quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Corram com ele, pá!


Não pertenço à Estrutura do Futebol Clube do Porto. Não tenho nenhuma ligação ao Clube, directa ou indirecta, que não a de associado - e mesmo assim, com pena minha, recente. Mas estou cansado de ver a impaciente birra e a incompreensão imediatista do adepto Portista. O Nosso Grande Presidente criou um monstro, sem saber. É surrealista tudo o que se está a passar. É necessária uma chamada à razão. Portanto, permitam-me que aponte umas coisas que, a mim, me parecem evidentes, e que são tão óbvias que até dói.

De Jesualdo Ferreira para Villas Boas transitaram jogadores como Helton, Beto, Bruno Alves, Fucile, Rolando, Sapunaru (Este Sapunaru que diz isto!), Maicon, Raul Meireles, Álvaro Pereira, Guarin, Belluschi, o Cebola, Mariano González, Fernando, Hulk, Falcao e Varela. A Villas Boas chegaram ainda Moutinho, Otamendi e James Rodriguez. Quem pode, em consciência, achar que a identidade, o querer, o saber e a experiência do que é Ser Porto, não estariam aqui? Quem acha que a base do jogo não estava já definida, tratando-se apenas de aperfeiçoar? Mesmo a Vítor Pereira, o agora grande deus da táctica, que até dá lições ao Guardiola, foi ainda oferecido Lucho González, para mim um dos melhores 8 de sempre, o grande Comandante, tendo saído apenas, no primeiro ano, Bruno Alves, Raul Meireles e Mariano González. Alguém duvida que a espinha dorsal do que é Ser Porto estava já feita? Vítor Pereira deu um cunho pessoal, é certo, mas tinha um balneário plenamente identificado com o Portismo, com líderes claros e de respeito, com hierarquias e com o andamento definido.

Sendo até justo, foi Paulo Fonseca quem mais sofreu. Saiu uma parte importante do ataque, teve um Jackson que já queria sair, um Danilo e um Alex Sandro perdidos e inexperientes, um Otamendi na porta de saída e um Mangala inseguro. Mas enquanto teve Lucho, Helton e Fernando, havia princípios de jogo, as transições da defesa para o ataque eram bem feitas e com critérios, que não eram os dele mas eram os certos. Até que Fonseca, teimosamente, implodiu com o FC Porto. Levou Lucho à porta da saída, a seguir a isso, pôs o FC Porto irreconhecível. Quando se fala, de uma forma cínica e absurda, que o arranque de Lopetegui é pior do que o de Paulo Fonseca, esquece-se que o título por ele conquistado foi feito na base do do predecessor e que, a bem dizer, vinha sendo construído há uma década. Quando Lucho saiu, saiu também a verdadeira autoridade no balneário, ficou tudo à deriva, porque Helton é bom demais e não transmite essa aura - mesmo assim, quando se lesionou, tudo ficou pior ainda -, Maicon está cá há que tempos mas vê-se a segurança que transmite e Danilo e Alex Sandro não tem anos de casa suficientes.

Julen Lopetegui, inexperiente no campeonato Português, teve de fazer uma equipa nova e, com a saída de Lucho e a lesão de Helton, não tem essa verdadeira voz de comando. Sem ela, para explicar os princípios do jogo Portista, não há como explicar o verdadeiro significado do que é um jogo contra o benfas e o zbordem, para falar da Raça, da Garra, da Atitude. Pela primeira vez em mais de 30 anos, não há uma referência dentro. E isso nota-se. A própria Estrutura está mais voltada ao mercado que aos títulos. A vontade de estar na Champions é por pura visibilidade de mercado e lucro comissionista. Se estes são os princípios pelos quais se regem, como não passar isso para os jogadores?


