sábado, 9 de janeiro de 2016

Transmitir A Mensagem


Emxo. Sr. Presidente, Exmos. Srs. Directores da SAD do FC Porto,

Agora que estou certo que já tereis escolhido o próximo treinador da Nossa Grande Equipa, tendo o natural cuidado de não o comunicar antes de concluídas as negociações da rescisão com Lopetegui,  creio que é um bom momento para vos endereçar a principal preocupação que tenho, a esta altura, com o FC Porto - o silêncio.

Bem sei que o NGP tem as suas condicionantes físicas próprias de uma idade à qual só posso aspirar chegar (tanta gente querida minha que não chega a essa idade) e que a força já não é a mesma, mas é, a meu ver, absolutamente essencial que haja uma política comunicacional adaptada à realidade de uma Era da Informação, que me parece que a vossa atitude não acompanha.

Quero sublinhar que concordo que vocês ignorem em absoluto o que os adversários pensam de nós. Afinal, é o mesmo desde sempre. Já fomos os andrades, os curruptos, os parolos... mas a atitude foi sempre a mesma, a de fazer de nós uma espécie de "vilões do futebol", uma tribo selvagem, sem regra nem  tino.


Mas, se dantes a mensagem do NGP era uma de ironia forte e bem medida, a atitude passiva destes tempos, seja por estratégia ou por desleixo puro, está a passar aos adeptos e sócios uma imagem de uma liderança fraca, o exacto inverso de tudo o que significou, durante mais de 30 anos, o Futebol Clube do Porto. 

Se o NGP não quer ou não pode, é importante que alguém seja de novo aquela voz cirúrgica e firme, que passe a ideia da dureza que nos tem de caracterizar. Responder a calúnias, difamações e outros ataques baixos com silêncio, é consentir que essas mentiras, repetidas com uma precisão impressionante, passem a dar a ideia de que o FC Porto é mesmo o que dizem ser.

É necessário dar a devida importância àqueles que são os principais veículos da mensagem nestes tempos - as redes sociais. Naturalmente, não queremos uma política à sportem, a reagir a cada gás dos outros, mas entre o 8 e os 80 vão 72 de diferença. Alguma presença para lá do meramente informativo comum, tem de acontecer.


Além disso, uma presença nos programas desportivos mais firme, ao género de Bernardino Barros, impõe-se na RTP e SIC. Não digo funcionários do Clube, não concordo com isso, mas sim adeptos bem informados e Portistas dos quatro costados, como o grande Pedro Marques Lopes, capazes de defender o nosso Clube, sem o atacar, como teima em fazer Rodolfo Reis, Miguel Guedes e Manuel Serrão. Se são aqueles que estão em representação do FC Porto a atacá-lo, a ideia é que o que dizem os outros é mesmo verdade! Não há que procurar consensos, há que desmontar falsidades, com acutilância e firmeza, como aquilo que o FC Porto sempre foi: agressivo, incisivo, demolidor.

Desafio-vos, senhores, a sentarem-se na praça da alimentação ou no café de baixo do Dolce Vitta e a ouvir a forma como a lavagem cerebral dos diferentes media e redes sociais está impregnada na cabeça dos adeptos. Sem contraponto, contrapeso, sem a reposição da nossa verdade, o erro estará enraizado no coração dos adeptos e, sem estes, a força da equipa também diminuirá drasticamente. Esta política de dividir para conquistar, por parte dos nossos adversários, tem funcionado em pleno, e está na hora de a contrapor com dureza.

Tenham, pois, consciência de que a atitude à Porto não tem de estar só nos treinadores, jogadores e adeptos. Tem de estar na imagem pública do Clube também. 

Parafraseando o ditado, diria que mensagem fraca faz fraco o forte Clube. Urge mudar já.

