sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

Espaço Z: Exigência e Inteligência

Há já algum tempo que um pós-jogo não me deixava tão furioso como o de ontem. Fui lendo o que se escreveu por aí, as reacções "a quente" da bluegosfera e das redes sociais, e senti-me um bocado perdido numa qualquer dimensão a largas milhas daquela em que, conscientemente, penso que todos nos encontramos. Acho que anda tudo a delirar. Anda por aí muita gente enganada e, pior, não sabe que anda.

1- O mês de Janeiro foi dos meses mais negros na história azul-e-branca, desde que me recordo de ver futebol. Terá havido situações piores, acredito, mas talvez a fase final de Lopetegui tenha apenas comparação com o (felizmente) curto reinado de Octávio Machado. Todos nos divorciámos uns dos outros - jogadores entre si e do treinador, o treinador da direcção, a direcção do treinador, e os adeptos de quase tudo o que respira. A equipa caiu como um castelo de cartas, e a já frágil posição de Lopetegui abanou como se um terramoto o tivesse atingido. Pediu-se a cabeça do treinador, até não mais ser sustentável que continuasse. Uma série negra de resultados, equívocos, má gestão, azelhice, teimosia e, acima de tudo, de exibições miseráveis, fez com que a saída do basco fosse apenas uma questão de tempo, não porque fosse produzir qualquer milagre, mas porque deixou de haver um mínimo de condições para que continuasse. Uma solução mais forçada do que planeada. Um desgaste absoluto entre um indivíduo, jogadores e adeptos. Um fatalismo que se adivinhava.

2- Quem anda nisto há algum tempo, e tem a capacidade de ver tudo sem extremismos, fantasias pueris, soube que nesse momento se estava a dar uma machadada na presente época. As trocas de treinador raramente produzem resultados imediatos, e especialmente neste caso, tentar mudar o "chip" de jogadores que foram sendo formatados ao longo de um ano e meio para jogar sempre da mesma forma, num futebol previsível e mastigado, de pouco risco, era tarefa quase impossível. Nenhum treinador consegue fazer uma transição profunda com a época a meio. Nenhum! Especialmente num campeonato em que cada vez mais uma derrota pode significar um atraso irrecuperável, visto que os 3 principais candidatos raramente perdem pontos. Era, como tal, necessário escolher alguém que conseguisse minimamente juntar os cacos, limpar alguns corpos estranhos do balneário e, acima de tudo, reorganizar a equipa. Também era fixe que fosse conseguindo fazê-lo, ganhando. E se possível com jogos a cada 3 dias, portanto, com pouco espaço para treinar. Há ainda quem acredite que ser treinador é como no Football Manager: carrega-se nuns botões, faz-se a táctica, escolhe-se jogadores e coloca-se o Aliados do Lordelo a lutar pelo título de Campeão Europeu com o Barcelona. Se calhar, mas só se calhar, o treino é uma parte fundamental do sucesso duma equipa. Dos meiinhos às peladinhas, passando pelos exercícios complexos com cones de todas as cores, é aí que se corrige e trabalha os posicionamentos, movimentações, bolas paradas, etç. Lamento desapontar-vos, mas o sucesso dá trabalho. Do departamento de scouting aos fisioterapeutas. Do treinador aos preparadores. Do Chidozie ao Casillas. E não é em cima do joelho, sob intensa pressão, que se transforma merda em ouro. Não é mesmo. É preciso trabalho de base, treino, paciência, luta, tempo. Tempo. Tê-lo-emos? Trabalho de base... Pois...

