domingo, 20 de março de 2016

O Calvário


José Peseiro chegou ao FC Porto para ser a antítese do "passe para o lado, passe para trás". Chegou na segunda volta, com expectativas grandes de muitos. Não da minha parte. Já me preparei psicologicamente para um terceiro lugar, com um segundo como long shot, dependendo, e muito, daquilo que os outros, literalmente, deixarem de fazer.

Não creio que haja um Portista que pense, para lá de uma remota esperança, no título como possibilidade. Se assim é, concedo que é difícil motivar os jogadores para lá dos serviços mínimos. Mas um treinador que se quer de continuidade, tem de saber motivar os seus atletas para lá do óbvio. Venderam-nos futebol de ataque, pressionante e sufocante, intenso e alegre. Ao invés, vemos, sim, mais pessoas na área, mas o mesmo desnorte e desconexão de antes, com a agravante da posse ter descido drasticamente.

O jogo de ontem foi apenas o segundo da era Peseiro sem golos. É certo que a dupla de centrais muda quase todos os jogos, não há estabilidade no sector defensivo, mas a agressividade sem bola não depende de quem joga onde. Bem como o jogo simples e rápido, com que se começou a era Peseiro, e que foi abandonado. Eu sei que os índices físicos dos jogadores são baixos, e muito provavelmente é culpa de quem se sentou na cadeira de sonho antes de Peseiro.

Mas a verdade é que nenhum dos problemas está resolvido. Estamos praticamente na mesma, com a mesma ausência de ideias e de eficácia atacante. Atacamos mais, mas perdemos em apoio e ficamos ainda mais vulneráveis ao contragolpe. Nos últimos tempos, Peseiro tem tentado tratar desse aspecto, mas parece-me que imitar a táctica de jogo (mal) apoiado anterior não é o caminho. 

Eu sei, é uma espécie de pescadinha de rabo na boca, esta de tentar solidificar ideias sempre em rotação, e Peseiro tem aí a minha solidariedade. Mas confesso, estou desapontado. Estava à espera de uma atitude mais Guerreira, uma motivação mais à Porto. Não era isso que se dizia que faltava antes? Se calhar a minha expectativa filosófica estava nos antípodas da minha expectativa para o que resta do campeonato.

É possível que o problema seja meu. Mas tremo de pensar nesta ideia para o ano. E já agora, no drama do duplo-pivot que teima em não nos abandonar. O caminho para restituir a glória ao FC Porto não pode vir de alguém como medo de arriscar. Tem de ser com quem leva tudo ao limite. Menos do que isso, não serve. Não servia ontem, não serve hoje, e não servirá amanhã.

45 comentários:

  1. A fraca qualidade de muitos jogadores também leva a que as expectativas sejam baixas.Isto de ser entreposto de jogadores pode dar dinheiro mas títulos não dá de certeza.E com a mesma gente nos próximos 4 anos não vejo forma de mudar o paradigma.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Têm de mudar, senão saem pela porta pequena.

      Isso não pode ser.

      Abraço

      Eliminar
    2. Até parece que esse entreposto e essa "gente" não ganharam vários títulos...

      Eliminar
  2. As equipas de Peseiro sofreram sempre muitos golos, embora também marcassem bastantes. Agora, quando a meio da época contratam um treinador com estas caracteristicas, juntando-lhes ainda jogadores titulares como Brahimi, Corona, Layun, Maxi Pereira que não defendem ou fazem-no mal, não falando da gritante falta de qualidade de todos os centrais, então temos os ingredientes necessários para produzirmos queijo suíço do melhor. Daí o duplo pivot, na minha opinião sem problemas, se existisse o fundamental numa equipa, solidariedade, o maior dos erros de Lopetegui, que pela distancia tida com os jogadores não foi capaz de a incutir. É por isso que disse que o cozinheiro é o menos culpado, os menus não valem o preço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há que reinventar a receita, se quer ser o cozinheiro no próximo ano!

      Abraço

      Eliminar
  3. Caro Jorge

    Estamos de acordo. Tenho dificuldade em criticar o Mister porque acho que aceitou um lugar em circunstâncias difíceis mas reconheço que jogamos muito pouco. Tudo é feito em esforço e até para ganhar a uma equipa fraquinha suamos muito e acabamos a perder tempo e atirar bolas para a bancada.
    Nós temos tido paciência mas contra isto é difícil manter a tolerância.