35 comentários:

  1. Muito bem é assim mesmo a nossa política de comunicação é zero é preciso mudar e adaptar à nova realidade.

    ResponderEliminar
  2. Concordo em absoluto Jorge. Tal como tinha referido no meu comentário ontem, um dos motivos que mais fez fracassar Lopetegui foi esta política de silêncio auto-destrutivo que deixou o treinador entregue às feras. Isso não pode acontecer mais. Quanto à SAD mudar a sua política só depende deles. Espero que tomem consciência do que é preciso mudar e isso não passa só pelo treinador. Resta-nos apoiar.

    Forte abraço,
    Pedro Nuno

    ResponderEliminar
  3. Caro Jorge Vassalo,
    Excelente post que toca na ferida ou na chaga aberta que é a actual fraqueza da Direcção do Porto e a sua aparente incapacidade para perceber a importância que nos dias de hoje é comunicar. Fazer de morto, como parece ser a estratégia da nossa Direcção, só serve para viabilizar a acção dos adversários, para deixar passar vergonhas como a que levou o campeão da Liga da época passada, para aguentar no poder gente como Vítor Pereira que continua de pedra e cal a nomear árbitros seus afilhados para os jogos do Benfica, apesar da esmagadora maioria dos clubes o quererem fora do conselho de arbitragem. Não faz muito tempo que o presidente do Benfica comentava sobre uma afirmação de Pinto da Costa: "É o estrebuchar do morto". Curiosamente, daí para diante o seu clube ganhou dois campeonatos "limpinhos, limpinhos" que directamente haveriam de levar à crucificação pública do Porto e dos seus treinadores. Consiga o Porto equilibrar as coisas na Liga e na Federação ou não haverá treinador que nos sirva, porque no actual estado das coisas, os inúmeros penaltis que nos são devidos mas de que ninguém fala e que virariam alguns resultados não nos irão ser mercados como, de resto, aconteceu no jogo com o Rio Ave há uns dias. A questão é saber se Pinto da Costa ainda tem força para defender o nosso Porto. Infelizmente pelo que se vê, por exemplo pela nulidade que é o Porto Canal e pelos convites para a feira de vaidades dos Dragões, receio que não. Oxalá me engane. Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um FC Porto à Porto é o que se está a exigir.

      Abraço

      Eliminar
  4. Vamos mas é seguir em frente, acabar com as lamentações e erguer-nos de novo! Quem nunca caiu?
    Por isso lá estarei amanhã entre os portistas, apesar do esforço financeiro para a minha bolsa, (paguei 25 euros pelo bilhete no topo Norte, quando poderia dar apenas 15 e acompanhar um dos muitos amigos axadrezados que tenho), porque é nestas alturas que o nosso FC PORTO mais precisa de quem o ama!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já tenho sorte de ir aos jogos em casa... Mas parabéns pelo Portismo!

      Abraço

      Eliminar
  5. O problema do clube não é propriamente o da falta de comunicação. A questão reside no facto de o FCP se ter, voluntariamente, afastado dos centros de decisão do futebol português. Em resultado desse afastamento, o impacto do que se diz é nulo, ainda que possa "consolar" mais os adeptos. Assim sendo, o silêncio ainda pode dar a ideia de que o clube tem algum poder nas instâncias decisoras, que , de facto, não tem.

    ResponderEliminar
  6. Bamos ber o que bem aí e depois falamos. Para já temos é de ganhar. O resto...sou como o cego, só bendo, mas desconfio que quanto á comunicaçon bai ficar tudo na mesma.

    ResponderEliminar
  7. (Não) temos uma política de comunicação que faça frente aos actuais rivais. Lá diz o ditado "Com ferros matas, com ferros morres". Não é com silêncios e com boas maneiras que iremos ganhar as guerras contra os irmãos metralha do Campo Grande ou contra os Pedros Guerra desta vida. Há que voltar a meter medo na comunicação social, como dantes se fazia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Enquanto formos bons rapazes, seremos sempre comidos.

      Abraço

      Eliminar
  8. Mas mais importante que transmitir uma mensagem, decidir com quem ou não confiar quando se fazem contratos, negociações e projectos.
    Há por aí muita gente que se aproveitam muito bem para levar uma certa quantidade de dinheiro.
    No fundo o que se pede, é que o NGP volte a virar a cara par este lado e que deixe de se preocupar com contratos que não nos dão interesse nenhum.

