segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Enfim, a Reacção.... Mas Não De Todo O Lado


Finalmente, chega a reacção a este estado de coisas. As páginas sobre o FC Porto da edição d'O Jogo de hoje, exemplarmente recolhidas pelo FCP Para Sempre aqui, demonstram bem o estado de coisas, mostram as evidências num compêndio negro que tem de terminar. 

É bom que se reclame e se reaja (mesmo que essa reacção possa não ser exactamente evidente ou visível à grande maioria) para que este estado de coisas não se mantenha. Dizem-me que existe, no entanto. Mas não custava nada dar a conhecê-la, nem que por indirectas ou enigmáticas mensagens...

Porque ninguém reclama favorecimento, ninguém reclama outra coisa senão o fim do acentuado desnível contra nós. Não vamos bramir feitos loucos, mas não nos podemos ficar. Não há mal nenhum em mostrar que não nos podem comer por lorpas e em reclamar tratamento idêntico. 

É do direito de qualquer equipa ter acesso igual a condições justas e equidistantes.

E que alguém reaja porque este aqui em baixo não o vai fazer! Algum dia teria de ser, o dia em que o FC Porto iria ter um treinador que não quisesse arder e imolar-se pelo Clube, como todos os anteriores à excepção de Peseiro. Nuno Espírito Santo não está para o fazer. Tem amigos em todos os quadrantes, tem boa imprensa, boa imagem e sabe que ela é importante para o que se seguirá ao FC Porto.

Este é o corolário, meus queridos assobiativos, às críticas a quem vos rendeu 15M por um treinador, a um treinador que era comparado a um qualquer macaco mas que vos rendeu os vossos últimos títulos de campeão, a um rapaz que não tinha estofo para vos aguentar e à vossa "exigência", e finalmente a alguém a quem vocês, mãos dadas com aqueles que vos desprezam, faziam trocadilhos com o nome, embora este tivesse sido vítima do mais escandaloso roubo que há memória! Não importa! 


Queriam mais, e mais e mais, não é? Como uma criança gulosa, gorda, farta, não querem só títulos, querem "futebol espectáculo", querem tudo e um cento.

Veja-se o caso que O Jogo aborda hoje de Casillas. Casillas está a ser o guarda-redes que menos golos sofre este ano em toda a Europa. Não chega, verdade? É caro e não sei quê! Mesmo apesar do inegável rendimento desportivo - por exemplo, contra o Roma na segunda mão - mesmo que seja um grande instrumento de prestígio e marketing, mesmo que seja - ou devesse ser - uma honra vê-lo a correr de bola na mão e a levar jogares do Setúbal na frente para mandar uma bola para o André Silva em contra-ataque. 

O que é bom é o flavour of the month, neste caso o Marega, que marca que se farta mas com um pequenino detalhe, o do Guimarães jogar sempre contra equipas de "futebol positivo" e nunca fechadas lá atrás, nos últimos metros. Mau é sempre quem temos por cá e neste caso o cepo é Depoitre. Quem é que o antecedeu nessa querida designação, mesmo? Ah, é verdade, foi o Marega!  Depoitre jogou bem contra o Guimarães, jogou bem contra o Tondela, embora à procura do seu espaço,  e marcou um golo contra o Gafanha! Não jogou mais. Culpa sua? Não creio.

Está na hora, sim, de estar com a equipa contra este estado de coisas. E esperar que quem tem de fazer mais, o faça, em prol de futebol a sério!

Sim, futebol a sério, porque cá estaremos para ver se o Paços de Ferreira, a quem, incidentemente, emprestamos os mui promissores Gleison, Leandro Silva e Ivo Rodrigues, vai fazer contra nós o "futebol positivo" que fez contra o fifica. Sim, porque, extraordinariamente, deve ser da "humildade " do treinador, contra o fifica toda a gente resolve abrir linhas, dar espaço, jogar olhos nos olhos e em toda a largura do campo! É uma alegria! Deve ser da cor, ou o carago! Ou então é só mais uma inclinação.

domingo, 30 de outubro de 2016

Nada A Ver Connosco


A verdade nua e crua é esta: houve ineficácia mas não faltou atitude. Houve azar mas não faltaram tentativas. E houve reacção dos jogadores em campo.

Mas o que seria este jogo, esta dualidade de critérios, esta agressividade permitida, se estivéssemos a falar do fifica? Havia ou não penalti? Havia ou não cartões amarelos e vermelhos?

Nos últimos dois anos, muitos de nós queixamos-nos de Herrera, dizendo que não se ofendia, não se zangava, não partia para cima do árbitro. Mas não ontem. Mal acabou a primeira parte, todos em cima do árbitro. Mal acabou o jogo, todos em cima do árbitro.

Quem também esteve em cima do árbitro foram os treinadores adjuntos. Onde andava Nuno Espírito Santo? E onde andava a direcção? Que dizer da vergonhosa conferência de imprensa de NES? Que dizer do silêncio do Presidente? 

Há uma coisa a dizer: o único jogo que interessa é o de quarta feira. Esse, está orçamentado. Esse, permite mais do mesmo. Esse, permite os mesmos vícios, a mesma apatia, o mesmo desinteresse

O FC Porto sempre foi reacção. Mas a partir de Villas-Boas a "reacção" foi deixar o treinador falar sozinho. Villas-Boas, Vítor Pereira, honra lhe seja feita também Paulo Fonseca, e Lopetegui. Todos eles sozinhos. Todos eles a enfrentarem a máquina que os denegriu, os espezinhou e, no caso do último, o gozou indecentemente, sozinhos.

Agora é ainda pior. Vieram os treinadores de "boa imprensa". Peseiro e NES são treinadores de "boa imprensa". E porquê? São treinadores calados, abúlicos, que não são capazes - ou sequer interessados? - de dar um murro na mesa e denunciar toda esta trafulhice!

Ontem o Manchester United teve um jogo em tudo igual ao nosso. Domínio, ataque, remates e muita falta de eficácia, contra um Burnley encostado atrás. Teve também dois penaltis por assinalar a favor. A diferença? Mourinho foi expulso ao intervalo. Percebem? Numa das imagens vê-se claramente Mourinho dizer "vai pró caralho, pá!" enquanto se ria ironicamente da inclinação que o, também nosso querido, Mark Clattenburg, fazia contra ele. 


Do nosso lado? NES disse "o árbitro às vezes erra, e hoje errou". Assim! isto! E de Pinto da Costa? NADA! Nem uma palavra, como sempre, quando perde! Nem uma queixa, nem sequer uma piada irónica, nada! Apenas um silêncio imenso.

Não me interessa nada o porquê. Não me interessa se Pinto da Costa tem o rabo preso, se está enamorado, se ouve a corte do FC Porto a falar na puta da marca, se está cansado, whatever the fuck. Pergunto apenas: é este o exemplo que os jogadores devem seguir? É assim que os jogadores se vão sentir amparados e protegidos? Como querem que estes não desanimem? É esta a atitude a espelhar dentro de campo? De onde quem que eles tirem outra?

E, já agora, a nossa moral e crença tem de acabar coim um empate porquê? Isto é assim? Um resultado mau em que a grande maioria dos jogadores esvazia o tanque, em que são roubados indecentemente e já é tudo mau? Quantos empates teve o sportem? E quantas derrotas teve o fifica no ano passado?

Ah, mas há uma diferença! Aposto que hoje Inácio e Oliveira e Costa vão defender os seus até à morte enquanto que os nossos queridos paineleiros vão dar uma de "we are the world" e vão ser os primeiros a bater!

Uma coisa é ser "comido", como dizia o Mestre Pedroto. Outra coisa é gostar de o ser. Somos mansos. Somos autoflagelantes. Somos autofágicos. Somos o porto. Assim, com letras pequeninas, de uma dimensão minúscula.

Eu não sou do FC Porto pelas vitórias. Mas sou do FC Porto pela raça. Não me revejo neste estado de coisas. Nem pouco mais ou menos. Não vou desistir - nunca! - mas não me revejo neste estado de coisas! Enquanto formos bons rapazes seremos sempre comidos.

sábado, 29 de outubro de 2016

Análise Vitória FC 0-0 FC Porto - A Eficácia E A Roubalheira


E pronto, é assim. Não posso dizer que tenha sido surpreendente. Quando as coisas parecem fáceis... este tem sido o FC Porto nos últimos anos. Houve a espaços bom jogo e atitude mas... falta eficácia. Não é admissível que um jogador à Porto falhe aquilo que Óliver falhou. E, por muito que corra, por muito que distribua, por muito que se esforce... o futebol não averba pontuações por outra coisa senão golos.