    Raoc

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há que inverter o rumo. Há quinze dias a caminho.

      Abraço

      Eliminar
  4. Fiquei tristemente surpreendido com a notícia da escolha de Peseiro, depois iludi(u)-me para a seguir me voltar a desiludir pela evidente falta de mentalidade (jogos contra Dortmund). Ainda assim, nesta fase da época, parece-me claro que o problema maior está no plantel e não no treinador. Sobre este, reservo uma avaliação definitiva após a conclusão da temporada. Mas sem ovos...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que treinador pretendia em Janeiro? Marco Silva, que é eliminado dentro de portas de todas as competições europeias? Jardim, que nem para a CL se conseguiu apurar? Vitor Pereira que leva aos 4 do Braga? Mourinho que deixou o Chelsea na zona de descida? Queiroz que só ganha ao Luis Horta? Continuar com Lopetegui até à implosão definitiva?
      Madureira

      Eliminar
    2. A grande vitória de José Peseiro é esta: em quatro jogos abaixo do Mondego, quatro vitórias. Todas elas com muita dificuldade à mistura, e com a felicidade que faltou em tantos outros jogos, mas para a história ficam os resultados. Quatro jogos, quatro vitórias. Não é fácil, tendo em conta que o FC Porto, nos últimos 2 anos, chegou a estar 13 jogos sem ganhar a sul do Mondego. Fica o mérito registado
      Carlos Alexandre

      Eliminar
    3. Lápis, o plantel perdeu 3 jogadores inoperantes (Tello e Osvaldo jogavam muito pouco na liga e o Imbula já tinha feito checkout) e despachou 2 centrais. Mas, em rigor, o que jogava Lichnovsky? Quanto tempo? O paradigma tem de mudar. É isso. vamos ver se adianta.

      Camaleão (que acho que é vírus), não queria nem deixo de querer. Mas à mudança tem de corresponder... mudança. Ganhamos sim, mas se está satisfeito diga...

      Abraços

      Eliminar
  5. Mais do que ver uma evolução táctica na equipa, num modelo de jogo mais vertical e diferente do anterior (posse de bola), com uma "pré-epoca" a meio de um campeonato...

    Gostaria de ver o treinador José Peseiro a não se lamentar antes, durante e depois dos jogos nas conferencias de imprensa, é que estar sempre a repetir-se que não tem tempo para treinar é uma forma que desculpabiliza os jogadores...

    E os jogadores têm de ser responsabilizados, se qualquer um de nós no nosso emprego/trabalho comete um erro e é chamado á atenção, porque é que os jogadores não podem ser chamados á atenção?

    É que eu nos jogos continuo a ver vários jogadores a continuarem a fazer erros sucessivos num jogo e no jogo seguinte voltam a cometer esses erros...

    Onde quero chegar é que se um jogador ouve as conferencias do treinador, esse jogador percebe que pode continuar a errar, pois o treinador vai continuar com desculpas...E isso não pode acontecer...

    E acho também que o treinador tem de ser mais assertivo nas declarações publicas, ele (ao que sei) foi contratado por época e meia, logo tem de ser mais convicente na sua estrategia de galvanizar os jogadores e os adeptos, tanto para este ano (o que falta jogar), mas principalmente para a epoca seguinte.

    Só um aparte:
    O FCP vence em Setubal pelo mesmo resultado que o benfica vence no bessa, 2 candidatos ao titulo perante equipas que lutam para não descer...
    No jogo jogado o Boavista foi muito melhor que o Vitõria e não fosse o avançado (que nos falta a nós um com esta eficácia), o benfica bem que tinha perdido pontos...

    Mas já hoje e ainda mais amanha vai-se ler na Com.Social que é a estrelinha de campeão em acção...


    Abraço

    ResponderEliminar
  6. Uma coisa é certa: os benfas venceram em toda a linha. Andamos aqui a discutir a qualidade dos jogadores, dos treinadores, etc, por uma razão: a roubalheira vergonhosa do ano passado. O benfas ganhou o campeonato mais desonesto que me lembro de ver em Portugal. Nâo fosse a roubalheira tínhamos sido campeões e aquela pocilga tinha implodido. Este ano a mesma coisa, embora em menor escala. O grande erro foi, claro, o silêncio da sad. Não fosse esse silêncio e talvez a pouca vergonha não tivesse acontecido da forma como aconteceu. Depois foi o que se viu. Saúde. João.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há um mais desonesto: este. Se o ficaben ontem estivesse a jogar com menos 1 - ou dois - se calhar o resultado teria sido bem diferente. Haja coragem para o assumir.