    Abraços.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A parte desportiva à frente da financeira. Foi a primeira, e não a segunda, que fez dele quem ele é.

      Abraço

      Eliminar
  9. Vejo Gobern, Pedro Guerra, Gomes da Silva, Inácio, Oliveira Costa e Pina a defenderem os seus com unhas e dentes e a valorizarem os seus clubes e os seus presidentes. Por seu lado, os nossos, convivem semanalmente com as maiores parvoíces contra o Clube, branqueiam os favores aos seus rivais e não se coibem de afundar treinadores e jogadores do Porto. A comunicação é primordial na gestão de um clube o que os nossos rivais perceberam claramente colocando os seus para cuidarem da sua imagem. De que nos vale pedir para que Pinto da Costa que venha mandar uns bitaites na TV quando o que ele diria depressa passaria, ao mesmo tempo que nos vão moendo o juízo com falácias e com aldrabices semana após semana?... Ponham gente como Bernardino Barros nos programas que fazem opinião e corram com os Guedes, com os Rodolfo, Serrão e com os Aguiar. Pessoalmente nada contra eles mas está visto que não servem para defender o Futebol Clube do Porto. Que o Director de Comunicação se mexa e que resolva a situação. Abraço

    ResponderEliminar
  10. Comunicação social?! A mesma que usava o Octávio como "representante" do FCP? Brinquemos?!!!!!....

    ResponderEliminar
  11. A "Mensagem" que o Jorge Vassalo "envia" para a direção do FCPorto é exactamente aquela que a maioria dos adeptos portistas pensam; infelizmente os destinatários não vão "comungar" das ideias...
    Sobre o "alguém" do segundo parágrafo, a mim faz-me imensa confusão o "papel" que desempenha Antero H. no nosso clube.
    Afinal o que é que ele lá faz mesmo?...Qual é a importância dele no clube?!
    Sim, como adepto que sou, questiono as funções de alguém que tem um cargo importante no "meu clube", mas que NUNCA o vi a fazer defesa do clube.
    Será que a função dele - afinal... - é só marcar "missa de corpo presente"?...E recebe comissão por isso?...
    Continuando no segundo parágrafo, mas que o Jorge V. não menciona, eu questiono os adeptos do FCPorto (não questiono a administração =sad/presid. -, porque pelos vistos para eles é normal...) se acham aceitável que seja o treinador a tomar a defesa do clube (da sua pessoa e dos jogadores é normal, ok), sujeitando-se às calúnias e insídia dos "inimigos", levando-o a um desgaste emocional, enquanto os responsáveis do clube se mantêm mudos e surdos durante as "tempestades"???
    Questiona o Jorge V. que se "o NGP não quer ou não pode"?...
    Eu "contraponho": não pode ou já não sabe...
    Bom domingo!

    Alto Minho (J.S.)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu escolho a galinha...(apesar de não ter percebido absolutamente nada do comentário do Jorge em relação ao meu comentário. - ????????)
      Afinal para haver muitos ovos há necessidade de ter quem os ponha...

      Eliminar
  12. Respostas
    1. Rumores, rumores...já estiveram cá 30 treinadores....

      Abraço

      Eliminar
  13. O presidente e a Sad têm poder de decidir quem esta nos programas desportivos a defender o Futebol Clube do Porto?
    A mim não me parece, e se assim fosse era um erro, quem tem que falar e defender o clube é quem o representa de forma institucional!
    As estratégias de comunicação podem ser interpretadas de muitas formas, se um presidente fala muito é porque pode querer desviar atenções se fala pouco é porque poderá nao ter argumentos, se esta em silencio é porque ou está alheado de tudo ou porque só pensa no clube e deixa os "outros" a falar sozinhos.
    Cada um interpreta da forma que quiser e não me parece que a "estratégia" adoptada pelo nosso clube esteja errada ou menos aguerrida, sendo que o possível erro a apontar é a falta de esclarecimento aos adeptos na defesa das muitas inverdades publicadas, neste aspecto estamos todos de acordo, mas tambem acho que estamos de acordo que as vezes sabe bem deixar brunos de carvalho e outros azedados a falar sozinhos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se não têm deveria ter. Os outros têm - e de que maneira!

