terça-feira, 17 de janeiro de 2017

O Danoninho Que Falta


Ás vezes é estranho pensar no FC Porto de Nuno Espírito Santo. É esquisito pensar que um dia podemos achar que tudo é um desastre e outro dia o Olimpo pode estar ali tão perto. Só que, dada a devida distância e a frieza que se impõe, falta apenas um danoninho (® Silva). E é mesmo só isso. A defesa é sólida - está o nível das melhores da Europa, com Casillas a fazer os melhores números da sua carreira - o meio campo cada vez mais entrosado - a dupla Danilo-Óliver é extraordinária, com um terceiro médio como híbrido entre sistemas, e um conjunto de atacantes com uma produção ofensiva invejável.

Onde falha então o FC Porto?

Falha na eficácia. É da juventude, certamente, mas não só. São os nervos, a ansiedade e o medo de perder. É a pressão que se sente pela inexperiência. É o desacerto da sofreguidão com que se procura fazer bem e bonito. É um passe a mais, é a indecisão, é complicar o simples. No meu entender, é tudo uma questão de tempo e de treino até que tal fique bem. A juventude tem irreverência, mas também tem inexperiência. Exigir de André Silva ou Jota ser um Jackson ou um Lisandro.... é só parvo.  Temos futuro a ser preparado. Mas as etapas têm o seu tempo. Para contornar isso é preciso trazer experiência.

A inconstância exibicional também é algo a ter muito em conta, e não tenho dúvidas que está intimamente ligada com a primeira. A assimetria entre o FC Porto em casa e fora não pode continuar a ser tão gigantesca. Qualquer equipa se sente, naturalmente, confortável no carinho dos seus, mas a forma como o FC Porto roça a quase inoperância fora de casa é bastante assustador. Também, se o campeonato é uma prova de consistência, não se pode admitir uma diferença de qualidade tão acentuada entre o FC Porto contra o Leicester e o FC Porto no Restelo, em Tondela ou em Paços de Ferreira. Por muito que se louve a ideia da fortaleza e de dar a noção de dificuldade e medo por parte do adversário ao entrar no Dragão, já vai sendo tempo de arranjar outra metáfora bélica para tratar da conquista de pontos fora. Os relvados são diferentes, os campos mais curtos, mas o FC Porto tem de ser capaz de ter a raça, a entrega e a "prepotência", que tão bem Cândido Costa refere, em casa ou fora dela. E não pode haver um "pronto-já-está". As grandes equipas mundiais estão sempre a procurar o golo seguinte.


Por fim, não é indiferente falar  das arbitragens. E vou falar delas exclusivamente em três casos, que contam muito esta época. O caso das papoilas , o caso do sportem  e o do Setúbal. Tem de haver uma uniformidade de critérios para lá de tudo que seja razoável. E, se o caso do segundo golo do Boavista às papoilas é ilegal , também é o golo das papoilas contra nós! Quem é que se levantou em reboliço? Quem contestou? Quem fez daquilo um pecado capital? Ninguém! Custou a engolir, mas aceitou-se. À luz dos critérios demostrados pela Comissão de Arbitragem, a vitória seria nossa. Estaríamos, portanto, agora a um ponto. Ou menos, por todas as circunstâncias envolventes! Assim como, tendo mais uma vez como referência as papoilas, se é mão do Felipe, é-o também no caso de Gelson e, principalmente, de Bryan Ruiz, em Alvaláxia! Dois golos irregulares, mais três pontos, liderança isolada! E o sportem fora da corrida! Se, como icing on the cake, tirarmos a naturalíssima conclusão que, se Cervi sofre penalti, também o sofre Otávio em Setúbal, seriam pois mais dois pontos e liderança destacada

É natural daí inferir que metade das críticas, não desaparecendo - porque a exigência Portista é uma coisa positiva desde que não dê para assobiar à maluca e ser perniciosa - atenuar-se-iam severamente. Como tenho a certeza que a comunicação do FC Porto, mormente na pessoa de Francisco J. Marques, modificou-se de sobremaneira, temos todas as condições para, em campo menos inclinado - sim, não tenhamos ilusões, nem tanto ao mar nem tanto à terra - e com maior consistência, ser campeões e formar uma base vencedora para o futuro.

Basta apenas um danoninho. A eles, carago!