      Abraço

      Eliminar
  7. Da maneira como isto está se o FCPORTO ganhar a Taça de Portugal será fabuloso.
    Vítor Pereira e Paulo Fonseca não serviram, José Peseiro não serve. Bem vindos ao cemitério de treinadores, as Antas.
    Na próxima época arranjem mais um ilusionista do País Basco ou de outro sítio qualquer para treinar e jogadores fabulosos como o "Johnny Depp Osvaldo", o Adrian L. , Marcano, José Angel e depois digam que têm azar com os apitos.

    Luís (O do José Peseiro)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Vítor Pereira servia...e devia ter continuado. Quem sabe se não poderia ser ainda hoje o treinador.

      Mas os adeptos foram os principais responsáveis por ele se ir embora. Não reconheciam minimamente a sua competência. É a tal "exigência".

      Eliminar
    2. Para sua informação, Luís, o Adrián está a jogar muito, e bem, no Villareal, que conseguiu empatar com o Barça! Se o Adrián não fosse gozado indecentemente - como o HERRERA - cada vez que tocava na bola e se calhar a história teria sido bem diferente. Há alguma coisa a mudar também do lado de cá.

      Abraço

      Eliminar
  8. Acho que se é a continuidade que estamos a discutir, concordo completamente com o Jorge. E não creio que ninguém acreditou que a escolha de Peseiro seria para manter no final da época que vem...

    O drama do duplo pivot é a demonstração cabal de um plantel feito à medida de Lopetegui. No sistema do treinador anterior, o meio campo tinha uma função meramente defensiva/manutenção de posse e charneira na circulação da bola entre faixas. Segundo os princípios subjacentes à construção do actual plantel, Evandro e Bueno seriam mais do que suficientes para garantir a técnica necessária nesse modelo. Bom, Peseiro quer explorar todos os corredores no ataque, mas não tem um único 10 de raís, Bueno e Evandro (o mais parecido) lesionados. Sobram-lhe apenas médios com características defensivas. Não é um duplo pivot, é o que há.

    Estou também completamente de acordo relativamente à falta de motivação. Aí acho que o trabalho de Peseiro está a falhar redondamente. Lacunas de plantel e condicionantes à parte, vejo os jogadores em campo como se estivessem de férias. Não existe reacção à perda, não há a menor sombra de acutilância em qualquer momento defensivo, dá-se todo o espaço, tempo e soluções a quem transporta a bola e a quem se desmarca. Independentemente da qualidade do adversário. No ataque a mesma falta de energia e assertividade. De vez em quando vê-se um esboço de jogada, mas o mais das vezes é alguém que tenta furar e lá consegue causar um desequilíbrio. O ponta-de-lança está muito desapoiado, porque não tem um jogador de características atacantes que o apoie nas costas, havendo sempre muito espaço entre Aboubakar/Suk e o médio mais avançado.

    Enfim, podemos especular sobre o estado daquele balneário e o que pode um treinador fazer. E também podemos assentar o desajuste entre a ambição do FCPorto enquanto clube e o perfil de Peseiro, que não serve. Mas também é preciso admitir que o estado actual das coisas tem os seus principais responsáveis fora da equipa técnica. No final da época, se as mudanças se ficarem pela contratação de um novo treinador, temo que o calvário se prolongue.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vou falar sobre isso neste post de hoje, a sair daqui a pouco.

      Abraço

      Eliminar
  9. de facto é complicado...
    o meu índice de confianca talvez subisse um pouco mais se o visse de chicote na mao no fim do jogo a dizer que nao gostou, e a castigar quem joga mal (bem sei que qualquer dia nao temos jogadores para castigar, mas...), e a exigir mais ovinhos para a omolete...
    sem isso, fica aquela sensacao que chegou ao topo de carreira e que nao parece ter muitas unhas pra guitarra. defeito ou feitio, impaciencia minha, sei la....
    ao entrar da forma como entrou, nao acho que se lhe possa exigir mais que a taca, sempre disse isso; mas os sinais de jogo jogado nao dao conforto.
    um abraco