Já agora, eu sei que o Óliver falhou um golo claro, mas desde que saiu, como ficou o meio campo? E o mesmo é válido para o Herrera. Já chega de malhar sempre nos mesmos.

Se perdemos o Norte quando substituímos jogadores, se vamos deixar a ansiedade vencer-nos contra o Setúbal...pouco há a dizer. Muito trabalho pela frente, muita coisa a fazer. Desde que se faça. Será que se vai fazer?...

E, sim, é verdade, a arbitragem foi péssima. Sim, é verdade, fomos roubados, como se vê. Mas se soubéssemos matar o jogo não teríamos que pensar naquilo que acontece todas as vezes.

Estamos a 5 pontos. Podemos ficar a 2. Se formos à Porto. Somos??

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Antevisão Vitória FC - FC Porto - Vencer Para Seguir Crescendo


Normalmente, é complicado fazer antevisões sem usar lugares comuns. Não é o caso deste fim de semana: o Setúbal tirou pontos ao fifica, teria tirado mais num jogo mais justo, Couceiro é um treinador experiente e que conhece o FC Porto e ganhar não será fácil. Mas é crucial. Ganhar estes três próximos jogos pode mudar muita coisa na vida do FC Porto, para bem melhor. São muitos em pouco tempo? Já tivemos meses complicados antes. É nestas alturas que se solidificam equipas.


Hoje soube-se que o FC Porto continua a pagar a Lopetegui 70 mil euros por mês por causa da diferença entre aquilo que aufere como treinador da Roja e o que recebia no FC Porto. Ser o FC Porto a pagar ao seleccionador de Espanha é vergonhoso. Não há defesa para Lopetegui. Defendi-o enquanto treinador do FC Porto, agora já não é nada. No entanto, não vale a pena estar a chorar sobre leite derramado. São assim as piores lições - são para não ser repetidas. 


A Escola do FC Porto Dragon Force em Valência foi altamente elogiada num grande artigo da Yahoo Sport. Assim estamos, nem as coisas boas que de nós falam sabemos adequadamente aproveitar. Tal como com Iker Casillas (que, incidentemente, apadrinhou a Escola) temos um potencial de exponenciação e propagação da marca FC Porto - não era isto o mais importante, segundo alguns? - e nem isso aproveitamos. 

Por falar em Casillas, continua a fazer diversos Facebook Mentions, por livre iniciativa, para milhões de pessoas, a falar do FC Porto e a publicitar os jogadores do FC Porto, sem que este faça nada por isso. Depois o ordenado é caro e não sei quê. O FC Porto é que não sabe aproveitar o potencial do mesmo.

Há uns anos, na Castanheira, no Porto, estava um miúdo interessado em comprar uma bateria Gretsh, do tempo em que eram feitas à mão, e reparei que o funcionário fazia umas caras de horror enquanto o miúdo assassinava as belíssimas peles da Evans que tinham sido cuidadosamente postas na tarola, com uma afinação do mais perfeito que alguma vez ouvira numa loja. Perguntei-lhe que se passava e sussurrou-me "odeio ver "pedreiros" assassinar baterias". 

O FC Porto parece que desaprendeu de tocar. Uma Gretsh, ou um Stradivarius, precisam de quem os saiba tocar. Claramente, o marketing do FC Porto está ao nível do miúdo.

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Dívidas É Para Maricas

Ontem, no Negócios Da Semana, aqui a partir do minuto 30 do programa, José Gomes Ferreira pergunta explicitamente - ai que ainda lhe vai custar o emprego, José! - ao Dr. António Ramalho porque não mandava executar as dívidas da empresa de Bieirinha, a saber, a Promovalor, no montante de 381M (!!!), Univerca Capital no montade de 184M e, principalmente, o nosso amigo fifica com 107M!!!! Ora, essa dívida do fifica é sensivelmente igual às nossas necessidades orçamentais de um ano inteiro! 

Repare-se na linguagem corporal de António Ramalho, na reacção corporal de espasmo nervoso, no ombro esquerdo, traduzindo o desconforto pela exposição desta palhaçada, deste segredo não tão secreto assim.

Pois é, meus amigos: nesta luta desigual, em que uma instituição que tem VMOCs de um clube e dívida "difícil" de outro, o FC Porto parte numa posição de claro desfavorecimento! Assim é fácil manter 86 milhões só na frente de ataque, e o orçamento descomunal de uma equipa absolutamente fora das realidades deste nosso país!

Bastava o Novo Banco executar ditas dívidas para o fifica ter um défice competitivo brutal e outro galo cantar! Por isso, não venham cá dizer que o centralismo morreu! Não, está vivo e bem vivo! Os clubes da capital têm acesso a batota paga pela banca! É fácil lucrar quando se usa o dinheiro dos outros para pagar jogadores!

Vamos contra tudo e contra todos! Mas não nos iludamos, nós ganhamos limpo e com as regras gerais, outros fazem batota em todo o lado! Ganhar contra dados viciados é hercúleo mas isso faz um FC Porto ser à Porto!

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Complementaridades


Pouco mais há a dizer acerca da entrevista de Danilo e das declarações de "são" Bieirinha que já não tenha sido dito pelo meu amigo Vila Pouca. Quero, no entanto, acrescentar uma coisa: fico, por vezes, espantado com a minúcia da análise dos adeptos às declarações dos seus atletas.

Disse, então, Danilo que "não podemos perder no Dragão". Oh, sacrilégio! Oh, ignomínia! Danilo disse que podia perder fora do Dragão! Danilo disse que podia empatar no Dragão! Como se atreve ele?

Em primeiro lugar, não era, evidentemente, esse o espírito dessa declaração. É óbvio que a frase tinha a ideia subjacente de um "em nossa casa mandamos nós" ou um "no Dragão seremos invencíveis". Mas, pobre Danilo, não é formado em linguísticas, nem tem estudos avançados de Língua Portuguesa, e teve o topete de não saber a diferença entre expressões. São, na verdade, estas piquinhices ao nível de uma Edite Estrela, que são o embrião da mimalhice de certos adeptos que é confundida com exigência e que leva aos tenebrosos assobios.

Disse o nosso Presidente que "Na forma de entrega, na solidariedade, esta equipa e plantel está como eu desejava e não via há já algum tempo". Concordo inteiramente. Bastava ver os Instagram stories do Felipe, do Alex Telles ou do Óliver para perceber que, no almoço de equipa de ontem, não havia inimizades ou vedetas. Essa solidariedade é uma de "irmãos de armas", que darão a vida em campo uns pelos outros. Essa cola é o que faz um FC Porto à Porto. E isso é. honra lhe seja feita, responsabilidade de Nuno Espírito Santo. Acredito que este é o caminho a seguir. As próximas jornadas poderão comprová-lo ou não. Espero que sim.


Onde já não concordo com o Presidente é nisto. Não compreendo, aliás, que ele não vá atrás do espírito guerreiro da equipa. Talvez ele tenha perdido o pulso à realidade sócio-económica da nação. Quando "são" Bieirinha pergunta se " Acha mesmo que um árbitro se deixa corromper por 300, 400 ou 500 euros?" a resposta não pode ser outra senão um claro obviamente que sim!

O ordenado mínimo nacional ronda os 500€. O ordenado médio os 900, dados do Pordata. Se, cada vez que um árbitro apitar o fifica, receber de "gratificação" mais 1/3 a 1 salário mínimo nacional, a juntar ao seu salário como árbitro profissional de primeira categoria, que é de 1500€, concluímos que este ganha, portanto, desde 1/5 até 1/3 do seu salário por jogo de bónus para fazer o pequenino "favor" de inclinar o campo a favor do fifica. A mim não me parece nada despiciente. 

