sexta-feira, 6 de novembro de 2015

Azias, Autocarros E Considerandos

Como escrevo sobre futebol há relativamente pouco tempo, há pontes e ligações que ainda estou a aprender a fazer. Antes deste blog, via apenas jogos do FC Porto, com todo o interesse e fervor, mas não traçava o necessário nexo de causalidade entre as coisas.

Serve esta introdução para dizer que, uma vez mais - és sábio, amigo - o Silva tem razão. Ás vezes sou demasiado arrastado pela espuma dos dias para ter a devida distância para relativizar. Talvez por esta minha mania de escrever todos os dias.

E onde tem o Silva razão? No facto simples de, tal a enxurrada de azia, menosprezo, spinning, aldrabice, exagero e manipulação a que somos votados todos os dias, a toda a hora, pela comunicação social, a não ser que estivéssemos a toda a hora de comunicado em comunicado, de resposta em resposta, não sairíamos daqui. Ainda ontem o Grande Área - desculpem os meus queridos leitores, deixei de ver - era um festival de rebaixamento de uns e engrandecimento de outros. Mexer em excrementos, só nos deixará a cheirar a eles.

E pur si muove, no capítulo do Nomeações é preciso fazer um pouco mais de pressão. Mas não esta rasteira e canalha do Lumiar. Uma incisiva, como sempre foi. Essa coisa de "temos de ser melhores, mesmo contra 14", embora verdade, não colhe. Não colhe porque não são essas as circunstâncias dos outros, e não podemos andar nós com uma exigência e os outros todos com outra. Chega. Há coisas sobre as quais há que falar. Mas com critério, sim.

Outra coisa interessante que tenho visto por aí escrito e dito é que "temos a obrigação de ultrapassar os autocarros". Meus amigos, esta semana pude assistir a dois jogos: o derby de Manchester e o Astana-Atlético. Os dois tiveram autocarro (o City e o Astana quase não atacaram) e o resultado foi o mesmo - o nulo. Imaginem um jogo de rugby em que uma das equipas só defendia. Ou um combate de MMA em que um dos lutadores só fugia do outro. É isso que temos cá pelo burgo, em 90% dos jogos. Mas é curioso, só connosco. Não vejo autocarros contra o ficaben e o not sporting lisbon. Nestes últimos vejo um esboço de tal, mas a verdade é que há atrevimento para uma ou outra incursão à área. 

Contra nós, até os ditos grandes jogam fechado, fechadinho. E um treinador de futebol, um bom treinador de futebol, é natural que esteja mais à vontade em montar equipas que gostem e queiram jogar futebol. Num campeonato em que as equipas não estivessem mais interessadas na Matemática do Pontinho do que em jogar, Lopetegui seria reverenciado. Assim, é criticado pelos mesmos adeptos que pensam ter solução milagrosa para o anti-jogo. 

Há uma, sim. A falta grosseira, o penalty, o anti-jogo primário, a Chico-espertice. Mas, chega-se à europa de futebol, desse, do verdadeiro, do apaixonante, do competitivo, e os resultados são os que se veem. Confesso, ia escrever sobre isso, mas o meu caro Imbictopoema adiantou-se.

No entanto, Imbicto amigo, respondo-te à pergunta: Se fosse no FC Porto, nunca seria. Era uma impossibilidade em sí própria, aliás causa primária do grande mestre da táctica não treinar o Nosso Grande Clube: aqui não se joga só numa frente, aqui não se desiste de competições, aqui defende-se um prestígio internacional e exigir-se-ia ao Predestinado que cumprisse os pergaminhos - que tão bem Lopetegui cumpre. Também, por muito que aos "adeptos" seja indiferente, não se pode mandar um orçamento às malvas, sem consequências sérias. Portanto, faço até o favor de acreditar que, no fundo, no fundo, o próprio sabe que ninguém da estrutura Portista lhe permitiria o seu modus operandi, portanto, nem ele se acha capaz de assumir as rédeas do Dragão.

Rui Vitória consegue - com a preciosa ajuda de Simeone - cumprir aquilo que Vieira sabia ser necessário: recuperar orçamentalmente da débâcle Jesuita através da Champions League. Só que com duas pechas: em primeiro lugar, acabou por ter de se reforçar mais do que gostaria e não vender os activos que precisava, pelo que os ganhos - menores que os nossos - não chegam para compensar o desastre, e segundo, porque está com o campeonato cada vez mais complicado e com um plantel muito, muito curto para fazer face às necessidades.

Por último, como especial reforço para os mais "exigentes" que vão na cartilha da "obrigação" e dos "grupos fáceis Portistas", dizer apenas, em jeito de nota final, que o Barça venceu o BATE por apenas 3-0 em casa, sendo até que o jogo só foi desbloqueado por um penalty forçado para o Barça, e que o Arsenal foi cilindrado pelo Bayern no Allianz por 5-1. Dejá vú? Pois. Arséne, está fácil de ver, se tivesses posto o Evandro e o Rúben logo na primeira parte, tinhas evitado essa vergonha! Ou então não, ou então é mesmo uma das melhores equipas do mundo, com um dos melhores treinadores do mundo e jogadores que já se conhecem de ginjeira, com um dos maiores orçamentos do mundo. 


Mas que é isso para quem sabe exigir, não é verdade? Isso de apoiar e defender os nossos, como os blues fazem, é para maricas. Os nossos inimigos agradecem. E assistem na Tribuna VIP. E alimentam-vos. Cuidado com as companhias. Eu sei onde está a minha equipa. E não abro mão de a defender. Mesmo que, por vezes, exagere. Mas, insisto, para este estado de "exigência" contribui também a nossa SAD. O Norte o explicou melhor que eu.