    ResponderEliminar
  10. Queria também deixar aqui um requiem ao futebol nacional. Os adeptos dos candidatos naturalmente focam-se nas possibilidades de se atingir a vitória final. Mas quem tenha estado 1 ano sem ver futebol e veja de repente um jogo dos candidatos, pensa que está a assistir a uma partida do nacional equatoriano. Mau, mau, mau. Um Benfica que é paio, retranca e fé na frente. Um Sporting que é tropel e mais nada, com momentos de parvoíce colectiva digna dos distritais. Um Porto à espera do fim da época, com os jogadores picando o ponto e os adeptos suspirando ao apito final. No meio desta merda toda, há que séculos ninguém vê um jogo de jeito neste campeonato.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo. Gostei do ficaben - FC Porto.

      Abraço

      Eliminar
  11. Sr. Jorge Vassalo o artigo "A democratização da estupidez" publicado no blog "Portistas Anónimos" em 20 de Março de 2016, abriu-me os olhos.
    "Comparação entre os recursos disponíveis entre Benfica e FC Porto. Chegando ao ponto de comparar Gudiño, de 18 anos, a Ederson, de 22 e com experiência de primeira liga e Liga Europa, ou então Chidozie, também ele de 18 anos e ainda nem há um ano médio-defensivo, com Lindelöf, jogador com vários anos de segunda liga e já com 21 anos sendo ainda campeão da Europa desse escalão. Depois talvez movidos pela ideia estúpida de que um jogador não se desenvolve a partir de uma certa idade, dizem que como o Jardel tem o FC Porto no plantel, ignorando que o brasileiro é facilmente o melhor defesa-central do Benfica graças à enorme evolução registada nos últimos anos.
    Enquanto para as laterais Rui Vitória tem Nélson Semedo, André Almeida, Eliseu, Sílvio e ainda foi buscar Grimaldo em Janeiro, José Peseiro tem Maxi, Layún e foi obrigado a recorrer a Ángel, uma das cartas fora do baralho até para Lopetegui.
    Se gozar com as opções dos encarnados para a defesa, dizendo por exemplo que o Eliseu é gordo e mais não sei o quê, pode parecer pertinente para alguns, o que dizer das opções azuis e brancas para o ataque? Aboubakar e Corona parecem viver num mundo à parte, Varela está farto de ser jogador de futebol e tanto Suk como Marega parecem condenados ao estigma social de jogador útil, que aos olhos da maioria dos portistas mais não significa do que alguém que só serve para jogar quando não há mais ninguém. Do outro lado - leia-se no Benfica - Há Jonas, Mitroglu, Jiménez, Salvio, Pizzi, Carcela, Gaitán, Talisca e por aí fora".

    Luís (O do José Peseiro)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olhe, não concordo. Vide o jogo de ontem. Sem o resolvedor e o playmaker, não fazem nadinha. Pró ano com a debandada que tem de acontecer e a imperativa baixa angular da inclinação, vamos ver o que vem daí.

      Abraço

      Eliminar
  12. Gostaria que os portistas nomeassem o treinador dos seus sonhos, já que Peseiro não presta.
    Atenção, não vale nomes como Prof. Neca ou Henrique Calisto pois estão oucpados!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Peseiro presta, se não abdicar, como tem feito, do seu modelo.

      Para Lopetegui, já bastou o primeiro...

      Abraço

      Eliminar
    2. Peseiro poderá prestar se tiver um 10, extremos e laterais que defendam.
      Sem isso, será impossível avaliar se é um flop como o anterior ou se efectivamente terá categoria para treinar um clube da dimensão do F. C. do Porto, uma vez que até agora só treinou equipas pequenas.
      R. Formosinho

      Eliminar
  13. Bem, nestes ultimos 3/4 meses, a Lei de Murphy aplica-se ao FC Porto, e em contraste, aos MAIS MAIORES GRANDES tudo lhes corre bem, isto é, a Lei de Murphy com eles está virada do avesso, e recordo o ultimo mês e meio :

    -Ganham em casa ao Zenit, no ultimo suspiro do jogo!

    -Na ressaca Champions, vão a Paços, e ao terminar a 1ª parte é marcada a GP mais mentirosa, e vergonhosa desta Liga pelo inevitável "Heroi de Fafe", e viram para a 2ª parte a ganhar, isto quando a força fisica fraquejava pós Zenit (apesar do Paços ter cerca de 10 ausencias, tinha 2 Juniores no banco)!