Estas são aquelas coisas que mereciam referência pronta mas que não encontram contraditório, bem como o facto de parecer não ser de relevância o número de elementos do poder político e judicial que integram a lista de apoio à lista de Bieirinha. E atenção, não estou a fazer qualquer juízo de valor, estou apenas e só a citar factos públicos. Se o Presidente não que saber do caso dos vouchers para nada, não serei eu a fazê-lo.

Estou apenas crente que a atitude de união que se vê na equipa tenha eco nas vitórias subsequentes e que estas levem a títulos. Apoiar é o meu único dever como adepto. Cada um que trave as suas batalhas.

O FC Porto estará lá PARA SEMPRE. Na Voz de cada um de NÓS. 

terça-feira, 25 de outubro de 2016

Um Passo Na Direcção Certa


Nas últimas duas semanas tem-se notado um cuidado muito maior nos conteúdos FC Porto no Porto Canal. Não só se começou a poder contar com os comentários sérios, bem formulados, bem estruturados, assertivos e bem fundamentados de Rui Cerqueira nos pré e pós match, como se começou a ter especial cuidado em dar o espaço e tempo adequados ao que é o verdadeiro pilar deste canal - o FC Porto e suas transmissões. A seguir ao jogo contra o Arouca, o pós match demorou o tempo que foi preciso. É assim mesmo! 

Foi aí que ficamos a saber disto, e a saber que esta entrevista a Danilo Pereira não será isolada, mas sim uma série de entrevistas mano a mano com os elementos do plantel do FC Porto. Também mais um passo na direcção certa. A função primordial do Porto Canal deve ser esta: aproximar a equipa dos adeptos e vice versa. Evidentemente que é uma questão tratada de forma cuidada e doseada, mas é uma ideia de louvar. Gostei de saber que, assim, teremos mais e melhor FC Porto no Porto Canal. 


Já é um  passo no sentido certo, este de deixar profissionais sábios e competentes, que realmente têm conhecimento prático dos temas e sabem como abordá-los sem que pareçam "feitos a martelo", a tratar deles. Dá, assim, uma certa esperança que talvez a Gala de 2017 dos Dragões de Ouro possa ser preparada sem o confrangedor amadorismo com que foi executada, numa sala com excelentes condições, que demonstra que, se a escolha de convidados musicais foi pouco cuidada, como bem demonstra o Miguel Lima, (não podemos - ou podemos? - só ter Portistas a tocar nas Galas, mas pelo menos que não tenham letras a puxar pelos nossos rivais!), se algumas entrevistas no pré e pós gala foram tão mal feitas que chegaram a ser embaraçosas (e que tal deixar que estas sejam feitas por quem tem, de facto, formação para as fazer?), tal possa ser corrigido, com vista a que a próxima gala, connosco Campeões, tudo correndo como deve, possa estar à altura de um Clube do maior profissionalismo e exigência.

Na verdade, tirando os laureados e o seu discurso - boa iniciativa, evidente que seja, a dos galardoados poderem dizer umas palavras de agradecimento - a única parte que foi de realmente elevada qualidade foi a intervenção da pequena grande Joana Marques.


Gostaria, aliás, de aproveitar este post para sugerir uma evidência: num tempo de um tão grande deserto de comentadores que saibam honrar as nossas cores, à excepção de Cândido Costa e Bernardino Barros porque não trazer a Joana Marques de uma forma mais regular ao Porto Canal? A Joana é, no meu entender, um génio da comédia, com um olho clínico para a subtileza e uma sabedoria de timing cómico e de construção de narrativa absolutamente brilhantes. Basta segui-la no Facebook ou no Instagram para ter um pequeno lampejo de tudo aquilo que ela poderia trazer de positivo à nossa causa!

Fica a sugestão. O FC Porto merece qualidade. Este já é um passo na direcção certa.

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

A Banha Da Cobra E A Comunicação a Pedido


Já todos sabem, o Renatinho ganhou o Golden Boy. Surpreendente? Nem por sombras! É, na verdade, um campeão da liga, campeão europeu e joga num dos maiores clubes do mundo. É factual, não é? Foi uma ascensão meteórica, em apenas um - UM! - ano de fifica. É, de facto, surrealista.

Mas é explicável. O Renatinho está a fazer uma época pavorosa no Bayern. Inesperado? Nem por sombras! Afinal, ele "jogou" no fifica, onde era permitido todo o género de sarrefada e entradas assassinas - vide contra o sportem - e onde o campo estava aberto porque a maioria das equipas jogava encolhida. Agora, não se passa nada disso. É o Renatinho um peixe fora de água. Quem vai com muita sede ao pote...

Mas a verdade é que o fifica se está a borrifar para essa questão, se o Renatinho se afunda profundamente. Rendeu 35M. E mais o que virá por ali, graças ao seu marketing extensível a todos os media nacionais. Todos! Isso é que é um absurdo! Agora o departamento de vendas do fifica é a RTP, a SIC, a TVI?

Bieirinha já sabe do filão e vai tentar aproveitar bem - ao contrário dos seus rivais - para despachar talentos e pérolas inflacionados, de Guedes a Gomes, passando por Semedos e afins, alguns tanto "da formação" como o James Rodriguez foi formado pelo FC Porto.


Não importa. Como se vê em cima, há sempre copos meio cheios e copos meio vazios. E os media nacionais são pródigos em fazer a ligação cromática apropriada ao tipo de copo. Nós já sabemos qual é o nosso. Mas é importante denunciar este tipo de palhaçada. É que estas vendas permitem melhores jogadores e balanços contabilísticos bem melhores por causa disso. Não é, nem de perto, nem de longe, uma questão menor. E sim, diz-nos respeito! E de que maneira!

Também, curiosamente, já não há tanto ênfase nem destaque ao que se vê em cima. Ou a isto. Se calhar não vende tão bem. Nunca se sabe. Sabe-se, isso sim, que não vai dar em nada. Mas há quem se tenha deixado marcar por muito menos. E que ache que, mesmo assim, não tem nada a ver com isso. Para mim tem. E de que maneira!

domingo, 23 de outubro de 2016

Análise FC Porto 3-0 Arouca - Evolução Em União


Ando há vários anos a reclamar uma entrada á Robson no FC Porto. Com franqueza, há vários anos que não a via - desde Villas-Boas. Pois não é que NES me deu essa alegria?

Não vale a pena estar a fazer o filme exaustivo dos remates e lances - pode ser visto aqui - mas vimos um futebol forte, intenso, atacante e pressionante que pôs o Arouca em sentido logo de início, e logo de início poderíamos estar a ganhar por 2-0 aos 15 minutos, com uma jogada de sonho de Corona que merecia mais do que o poste a rebater a bola para fora, e uma excelente desmarcação de Óliver, cujo remate tinha selo de golo mas que Bracali - como sempre contra nós - defende.

Nunca deixamos de atacar bem e defender melhor, ficamos talvez um pouco ansiosos no meio da primeira parte, mas sempre a tentar chegar ao golo. Em especial nos últimos dez minutos, notou-se que o FC Porto tudo faria para chegar ao intervalo com o marcador aberto, como bem o demonstram o remate de Jota e o cabeceamento de Marcano, até que André Silva acabaria com as dúvidas aos 43 minutos, marcando após cruzamento de Diogo Jota. Este último até poderia ter marcado a seguir, mas a bola caprichosamente acabou por não seguir para a baliza.

Na segunda parte houve uma descarga do acumulado de jogos, de pressão e de ansiedade, e o FC Porto passou a controlar num ritmo mais baixo, mas sem dar hipóteses ao Arouca. Havia unidades em claro desgaste, como Óliver que estava num ciclo jogos terrível e que fez, apesar de deslocado a dado momento para a faixa, um bom jogo, e Layún, que acabou por não sair. Corona estava tocado e saiu, para dar entrada a Brahimi e Rúben Neves, e o jogo mudou completamente, novamente.

A superior leitura de Rúben ajuda o FC Porto a ter uma dinâmica e uma intensidade muito superiores e o génio de Brahimi ajuda a baralhar marcações e a desequilibrar o jogo de uma forma favorável. Foi, aliás, dos pés dele que saiu o passe vertical para André Silva passar a Jota que lhe devolveu a bola para o segundo golo. O desnorte tomou conta do Arouca, que até estava a tentar mais esta parte, e Casillas aproveitou para fazer uma assistência primordial - é a terceira vez que faz isso - para Brahimi fazer um golo de antologia - e de raiva - e calar quem o criticava (ver Faltas).