3- A maior falácia vendida esta época pela CS, foi a de que o nosso plantel é o "mais-melhor-fabuloso-invencivel do últimos 10 anos". Não, dos últimos 30 anos! E, como sempre acontece, lá houve portistas a emprenhar pelos ouvidos, gente que ainda não percebeu que é sempre necessário desconfiar mil vezes dos elogios da imprensa. Queria fazer uma comparação posição a posição, mas não tenho tempo nem energia para tal. Peco-vos que recordem as temporadas do mais recente tricampeonato e me digam um, um só (!!) jogador titular que não tivesse lugar de caras nesta equipa. O sucesso dá trabalho, dizia em cima. Mas também é preciso talento. Se possível, bastante talento. Surpreende-me, como tal, que haja quem diga que "não temos Danilo, Alex Sandro, Jackson, Oliver mas foram bem substituídos!". Comoooo?? Onde? Onde, caralho?? Maxi mais lutador do que Danilo? Talvez. André André mais portista do que Oliver, sem dúvida! Layun mais líder e menos soneca do que Alex? De acordo. Aboubakar mais... Nada do que Jackson? Também. Melhores? Muito melhor servidos? Mas estamos a brincar gente? Temos um plantel desequilibrado, com demasiados jogadores banais, demasiados jogadores apenas e só esforçados, lutadores, mas pouco mais. E os poucos verdadeiramente talentosos, não chegam para as encomendas. Pego em Danilo para exemplificar: tem sido um motor da equipa, mas já ouvi por aí que até faz esquecer o Fernando... Fará? Já viram a quantidade de golos que temos sofrido porque o rapaz recupera a passo? A quantidade de vezes que a nossa defesa fica exposta porque o corredor central não tem um único jogador a fazer transição defensiva? E não é de agora, é desde o início da época. Pode melhorar, decerto vai melhorar, mas ainda é um miúdo com potencial é muito para aprender. André André, um puto esforçado, de sangue na guelra, portista até aos dentes mas... Quantas vezes recebe e roda directamente para a baliza, como um bom médio deve fazer? Quantas bolas complicadas consegue colar no pé? A Malta gosta de comparações, mas esquecem-se muito duma coisa: para cada João Pinto, tínhamos um Madjer e um Futre; para cada Nuno Valente ou Ricardo Costa, tínhamos um Deco ou Alenichev; para um Jorge Costa, tínhamos um Ricardo Carvalho. Não nos deixemos enganar. Temos um plantel voluntarioso, solidário, mas muito, muito mediano. Melhor plantel porque gastamos muito dinheiro? Porque fomos "gastar 20M" em Imbula? Tenham juízo ...

4- A decisão de despedir Lopetegui não foi planeada. Erro colossal da SAD, que nos podia ter custado já o campeonato em Guimarães, ou a Taça no bessa. Brincou-se com o fogo, andou-se ali a enrolar porque, espantem-se, conseguir trazer para uma cadeira a arder um treinador em condições é muito difícil. Estou certo de que houve verdade em algumas das sondagens que foram sendo feitas, mas acredito que o timing tenha sido um obstáculo demasiado pesado para se avançar. Falou-se muito de Marco Silva, Leonardo Jardim, e até do regresso do traidorzeco AVB. A surpresa foi geral (incluo-me neste "pacote") com a opção por Peseiro. Não vou estar aqui a analisar o treinador a fundo, mas não me parece que seja uma opção excelente, nem uma opção tresloucada. Terá defeitos e qualidades mas, acredito, seria a opção mais viável para abraçar o colossal desafio de nos tentar fazer chegar a bom porto ainda esta época. E só pela coragem de entrar assim numa casa a arder por todos os lados, merece o meu respeito. Mais importante do que tudo, ao entrar em Janeiro, no ponto escandalosamente baixo que atingimos nessa altura, seria impossível assacar quaisquer responsabilidades a José Peseiro pelo que restasse da época, coisa que durou até ontem - segundo percebi.

5- Quando todos caímos na realidade, e percebemos que qualquer colosso como o Dynamo Kyev conseguia vir dar um banho de bola ao Dragão com a maior das facilidades, ficou claro que a época europeia não. Semanas mais tarde, consumada a eliminação dessa competição, fomos colocados perante uma das mais difíceis (senão a mais dificil) equipas da Liga Europa. O poderoso Dortmund, renascido pelas mãos de Tuchel, 2º classificado dum campeonato eternamente liderado pelo super-Bayern, com o melhor ataque da competição. Uma equipa renascida das cinzas, com qualidade a rodos em praticamente todos os sectores. Campeões mundiais, campeões alemães, jovens a transpirar potencial e, acima de tudo, uma base humana e táctica que se mantém há seguramente 5/6 anos. Alguma semelhança com o FC Porto? Só por piada se pode pensar que sim. Poupem-me! Alguém pensou ser possível, no decorrer da hecatombe de Janeiro, virmos a melhorar tanto no espaço de mês e meio, para que fôssemos capazes de eliminar o Dortmund. A duas mãos? Jogando o primeiro jogo fora? Ainda por cima carregados de ausências e limitações? Eu gosto muito de acreditar em vitórias épicas, e acho que a vitória na Luz já teve contornos assim. Mas o Benfica não é o Dortmund. Campeonato não é eliminatória. Jogar sem um jogador, não é o mesmo que jogar sem vários. Ter toda a gente em forma, não é o mesmo que ter meia equipa de gatas. Não são desculpas; são factos. Estão ali, bem à vista de todos. Queriam o quê, meus caros? Que fôssemos de peito feito à Alemanha apanhar 4 na pá? Acham que íamos ter mais oportunidades de golo assim? Não consideram que teria sido bem diferente se tivéssemos jogado primeiro em casa? Queriam que esta equipa, com cacos colados com cuspo, conseguisse fazer dois jogos épicos contra uma equipa fortíssima?

