segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

Liderança E Personalidade


Todos estão revoltados com a reacção de abandono do Maicon. Entristeceu-me, mas não me surpreendeu. Tudo isto que se está a passar é apenas o corolário, a transposição, a projecção, se quisermos, da atitude apática, indiferente e amorfa da estrutura directiva Portista, de não se indignar, de não defender os seus interesses mas, para mim, mais importante que tudo, de ter interrompido a linhagem.

Os nossos rivais imitaram os nossos melhores comportamentos, nós imitamos os piores deles. O ficaben estabilizou o balneário, mudou jogadores e criou mentalidades agregadoras. Tudo para lá do #colinho, que sei que agrega muito mais que tudo. Mas as primeiras características eram nossas. O sportem, por seu turno, estabilizou balneário, foi buscar uma espinha dorsal à prata da casa, um treinador que acreditam ser competente e uma máquina, em várias frentes, contundente e incisiva, a fazer passar uma mensagem. Mensagem essa que, apesar de exagerada e grosseiramente mal trabalhada, passa. E, portanto, cumpre o seu propósito.

Mas, mais importante do que tudo, mantiveram e incentivaram os seus capitães (o sportem acaba de renovar com Adrien) enquanto formam outros e compreendem o valor de liderança em campo. No FC Porto de hoje, a braçadeira ostentada por João Pinto, Jorge Costa ou este grande senhor, o último dos capitães, Lucho González, passa de braço em braço, como trapo, sem significado algum que não o de entregar o galhardete e escolher o lado de campo. 

Ainda me lembro do jogo em que Mangala se superou a si mesmo e disse que o tinha feito por "sentir o peso da braçadeira".

Não há verdadeiros Capitães no FC Porto. Helton que me perdoe, mas a sua "boa onda" não é do que o FC Porto precisa. Ainda assim, é curioso verificar que o único título verdadeiramente ao nosso alcance, esta época, é o que tem o Helton na baliza!

Imitamos os piores comportamentos dos rivais e tornamo-los nossos. Como o ficaben de outrora, enchemos o nosso plantel de "estrelas" aliciadas com o brilho do palco europeu da Champions, que se identificam tanto com o nosso clube como com a cidade do próximo jogo fora, criamos um entra e sai de jogadores, numa roda viva infinda e vendemos TODOS os Capitães, aqueles cujo respeito deixava os jogadores em sentido, a voz chamava o árbitro à razão e passava o respeito aos adeptos. Quando o meu adorado Lucho saiu, o Portismo em mim anoiteceu. Pressenti, num arrepio da espinha, o que viria aí - uma equipa desnorteada, sem rumo nem tino.

Copiamos do sportem a bonómica indiferença, o porreirismo indiferente e a atitude passiva, que levou a toneladas de jogadores sem critério, um afundanço nas contas e o ridículo nacional. Isto para lá de um cemitério de treinadores.

Temos uma liderança que não é exemplo, e ninguém que seja exemplo no balneário. Querem Mística como? Do ar do Dragão? Temos potenciais Capitães no plantel - André André à cabeça. Está na hora de atribuir a braçadeira a quem Sinta, a quem Lidere, a quem dinamize. Pode ser que comece aí uma retoma.

Está na hora da vassoura. De encostar quem não se desunha para garantir aquilo que é um lugar de sonho para todos os jogadores, desde a B aos infantis. E deixar sair quem não quer estar. Por exemplo, Casillas. Quem sabe se o facto de ter um Capitão em campo, por muito pouco que seja, não muda alguma coisa?

Qualquer adepto só pede um FC Porto à Porto, do topo à base. Porque, sem isso, não haverá retoma possível.