Chave de ouro para um jogo em que passamos, contra o pensamento dominante, para primeiro lugar, ainda que temporariamente. O caminho faz-se caminhando e há um caminho para este FC Porto.


União - Parece-me claro que o grupo está unido e que é um bloco sólido. Por esta altura, já todos devem ter visto isto, a conferência de imprensa muito boa que deu NES. Gostei de o ouvir falar da filosofia do FC Porto à frente da táctica. Isso é claramente conseguido. O bloco defensivo é sólido como há muitos anos não o víamos, liderado por um excelente Marcano, que faz diagonais em sprint para cortar cruzamentos do lado contrário, pelo meio campo também pouco passa por um Danilão de adamantium, verdadeiro bloqueio do ataque adversário, Óliver, pelo meio e mais adiantado, joga e faz jogar, procura sempre insistir e dar apoio defensivo e, apesar de claramente desgastado, não deixa de dar absolutamente tudo o que tinha em campo, Corona é um génio, travado apenas à berdoada - não assinalada - do adversário, e capaz de tirar coelhos da cartola e Diogo Jota e André Silva fazem uma dupla perfeita de ataque, ora eu ora tu, que irá fazer a miséria de muitas equipas, daqui até ao fim do campeonato. Todos se entre-ajudam, ninguém se pensa acima dos colegas e a solidariedade sente-se em campo. Nuno Espírito Santo já conseguiu transformar um colectivo numa equipa.  

O banco bom - Temos um banco de luxo, que revoluciona e oferece soluções, muda velocidades e sacode o que está estagnado. Brahimi entrou com fome de golo e conseguiu o que perseguia e Rúben Neves, apesar de alguns passes mal medidos, deu amplitude e ângulo ao jogo do FC Porto. Assim, NES pode sempre pensar em sistemas diferentes e variações de jogo, o que é algo extremamente positivo. Falta-lhe a coragem de fazê-lo antes, sobretudo quando o desgaste é notório.


Massa assobiativa - Brahimi reagiu ao golo fazendo sinais para a bancada num claro "falem agora" que muitos levaram a mal. Eu não. Eu concordo com Brahimi. Não se queixam de um jogo previsível onde falta rasgo individual? E depois, quando existe, este é assobiado? Expliquem-me isto, a sério, porque quero entender! Se um Jota ou um André Silva se perdem no 1 para 1, tudo bem. O que não pode ser é o Brahimi, é isso? De quem veio o passe vertical para o segundo golo? Do Pai Natal? Vão ver as épocas passadas, quantas assistências teve o Brahimi, e depois digam-me algo! E para de assobiar a vossa equipa! Vamos outra vez para a mesma palhaçada do ano passado? Estamos em primeiro! No mínimo, silêncio! Já que não se pode pedir apoio! Envergonhem-se, carago! Ah, já agora, a transmissão não mostrou, mas o Brahimi a seguir ouviu o seu nome dos Super, deu o tradicional beijo e cumprimento para o ar que costuma dar e levantou... o Brasão Abençoado.

Herrera e Varela - Continuo a dizer, Varela deve fazer uns treinos de sonho! Só assim se explica como pode ainda ser opção, após tantos e tantos jogos completamente ao lado. Incrível. Quanto a Herrera, se jogar atrás de Óliver, não tenho objecções - aliás viu-se as arrancadas box-to-box em que foi imparável - mas como definidor de jogadas, com tanto passe errado e mal medido, é um desperdício. Se jogar mais atrás não deixa de ter um remate exterior potente e não "empata" o jogo da forma atabalhoada como uma, e outra, e outra vez, faz.

Mota do talho - Inacreditável dualidade de critérios, fraco julgamento de lances e tendenciosidade, conseguiu não ver um penalti claro sobre André Silva e a berdoada que quase lesionou Corona. Enfim, é a mesma coisa de sempre. Olhem, como as capas dos jornais de hoje... 

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Antevisão FC Porto - FC Arouca (8ª Jornada) E Umas Notas


Estamos então chegados à altura de defrontar o Arouca em casa. A esta altura somos superiores, uma vez que o Arouca está a milhas daquilo que foi o ano passado, mas não nos esqueçamos que nos fez passar uma vergonha tremenda.

Nuno Espírito Santo falou de manter o Dragão invencível. É isso que se espera.


Penso que é uma boa altura para continuar a apostar no onze que jogou contra o Nacional. Só com repetição e insistência se consegue cimentar processos e triangulações. Espera-se, de uma vez por todas, um sentido prático de baliza, uma entrada forte e com a pressão sobre o adversário própria de um candidato ao título.

NOTAS:

Vamos jogar contra o Chaves na Taça de Portugal. É um jogo complicado? Com certeza. Difícil? Sem dúvida. Mas queremos títulos, não é verdade? Então temos de saber quem somos e que encontrar adversários fortes e bem trabalhados, como está a ser o Chaves,  é melhor porque nos prepara para a exigência que cada uma das próximas fases, necessariamente, terá de ter.

Rui Cerqueira falou, e bem, de uma série de jogos difíceis, uma vez que o jogo se joga a 18 de Novembro, apenas dois dias depois da selecção mexicana fazer um jogo, e antes do jogo decisivo contra o Copenhaga. Quero aqui dizer que já fizemos outros cíclos assim, nomeadamente o de Março/Abril de 2015 onde levamos só com vitórias todos os jogos de 3 em 3 dias. O FC Porto tem de ser capaz de enfrentar esses desafios.

Outros terão a sorte de ter "amigos" a jogar com eles, portanto já se sabe o resultado dessa eliminatória. Nada a ver connosco, verdade? Pois. Então, siga para bingo, nada a ver aqui.

Miguel Layún está no onze ideal da UEFA desta jornada de Champions. Se Layún fosse de um clube da segunda circular, seria todo um acontecimento. Assim, é mera nota de rodapé. Ainda assim, parabéns Layún! Estamos todos orgulhosos de ti!

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

O Ego e o Serviço

Via Tertúlia Portista

O Presidente falou após a vitória - como sempre, só depois de vencer - sobre o Brugge, dizendo o que se vê em cima. Se isto é uma atitude à Porto, fico preocupado. Sim, nunca desistir é uma atitude à Porto. Entrar daquela maneira não pode ser. Depois entrou numa deambulação sobre as contas que, confesso, me deixou agastado.

Sabe, senhor Presidente, a nós interessa muito mais o assunto dos vouchers - que o Presidente se recusa a comentar - do que as opiniões de MST e Oliveira e Costa sobre as nossas contas. Interessa muito mais que se prove a aldrabice dos últimos campeonatos, em especial o de 14/15. É que, sabe, teríamos sido campeões, não sabe? E não haveria um tetra no horizonte de possibilidades do nosso rival nem a treta de "fim de hegemonia". E isto, só analisado de uma forma simplificada, porque muito mais haveria a falar.

Agasta-me o exercício de ego da SAD, que só responde quando tocam na gestão desta ou em resposta a ataques aos membros da dita. Sousa Tavares, por exemplo, pode insultar o treinador e jogadores, de uma forma gratuita e avulsa, o quanto entender, que não há reacções. Mas se falar da SAD, aqui d'El Rei! também Oliveira e Costa pode dizer, preto no branco, que o FC Porto vai ser prejudicado pela arbitragem durante anos, que ninguém diz nada. Pode, inclusivé, dar a entender que o fifica e o sportem partilham o controle da arbitragem que nada acontece

O que peço ao senhor Presidente é que entenda que a generalidade dos adeptos valoriza o que o senhor parece não valorizar e desvaloriza aquilo que o senhor parece levar tão a peito. Os adeptos querem ver garra e agressividade na defesa daquilo que é a descriminação sobre o FC Porto da arbitragem e dos media em geral. Tudo o resto é fait divers. Tudo o resto é um exercício de ego. O senhor Presidente foi sempre conhecido por tudo fazer em prol da defesa dos superiores interesses do FC Porto. Era - e ainda é - idolatrado pela sua abnegação e serviço ao FC Porto. Espero que perceba que as prioridades parecem estar, neste momento, trocadas. Invertam-se a bem do FC Porto.


