a história do Eusébio em que o Eusébio se recusa a marcar um livre pelo Beira-Mar contra o benfas. Segundo o próprio, Eusébio terá dito que iria mandar a bola para a bancada e não para a baliza. Foi tido pelos benfas como um grande herói, como um gesto de grandioso amor ao seu clube do coração. No ano passado, Hulk defrontou-nos com o seu Zenit e cruzou para o golo da vitória, depois pediu imediatamente desculpa ao seu público do coração, e foi aplaudido por isso. Deco também fez parecido com o seu Barcelona.

O que tem em comum esses casos? Nenhum destes três jogadores pertencia já ao seu clube do coração, os seus direitos desportivos tinham sido já vendidos.

Não é o caso do Tozé. O Tozé é um jogador do Futebol Clube do Porto, emprestado ao Estoril. Devo dizer que sou, por princípio, contra a utilização dos emprestados contra o clube empregador. Acho mesmo que deveria ser regra. É do mais elementar paradoxo que um jogador vá contribuir para o resultado contrário aos interesses da sua entidade empregadora. Mas sendo que podem, e foram, vejamos e analisemos então o comportamento do Tozé no jogo. E atenção, não vou com isto fazer juízos de valor moral, ético, não estou a falar em traições nem coisa alguma. Factos simples.

- Quando Martins Indi lhe toca - efectivamente toca - atira-se para o chão, por lá ficando a perder tempo e a dar a entender que Indi teria cometido uma falta grave sobre ele, efectivamente tentando "sacar" um cartão, fosse de que cor fosse.

- Fabiano toca-lhe de facto, mas é ao de leve. Não lhe ceifa as pernas, não é pelo toque do Fabiano que ele se desiquilibraria. Faz-se ao penalty a um jeito "Enzeiro". "Saca-o" com mérito. Depois da cena das desculpas em frente aos Super Dragões, faz o gesto que se vê na foto em cima.

- Ao ser substituído, sai a passo para prolongar o tempo gasto de jogo. Os seus colegas de entidade empregadora tentam pedir-lhe para que ande no passo exigido pelas leis do jogo. Assim não o faz.

O Tozé tem todo o legítimo direito de pensar no seu futuro, em achar que poderá ser ter um papel central no Estoril, coisa que eu acho perfeitamente possível e provável. Terá já feito contas à vida e percebido que o meio-campo do FC Porto é densamente povoado por grande qualidade, e dificilmente poderá ser titular. Tudo isto é legitimamente devido e permitido ao Tozé. Não é, contudo, Portismo, como diz e bem o Cativo Das Antas. Não é, também, ser um "grande profissional". A entidade que lhe paga não é o Estoril Praia. Outros jogadores, por ventura com menor valia técnica, nem defrontam o FC Porto. E, já agora, de um "grande profissional" espera-se qu cumpra o Tozé aquilo que o Miguel Lima deseja.. Porque parece sempre haver uma transcendência de eficácia e de querer quando se defronta o FC Porto.

Está Tozé no seu legítimo direito de pensar nos seus interesses. Não os contesto. Assim como eu tenho o direito de achar que o seu comportamento no jogo foi tudo, mas tudo, menos Portista.

Compreendo também que o sr. Augusto Baptista Ferreira, que muito estimo e considero, ache que é um assunto inútil. Não acho. Para ser Portista não basta falar que se é. É preciso sê-lo. É preciso que as vitórias sejam amargas, os golos sejam fel. Mas esta é só a minha opinião.

terça-feira, 11 de novembro de 2014

Estou no Canto do Adrián - Crucifiquem-me Também!


Declaração prévia de interesses: Não gosto de endemonizações. Não suporto bodes expiatórios. Não conheço Adrián Lopez. Sei que, como qualquer jogador do Porto, ganha um bom salário, tem de se esforçar e não pode ter lugares garantidos. Respeito inteiramente quem não se reveja numa linha do que vou escrever.


Não me conformando com o que se passou no encontro do Estoril, resolvi fazer a coisa mais masoquista possível. Resolvi ver de novo esse jogo. A frio. Sem emoção. Sem tendência. Sem coração. E então, eis que veio a surpresa: durante mais de 60 minutos, o Porto encostou o Estoril às cordas, atacou, pressionou, com um desacerto terrível.

A frio, vê-se um Porto que procura sempre o segundo golo, não perde assim tanto jogo no meio campo - até à saída de Casemiro - e empurra, tenta, avança. Vê-se um Porto que tenta por muitos e onde, curiosamente, não há assim tanto desacerto posicional como isso.

Nota-se, sim, que Cha-Cha-Cha é um jogador que não está adaptado ao sistema e estava muito perdido pelo terreno. Mas quem se posicionou muito, muito bem, foi Adrián. Ao longo do tempo que jogou, contei 9 desmarcações na cara do golo. Adrián tem um arranque e uma mudança de velocidade impressionantes em boa parte do jogo. Adrián faz o jogo que sempre tentou fazer. Os toques de calcanhar a passar a bola ao primeiro toque, a procura do segundo avançado no 4x4x2..... que não está lá.

Jackson Martinez esteve menos vezes na cara do golo do que Adrián Lopez. Se Brahimi, no seu segundo remate à baliza, tem passado para o Adrián, era golo certo. Jackson, habituadíssimo a ser o resolvedor, o goleador, o desbloqueador, meteu o pé a duas bolas que, chegadas a quem deveriam, teriam sido golo.