6- Não me senti defraudado nem envergonhado pelo Porto desta eliminatória em Dortmund. Envergonhado, senti-me depois de Famalicão e de Santa Maria da Feira. Envergonhado senti-me na Luz o ano passado, ou em Alvalade este ano. Porque aí, para além de ver zero futebol, vi zero de atitude. Mas nestes dois jogos? Nada disso. Como muitos de vocês, odeio perder, odeio ter de me conformar com a superioridade do adversário. Mas por vezes precisamos de analisar bem os factos antes de recorrermos a conclusões idiotas, possivelmente as conclusões que mais tenho visto por esse mundo cibernético fora desde ontem. Acho muito bom sermos exigentes; gostava que essa exigência fosse bem medida. Não posso exigir mais a um treinador que chegou com um barco a afundar e que, neste momento, ainda o consegue manter à tona. Não consigo ficar chateado com uma equipa que, sabendo das suas limitações, e apesar da mediocridade de algumas unidades, chegou ao final do jogo completamente rebentada.

7- O argumento de "sentir-mo-nos defraudados por Peseiro disse uma coisa e depois fez outra", é absolutamente espectacular. Podia o homem ter dito "Vá, hoje vou colocar a jogar outros jogadores, porque tenho metade da equipa a soro desde Domingo, e no próximo Domingo dava-me jeito ganhar ao Belenenses. Partimos com uma desvantagem espectacular de 2-0 contra esta equipa fabulosa, mas como acho que não conseguimos dar a volta, vou poupar jogadores. Nem precisam de comparecer no Estádio; eu sei como vocês gostam de ir lá só mesmo se houver ópera e vitórias por 5-0, por isso nem se deem ao trabalho. Fiquem em casa quentinhos a ver o Big Picture, mas acendam uma velinha por nós, tá bem? Obrigado e Deus nos ajude!" ? Poder, podia. Mas se calhar ia ser um bocado complicado. Foi um discurso de clichês? Foi sim senhor, igual ao de 99% dos intervenientes no futebol. Se poupou André André e Herrera, Brahimi e Corona para que possam estar a 100 % para foder o Belenenses, óptimo! Ele não precisava de me dizer ao que ia: eu vejo todos os jogos do Porto, e percebi perfeitamente. Notas negativas a um treinador que está nesta posição? Críticas a quem menos culpa tem do momento que vivemos? Mas estamos a brincar? Um gajo que consegue fazer o que dois imbecis não conseguiram durante dois anos (ganhar na Luz e conseguir reviravoltas a perder por 0-2), com um plantel remendado e vindo directamente do esgoto, e é esta a paga. E os jogadores? Ontem, lutaram que se fartaram, correram até as pernas falharem. Se não fizeram mais, foi porque tiveram do outro lado uma equipa muito melhor. Uma equipa que, para chegar onde está, passou pelo Inferno, preparou as bases, e tem estado continuamente no Top da Europa. Muitos de nós parecem ter esquecido que foi com esse trabalho de base, com essa luta, com essa paciência e perseverança que conseguimos tudo o que conseguimos.

28 comentários:

  1. Colega, que orgulho de te ter aqui no tasco! Cá fantástica posta, pá!

    Abraçom

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado eu, por me deixares rabiscar por aqui!