Ontem o FC Porto venceu o ABC em Andebol por 24-22, num jogo pleno de raça, luta e num fim à Porto. Venceu-se, contra tudo, contra todos e contra os tolos e contra uma arbitragem muito caseirinha! Ainda bem que o Porto Canal estava lá para o denunciar! 

Estava? Não! Ana Filipa Gomes, com quem simpatizo, estava com um absurdo discurso de "união" e "fraternidade", completamente antagónico ao que as imagens demonstravam!

E porquê? Por causa do wet dream de Juca Magalhães, de uma televisão para todo o Norte, porque o Porto Canal também transmite os jogos do ABC e porque, toda a gente sabe, o corporativismo impera! Foi constrangedor ouvir, no meio daquela vergonha, Ana Filipa num discurso de "vamos todos dar as mãos e mostrar como somos amiguinhos". 

Caríssima, não tens culpa nenhuma, fazes o que te mandam. Juca Magalhães é que pôs, uma vez mais, o seu ego à frente dos interesses do Clube que (parece que não) comanda a estação, dando as mãozinhas aos lampiões do Norte que não perdem uma oportunidade de nos apunhalar sempre que podem!

Este é o FC Porto directivo de hoje em dia. Manso, permissivo, conivente na sua autodestruição. 

Esta NÃO É uma direcção À PORTO! 

QUE EXEMPLO PODEM SEGUIR, ENTÃO, OS NOSSOS ATLETAS?

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

O Complicómetro e a Capitania


Está mais que visto que há muito a trabalhar no FC Porto. Há que criar rotinas, há que estudar quem é que fica melhor onde e parar de uma vez por todas com esta dança de cadeiras e há que ver como fazer a bola chegar de A a B criando desequilíbrios para que haja mais hipóteses de golo.

Isso é trabalho de treinador. Dizia há dias a um amigo que não acredito que os jogadores gostem de passar a vida a lateralizar. Se o fazem é porque lhes indicam que as jogadas têm de ser construídas em futebol apoiado. Mas não é verdade que tenham de ser sempre.

Seja Herrera, Óliver, Danilo, Rúben, Corona ou Brahimi quando há espaço para a verticalidade e o rasgo individual, este tem de acontecer. É vital que no jogo do FC Porto terminem, de uma vez por todas, os passes para o lado quando para a frente há muito e bom caminho. O colega está desmarcado? É para lá que tem de ir a bola. E, à chegada à área, o remate tem de ser muito mais frequente, porque é sempre preciso sorte para que a bola entre mas esta tem de ser tentada. De uma vez por todas, que termine no FC Porto esta ideia de que a bola tem de entrar baliza dentro. Uma vez mais, o trabalho é de treinador.

Temos material e potencial para tanto! Faço-vos um desafio, se calhar mais para quem tem maneiras mais... criativas de ver os jogos: ver os jogos das selecções, por exemplo  a tricolor mexicana e a rojita espanhola, onde o potencial de 4 dos nossos principais está bem exposto, e tirar de lá as devidas ilações.

Já vimos em todos os jogadores muito mais do que temos em frequência. Esse é um problema sério a ser corrigido. Há muito trabalho para desligar o complicómetro. Mas ele tem de ser feito. Não queremos o futebol à tolinho estilo jesuíta? Não. Mas também não queremos futebol de chutão para a frente e de passe curto e lento, medroso e sem intensidade. Esse é simples. O FC Porto precisa de mais!

Via Papa Pinto da Costa

É fácil de ver também, de uma vez por todas, que o FC Porto precisa de um Capitão. Precisa? Não! O FC Porto tem um Capitão. Um histórico do futebol, voz de comando e autoridade, habita no nosso balneário. Em sua vez, a braçadeira está com um excelente rapaz, mas sem brilho nem qualquer espírito de liderança. A segunda parte foi melhor? Pudera! Este vídeo, cujo som é irrelevante, dá bem para perceber quem tem maturidade, autoridade e experiência para liderar e o efeito que tal produz. Faz algum sentido que ele não seja Capitão?  

Faz algum sentido que alguém que é multi-titulado, que já esteve em mais de 150 jogos da Champions, que já ganhou o caneco mais vezes do que o FC Porto, esteja relegado à condição de jogador normal, por culpa de uma regra absurda de senioridade, quando esta representa, no máximo, três épocas? Faz algum sentido que alguém que é, obviamente, venerado no balneário, esteja atrás de um Herrera, Marcano ou André André na hora de falar? Aliás, a postura corporal desta imagem feliz demonstra bem quem fala e quem ouve! Faz algum sentido que essa autoridade óbvia não seja reconhecida na hierarquia do balneário? Claro que não!

Braçadeira para Iker JÁ! Para termos um Capitão A SÉRIO!

Análise Club Brugge 1-2 FC Porto - Rés Vés Campo Do Brugge

Ganhámos! Uff! Na nesga, merecidamente pela meia hora a jogar futebol, mas com sorte até lá. Sorte, sim, porque entramos a parecer uma equipa de amadores. Não podemos entrar nervosos e desconexos como entramos, a dar o flanco - literalmente, Layún esteve pavoroso nessa altura - e consentir um golo palerma daquela maneira. Da defesa, a esta altura, só se safava Casillas - que ainda fez duas defesas!

Do meio campo para a frente era um disparate pegado, onde só se safava a entrega total de Óliver e Otávio, cada um à sua maneira, mas sem conseguirem ligar o jogo como se impunha, onde a posse de bola com critério era mentira e o Capitão era pedra ausente. Aliás, Herrera perde espaço cada vez mais, com a sua inconstância gritante, é mais mau do que bom. A espaços, lá aparecia um lampejo daquilo que deveria ser o FC Porto, mas bastava uma pressãozinha do Brugge para tudo evaporar novamente.

Felizmente, após quase 60 minutos, NES viu o óbvio e tirou Jota e um inexistente Herrera e pôs Brahimi e Corona que sacudiram a equipa e fizeram tombar a balança - justamente! - a favor do FC Porto. Finalmente houve dinâmica, intensidade e faro de golo, que começou por um belíssimo remate de Brahimi e que começou a fazer o Brugge recuar, o que possibilitou um belíssimo contra-ataque com um golaço de Layún a redimi-lo da parvoíce da primeira parte. 

A partir daí, a reacção foi aquela que se sabe, o crer motivou o FC Porto que avançou, no fim como deveria ser no início para cima e tentou, uma e outra e outra vez, até que um penalti soberbamente marcado por um André Silva com olhos à Pedro Emanuel deu justiça ao resultado.


Agora em nossa casa, temos de saber da nossa superioridade e matar esta contenda de uma vez por todas, mostrando desde o início o que é um FC Porto à Porto.

Como me disse uma amigo uma vez, são estas vitórias arrancadas a ferro que fazem equipas e dão carácter e nervo. Esperemos que seja eliminada de uma vez por todas a necessidade de dar uma parte e um golo ao adversário. Só dependemos de nós. E isso é excelente. O que conta são os 3 pontos. É melhor jogar bem, mas a jogar mal que se ganhe na mesma. Também serve.

NOTA: É ver, se faz favor, o início do jogo da SportTV, quem fala na roda antes do jogo, e quem fala também verticalmente e sem merdas na flash interview. Esse, um jogador recordista de jogos na Champions, respeitado por todos, tem de usar a braçadeira. O resto, é treta.

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

O Guarda-Chuva Da "Mistica"

Começo a fincar cansado desta treta da "Mística", honestamente. Começa-me a fartar que haja tratamentos diferenciados para uns e outros, dependendo da origem geográfica ou da maior ou menos popularidade junto dos adeptos.

Se Iker Casillas tivesse feito a burrada que fez Helton na Taça de Portugal e nos tivesse custado um título, não haveria uma só voz que não lhe batesse, seria criticado e corrido ao pontapé. Exigir-lhe-iam a transferência imediata, encher-lhe-iam de comentários o instagram e o facebook.

Se Óliver estivesse aqui onze anos e ganhasse Liga Europa, Campeonatos e Taças várias, e chegasse ao fim e agradecesse - e fizesse questão de sublinhar esse qualificativo - aos adeptos todos do futebol e não só aos do FC Porto, seria insultado de filho da puta para baixo.