16 comentários:

  1. penso estar claro ate na fpf e no tal conselho de arbitragem que sem as arbitragens o porto estava a frente mesmo a jogar como joga as vezes, mas estava na frente de forma clara, estava na taça e na taça da liga. Existe concerteza algum dinheiro para arranjar mais um avançado e um medio bom durante esta fase de compras.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Assim espero, embora certezas não tenha.

      Abraço

      Eliminar
  2. Caro Jorge
    Concordo globalmente com a sua análise.
    Como adepto o que me preocupa é essa inconsistência exibicional que não atribuo só à juventude. Acho que falta ali qualquer coisa mais. A equipa ainda não inspira confiança, não há sistema de jogo sólido e a ideia que eu retenho é que tanto podemos ganhar como andar ali todo o tempo e voltar a empatar. Aliás temo que vamos ter mais disso no futuro.
    Claro que tudo o resto contribui para as nossas dificuldades mas temos que evoluir mais rápido em vários aspectos.
    Abraço
    Manuel Magalhães

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Temos uma equipa em construção, com tudo de bom e mau que isso acarreta.

      Abraço

      Eliminar
  3. Silvestre

    Caro Sr. Jorge Vassalo, realmente até ao momento a nossa equipa tem sido inconsistente, demasiado intermitente devido obviamente à juventude que temos sobretudo no ataque, mas também por causa dos gamanços ou condicionamento que temos sido alvo ,dado que ninguém é de ferro e tais situações contribuem igualmente para a ansiedade e falta de discernimento, agora resta esperar que Nuno Espírito Santo conseguia afinar a equipa, dar-lhe consistência tanto no Dragão como fora do mesmo, pois são estranhas por vezes as dificuldades que a equipa denota em explanar o seu jogo quando joga fora e desejar que as arbitragens sejam mais sérias ou imparciais, que deixe de existir a actual protecção aos lampiões e que todos os clubes sejam tratados da mesma forma pelos árbitros, se tais condições se reunirem creio que temos boas probabilidades de alcançar o titulo, desde que joguemos com persistência do primeiro ao último instante em qualquer palco.

    Finalmente o Donadinho que Nuno Espírito Santo merece é ter o quanto antes o plantel devidamente equilibrado, com outras opções, nomeadamente um avançado de inegável qualidade, bem como mais um extremo quiçá assim o seu trabalho fique mais facilitado.

    Abraço

    Silvestre

    ResponderEliminar
  4. Boa noite prezado Jorge,

    Feliz Ano Novo.

    Basicamente, para o adepto de futebol quando se vence um jogo o optimismo toma conta da razão e quando se perde o pessimismo é rei. A coisa anda por estes dois extremos e a evidência dos factos pouco conta.

    Esta equipa tem uma organização ofensiva muito pobre. Quem vê o último jogo contra o Moreirense vê exactamente os mesmos processos ofensivos de 3 meses atrás. Bola nos defesas, Danilo baixa e coloca-se entre os dois centrais, os laterais sobem para a posição de alas e, juntamente com o resto da equipa, formam uma fileira atacante estática, deixando um buraco enorme entre os defesas e a linha atacante. De vez em quando o Óliver ou o Herrera abandona a linha atacante e tenta vir pegar o jogo no meio campo, caso contrário normalmente é bola batida pra frente sem muito critério mas com muita fé. O treinador não é grande espingarda e ainda deu-se ao luxo de desenhar o esquema táctico e explicar a todo mundo como a equipa joga, cheio de orgulho e coragem, como que se tratasse de uma grande obra táctica.

    Fala-se tanto de eficácia ultimamente e eu pergunto-me: quantos passes chegam aos atacantes em condições perfeitas de finalização? Noto muitas vezes que os avançados parecem jogar sempre em esforço. Chegam as jogadas sempre em esforço. Não são bem servidos e parece que os ataques são sempre aos trambulhões.

    Por exemplo: o Corona é destro, joga junto a ala direita, e no último jogo decidiu 80% das jogadas com o pé esquerdo - por sinal, o seu pé menos eficaz. Mesmo quando estava numa posição em que o mais práctico e óbvio seria usar o seu pé natural, optou sempre por usar o pé esquerdo. Chegou ao ponto de bater um livre direito com o pé esquerdo. Não digo que tenha jogado mal - os seus passes até chegavam aos destinatários com mais ou menos eficácia - mas confesso que fez-me muita confusão. Não sei se isso é decisão do jogador ou do treinador, que prefere que o mesmo faça diagonais.