40 comentários:

  1. 100% de acordo.
    E nem entendo o porquê de o papel de capitão ser dado a quem tem mais anos de casa.
    Isso não é critério.
    E não pode continuar a ser assumido por atletas que não têm o perfil para tal.
    E sim, é um bom começo (e uma grande ajuda ao treinador), entregar esse papel a quem tem perfil, carácter adequados, por toda a força agregadora que isso pode ter no grupo.
    Abraço, P. Torres

    ResponderEliminar
  2. Caro Jorge Vassalo,

    Creio que o diagnóstico está feito e é aceite pela grande maioria dos portistas. O tema do capitão ou falta dele, é mais um na longa história de descaracterização do clube. Concordo com todos os alertas mas penso que está na hora de avançarmos e contribuirmos para soluções. Era indispensavel que aparecesse uma outra candidatura ao clube. Uma candidatura pela positiva, honrando a história do clube e que apontasse um novo rumo, mais proximo dos adeptos, mais ligado á cidade. Não precisa de ser o A contra o B mas sim o A diferente do B e nunca como nos últimos 30 anos tanta coisa dividiu os portistas.
    Abomino a ingratidão, por isso estarei sempre agradecido ao Presidente Pinto da Costa, contudo é chegado o momento do clube continuar o seu rumo. É muito claro que isto não acontecerá se tudo se mantiver como está e com as actuais figuras ao comando porque simplesmente perderam o norte. O primeiro passo para mudarmos não é mudar o braço que carrega a braçadeira (essa pode ser a primeira decisão), é mesmo ter consciencia que é preciso mudar e isso está longe, muito longe de acontecer com a actual liderança do Porto. Infelizmente, como aponta e bem, os nossos rivais beberam o melhor de nós e deixaram-nos o veneno. O Porto de outrora já não volta. Há de ser um Porto diferente, moderno, mais ligado ás redes sociais, com comunicação firme e una, energico, combativo, rigoroso, disciplinado, atento e absolutamnte focado nos seus adeptos e não nos seus accionistas.

    Já estamos numa benfiquização dos anos 80 e 90 e agora vamos entrar num Milanização dos anos mais proximos. Chega.

    Irei votar nas proximas eleicões, mesmo que haja uma lista única e se tudo ficar como está, não vou apoiar a actual direcção. Está decidido.

    Raoc

    ResponderEliminar
  3. Respostas
    1. Não creio que vá ser assim tão simples...

      Abraço

      Eliminar
    2. Não creio que vá ser assim tão simples...

      Abraço

      Eliminar
  4. Ainda vamos a tempo de resolver esta situação.
    Mas como diz: "Do topo à base".
    Não podemos pedir os jogadores que sintam a camisola e ter a SAD a dormir na bananeira.
    A SAD ou acorda |que me parece nunca mais acontecer| ou então muda-se para pessoas, que sintam que este Clube precise de mudanças urgentes, que venham com o propósito de se envolver com Clube em vez de se envolver com empresários.

    Abraços.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As políticas são de mudança obrigatória.

      Abraço

      Eliminar
  5. Se o Lider (durante mais de 30 anos) não fala...

    Esperar que os jogadores em campo tenham a atitude certa só por milagre mesmo...

    Caminhamos rapidamente para mais um mandato de 4 anos do Presidente, pois ninguem vai aparecer para lhe fazer oposição...

    Quanto mais tempo o Presidente estiver a Liderar o clube (a continuar como nos ultimos 4 anos), mais tempo iremos demorar para nos recompormos...

    ...Mas...

    Opções?

    Quem quer candidatar-se a Presidente do FCPORTO na actual conjuntura da FPF, Liga, Arbitros comandados por Vitor Pereira / Benfica.

    Quem quer enfrentar o PODER discriminatório da Comunicação Social Portuguesa???
    É que por mudar-mos de Presidente não vai fazer com que eles parem de nos desvalorizar...de nos atacar...

    Foram 30 anos de luta, de desaforos constantes, não é qualquer um que aguenta!!!
    Nisso o Presidente foi enorme, mas com que custos???

    Nos ultimos 4 anos deixou de lutar, de falar, de aglutinar as massas..., nos ultimos 4 anos ganhamos um titulo porque Vitor Pereira acreditou...
    Mas saiu...