Adrián passou, muitíssimo bem, para desbloquear aquele que é um duplo-penalty sobre Danilo e Brahimi. É Adrián que passa bem para um remate do Herrera que vai parar a Cascais.

Sai um jogador recém-chegado, sem minutos, inadaptado a um sistema de jogo que não é o seu natural (o 4x3x3 versus o seu 4x4x2), debaixo de um monumental coro de assobios que o tende a perseguir para onde vá.

Qual é o fito de uma coisa destas? Para que serve destruir a já curta auto-estima de um jogador? Adrián marcou muitos e belos golos que vos mostro a seguir. Falcao, Lisandro, Hulk. Todos criticados. Danilo, nem se fala. Mesmo Cha-Cha-Cha. Todos foram alvos da desconfiança. Mas esta perseguição a Adrián é um absurdo. Assim é complicado para um jogador dar de si.

Mas tenho para mim que Lopetegui lhe dará mais minutos. E eu vou ter o prazer de ver um Adrián contribuir decisivamente, com golos e boas jogadas. Com tabelas ao primeiro toque, que os seus colegas vão compreender que ele faz bem. E vou ver quem agora o assobia a festejar com ele.

Vou ter a felicidade de saber que estive com ele. Desde sempre. Porque é fácil bater em quem está fraco.

Para vossa consideração, o que há de potencial aqui:



P.S.: O que eu vi foi o portista Tozé a deitar-se no chão a tentar sacar amarelo ao Indi, a cavar um penalty que eu acho duvidoso, a demorar a sair. Mas esse não é vaiado, é "profissional". Deixem de ser autofágicos!

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Estou Que Nem Posso, Apetece-me Gritar.

Hoje estou que nem posso. Estou nervoso, chateado. Há muito tempo que um jogo não me deixava assim. Nem o da Taça, veja-se, que fui ver ao vivo! Que foi isto! Se no jogo da Taça vi jogadores desplicentes, sem capacidade de luta e sem vontade, ontem não vi nada disso! Vi, isso sim, um conjunto de jogadores absolutamente inadaptados ao seu posicionamento (4x4x2 ou, como diz, e bem, Rodolfo Reis, 4x2x4?), com Jackson e Adrián a atropelarem-se e a irem às mesmas bolas, da mesma maneira. Quem diz Adrián diz Aboubakar!

Apetece-me gritar a Julen Lopetegui um "Oubelá, ainda não percebeste na selva em que estás metido?". Fico nervoso só de me lembrar que ele deitou quatro jogos de crescimento galopante, para deixar uma equipa sem meio campo (Não aceito que me diga que os 10s não estavam em condições de saúde, mais valia um meio campo mais defensivo do que não têr um de todo), com uns laterais de deficiente apoio e uma frente onde um dos pontas de lança - Jackson - se vê claramente inadaptado ao estilo.

Apetece-me gritar com a Estrutura, por não preparar o treinador para este plano inclinado em que estamos, em que os adversários do Colinho Lisboa e Malfica são roubados e espoliados de golos, da forma escandalosa que se pode ver aqui ao lado, e lhes são perdoados golos em claríssimo fora de jogo! Também me incomoda que jogadores dos ditos adversários do CLM não consigam fazer jogos sequer remotamente parecidos com os que fazem connosco. Mas não quero gritar com os franguinhos que lhes são dados, quero gritar à Estrutura que se mexa, que reclame e que denuncie estas inclinações! Veementemente! Contundentemente! Mas nada acontece, só inércia e laisser passer. Quero gritar com a mesma Estrutura que aceita passivamente que se deixe por marcar tudo o que é pentalty e falta contra nós!

Apetece-me gritar contra tanto, tanto, treinador de bancada que acha que sabe mais do que quem está
no terreno, que está com eles todos os dias! É muito bom estar atrás de um anonimato e mandar umas bocas de tanta "evidência", mas, se fossem parte do plantel ou treinadores eles mesmos, iriam sofrer com tanta "evidência". Isto não é Football Manager, isto é Campeonato a sério! Nada é assim tão "evidente", não se é um grande treinador à quarta e uma merda no domingo!

Por último, apetece-me gritar com estes paineleiros e comentadeiros (quase) todos que carregam no ignore quando se faz o que se faz na Choupana mas gritam aos quatro ventos pela "verdade desportiva" quando é connosco. Mas também tenho de gritar com uma imprensa desportiva (?) que chama à capa a frase de um "homem" sem escrúpulos, sem vergonha, sem o mínimo de decência, que depois do colinho que levou, ainda tem a lata de dizer que "por vezes os campeões têm de jogar assim"!!!! E não lhe acontece nada?! E que dizer da frase "ex-portista Tozé apertado no túnel devido ao penálti"?!

Temos de ir à luta, arregaçar as mangas e partir, aguerridamente, contra os adversários que temos porque, se fizermos o nosso trabalho direito, vamos ser Campeões! Contra tudo e contra todos!

P.S.: Subscrevo completamente o post do meu amigo Miguel Lima do Tomo II. em elogiar o "Magro Vai ao Ataque" e subscrever também o seu comentário no Dragão Até À Morte.