E que culpa tem Lopetegui de tudo isto? Nenhuma! Isto não é um problema de sistema de jogo, é um problema de Identidade, de identificação com o Símbolo, de entrosamento com o Clube. Lopetegui não tem responsabilidades nisto! Mais a mais, ele vem de um campeonato em que todas as equipas jogam para vencer, ou tentar vencer, e não com esta atitude e mentalidade hiper-defensiva. Não só ele tem a tarefa de entrosar os jogadores, os identificar com o Emblema e a História do Clube, como tem ainda que habituar-se a que 90% do seu tempo será levado a contrariar equipas que não querem jogar futebol. Nem um Elche é assim! E se ele não sabia isso, isso é um problema dele? E é problema dele se a média das idades do plantel é de 25 anos, média essa só levantada pela presença de Jackson, Helton, Quaresma e Maicon? Que identificação com o Clube tem a maioria dos jogadores? Que conhecimento do campeonato terão? Estarão eles habituados a combater anti-jogo? A mim não me parece!

E uma vez mais, isso é culpa de Lopetegui como? De que maneira? Certo é que trouxe os jogadores, mas é culpa dele que quem ficou não saiba ter autoridade dentro do balneário? Que a Capitania tenha sido entregue a alguém que, ainda no ano passado, tenha querido sair, até por falta de alternativa? Quaresma pode ter raça e atitude, mas quem pode em consciência dizer que ele transpire maturidade e respeito? Entrosar jogadores uns com os outros leva tempo, criar uma sensação de pertença e identificação também. E esse tempo tem de ser concedido. Evidentemente que isso se notou, claro, contra o benfas.

Já reparou o leitor que o benfas tem o mesmo treinador há 6 - seis - anos e que os seus processos e modelo de jogo estão assimiladíssimos há imenso tempo? Já viu há quanto tempo está lá Luisão, por exemplo? Claro que cometemos erros estúpidos! Quem, em sã consciência, poderia esperar outra coisa? Os últimos treinadores do FC Porto tinha essa mesma vantagem - os processos estavam assimilados e tudo estava trabalhado, tratando apenas de se aperfeiçoar e moldar ao estilo do treinador. O último pulverizou tudo. Reduziu a escombros o modelo, a identidade, o balneário, a hierarquia, tudo.

Reconstruir não é instantâneo. E se fosse, seria muito mau sinal, seria sinal que não estava a ser consolidado. Temos grande talento individual, sem dúvida, mas a osmose, a ligação instintiva, só vem com o tempo. Mesmo assim, foi já criada uma forte noção de grupo, não há claras divisões de balneário nem egos e super-egos, já se criou uma matriz de ataque forte e uma identificação com um modelo. Tudo totalmente novo. E os detalhes, as afinações, terão de levar o seu tempo. Se o leitor tem pressa, acha que tinha de ser já ontem, e acha que com outro treinador tudo isto magicamente se compõe, digo-lhe, faça um abaixo-assinado e corra com o "espanhol de merda". É seu direito achar isso. ´

No entanto, coloco para sua meditação que há equipas que demoraram muito tempo a crescer e a refundar-se, e que outros grandes Portistas estiveram muito tempo sem ver o seu FC Porto ganhar nada que se veja e não foi por isso que abandonaram o seu clube do Coração. Mesmo assim, ainda faltam 63 pontos, 21 jornadas, e o meu cérebro matemático não consegue conceber que uma equipa ganhe 100% das vezes, ou sequer que não perca 7, 8, 10, 15 pontos até ao fim do campeonato. Isso é uma insanidade. Eu não atiro a toalha ao chão. E lá estarei, sexta-feira, para apoiar o meu treinador, a minha equipa, e fazer a minha parte que é apoiar, incentivar e não virar as costas ao meu Futebol Clube do Porto.

Vejo-o lá?

(Ilustrações do grande Bruno Sousa. Todos os direitos das imagens pertencem-lhe. E agradeço-lhe desde já que elas existam)

16 comentários:

  1. Tudo isso é verdade Jorge Vassalo, mas o maior orçamento dos últimos anos é para ser rentabilizado daqui a 3 anos? A média de idades é de 25 anos. Jogadores como Jackson, Quaresma, Helton, Maicon, Danilo, Alex Sandro e até o próprio Adrian, não são referências de jogadores com experiência, provas dadas e estatuto? Indi, Tello, Oliver, Marcano, José Angel, não vieram propriamente do Cascalheira Moenchengladebaixo F.C., já tinham pisado grandes palcos apesar de serem novos. Em 7 meses Ruben Neves que tem 17 anos, embora ainda não seja o portento que querem fazer crer, teve uma evolução fabulosa e consistente. Porque não se nota essa evolução na equipa (exceptuando realmente o jogo de Bilbau)? A verdade é que esta época é a pior dos ultimos 20 anos e lembre-se que nesse espaço de tempo, tivemos o Engº, o Octávio, Jesualdo, Vitor Pereira e Paulo Fonseca! Lotepegui, como diz o outro, lá terá as suas qualidades, mas o que temos visto com muita frequência são os seus defeitos. Congratulo-me que acredite que ainda é possível, só não comungo da mesma opinião, porque o nivel das equipas da 1ª Liga é tão fraco, que mesmo com a diferença que se viu entre o Porto e o Benfica, todas as restantes equipas são muito, mas mesmo muito fraquinhas. Perder pontos com Boavista, Guimarães, Sporting, Estoril nesta conjuntura é inadmissível.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Antes de mais obrigado pelo seu comentário.

      A experiência dos jogadores não é do campeonato nacional. Sistemas de jogo diferentes, realidades diferentes. Ao longos dos anos, todos os jogadores tem períodos de adaptação, uns mais rápidos outros mais curtos. Dos exemplos de estatuto que fala, qual seria para si comparável a um Bicho, a um Rodolfo ou a um Lucho, para comandar a equipa?

      Posto isto friso que o exemplo do Rúben só é possivel via Lopetegui. Estou certo que nenhum outro treinador pegaria num miudo de 16 anos e o poria a titular de uma equipa principal. Acha que não se nota a evolução no entrosamento da equipa? Acha mesmo que este FC Porto é pior do que o de Fonseca? E acha o meu caro amigo que é impossível o benfas perder pontos com Braga, Guimarães, Rio Ave, etc sem Enzo e, muito provavelmente, sem Gaitán, ou então sem pedras que substituam o valor de Gaitán nas vendas? Nem com um grande colo!

      E digo-lhe, acredito mesmo que virão grandes mudanças sexta feira. A começar por José Campaña. Um 6 a sério.

      Eliminar
    2. Ora essa, não tem que agradecer. Grato fico eu por não ter infelizmente a mesma opinião e mesmo assim fazer o favor de a publicar.
      Os 3 jogadores que exerciam um tipo de liderança, a meu ver muito diferenciada. Rodolfo impunha-se pela presença, forte personalidade e os restantes respeitavam-no porque também sabia jogar à bola. Bicho, comandava a defesa e era a voz dentro do campo que atemorizava adversários e colocava em sentido os artistas do apito. Lucho só quando voltou de Marselha é que se tornou líder, pelo seu percurso e não tanto pela personalidade. Sempre tivemos alguém dentro do relvado que quer pelo exemplo da darem tudo, quer pelo estatuto, quer pela personalidade lideravam a equipa. Estou a lembrar-me de Gomes,Lima Pereira, Futre, Baía, Aloísio, João Pinto, André, Fernando Couto, Costinha, Pepe, Deco. Desta equipa, acho que Helton, Danilo e Quaresma (Jackson não tem personalidade para liderar) seriam os lideres naturais. Sabendo-se da ausência de Helton, achei absurda a guerra que Lopetegui moveu a Quaresma, em minha opinião o descalabro do Porto deu-se aí. Danilo sózinho tem-se esforçado mas não o suficiente para se impor com naturalidade. Posso estar errado mas a impressão com que fico é que há vários grupos na equipa e cada qual quer é ficar bem na fotografia. Isto provoca malefícios à equipa e embora nas conferências de imprensa digam quando erramos, erramos todos... na verdade estão a pensar quem errou foi o....eu safei-me. Já vimos como foram os jogos até agora, quando a coisa está dificil, uma expulsão, uma mão, um fora de jogo e a coisa está resolvida, além de efectivamente os adversários serem muito fracos (mesmo Sporting e Guimarães são equipas de ganapos, diga-me o Jorge Vassalo quantos deles escolheria para serem titulares na nossa equipa B, Carrillo, André André?). Não me posso pronunciar sobre Campaña, ainda não o vi jogar, mas tenho lido pelos companheiros portistas, que é um jogador interessante. Acho que Lopetegui tem responsabilidades no que se está a passar, mas sou defensor que continue, porque até nos defeitos que lhe aponto, reconheço que tem personalidade e cojones e ao contrário de muitos que dizem que somos pequeninos e que não chegamos lá, acho que este ano, se conseguirmos trabalhar como em Bilbau, temos grandes hipóteses na Liga dos Campeões (pode-se rir... mas tenho mesmo essa convicção, para ganhar (em campeonato era impossível, mas jogos a eliminar, num dia bom podemos arrumar qualquer tubarão). Mesmo barafustando, discordando, assobiando ou batendo palmas, sexta~feira lá estarei e só quando morrar é que deixarei de estar.