    Também eu temi que depois da saida de Lucho ficassemos á deriva em campo, e é o que se tem visto...até porque as opções são o que são...

    Mas realmente depois de João Pinto, Jorge Costa, Lucho, entre outros...
    Levar com os actuais Capitães é dose...

    Sublinho e amplifico:
    "Qualquer adepto só pede um FC Porto à Porto, do topo à base. Porque, sem isso, não haverá retoma possível."

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um candidato terá de ter carisma e capacidade agregadora.

      Abraço

      Eliminar
  6. Desta vez estou integralmente de acordo, sem restrições.

    Abraço portista,

    LAeB : Do Porto com Amor


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Haveria de acontecer alguma vez. Espero que mais vezes se sigam.

      Mas com assuntos mais felizes!

      Abraço

      Eliminar
  7. Concordo com tudo.

    Como se pode exigir alguma coisa se os Capitães são Maicon, Herrera e acho que Indy. Algo vai muito mal.

    Abraços

    ResponderEliminar
  8. As massas não mudam, estimulam-se, agregam-se e manipulam-se. Quem pode fazer isso? O "tesão" de líderes, normalmente desconhecidos e corajosos, procurando a glória dos vencedores que lhes dê notoriedade e prestígio, sangrando por tal se necessário. Há trinta e poucos anos o Futebol Clube do Porto conheceu um: Jorge Nuno Pinto da Costa, hoje procuramos outro, mas não existe. Será que esperamos por Godot?

    ResponderEliminar
  9. Sinceramente não sei o que pensar em relação ao jogo de ontem.

    Entramos a perder mas apesar disso acho que reagimos bem e fizemos uma boa 1parte e que podiamos ir a ganhar para o intervalo. Agora a 2parte fiquem sem palavras, não me passa pela cabeça que o maicon simule a lesão agora é inadmissivel deixar a posição, pelo menos deitava-se a pedir assistencia.

    Tb acho que apesar de tudo os jogadores são os 1 a quererem ganhar. Agora se acham que a epoca acabou porque não pomos os miudos da equipa b a jogar? De certeza que os adeptos não iam criar pressão.

    Quanto ao capitão não acho que deva ser atribuido pelo numero de anos de clube, porque não dar a braçadeira a andré andré? Ele sabe o que o clube é.

    Abraço
    Miguel S

    ResponderEliminar
  10. Casillas não quer está cá porquê?
    Não se vai mudar de capitão esta época com certeza, para a próxima, veremos.
    E já se começa a atirar a tolha porquê?
    E também já chega de ódios contra os jogadores por parte dos adeptos. O Maicon não está em condições físicas para jogar desde o jogo com o Moreirense em que acabou o jogo a mancar, e mesmo sim fez um jogaço frente ao Chelsea(viram as fotos do tornozelo dele?). Tal como não estava o Herrera até a alguns tempos atrás.
    O André André poderá ser o capitão na próxima época. Mas também é necessário que venham um central seja para 2º ou 3º, alguém com margem de progressão, um extremo para compensar a quase certa saída do Brahimi e um médio, mesmo que Herrera não saia.
    Isto, juntando também alguns da B.
    No entanto, continuo a acreditar!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A vassourada tem que ir muito para lá disso..

      Abraço

      Eliminar
    2. A vassourada tem que ir muito para lá disso..

      Abraço

      Eliminar
  11. Completamente de acordo, Jorge!
    E direi mais, o FC PORTO tornou-se numa Coreia do Norte!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que eu saiba lá a mensagem é passada 24h por dia.
      A "Coreia" que cá é lá para o sul, onde há manipulação de imprensa e centralismo... e tudo e mais uma coisa, incluindo coisas insignificantes que roubam campeonatos!

      Eliminar
    2. Há que haver alternativas para que haja discussão...