20 comentários:

  1. nem mais!
    nao aconteceria nunca. incrivelmente, tem o beneplácito de direccao e adeptos!
    dos deles, que acham que a culpa é dos jogadores, que que as prioridades sao para se ter, e ate dos nossos por vezes pra quem vencer é sp obrigacao e estar em 3 frentes é comparável a estar numa...
    dia 2 de janeiro fazem-se as contas, até lá, vao estar sempre em vantagem psicológica - coisa que fica sp bem ao dom GQ d'alvaláxia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sempre não, jogaremos um mês antes o jogo em falta. Até lá, atenção que essa vantagem psicológica pode dar facilitismo...E a desvantagem psicológica só dará vontade de mostrar trabalho.

      Abraço

      Eliminar
    2. assim o esperamos.
      até lá, vao-se comportando como o arsenal aqui por terras de sua majestade...
      queremos ser campeoes, ou pelo menos ir á champions, mas abdicamos da champions pra ser campeoes, mas pelo menos vamos á champions, da qual vamos abdicar pra ser campeoes... ah! quase, mas pelo menos vamos á champions, mas o que queremos mesmo é ser campeoes....
      quando aquele hino toca ás 3as e 4as, só nós sabemos :)
      (ha quem diga que também o ouve, mas eles sabem lá...)
      Um abraco!

      Eliminar
  2. Simplesmente esclarecedor!

    Muito bem Jorge! Apoiado!

    ResponderEliminar
  3. É isto, nem mais.
    Abraço, P. Torres

    ResponderEliminar
  4. Oh Jorge, você tem toda a razão no seu escrito e eu próprio por vezes me revolto, mas também se pode ver a coisa por outro prisma: é esta constante pressão, interna e externa, que nos faz ser diferentes. O perfeccionismo é em si um mito mas, se servir de farol, pode tornar-nos muito bons, de excelência, que é assim no estrangeiro, mas também aqui, nas empresas que buscam o sucesso e onde somos referenciados como caso de estudo, nos veêm. Sei do que escrevo, pois na empresa multinacional onde trabalhei muitos anos, nunca se falou como exemplos, fosse do que fosse, nos coisinhas da capital. Portanto vivam o Porto e os Portistas, mesmo que alguns sejam só de festas...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, de acordo, mas não estamos a falar de reconhecimento, isso é coisa que já não se espera. Agora, o mínimo de vergonha na cara é exigível...

      Abraço

      Eliminar
  5. Nem penses que escapas a pagar a bica! Nananana! :)
    However, meu caro, algures no meio de nós estará a posição certa nessa coisa do silêncio da SAD. Lembro-.me ainda bem que, pensando exatamente como penso hoje, ainda o ano passado me espantei com a falta de reação à diarreia cerebral do Fontelas ou Salmonelas ou lá como se chama a coisa.
    De resto, é isso tudo. Sem tirar nem pôr.
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Incisivamente. Cirurgicamente. É tudo o que se pede.

      E o cimbalino (dass, mouros pá) é teu.

      Abraço

      Eliminar
  6. Viva Jorge!
    Respondendo ás questões que colocas:
    1) - Os autocarros?! Porque já toda a gente sabe que defender (chutar para onde se está virado) é mais fácil do que atacar que exige virtuosismo dos atacantes.
    2) - É uma grande verdade que a comunicação social afecta aos dois da 2ª circular é poderosa e fanática.
    3) - Também é evidente que os Dragões têm de estar atentos e preparados para desmontar, desmistificar todas as notícias desonestas com que nos brindam.
    4) - Quanto ao preambulo do "post", também eu estou a dar os primeiros passos no wordpress e por conseguinte ainda tenho muitas dúvidas quanto aos procedimentos para configurar e atém moderar o meu blog, a saber www.dragaoatentoiii.wordpress.com.

    Abraço,
    A. Monteiro
    PS - Tenho notado a falta da visita do meu bom amigo Jorge Vassalo ao meu blog...!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olhe que ainda ontem o visitei. E está no meu feed. Viu?

      Abraço

      Eliminar
  7. Imbicto Jorge,

    Muito obrigado pela referência! Uma vez mais, concordamos em praticamente tudo, exceptuando a ressalva pertinente que fazes, em resposta à minha retórica.

    Este final de ano vai ser lindo... Ou muito me engano, ou o embalo do Sporting acaba já esta semana...

    Imbicto abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não concordas com o quê, exactamente?

      Abraçom

      Eliminar
    2. Não concordas com o quê, exactamente?

      Abraçom

      Eliminar
  8. Não sou eu que não concordo; és tu que não concordas :P

    "No entanto, Imbicto amigo, respondo-te à pergunta: Se fosse no FC Porto, nunca seria. Era uma impossibilidade em sí própria, aliás causa primária do grande mestre da táctica não treinar o Nosso Grande Clube"

    Imbicto abraço!

    ResponderEliminar
  9. Tal como aparece aí uma imagem na net do saudoso Bobby Robson que diz: "Só o FC Porto sobrevivia na Liga Inglesa".
    E de facto a nossa "Liga" é a "Liga exterior".
    Mas nunca devemos desligar dos nossos triunfos caseiros.

    O primeiro post que leio e por si só primeiro comentário que faço.
    Nota-se neste blogue que o Autor escreve com Alma, Mente e Espírito.
    Excelente blogue.

    Abraços.

    ResponderEliminar