    A equipa defende bem e parecem ser um grupo unido, com vontade de vencer. O treinador tem o seu mérito, claro.

    À nível pessoal, é um pouco assustador ver qualquer equipa jogar sem medo do FC Porto. O futebol que a equipa pratica não é suficientemente pressionante nem eficaz para colocar as chamadas equipas pequenas em sentido, quer seja no Dragão, quer seja fora. Isso é preocupante.

    Brahimi. Há alguém que consiga explicar a opção do treinador de afastar o Brahimi das opções por tanto tempo? Um jogador que fez toda a pré-época e que sempre mostrou um comportamento profissional normal. Tirando a vez que mandou calar alguns adeptos e outra em que mostrou o desejo (natural) de um dia jogar numa Liga melhor. O que é que o Brahimi fez de diferente depois de tanto tempo afastado que justifica o seu afastamento inicial? Para justificar a má opção houve vários mestres que disseram que hoje treinador ensinou o Brahimi a defender e a jogar mais pela equipa. Estas pessoas são sérias? Se houve coisa que foi provada com o seu regresso é que é o melhor jogador do plantel e foi uma burrice a sua não utilização.

    Deproite. Uma equipa que tem sérios problemas financeiros escolhe emprestar jogadores como Suk, Paciência e Aboubakar para contratar um jogador como o Deproite, com um custo de 6ME! Na data da contração do mesmo, não foi dito que o Nuno "apaixonou-se" pelo mesmo na Champions quando o Valência defrontou a sua antiga equipa? Não era o tal atacante que destruía defesas? O treinador que supostamente pediu este atacante, tendo no entanto dispensado (pra não dizer avacalhar) o Aboubakar, 4 meses depois põe um miudo de 18 anos a sua frente?

    Há tanta culpa própria que chega a ser complicado - embora necessário - evocar as arbitragens.

    Enfim...

    Cumprimentos.

    Braulio Rocha

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há coisas a resolver, mas parecem-me resolúveis.

      Abraço

      Eliminar
  5. Ena, olha ele, o Danoninho :)
    É isso tudo Jorge! Acrescentar apenas que vitórias sobre ambos os rivais, poderiam bem ter sido Danoninhos de confiança, suficientes para transformar em golo algumas oportunidades esbanjadas. Logo, menos empates... É mera especulação, claro. Olha, não gamassem e já saberíamos!
    Abração

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois... agora é ir à luta. Confiantes.

      Abraçom

      Eliminar
  6. Sr Jorge eu estou de acordo com tudo o que refere mas nao acho que seja apenas a juventude a razão da fraca finalização!
    Pelo que me parece falta velocidade na construção atacante, temos jogadores rápidos , com boa técnica e criativos, no entanto falta velocidade na construcao de jogadas de ataque para criar desequilíbrios na defesa adversaria e assim os golos acontecerem de forma natural!
    O que se tem visto, na minha opinião é uma equipa que cria muitas oportunidades de golo por iniciativa individual ou então pela construção quase sempre forcada e esforçada de jogadas de ataque que resultam em situações de finalização sempre em más condições!
    Assim se justifica tantas oportunidades criadas e tanto falhanço na finalização!
    Abraco
    Dragonite

    ResponderEliminar
  7. Pelo andar da carruagem avançado de qualidade nem ve-lo. Chega-se ao ridículo e espero que não seja verdade de ir dar 7 M por um tal Soares que está numa equipa em que por acaso o melhor marcador mesmo tendo alguns jogos de castigo e esteja agora na CAN, é o mal amado no Dragão de nome Marega.Mas andam a brincar??? Mas também estou convencido que com este treinador não vamos lá. Há erros que se repetem por sistema e ele não os corrige. O nosso jogo não deslumbra ninguém e em todos eles temos sempre um sentimento de desconforto pois não temos confiança no nosso jogo. Um extremo rápido e objetivo que ganhe a linha de fundo e saiba centrar, também era bom, e um medio ofensivo com uma boa meia distância era uma maravilha. Mas claro que isto sou eu a sonhar pois a realidade é bem diferente. Já agora Assis é um bom jogador.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não acredito minimamente que o FC Porto dê 7M por qualquer jogador que seja. Mas não faço comentários a rumores de jornais. A verdade acaba sempre por ser bem diferente.

      Abraço

      Eliminar
    2. Você por acaso não tem um gorro azul e branco, não? Mera curiosidade...

      Eliminar