      Abraço

      Eliminar
    3. Que raio de comparação. Como se o líder da Coreia do Norte não falasse. Fala e preocupa, tanto por palavras como por actos.
      Abraço

      Eliminar
  12. Senhor Vassalo, é hora de cuspir as pipocas e vamos à caça da cordonis. Vamos ao ataque. Vamos a Lisboa, Arouca já passou e passou como o Passos Coelho que já passou e é história. Gosto muito de si e do Senhor Vila Pouca. Ele nao sei se é o seu amigo ou familiar, mas eu douvos o trouno.
    Pedro do Bonfim.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sou amigo. Em frente é que é o caminho!

      Abraço

      Eliminar
  13. Continuo a achar que, lacunas incluídas, temos plantel mais do que suficiente para sermos campeões. Ponto. Viram o Sporting ontem? Melhor do que nos? Neste momento só me passa pela cabeça apoiar quem trabalha todos os dias com a rapaziada para mudar o rumo das coisas, mas o Jorge tem toda a razão. E, se me permite, vejo um alcance maior nas suas palavras, quando se refere aos "capitães".

    Mudar Lopetegui teve resultados bons, mas o substrato em que a equipa técnica trabalha manteve-se o mesmo. A mesma falta de comunicação, blindagem do balneários, ausência de proteccao, política de contratações incompreensível alem dos quesitos financeiros, que visavam o mero alivio da folha salarial. Deve dizer-se abertamente que o tempo de Pinto da Costa acabou. Enquanto líder e gestor singrou num contexto que já não existe, e não soube adaptar-se ao novo. Ninguem lhe exigiria tanto; apenas que soubesse ceder o lugar quando o tempo chegasse. Na verdade, esse tempo já passou há alguns anos. Entretanto, as relações de forças no nosso país mudaram, houve uma crise económica, a estrutura humana que gere o clube tornou-se mais complexa, aquilosada e independente do poder centralizado em Pinto da Costa. No seio da nossa SAD desenvolveu-se um clube paralelo, dedicado ao comercio de jogadores, sem que qualquer espécie de poder moderador o orientasse no sentido de servir os interesses desportivo do emblema. É disso que necessitamos, já que varrer o clube de cima a baixo é tão impossível quanto improdutivo. Não tenham duvidas: - aquilo a que assistimos actualmente é a transição para um FCP sem Pinto da Costa, transição essa marcada pela ausência de liderança e respectiva deriva. Quanto vai demorar este período? O tempo que levar a surgir uma alternativa agregadora da insatisfação dos adeptos.

    Tempos perigosos. Mais do que resultados desportivos no imediato, joga-se o futuro do clube.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem sombra de dúvida! É muito importante uma atitude correcta! E alternativas!

      Abraço

      Eliminar
  14. Isto é muito fácil falar, e já não é a primeira vez que começam a vir à baila estes temas...
    Quando ganhámos tudo bem, quando isso não acontece... bem é outra história.
    Qual é a alternativa a esta desigualdade de critérios? É o treinador reclamar? Já vimos como isso foi tratado pela comunicação social e mesmo pelos adeptos. É a tal "exigência". "fomos completamente roubados mas isso não desculpa o resultado".
    Já sabemos que FPF é constituída por elementos Benfiquistas. Já sabemos que a liga pouca autoridade tem. Já sabemos que o Vitinho tem de agradar a quem precisa dele para poder ganhar,
    Mas que nós podemos fazer? Emitir comunicados? Os nossos adeptos não costumam gozar com esse gajo? Dar uns trocos ao Vitor Baía para fazer figuras ridículas à Otávio Machado?
    Como é que combatemos o centralismo, se o único Canal em que o podemos fazer é o nosso Porto Canal?
    Falámos, falámos, falámos, mas que pudemos nós mudar sem ser a qualidade do nosso plantel e dos nosso jogo, se os nossos adeptos cada vez que alguém ligado ao clube critica a arbitragem é criticado? Será que se tivermos um capitão que intimide o árbitro passámos a jogar com as mesmas regras que os outros?
    Se calhar são perguntas e divagações a mais... Mas não há solução à vista. Isto tem de mudar, já! Mas como? Isto é que é importante!
    Até lá, temos de vencer dentro de campo inclinado,

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Sim, já os vencemos com o campo inclinado, com Jesualdo, Villas Boas e Vítor Pereira, Paulo Fonseca e Lopetegui não o conseguiram e em vez de serem apoiados e protegidos pelos adeptos foram o alvo de alguns adeptos.