      Eliminar
    3. Imperdoável da minha parte ter-me esquecido do maior de todos, o grande João Pinto! Todos eles, Lucho incluído, contestavam veementemente as decisões com o árbitro, coisa que infelizmente não vejo com o Jackson. Eu diria que quem tem fúria é o Quaresma, mas vai-me desculpar, não acho que Lopetegui tenha feito nenhuma perseguição ao Quaresma. Se alguma coisa provam os jogos contra o Shakhtar e contra o Rio Ave, é que nunca é tarde. Quaresma teve uma atitude de primadonna. E Lopetegui eixou-o de molho. E ele agora joga com a cabeça no sítio. E eu acho muito bem. E tenho às vezes penas que ele não entenda que, com 31 anos, jogar menos tempo e entrar para resolver é benéfico é para ele. Mesmo assim, contra o benfas, teria jogado com ele de um lado e o Tello do outro, a partir do momento em que se viu que o Brahimi estava a complicar.

      Gosto muito do Danilo, já o defendi a Capitão num post mais atrás e acho que tem raça para isso. Mas não demove o problema, que é o facto de, mais uma vez, ser alguém, infelizmente, à beira da saída. Um Capitão não pode ser alguém que está para sair, senão que espécie de exemplo dá?

      André André, aparentemente, será nosso. Mas, para mim, não o vejo a ser titular de caras.

      Não se esqueça que em Lviv também reagimos e a força esmagadora que tivemos contra o Lille foi bestial. Concordo consigo, bons jogos são possíveis, acho que somos melhores que o Getafe que assustou o Barça, por exemplo, mas não se esqueça... numa meia final, ou quartos também, toda a gente está motivada e não só nós.

      Eliminar
  2. Jorge :

    ..."E lá estarei, sexta-feira, para apoiar o meu treinador, a minha equipa, e fazer a minha parte que é apoiar, incentivar e não virar as costas ao meu Futebol Clube do Porto."...



    Assim é que é !


    Abraço


    ResponderEliminar
  3. Boa tarde,

    Passo por aqui para agradecer este magnifico blog que nos dá a oportunidade de acompanhar e de apreender com as suas reflexões.

    Quanto ao texto não poderia estar mais de acordo, a este nosso Porto falta por vezes uma extensão ao treinador dentro das quatro linhas, alguém que coloque a equipa em sentido e acalme as hostes em momentos cruciais (que falta fazes Comandante).

    Mas apesar disto acredito plenamente que estamos muito a tempo de ganhar este campeonato e digo mais, só dependemos de nós, uma vez que, com total certeza o clube do regime perderá até ao final do campeonato bem mais que os seis pontos que nos separam.

    Força Porto, que sexta feira arranque um grande ciclo de vitórias.

    Cumprimentos,

    Rui Machado

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que sim!

      Mas que o Comandante agora caía aqui que nem ginjas, não haja dúvida!

      Obrigado!

      Abraço!

      Eliminar
  4. Esta é daquelas crónicas que todo o portista deveria ler. Abraço.

    ResponderEliminar
  5. Um portista nunca desiste, enquanto matematicamente for possível. Eu acredito sempre, no tempo do Vítor Pereira, 1º e 2º ano, também ninguém acredita e depois foram todos fazer a festa e eu fiquei em casa.

    Sexta, vou no metro das 19:15, por volta das 19:45, mais coisa menos coisa, estarei no Dragão, entre as portas 3 e 4.

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desistir antes sequer da meia volta é uma maluquice!

      Lá estaremos à sua espera.

      Abraço

      Eliminar