Mas Helton não! Como hoje - e estou certo que a contra-gosto - o FC Porto acaba por ser obrigado a comunicar, é falso que Helton não tivesse conhecimento de nada, é falso que tivesse ficado qualquer coisa por tratar, e a rescisão foi - tenho a certeza com montantes incluídos - acertada a 15 de Setembro último! 

Se fosse Rolando, por exemplo, a fazer uma cena como esta, mentindo descaradamente, que adjectivos lhe seriam averbados? Que tipo de julgamento de carácter seria dado? Isto agora é assim? A uns, tudo é permitido?

Quando é que, na hora de despedida, o Bicho iria agradecer a "todos os adeptos de futebol"? Quando é que o faria João Pinto ou António André?

E, já agora, e porque este é o Porto Universal, fica no ar uma pergunta: se Ivan Marcano se chamasse Ivo Macedo, fosse Portista desde o berço, se estivesse a comportar exemplarmente em campo desde o início da época , se, como no último jogo, fosse voz de comando e ajudado na defesa e no ataque, seria ou não considerado um jogador à Porto

Está na hora de pensarmos e repensarmos bem esta coisa de estar com uns que carregam o Brasão Abençoado e contra outros. Depois as surpresas acontecem e o amargo na boca fica...

NOTA: Não vou por a equipa provável nem antecipar o jogo de amanhã mais do que: a equipa é a mesma do Nacional e tem de ser para ganhar, por tudo e mais alguma coisa.

Para terminar, meu caro Rodolfo, querias ser o ponta de lança do FC Porto nos programas? Fácil! Puxa a box para trás e vê o Bernardino Barros ontem na TVI24. É assim - por exemplo - que se defende o FC Porto. Ok? Abraço!

domingo, 16 de outubro de 2016

Análise GD Gafanha 0-3 FC Porto - Cimentando Uma Equipa [ACTUALIZADO]

Vitória natural de um FC Porto superior, que se apresentou num onze quase titular, ou que será possível em qualquer jogo do campeonato. Peço desculpa, mas hoje não vou fazer Golos e Faltas. Tenho muito que escrever mas interliga-se. 

Acho absolutamente detestável a reacção da maioria dos adeptos à opção de Nuno Espírito Santo em utilizar o onze titular - ou próximo - no jogo de hoje. Na flash interview, NES disse sobre este assunto que "A última vez que estes jogadores jogaram juntos foi com o Nacional, a 1 de outubro. Era importante estarem juntos em competição, consolidar as dinâmicas. Agora, continuar o crescimento e o próximo jogo é já terça-feira, para a Champions". Subscrevo inteiramente.  

Agora que encontramos uma forma de jogar e um par de avançados que se liga muito bem - que prazer foi ver a ligação Jota e André Silva mais uma vez a funcionar, ainda que, no entanto,  o Gafanha estivesse claramente preparado para ela - e que fizemos um jogo bastante convincente, qual era o sentido de estar a partir a equipa outra vez? Se fosse na semana seguinte, como gestão de esforço, ainda entendia, agora, depois de uma paragem?

Mais a mais, não se confunda a Taça de Portugal - um título demasiado importante - com a taça da carica! O Gafanha da Nazaré fez um jogo bastante bom para as suas capacidades, ainda que contando com a complacência do senhor "Pode ser" Ferreira na agressividade com que atacou os jogadores do FC Porto. 

Apesar disso, a defesa Portista esteve bastante sólida - Boly ocupou muito bem os espaços, saiu a jogar, deu profundidade ao jogo e ainda podia ter marcado de bola parada - e impediu que o Gafanha fizesse.. o que o Famalicão tentou fazer e o 1º de Dezembro fez mesmo!  Essa é a verdade que custa à claque do Gafanha, perdão, aos comentadores da SportTV, que nem conseguiam disfarçar o entusiasmo de cada vez que o Gafanha TENTAVA chegar perto da área Portista. Sem ser entusiasmante e intenso - o subconsciente funciona sempre - o FC Porto controlou totalmente o jogo e não deu espaço para que o Gafanha esboçasse mais do que uma esperança de uma reacção. 

Para isso, muito contribuiu o grande jogo de Óliver Torres nas recuperações de bola e no trabalho mais "sujo" de distribuição e defesa, perante um Herrera no modo downtime que ligou muito o complicómetro. Isso permitiu que Otávio pudesse ser o Mago que sabe ser nas zonas de finalização, e que tenha podido marcar o fantástico golo que marcou. Saiu com queixas, há que dosear o esforço do geniozinho, está mais que visto. Parece-me contudo que Óliver está a ter a fava nesta dupla, mas não sei se não será zona onde o Maestrinho está mais confortável.

Também gostei muito do 4x3x3 final e de Depoitre. Tenho a sensação que vale muito mais do que toda a gente acha que ele vale. Marcou um golo à ponta de lança, não deu uma só bola como perdida e deu o ponto de referência que se impunha. Brahimi e Corona também mostraram que merecem muito mais tempo, cada um com as suas especificidades.

Independentemente do que digam daqui a umas horas, a verdade é que fizemos uma melhor jornada do que os outros rivais.

Já agora, num certo off-topic, Brad Tinsley e Jeff Xavier mereciam uns calduços de Moncho López.

ADENDA: É inacreditável - simplesmente inacreditável - a forma como as capas dos jornais do sul fizeram o favor de ignorar o nosso jogo. Ontem, tudo era fantástico e magnífico numa paupérrima exibição lampiónica, como já tinha sido com a lagarta. Lá voltamos nós a um cantinho pequenino à direita. Se for para criticar, 6 a 8 páginas. Se for para dizer bem, cantinho minúsculo.

Insisto, não quero saber. Não estou nem aí para os critérios editoriais da bolha e do rascord. Importa-me, isso sim, que os nossos adeptos não vão na palha que nos querem servir!

Ah, e já agora, vejo críticas por todo lado ao Óliver. Ignoram, com certeza, que a Rojita esteve a fazer dois jogos de grande desgaste para garantir o play-off  e o jogo passou todo por ele nesses jogos. Por mim nem teria jogado. Mas entendo a opção de NES. Agora, entre um Danilo muito recuado, um Herrera ausente e um Gafanha durinho, só digo... calma, pessoal, o Óliver deu tudo em campo. Não vão na palha que vos servem.

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Antevisão CD Gafanha da Nazaré - FC Porto (3ª Eliminatória) E As Verdades De La Palice [ACTUALIZADO]

Sejamos francos. O mais difícil nestes jogos de equipas desproporcionadas - com todo o respeito que o Gafanha me merece - é o inimigo interno, a célula do adormecimento, da vitória "antecipada" porque absolutamente natural, mas também da descoordenação de uma equipa que será, previsivelmente, desrotinada. Será, no entanto, uma oportunidade para que aqueles que são considerados "segundas linhas" possam demonstrar inequivocamente que têm um lugar no plantel e conquistem o direito a tornar as opções de Nuno Espírito Santo o mais difíceis possível. Não é preciso dizer que a conquista da Taça de Portugal é vital. Por isso, a primeira verdade de La Palice é a de que não há jogos fáceis.


Helton disse que não sabia do seu fim de contrato senão pelos jornais. Depois, já disse que os valores não seriam os acordados. Uma questão de dinheiro, então? Que trapalhada! Afinal em que ficamos? É surpreendente para Helton que o FC Porto tenha rescindido o contrato com um jogador que não treina? A segunda verdade de La Palice é a de que mais vale cair em graça do que ser engraçado. Helton andou a fazer muitas gracinhas nos últimos anos, desde estar "eternamente grato" até a dar entrevistas confusas.. enfim, muitos tiros no pé. Apesar de tudo, será sempre um dos nossos, desejo-lhe todas as felicidades, pessoais e profissionais. Mas também que tenha a noção de que a mais curta distância entre dois pontos A e B é sempre uma linha recta. Ou seja, acredito que tenha o número do Presidente. Se o tem, para quê todo este alarido?

ADENDA: Se alguma coisa demostra este vídeo, é o principal problema de Helton no FC Porto - o problema político. Helton Arruda sempre procurou uma imagem de simpatia e de abrangência que não é lá muito compatível com a ideia de um lider que está na frente da batalha contra tudo e todos. Ora, ao agradecer aos adeptos todos do futebol - sim, lampiões e lagartos incluídos - Helton mostrou que sempre quis ser consensual. Essa consensualidade, querido amigo, não pode ser conseguida a capitanear um Clube odiado pela maioria sem que se sacrifique a raça e a garra que o caracterizam. Uma vez mais, Helton mostrou ser um homem que procurou ser consensual, acima de tomar um lado e uma posição que o comprometesse. Nada contra. Desejo muitas felicidades ao Helton. Mas desejo, acima de tudo, um Capitão que não tenha medo de escolher um lado. No FC Porto, ser bom rapaz é ser sempre comido. No FC Porto, o Capitão tem de morder a língua, ser agressivo, duro e impositivo. No FC Porto, o Capitão tem de impor respeito. Mesmo que seja odiado por todos os outros "adeptos do futebol". Capitães históricos como João Pinto, Jorge Costa ou Fernando "Bibota" Gomes não tinham nada de consensual! E isso faz parte daquilo que nos faz orgulhar neles!

Finalmente, last but not least, ao ver o Juca Magalhães a entrevistar o grande Herman José ontem - com uma classe extraordinária a fazer umas gentis piscadelas de olho à maravilha do Porto e umas alusões tangenciais ao nosso futebol - tive uma epifania: de repente, percebi que a ridícula publicidade feita ao filme de João Botelho (sim, esse mesmo!!!) sobre a vida e obra do, esse sim dos nossos, Mestre Manoel de Oliveira, não é senão um reflexo condicionado de um subconsciente que procura estar "acima" destas "mundanidades" do FC Porto, como se tentasse um exercício de automutilação da parte do seu canal que "conspurca" a megalómana ideia da "supra-regionalidade". Pena é que nada tenha percebido da fantástica conversa do seu interlocutor sobre as imitações baratas... A terceira verdade de La Palice, que Juquinha deveria conhecer, é a de que para se saber para onde se vai deve-se ter bem presente DE ONDE SE VEM.

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Culpa Nossa

Tal como seria de esperar, a bolha não perdeu tempo e encheu a capa com uma imagem que sacou do Google em 2 segundos e estampou todo o nosso descalabro, com direito a miniaturas e tudo. Nada a dizer. A culpa é nossa. Nossa, ponto e vírgula: deles. Seja qual for a razão, acreditemos ou não em Fernando Gomes, a verdade é que, calculado ou não, foi o nosso pior desempenho de sempre. E isso os nossos inimigos podem aproveitar. E vão. Mesmo que na realidade não estejam melhor. Mas esta não é altura de estar a olhar para o lado. É altura de se assumir e trabalhar.

Sim, de se assumir. Como é de esperar, o FC Porto não é feira dos 300 e não se vendem jogadores a preço de saldo. Até aí eu vou. Não tenho a bondade de acreditar nos 95M dito por Gomes, lamento. Não consigo acreditar que se houvesse bons valores na mesa se cometesse a insanidade de compreender que não há insubstituíveis.

Não vale a pena bater no ceguinho. Teremos uma Assembleia Geral sobre isto - lá estarei - e é preciso mostrar o nosso desacordo com esta insanidade a quem é responsável. Não é com um parágrafo na Dragões Diário que se resolve esta trapalhada

O meu caríssimo amigo José Lima já esmiuçou de uma forma clara aqui todas as áreas chave, sempre pensando no melhor do FC Porto - há muitos, muitos anos - e sublinho a frase "Contratações feitas sem nenhum critério de qualidade, subida nos Custos com salários, e falta de receitas nas competições europeias, conduziram a um resultado desastroso de imprevisíveis consequências."

Espero que o Dr. Fernando Gomes tenha sido sincero quando disse que a SAD não era "irresponsável" e que "sabia o que tinha de fazer para inverter esta tendência". É que todo este patético defeso teve consequências desastrosas. Espero que não fizesse já "parte do plano". Seria o fim da picada. Não há, claramente, mais latitude para nada. Ou demonstram que têm os superiores interesses do FC Porto em mente ou a linha acaba aqui. E não sou só eu que o digo. Vai começando a faltar quem defenda o que quer que seja.

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Crónica De Um Descalabro Anunciado


E aqui está a rica prenda do dia de hoje. Já muitas vezes o disse, não sou TOC nem ROC, mas quem quiser analisar, aqui tem o documento. Vou-me concentrar, pois, nos discursos de pouca vergonha de quem parece que não tem responsabilidades. Aviso já que vai ser um post forte em links.
  • Disse, pois, o Dr Fernando Gomes aqui que "O resultado é mau e a SAD assume. A SAD, de forma assumida e deliberada, decidiu ser assim juntamente com a equipa técnica. Entendeu que não deveria enfraquecer a equipa. Sem que a Champions estivesse garantida a 30 de junho, a venda de alguns jogadores podia ser um rude golpe". Depreender-se-á então daí que as vendas tinham de estar feitas antes da pré-eliminatória da Champions? Se a razão era a não entrada na Champions, não se poderia negociar de forma a acautelar tal? E agora? Poderá inferir-se que haverá vendas a serem feitas no mercado de inverno?
  • Previsivelmente, não cumprimos o fair-play financeiro. Não se temem consequências. Há que reduzir custos e não depender da venda dos jogadores. Concordo! Podemos começar pela inchada SAD? Como se admitirá prémios ou qualquer outro tipo de bonificação numa época destas? E eu sei que pode ser, e é-o tecnicamente, venda de jogadores, mas que tal reduzir o emprestados a metade?
  • A SAD diz-se "preocupada com os salários". Que necessita um "novo rumo". Estamos todos tão de acordo! O FC Porto indica, como aumento do passivo, a aquisição do Porto Canal, não é? Quanto custa aquela frota de amiguinhos do clube amigos Disney? E quanto aos jogadores caros em plantel, serão mesmo todos imprescindíveis? E a Estrutura no seu todo quanto custa? Há que se deixar de viver com uma realidade que não se adequa minimamente ao Clube que se representa!
  • A notícia de que a SAD se terá recusado a vender Danilo, Herrera e André Silva é difícil de entender. Há quem ache que isto, e os valores em causa, absolutamente falsos. Se o são, é algo grave. Se não são, também o é. Como se explica esta tolaria? Se se fala em 95M, isso significaria um valor de mais de trinta milhões por cada um deles! Seriam excelentes negócios! Há que relembrar o que tínhamos perdido no ano anterior, por um retorno não muito superior a este?! Considero-os 3 excelentes jogadores mas o Céu está cheio de "insubstituíveis"! Ou isto é  pura e simplesmente um laissez-faire amador de deixar o treinador decidir, sem nenhum tipo de intervenção de quem paga? Se assim for é um crime de lesa-Clube!
   Seja como for, como é possível que ninguém caia sobre a espada neste descalabro? Qual seria a firma que apresentasse um resultado destes que não exigisse uma reestruturação profunda?! E será desta que o Presidente vem explicar-se aos sócios

Não é novidade. Mas dizer "Ooops!" NÃO CHEGA!! Há que haver consequências! Esta é uma gestão suicida! E tem de terminar JÁ!

Dragões De Ouro?


Em primeiro lugar, faço uma declaração de interesses: não sou nada fã de galas e de distinções arbitrárias baseadas em critérios de alta subjectividade. No caso da Dragões de Ouro, ainda pior. Não consigo entender a utilidade daquilo. Vejo, naturalmente que sim, mas desde a entrega "à pressão", sem direito a discursos de agradecimento, até a uma sensação de desconforto com a forma amadora com que se passa de um bloco a outro, tudo parece demasiado constrangedor.

Nada, para mim, aliás, é mais paradoxal nesta gala do que a figura do Sócio do Ano. Não conheço o Dr. Barroso, não faço a mais pequena ideia de quem seja. Decerto será uma excelente pessoa e um grande Portista. Mas o prémio de Sócio do Ano deveria ser entregue a alguém cujo exemplo de abnegação e de empenho em prol do FC Porto fosse absolutamente inegável. Conheço tantos exemplos - alguns deles felizmente pessoalmente - que vão a todos os jogos, estão em todos os jogos possíveis quando não for necessária a ubiquidade, alguns até privilegiam as modalidades sobre o futebol e perdem muito do seu tempo e dinheiro a apoiar o FC Porto em Portugal e no estrangeiro, especialmente quando o FC Porto mais precisa. Esses sim, deveriam ser Sócios do Ano. Esses são, para mim, os verdadeiros Dragões de Ouro.

Compreendo que todo e qualquer prémio possa ter uma componente de realpolitik subjacente, que haja um interesse de razões de política do Clube para destacar cada um dos nomeados nas respectivas categorias, mas porque não dar à categoria onde será distinguido - repito, certamente pelas melhores e mais justificadas razões - o Dr. Barroso, um outro nome como "Sócio de Honra", por exemplo? Não seria altamente motivador para um adepto que tanto faz pelo Clube ver a sua dedicação premiada? E não daria uma imagem de maior proximidade entre o Clube e os seus adeptos? 

A sensibilidade a este tipo de detalhes parece-me importante. Fica aqui a sugestão.

Notas: Parece que André Silva conseguiu  bater mais um recorde, foi capa  da bolha dois dias consecutivos nos jornais sulistas. Contudo, vamos com calma na alegria. Não aparece vestido de Azul e Branco. Aparece, isso sim, nas cores da selecção. Ou seja, de vermelho. Já o seu colega Gelson pode perfeitamente aparecer no seu verdinho. Não se pode querer tudo, verdade?

O MaisTabaco é divertidíssimo! Então o senhor Pedro Sousa acha que a comunicação na Dragões Diário tem o mesmo tom e cariz do paleio da segunda circular? Que lata! Se algum defeito o DD tem é o de pecar por defeito, não por excesso.

E já agora, ó Braz, não me devias ter levado tão a sério naquela coisa do São Bieirinha pá! Como assim, "epistemologia do discurso de Vieira"? Epá, oh meuje amigoje eje eje, num habia nexexidade... Comparar palavras divinas com a de um dirigente futebolista?! Pois, lá está, mete mais tabaco...

terça-feira, 11 de outubro de 2016

Tudo Normal


Nada para ver aqui, tudo normal. É normal a foto que mostrei ontem. É só a "internacionalização da marca" fifica, e claro que essa é tratada numa refeição com alguém que não é sequer sócio e com comentadores e paineleiros diversos. Deve ser deve. É que nós andamos todos aqui a comer gelados com a testa!

Também não há nada a ver. Com muita azia, tal como no comentário ontem, se foi, muito a contragosto, dando a conhecer a hat-trick de André Silva - o mais jovem de sempre a consegui-lo na selecção - de uma forma esbatida , num caso diluidamente, falando de "génios à solta", equiparando os restantes golos ao hat-trick, noutro caso só com o nome próprio sem adjectivos qualificativos e por último, no caso d'O Jogo, insistindo em dar continuidade à patética conversa de que Ronaldo lhe estaria a "ensinar" como se faz, Ronaldo este que, não raras vezes, até ficou a seco em alturas de alguma importância.

Fico comovido com a forma como se preocupam com o crescimento natural do André, ao desvalorizar cada golo que marcava com frases como "felicidade no ressalto", "sorte no passe" ou "estar no sítio certo na hora certa", ao passo que o golo de Cancelo já foi "formidável", pese embora ser os 6-0 numa altura em que os jogadores opositores já tinham desligado absolutamente, e claro, tudo "passes soberbos" de Gelson. Fico feliz que tenham mais consciência de que é mais importante não inflacionar o ego do primeiro sobre os segundos.

A evolução, no FC Porto, é para ser feita com critério, sem exageros nem falsas idolatrias. Queremos ver os nossos, os que daqui, inevitavelmente, partam, serem os melhores e as referências no futuro. Serão sempre "dos nossos" com orgulho. Por isso agradeço a esta escumalha. Ao quererem prejudicar-nos estão, no fundo, a ajudar. Mas não nos façam de parvos. Nós papamos-vos ao longe. O resto, é tudo normal. O resto, é a qualidade Futebol Clube do Porto.

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

We Are The World, We Are Portistas [ACTUALIZADO]

Desculpem a insistência, mas fico sempre bastante agastado com este tema. Não sou, juro que não, capaz de compreender a postura dos paineleiros Portistas nos principais canais, à excepção de Bernardino Barros na TVI24, que ainda ontem me pareceu bastante assertivo no contraditório e na defesa do seu - nosso - Grande Clube.

Começo por aí. Compreendo, naturalmente, que BB tenha o seu whisky 25 anos servido mais neat no Porto Canal e mais on the rocks na TVI24, por muito que o moderador insista que não há nenhuma linha editorial que privilegie os clubes da capital em detrimento do FC Porto, ninguém aqui é parvo. Por isso obrigado caro Bernardino por ter a coragem de ser frontal e de não fugir aos temas ou tentar ser parcimonioso ou magnânimo só para agradar à turba que lhe paga o comentário.

Sei que não quer agradar à turba, mas já essa vontade de ser parcimonioso e magnânimo, acredito que seja o que leva àquelas que são, não raras vezes, as atitudes e discurso de Miguel Guedes, que ainda ontem decidiu que o seu topo e fundo eram dedicados... ao fifica. Então, meu caro, achas bem que André Horta vá comemorar títulos das modalidades do fifica com os seus companheiros? Que bonito! Além de dar castigo, não se te ocorria, sei lá, nada mais esta semana para destacar acerca do teu Clube? Não conquistamos um título nem nada, o nosso avançado não fez uma estreia a marcar na titularidade da selecção A, nem nada disso, pois não? Não! Entende, meu caro, pessoa, literalmente, amiga do meu amigo - abraço Miguel! - não ganhas nada com isso! Não há nenhum fifiqueiro que decida que vai passar a considerar melhor o FC Porto por causa disso e, muito pelo contrário, ficarás muito atrás do estratega Oliveira e Costa e do pernicioso e manipulador Gobern na defesa do teu Grande Clube. Isto aqui não é para dar as mãos e cantar o We Are The World! É uma guerra, por vezes feia e baixa, que deve ser combatida com a garra e a raça que, muito bem, exiges à tua equipa do coração!

Já me cansei de falar sobre Rodolfo Reis, começo a considerar que  aquela paranoia na defesa do Jasus já começa a ser uma obsessão, mais vale defender o Jasus até à morte do que os do seu próprio Clube - mas também alguém ainda o leva a sério? - e quanto à figura que Manuel Serrão faz no Prolongamento... 

Mudando de tema, Alex Telles anda a ser cortejado pela selecção italiana com vista a fazer parte da squadra azzurra. Atenção, não é Alex Telles que se propõe. É o contrário! Se isto fosse mais para Sul, o destaque que não seria! Mas, enfim, o que importa é que dará ainda maior visibilidade à excelente contratação Portista. Ter os três laterais como internacionais é uma coisa bastante positiva. E de louvar. E de ficar feliz.

Eu sei, eu sei, Maicon foi fazer queixinhas para o rascord. Tadinho! Eu, que até o elogiei pela coragem de ter jogado até ao fim contra o Chelsea apesar de uma lesão, não consigo deixar de pensar, neste caso, que com estas queixinhas é fácil fazer trocadilhos com o nome do Maicon e um nome alternativo para o orgão sexual feminino. Mas não o farei. Tenho pena dos frágeis.


Mas o que é isto? Quem são estes Judas aqui a trair a Palavra de S Bieirinha? Pedro Guerra, José Nuno Martins (director do jornal do fifica), João Gobern, Luis Bernardo (director de comunicação do fifica!), José Calado, Carlos Janela e Jorge Baptista estão apenas, naturalmente, a falar do tempo ou do debate das eleições americanas. Discurso sincronizado?!? Nem pensar! Como ousam!

E alguém duvida que o mesmo se passe no caso do sportem?

Assim sendo, claro que os nossos continuam a fazer ponto de honra da sua independência e autonomia de pensamento, enquanto os outros nos vão ultrapassando pela direita.

NÃO ACORDEM, SENHORES DA COMUNICAÇÃO DO FC PORTO, QUE EU NÃO QUERO!