      Eliminar
    2. Falar ajuda sempre mais do que estar (muito) calado!

      Abraço

      Eliminar
  15. Caro Jorge Vassalo,
    A atitude de Maicon ilustra ao que chegou o Futebol Clube do Porto de Pinto da Costa, transportando a pergunta de como é que alguém fraco como ele chegou a capitão de um clube como o Futebol Clube do Porto, com a agravante de ao longo do tempo se terem multiplicado os sinais de Maicon estar longe do perfil para assumir tal posição. Dir-se-á que outros jogadores votaram nele, que é ou que era o mais antigo no clube mas o facto é que foi um erro inadmissível, revelando um deixa andar impensável numa organização de alto nível como é a do Futebol Clube do Porto. Muitos erros se vão somando nos últimos quatro anos à gestão de Pinto da Costa um dos quais tem a ver com a Comunicação, a propósito da qual o Presidente resumiu a qualquer coisa mais ou menos assim: “Meia dúzia de tipos que publicam umas coisas às quais eu não ligo”, numa recente entrevista ao Porto Canal, enfim, o pior cego é aquele que não quer ver, poder-se-ia concluir. Nunca é demais lembrar o que o Presidente fez pelo Porto, um homem de quem, goste-se ou não, ficará na memória futura dos Portugueses, bem ao contrário dos midas e dos ilusionistas que para aí andam cujos nomes rapidamente se converterão em poeira. Depois de uma vida gloriosa e tendo em conta a miséria que a equipa principal de futebol do FC Porto atravessa actualmente, Pinto da Costa arrisca-se a sair de cena pela porta pequena, corrido do Porto da mesma forma e pelas mesmas razões que ele e a sua corrente de apoio afastaram Américo de Sá há trinta anos. O Porto vai em três anos de apagamento aos quais se somarão quatro na presunção de que será eleito nas próximas eleições, arriscando-se a passar sete sem ganhar nada, a caminho do terceiro sem títulos, com a agravante de ser ridicularizado e prejudicado de forma grosseira pelas arbitragens. Pinto da Costa correrá o risco de não resistir aos apelos da sua entourage e da sua família para o manter no poder até ao impossível mas poderá também inspirar-se noutra atitude, por exemplo na do grande Homem que foi Nelson Mandela que abdicou do poder que tinha e que era todo, em benefício da estabilidade e da melhor governabilidade do seu país. Pinto da Costa será o melhor presidente do Porto de todos os tempos e porque é um homem excepcional, não deixará de fazer o melhor para o Porto como nos habituou. Tem todo o poder para isso pelo que bastará apontar alguém para presidente que os sócios irão por ele e isso evitaria agitação no clube. O seu tempo acabou, é a vida. Ficará muito bem como Presidente Honorário. É essa nobreza que os portistas esperam dele. Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para bem dele também, espero que tudo isto mude...

      Abraço

      Eliminar
  16. A braçadeira simboliza a gestão do clube.

    Vai para o jogador, pura e simplesmente para o valorizar para uma futura venda. É ridículo.

    De qualquer forma, para a próxima época não há desculpa. André André para capitão.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A ter um FC Porto à Porto, é um bom exemplo, sim.

      Abraço

      Eliminar
  17. Capitães: André^2, Layún, Helton. Esta lista por esta ordem.
    Sub-capitães: Neves, Danilo. Esta lista por esta ordem.

    Abraços!

    ResponderEliminar