      Eliminar
  2. Acho que aquela 'indignação' toda deve-se mesmo a ignorância de muitos adeptos...

    não conhecem nada do Dortmund, nem conhecem os jogadores...e pensam que eles não são assim tão fortes...

    Se fosse com um Real Madrid já era normal...mas não percebem que o Dortmund não fica muito atrás de um Real...

    ResponderEliminar
  3. E onde está a raiz deste problema?
    SAD.
    Uma SAD que não se tem importado com o que se passa por este futebol PT, fica calada não age nem reage, uma SAD morta que só está virada para o negócio.
    Quando é que o futebol e as modalidades são principalmente o negócio? Em nenhum lado, o futebol e outras modalidades são o jogo jogado dentro das quatro linhas, tabelas, cordas, etc. são os adeptos e é o ambiente sentido em cada um.
    Esta SAD continua a pensar que de negócio a negócio é que vai bem, então o principal timoneiro desta mesma perdeu o caminho que tinha feito desde há muito tempo.

    E por muito que haja descontentamento pela bluegosfera, redes sociais convívios pessoais, os srs. da SAD continuaram com a opinião: "Critiquem a vontade que não vale a pena porque nós é que percebemos do assunto".

    Os recentes discursos tem vindo a ser algo positivo, mas se em Junho-Setembro não houver mudanças drásticas então podem continuar no silêncio porque se for para discursar é a mesma coisa que "falar mas sem dizer nada".

    Jorge Nuno Pinto da Costa trabalhou, lutou, fez e criou um rumo inesquecível, digno e impensável, mas não pode aproveitar estes factos para fazer o que se está a fazer ou a deixar fazer.
    Pinto da Costa é Pinto da Costa mas FC Porto é o FC Porto.

    Ou a SAD arregaça as mangas e põem as mãos à obra, ou então vamos continuar nós Portistas a indignarmos para o ar, já que esta nossa indignação não chega aos ouvidos de quem tem que ouvir.

    Só o FC Porto importa, não certas pessoas.

    E todos nós temos de estar em prol do FC Porto.

    Excelente texto!

    Abraços.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Filipe,

      É verdade que a SAD tem muitas responsabilidades em muito do que se tem passado. E nós, adeptos, também as temos. Precisamos urgentemente de parar com este processo de aburguesamento que começou no pós-kelvin. Quando começar a ser mais importante ver o Porto a jogar do que ir a correr gozar com os nossos rivais quando perdem, ou quando voltarmos a fazer da nossa casa um Inferno para os adversários que lá entrem, talvez tenhamos feito a nossa parte. Não digo que tenhamos de ser ceguinhos, mas temos de nos deixar de reacções como a de ontem.

      Um abraço

      Eliminar
  4. Excelente texto...

    Resta apoiar a equipa com uma táctica diferente, um treinador novo, os jogadores, com exigência QB e tem de ser mesmo exigência QB e esperar que o treinador seja audaz nos momentos certos e que ainda podem fazer uma boa Época este ano...

    Dessa forma ainda acredito que se possa ganhar algo de significado esta época, de outra forma, se os "assobiadores" ou "pipoqueiros" do Face ou fóruns voltar, então entraremos por caminhos conhecidos noutras paragens...

    E o que me entristece é isso, é os Portistas não aprenderem com os erros dos outros...

    É recuperar os lesionados e entrar com tudo em Belem, pois sabemos qual é o arbitro e o Historial nos jogos do FCP...

    E só um PORTO de ALMA pode vencer esse jogo.

    Gil Lopes

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Gil,

      Mesmo que tal não signifique títulos no imediato, teremos de entender que é impossível criar bases de sucesso a trocar treinadores e jogadores ano após ano.

      Estabilidade, paciência.

      Um abraço

      Eliminar
  5. Concordo com tudo o que disse, mas ainda assim entristece-me ver o nosso porto ser eliminado sem discutir a eliminatória. Não vai muitos anos, a única equipa alemã capaz de nos eliminar sem necessitar de uma dose monumental de sorte, era o Bayern Munique.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Paulo,

      A mim também me entristece que o fosso seja agora tão grande. Mas efectivamente é. As equipas alemãs passaram por uma altura complicada ali nos finais da década de 90/inícios de 2000, mas souberam reinventar-se e surgem hoje como clubes sólidos, com fornadas fortíssimas de jogadores, de bons treinadores, excelentes infraestruturas. Digamos que souberam ter a paciência de recuperar a força de outrora. Não digo que não fôssemos capazes de causar mais dano ao Dortmund (convém não esquecer que fomos jogar lá absolutamente depenados), mas numa eliminatória seria sempre mais complicado passar. Demos a luta que pudemos dar e que, por muito que nos custe, podemos dar. Poderia ter sido um pouco melhor caso tivéssemos a carne toda para meter no assador, mas não tínhamos. Fomos caçar com gatos em vez de cães, e a este nível isso pesa muito. Para voltarmos a conseguir competir neste tipo de eliminatórias, precisamos de modificar muita coisa. Acredito que lá chegaremos, com tempo.

      Um abraço

      Eliminar
  6. Caro Z,
    Podia dizer muita coisa sobre este seu post, Poder, realmente podia, mas você já disse tudo e, como tal, só me resta dizer, completamente de acordo.

    Cumprimentos

    Ana Andrade

    www.portistaacemporcento.blogspot.com

    ResponderEliminar

  7. @ Z

    respeito a tua opinião, mas discordo dela completamente. as razões do meu descontentamento estão expressas no comentário do Paulo Azevedo: o Brasão Abençoado merecia mais. e, ontem, o que houve foi menos: um abandono e uma resignação que me envergonharam.

    há um ponto no qual eu não cedo: mesmo sabendo de todas as contingências que rodearam a eliminatória de 180′ (lesões, castigos, ausências forçadas, o diabo a sete!), considero que não fizemos tudo que estava ao nosso alcance. achei a equipa resignada cedo demais, ainda o apito para o início dos segundos 90′ não tinha sido dado. e, isto não pode ser.
    noutros tempos, teríamos vendido cara a derrota e, estou certo, a passagem à fase seguinte. tudo por uma questão de Brio, de Honra, de Profissionalismo, de Tradição, e sobretudo de Respeito – principalmente pelos cerca de 32 mil espectadores que desembolsaram (pelo menos) vinte mocas para ver o seu Clube do coração. e o que lhes foi dado? um espectáculo deprimente, onde a História do Brasão Abençoado foi “atropelada” por algo vom o qual não posso concordar, de todo: a perspectiva de que o jogo seguinte é que é o mais importante e que o de ontem “seriam favas contadas”.
    isto, meu caro, é algo que percebi muito cedo na partida e que me entristeceu bastante – bem mais do que as duas derrotas. aliás, houve um momento em que desejava que fosse possível recuperar o Deco, que foi ver o jogo (e mais dois ou três daquela geração), para fazer “duas perninhas” na partida (e dado que não são mancos! :D ). como era de todo impossível, resignei-me – juntamente com os 11, mais os suplentes e o treinador, que estavam lá em baixo, no terreno de jogo, a envergonhar-nos.

    assim sendo, este pecadilho que o Peseiro cometeu – enquanto responsável primeiro pelo que decidiu para esta eliminatória -, ser-lhe-á cobrado, e bem cobrado!, se tudo se desmoronar, como não é meu desejo, antes pelo contrário. tem a palavra a Equipa, já este Domingo, para desmentir tudo o que acima proferi.

    e, sim!, já esqueci o Fernando, apesar das lacunas que o Danilo apresenta.
    confesso que não percebo muito de bola, de técnicas, de tácticas e afins (deixo isso para os reflexivos da treta, sejam eles paineleiros e/ou bitateiros em sítios como o '4-4-2', ou outros), mas sei reconhecer que, nestes seis meses, o chavalo apresenta uma margem de progressão que o Fernando nunca teve. assim de repente, olha: não tem medo de rematar à baliza adversária.

    por último, reafirmo que respeito muito a tua opinião, mas nem sempre podemos estar de acordo ;)

    forte abr@ço
    Miguel | Tomo III

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Miguel,

      É óptimo discordarmos, porque tal só enriquece as opiniões de ambos e os nossos argumentos. No primeiro ponto, nada a dizer. Temos visões diametralmente opostas :)

      Quanto ao Danilo estou totalmente de acordo contigo quanto ao potencial e à margem de progresso. Eu gosto dele! Mesmo! Mas ainda comete muitos erros numa fase fundamental da transição. Não teve sorte com a instabilidade da época, mas será a melhor surpresa do ano, a par de Layun.

      Grande abraço

      Eliminar
    2. Caríssimo Miguel,
      Como eu compreendo o teu desalento em quase tudo semelhante ao meu, mas...
      Há pelo menos um capítulo com o qual concordo com o nosso bom amigo Z:
      para se obterem resultados, sucesso, vitórias, é preciso um intenso trabalho de base, trabalho, muito trabalho... Um plantel ou tem uma equipa técnica competente, exigente e capaz de motivar, mobilizar os seus profissionais, ou é o fracasso que pode ser total ou parcial... E neste momento parece-me ser parcial...
      Na minha opinião o treinador ideal está entre as características dum Yustrich e dum Mourinho ou AVB... porém a um técnico com estas características o FC Porto não teria financeiramente possibilidades de lhe pagar...!
      Um dos outros problemas já aqui aflorado, é o facto da FC Porto-Futebol,SAD ter planificado no joelho as últimas 3 ou 4 épocas...
      Também a mim me quer parecer que presentemente temos um Pinto da Costa aburguesado e em parte resignado... Será?!
      E relativamente a este último facto digo o seguinte: não adianta o pessoal chatear-se muito, pois enquanto não aparecer um candidato credível para ser oposição a Pinto da Costa, o marasmo vai continuar...

      Abr@ço
      Armando Monteiro,
      www.dragaoatentoiii.wordpress.com

      Eliminar

    3. @ Z

      ok. concordamos em que discordamos. de forma salutar, claro. se não fosse assim, daria molho, com certeza :)

      @ Armando

      a questão da SAD está a montante deste problema: na planificação da época e na estruturação do plantel. haverá tempo para essa análise.
      no jogo em causa, em que estava em causa o Brio do Clube, não foi a SAD que escalonou aquele onze, por exemplo - 11 esse que colocou em causa tudo o que Peseiro afirmara 24h antes e sobre quais seriam os propósitos para a partida.

      abr@ço
      Miguel | Tomo III

      Eliminar
  8. Na mouche.
    Abraço, P. Torres

    ResponderEliminar
  9. Concordo em quase tudo... faltou ali uma referência à arbitragens dos tais jogos.
    No entanto, chamar imbecil ao Paulo Fonseca não é justo, muito menos a Julen Lopetegui, que nos levaria ao título o ano passado se... Lisboa não fosse a capital, e o centro da comunicação social e coisas ligadas ao futebol. Imbecis são aqueles que nos roubam descaradamente, e infelizmente aqueles mesmo sendo nossos, nos assobiam.
    E também não desvalorizemos a qualidade do plantel, mesmo que haja lacunas, mais a nível dos suplentes.

    ResponderEliminar
  10. Concordo com o texto que acho excelente. Se aqui há culpados o dedo só pode apontar aos incompetentes da Sad que construiu ou deixou construir um plantel tão desequilibrado.E ainda os vamos aturar mais 4 anos?

    ResponderEliminar
  11. Respostas
    1. Caro Augusto,

      Reveja os golos do Moreirense, que confirmam o que lhe digo. Acho que é um monstro físico, que tem uma capacidade fantástica de queimar etapas e furar pelo corredor central. Recupera muitas bolas, é certo, mas nos momentos de desequilíbrio faz lembrar o Casimiro da primeira metade da época anterior. A instabilidade não ajuda, mas vai evoluir neste capítulo, de certeza.

      Eliminar
  12. Concordo com a totalidade do Post. A acrescentar somente a falta de qualidade da equipa está associado à qualidade do trabalho da SAD, e penso que se estivesse realmente preocupados com o FC Porto não se recandidatavam.

    Uma palavra para Danilo pois considero que as más recuperações se devem mais a erros estruturais da equipa do que propriamente a erros individuais, Fernando com Paulo Fonseca também parecia um passador.

    Abraços

    ResponderEliminar
  13. A incompetência da SAD à parte, acho que muito bom portista simplesmente não sabe o que quer. Ora estão revoltados com o Herrera, porque não falha um passe, ora o Herrera já é o maior Capitão, que começa a discutir com os árbitros. Depois é o Sérgio Oliveira que entra e marca um golo de livre, que espectáculo, mas quando entra de início, que nulidade aí já é o Peseiro que é pé-frio. O Brahimi pouco ou nada faz para aquilo que era suposto, e refilam de estar no banco. Corona tem estado sem acertar sequer uma para aí nos últimos 4, 5 jogos, depois é o Peseiro que é incompetente por deixá-lo no banco. O Chidozie sim senhor, grande miúdo com grande potencial, que varre o Jonas e tudo (muitos esquecem-se da falha no primeiro golo contra o benfica), mas depois no jogo do Moreirense sofremos dois golos em parte porque o mesmo Chidozie, em vez de fechar o espaço, o abre ainda mais. Na primeira mão contra o Dortmund, tudo vociferava porque o Layún teve de jogar a central, clamava tudo pelo Verdasca nessa posição. Na segunda mão idem.

    Garanto que, se a equipa fosse outra, e o resultado o mesmo, estaria tudo a dizer mal do Peseiro. Se o Verdasca tivesse jogado e a aposta tivesse falhado, era o Peseiro; e por mais que o puto tenha potencial, a aposta seria demasiado arriscada. A equipa está presa por arames, muito tem feito o Peseiro com aquilo que tem. Apesar dos resultados menos positivos, as exibições são francamente melhores do que quando estava lá o Lopetegui.

    Eu não percebo nada disto, mas se há uma coisa onde acho que o Peseiro devia ter alterado na abordagem ao jogo com o Dortmund, foi no ponta-de-lança. O Aboubakar ainda não sabe pressionar. Muitas vezes estava indeciso se era ao Weigl ou ao Hummels que devia fazer o pressing. Quando o Varela ou o Marega ou o Evandro tentavam ir mais para cima do portador da bola com rapidez, o Aboubakar raramente acompanhava em velocidade (e lembram-se? foi assim que conseguimos dois golos no Dragão contra o Bayern). Naquele jogo, penso que o Suk devia ter entrado de início -- é muito mais irrequieto e causa muito mais estragos na defensiva do Dortmund. Estes foram jogos para se jogar em pressing. Mas também compreendo que quisesse gerir um pouco a equipa, mesmo sendo para a Liga Europa e contra o Dortmund. Nem no FM vamos estar a fazer entrar um jogador que está com condição física abaixo de 80%, isso é pedir a desgraça alheia.

    Não sei até que ponto é que a equipa médica e os preparadores físicos mudaram, mas claramente a mudança de sistema pede muito mais fisicamente dos jogadores do que o modelo do Lopetegui. Naturalmente desconheço o que se passa nesse campo, mas cheira-me que possa haver um desajuste em termos de treino de preparação física, que espero que estabilize antes da próxima época.

    É preciso paciência, acima de tudo. É coisa que muito portista não tem. Acho que não podemos pedir muito mais à equipa neste momento. E mesmo a Taça não me parece tão garantida como muita gente está a pensar. Parece que na Taça apenas está o Porto e o Gil. Do outro lado esquecem-se que está um Rio Ave muito bem preparado e um Braga que tem vindo a mostrar ser bastante competente. Não estejamos a contar com o ovo no cu da galinha, meus amigos. Qualquer que seja o jogo, realisticamente falando, mesmo os do campeonato (ainda mais os da Taça) vão ser muito complicados.

    Agora claro, que o que é necessário, isso sim, é alternativas à presidência. E estou a ver que ninguém dos associados se vai mexer. Assim, não estejam à espera de grandes mudanças na política de contratações. Vão ser mais quatro anos do que aconteceu nos últimos três; não há milagres.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Algo que nós adeptos não saberemos com profundidade mas a questão das metodologias de treino usadas pelos treinadores estarão a pesar no (sub)rendimento de jogadores fundamentais. O aparecimento de lesões musculares, o abaixamento de forma tudo isso revelara métodos muito diferentes de trabalho.
      Enfim,um dos riscos de se mudar de comandante a meio da época.
      Abraço, P. Torres

      Eliminar
  14. Caro Z,

    Muita conversa e não muito sumo... todos nós sabemos ao que Peseiro veio mas onde é que acabam as desculpas para isso e começa a avaliação do trabalho do treinador? Na próxima época é?

    Desde que Peseiro pegou no Porto, o nosso índice de golos sofridos subiu radicalmente a culpa é dos jogadores e da SAD certo?

    Peseiro fala na imprensa coisas que só ele vê e que só Lopetegui via na altura também, mas sobre Peseiro caladinhos...

    Temos muita coisa já para analisar mas vamos lá esperar e ficar em 3º lugar que a próxima época é que interessa...

    Para mim isso não funciona... os jogadores que entraram contra o Dortmund podiam ter feito muito mais e não fizeram porque a táctica não o deixou.

    Não fizeram porque Peseiro não quis perder por mais...

    Não o fizeram porque preferiu cortar completamente os corredores, ao meter Layun no centro da defesa e Varela e Marega nas alas, acabando com tudo o que pudesse ser jogada combinada de ataque.

    Não o fizeram porque Danilo e Ruben Neves tiveram ordens para nunca saírem da posição e os laterais atacar com muita cautela.

    Quando falas de modelos e métodos e etc... eu também troquei de treinadores a meio da época, e o que normalmente acontecia era começar a construir a casa por trás, revendo e treinado o sistema defensivo para depois, com os jogos, começarem as combinações e entendimentos ofensivos... alguém vê alguma coisa dessas no Porto atual? E não é por jogar Chidozie ou Martins Indi ou o Pepe que os problemas defensivos de Peseiro vão acabar... o problema dele está no sistema de jogo que privilegia um descontrole total do meio-campo no momento da perda de bola, e se a isso misturar-mos a falta de routinas do mesmo e os jogadores de rastos.... game over!

    Peseiro tem muitas desculpas, mas o campo táctico e o comportamento da equipa, já não! Aí já tem que ser chamado à responsabilidade e não é perguntar porque é que jogou Varela ou Marega, mas sim perguntar, porque é que Varela e Marega recebiam a bola junto à linha e depois ficavam com o lateral na linha atrasada que lhe fez chegar a bola e sem linha de passe para mais ninguém, especialmente a nível dos médios...

    ResponderEliminar
  15. Concordo com quase tudo, menos quando diz que despedir o Lopetegui foi um erro colossal; foi de facto um erro colossal, por pecar por tardia. O balneário estava roto; a relação com os adeptos estava rota. A equipa entrou numa espiral negativa. Também não concordo quando se fala de Peseiro como opção E ou F: tenho quase a certeza absoluta que foi a 1a opção. Falar em Jardim e Silva foram fait-divers. Alguém tem noção de quanto custaria contratar esses treinadores, por mais vontade que estes tivessem de regressar a Portugal. Então a insinuação sobre o Conceição foi uma anedota, por culpa da SAD que não desmentiu a situação a tempo. Espanta-me também esses adeptos que dizem que o Peseiro não sabe defender - a equipa tem dois centrais, e dois laterais e meio… Os mesmos que pediram a cabeça do Maicon são os mesmos que agora queixam-se da falta de centrais. Os mesmos que dizem que faltam jogadores à "Porto" são os mesmos que acham que o Varela não devia estar no plantel (qtos anos tem ele de Porto?), nem o Maicon. Os mesmos que dizem que o Porto não tem extremos de jeito, assobiavam o Tello e aplaudiram quando ele saiu. Os mesmos que são contra as contratações de jogadores sul-americanos sem experiência são os mesmos que criticam a chegada de Marega e Suk. Aquilo que acho é todos esses adeptos deveriam comprar um lugar anual… para o museu… só lá é que há jogadores à Porto, jogadores que não falham, que ganham ou ganharam….

    ResponderEliminar
  16. Vou comentar este post da mesma forma como alguns adeptos criticam a equipa e o clube:

    Eh pá, este post, está todo mal.
    Porque é que o autor não usou mais virgulas?
    E porque é que em vez de falar do momento da equipa, não preferiu comentar a influência dos raios cósmicos na vida sexual das formiguinhas? Isso sim, é prioritário!
    Aliás, se fosse eu a escrever teria escrito de uma forma completamente diferente.
    Como? Nâo sei, mas seria de uma forma completamente diferente.
    Teria usado dois computadores para escrever, em vez de um, por exemplo...


    Uma vergonha, uma vergonha....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Ribeiro,

      Soube há uns dias que as formiguinhas andam todas com graves problemas de "força" por causa dos asteróides que têm caído na terra. Eheh

      Um abraço

      Eliminar