    -Vão a Alvalade, e num remate enquadrado com a baliza, marcam um golo às três tabelas com dois ressaltos pelo meio, depois, foi defender à equipa pequena, a queimar tempo, o banco a mandar bolas para o relvado, G Redes lesionado...


    -Vão à Russia, e após o Zenit ter feito o 1-0, os Russos poderiam ter matado a eliminatória com 2/3 oportunidades flagrantes, e eis que um pontapé feliz a 30/40 metros da baliza, e voltaram a ser felizes, para terminar o jogo, com um golo no lavar dos cestos que lhes garantiu uma vitória mentirosa!

    - Ontem no Bessa, mais do mesmo, um jogo equilibrado, com escassas oportunidades, as mais flagrantes para o Boavista (Ruben Ribeiro), e aos 93 minutos "chutão" para frente, o Carcela de metro e meio ganha de cabeça ao "calmeirão" Philipe Sampaio, e golo, sem saberem ler e escrever...

    Bem, neste ultimo mês e meio, e a sequencia de partidas e de fortuna, não me deixam mentir, a "vaca da sorte" tem sido preciosa, e numa harmoniosa sequencia virtuosa. Eles estão a jogar bem, e a convencer? Não, longe disso, muita fortuna, e continuam a vencer, mas sem convencer ninguém!

    Entretanto, se o gato preto se atravessar no caminho deles significa que o animal está a ir para algum lado... E isto ainda não terminou, e não, não quero mesmo nada que eles sejam campeões, e por razões várias, e essas razões estão ligadas ao FC Porto, e respectivo ciclo hegmonico!

    Abordei o jogo em Paços, e curiosamente, ontem o Paços jogava em casa com o Moreirense, o Paços tinha dois atletas no risco de serem suspensos com amarelo, e ambos nucleares, o central Fabio Cardoso, e o pivot defensivo Pelé (o ex Rei das assistencias no Restelo), dois atletas emprestados pelo Benfica, pois ontem, estavam no risco, "tunga" ambos viram amarelo, e não jogam a proxima Jornada no Estoril (jogo importante na luta pela Europa do Paços), mas esses dois emprestados, "limpam" com o Estoril (daí os amarelos de ontem?), mas já defrontam o FC Porto na Jornada 29 em Paços, isto é, os emprestados não estão ao serviço do Paços, mas sim do clube que os empresta, e é nestes "pormaiores" pouco leais que os MAIS MAIORES tem estado muito, muito atentos, os atletas emprestados, directa ou indirectamente estão ao serviço do Benfica. O Fabio e o Pelé, ambos viram amarelo ontem, "limpam" com o Estoril (numa partida em que o Paços poderia dar um grande passo para a Europa), todavia, ambos os emprestados, já estarão disponiveis para defrontar o FC Porto, e a Admnistração do Paços aceita isto com a maior naturalidade!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, continua a marcha. Mas, e nós, que fazemos? Nadinha.

      Abraço

      Eliminar
  14. Boa tarde

    Há coisas que gostava de perceber e pedia que me explicassem se for possível.

    Como é que para muitos adeptos passamos de um plantel de sonho que só não ganhava tudo e praticava futebol de qualidade celestial porque o treinador não sabia mais (chegar a primeiro lugar no campeonato foi só pelo mérito dos jogadores, nunca dele), e desde de Janeiro por saírem 2 jogadores titulares (Maicon e Tello, já que Osvaldo, Cissokho e Imbula mal calçavam) passamos a ter um plantel sem qualidade nenhuma e por isso temos é que apoiar até ao fim pois sem ovos não há omeletes...

    Abraços

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esta é que é a grande questão.

      A minha resposta é:

      Os adeptos odiavam o Lopetegui. Logo, usavam o argumento do "grande plantel" (nunca foi) para o atacar.
      O Peseiro como é um tipo porreiro, os adeptos gostam dele e tal...usam o argumento do plantel horrível (não é).
      Acho que é um pouco 'wishful thinking'...não querem acreditar que o Peseiro é um treinador ainda pior que o anterior...como ele é porreiro e boa pessoa e tal...

      Eliminar
    2. É uma coisa chamada "double standart", meu amigo. No FC Porto existe muito, muito mesmo.

      Abraço.

      Eliminar
    3. Vitor Soares, chegou efectivamente uma semana à liderança, por muito demérito dos adversários, mas... nem uma semana o aguentou e nem lutou por isso.
      Oliveira

      Eliminar
    4. Oliveira, se temos um plantel tão fraquinho como fazem parecer actualmente é normal que tenhamos saído de lá, certo?
      Aparentemente o mérito nunca é nosso...

      Eliminar
  15. O que receio também é a parte psicológica do treinador.
    Espero que Peseiro não se vá abaixo, que esteja sempre rijo e que não verga perante a incapacidade de os jogadores, ora sendo teimosos |Brahimi|, ora pouco interessados no jogo |Aboubakar| ou então que haja muitos dos jogadores em sobre-rendimento.

    Peseiro não pode deixar-se ir pelo lado negativo, tendo sempre a resposta eficaz para cada problema encontrado.
    Um treinador forte também será preciso nestes próximos tempos.

    Abraços.

    ResponderEliminar
  16. A realidade é muito diferente do embuste.
    O treinador do Besiktas, diz que Quaresma é essencial no êxito do clube que consegue superar o Fenerbahce cheio de vedetas e desse, agora grande treinador Vitor Pereira.
    Maicon, esse perna de pau que tinha paragens de cérebro, é exemplo de profissionalismo, dedicação, no S. Paulo.
    Tello, o preguiças do dragão, chega à Fiorentina do agora também famoso Paulo Sousa e é titular de caras.
    Josué, essa anta do Dragão, é agora o pivot do "maravilhoso" jogo de Paulo Fonseca, no Braga.
    Otavinho, mais um que veio pela comissão, não servia, mas em Guimarães é um craque.
    Imbula, esse enganador que não tinha vontade, chega à PL e é normalmente o melhor jogador em campo do 5º classificado. Cá era fraco.
    Tudo jogadores dispensados por Lopetegui e que não encaixavam no seu sistema de jogo. Mas quem é que encaixava no seu sistema e que resultados práticos se obtinham? Quem são os tais jogadores que se pretendem?
    R. Formosinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sei quem lhe deu a impressão de que eu estava a defender Lopetegui.

      Já agora, mudar de nick não muda o tonzinho.

      Eliminar
  17. Este sistema de jogo está longe de ser o do Peseiro; aliás, seria impossível que assim fosse. Sem um 10 capaz e sem o tipo de extremos que ele mais gosta, obviamente que o Peseiro não pode impor o seu modelo - assente, aliás num 442 actualmente impossível no FCP. O Peseiro, quando muito, esta a ser pragmático com o que tem, fazendo o possível para que a equipa chegue o mais rápido possível à grande área - os jogadores estão de rastos.
    A transição defensiva é uma bela herança deixada pelo Lopetegui que só uma boa pré-época, sem assobios, sem pressões, poderá resolver. O FCP agora defende com poucos e ataca com muitos, como uma equipa grande - e aqui está uma grande diferença com o basco - que precisa de trabalho.
    O plantel do Porto nunca foi fraco, mas sempre foi desequilibrado. Ás saídas já mencionadas, se juntarmos as lesões do Evandro, do Bueno, do André - além da baixa de forma brutal deste - do Marcano, do Indi, todas ao mesmo tempo ou intercaladas umas das outras percebemos que o FCP não perdeu só dois titulares, perdeu profundidade e opções num plantel limitado. E a tudo se juntarmos a má forma física e mental de jogadores que eram chave - André, Brahimi, Corona, Aboubakar… e ao facto de termos 2 centrais e um miúdo que há 6 meses era médio e há um ano jogava na Nigéria…
    Vamos exigir o quê do Peseiro? Digam um treinador viável para o FCP para o ano, um… que possa vir e que seja melhor do que já temos. Eu estou a pensar no Paulo Fonseca - mas já o queimamos… o Vítor Pereira - duvido que queira…

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Paulo Fonseca alinhava com o Polvo com gente ao lado, como Josué, e punha um Capitão veterano como Lucho a jogar a segundo avançado. Continuo a dizer: o Braga vai a ONZE pontos de nós.

      Abraço

      Eliminar
  18. Mais ou menos ao nível habitual do Braga, mas na final da Taça e nos quartos de final da Liga Europa, numa carreira para já imaculada aqui, e na meia-final da Taça da Liga… Podemos discutir a qualidade e profundidade do plantel do Braga em relação a outros anos mas seriam detalhes que são inuteis de comparar...

    Abraço,

    ResponderEliminar