      Abraço

      Eliminar
  14. Não podemos ser inocentes ao ponto de acreditar que os participantes nos programas desportivos como comentadores/adeptos estão lá apenas por amor aos seus clubes. Os participantes do Benfica e do Sporting têm agendas cuidadosamente delineadas e estando contratualmente ou não ligados a eles, cumprem a agenda semanal da direcção de comunicação dos seus clubes. Os comentadores do Porto dizem o que lhes vai na cabeça agindo em função do que as estações de TV lhes proporcionam, mormente em função da notoridade que obtêm que os ajuda nas suas carreiras. Não se pode descurar a comunicação social até porque em geral todos os que se interessam pela bola vêm e são influenciados pelas capas de jornais desportivos, assim como programas tipo Trio de Ataque ou Prolongamento que pelo menos espreitam para ver o que diz o representante do seu clube. O Porto está muito aquém do desejável neste tema e por isso terá urgentemente de se equilibrar em relação aos seus rivais. Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lutar com as mesmas armas é absolutamente imperativo.

      Abraço

      Eliminar
  15. Cada um come da palha que quer. Não há muito a fazer quanto a isso. Digamos que também isso é uma questão de ADN. Ou só conta para a equipa? Eu escolho duvidar do inimigo. E sempre que ele me acusa, eu duvido. Do que não duvido mesmo nada é que amigos temos muito poucos. Não é mau sinal.
    Não me parece que devamos reagir. Para mim, o erro está em não agir. Ainda que ninguém ouça, devemos dizer que somos espoliados. Que sabemos ao que vêm e que temos olhinhos na cara. Isso sim. Escolher gente para paineleiro, isso não. Aliás, o NGP disse há tempo suficiente que não o faria e demarcou o clube de quem quer q la esteja com, supostamente, as nossas cores. De volta ao arbítrio: quem quer pensar que os senhores representam o clube, pode.Mas está errado. Os senhores representam-se a si, apenas. Pelo que são livres de dizer as alarvidades que quiserem. Eles e eu. Sobre eles! Pimbas. :)
    Abraço
    PS. Não deposito assim tanta fé no PML. Já o vi virar tanta casaca, ser tão querido para se integrar... Mas bem, sempre com alguma classe, disso não haja dúvida.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é palha, é uma ideia falsa repetida sistematicamente e da mesma maneira para influenciar o "consciente colectivo" dos adeptos de futebol, Portistas em particular.

      Mas concordo contigo - como (quase) sempre - é agir e não reagir que se deve.

      O exemplo do PML (que mesmo assim se "verga" pouco, e sempre atalhando o por si muove) é meramente ilustrativo. Deve haver uma voz mediática forte e Portista para ser nosso porta-voz, não?...

      Abraço

      Eliminar
    2. Sim. O Dragão. Tu. Eu. Ele. A vibrar num grito só de todos nós! Esse o verdadeiro porta-voz. De resto, dada a nossa especificidade, não há nada a fazer. Ou fala o Presidente ou mais vale estarem calados... Essa a voz mediática, forte e tão Portista como nós. Mais não!
      Abraço

      Eliminar
  16. Deve estar aí o problema!... O NGP acha que com meia dúzia de bitaites seus ou com um Porto Canal manso e bajulador aos princípios do centralismo comunica correctamente com os adeptos do Porto mas aí falha redondamente. Hoje em dia não é assim, ou se tem peso nos média ou perde-se as batalhas. Há que equilibrar as coisas, lutar com as mesmas armas dos rivais, como bem escreve Jorge Vassalo. Os tempos são outros e há que acompanhá-los...

    ResponderEliminar
  17. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar